O Casamento dos Trapalhões

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Casamento dos Trapalhões
 Brasil
1988 •  cor •  86 min 
Direção José Alvarenga Jr.
Roteiro Mauro Wilson
Paulo Andrade
Carlos Alberto Diniz
Elenco Renato Aragão
Dedé Santana
Mussum
Zacarias
José de Abreu
Nádia Lippi
Grupo Dominó
Terezinha Elisa
Marlene Silva
Susana Mattos
Carlos Wilson
Luciana Vendramini
Patrícia Lucchesi
Tatiana Delamare
Helga Gahyva
Género Comédia
Direção de fotografia Nonato Estrela
Companhia(s) produtora(s) Renato Aragão Produções
ZDM Produções
Columbia Pictures
Art Films
Distribuição Embrafilme
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

O Casamento dos Trapalhões é um filme brasileiro de Os Trapalhões de 1988 dirigido por José Alvarenga Júnior. Baseado no filme estadunidense "Sete Noivas para Sete Irmãos" de 1954.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Os irmãos Didi, Dedé, Mussum e Zacarias, são pessoas simples que vivem em uma grande fazenda repleta de animais no interior do Estado de São Paulo em meio a muita sujeira e bagunça. Sentindo que ali ainda falta algo, Didi visita uma cidade próxima em busca de uma noiva. Durante uma confusão em um bar, provocada pelo encrenqueiro Expedito (vivido por José de Abreu), Didi se apaixona pela garçonete Joana (Nádia Lippi). Eles se casam e quando chegam à fazenda, ela fica apavorada com a sujeira na casa e a falta de modo dos irmãos de Didi, mas mesmo assim, resolve ficar. A irmã dos trapalhões lhes escreveu uma carta pedindo para que deixem seus sobrinhos, os integrantes do Grupo Dominó passarem um período na fazenda, pois os garotos iriam se apresentar no show de rodeio da cidade. Dedé, Mussum e Zacarias, acompanhados de Didi e Joana vão então para a cidade para assistirem ao show e acolher os sobrinhos. Todos acabam conhecendo namoradas, e fogem com elas para a fazenda após uma nova confusão. Expedito, querendo se vingar de Didi, convence os pais das moças de que os Trapalhões as raptaram e os convencem a realizar uma expedição a fazenda, com o auxílio do delegado. Ao final, tudo é esclarecido e após se livrarem de Expedito, Dedé, Mussum, Zacarias e seus sobrinhos se casam com seus respectivos cônjuges, enquanto Joana engravida e Didi ganha uma filha.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Participação especial[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Matheus Bonez em sua crítica para o Papo de Cinema destacou: "Didi Mocó e companhia levaram alegria a crianças de várias gerações, por anos, e suas produções cinematográficas são parte disso. Porém, é claro que nem sempre a fórmula deu certo, pois a graça dos Trapalhões era justamente seu pastiche, o humor espontâneo, o exagero nas piadas físicas. Em O Casamento dos Trapalhões, a produção tosca, assim digamos, dá lugar a técnicas mais apuradas, em todos os âmbitos: direção, fotografia, roteiro e montagem. A história é bem contada, tem seus momentos divertidos, mas, tirando o fato de termos o quarteto de sempre, não parece o que todos esperam da trupe. Chega até a ser sem graça."[1]


Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

Canções do filme[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Matheus Bonez (5 de abril de 2016). «O Casamento dos Trapalhões». www.papodecinema.com.br. Consultado em 20 de outubro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.