O Coronel e o Lobisomem (romance)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O Coronel e o Lobisomem: deixados do oficial superior da Guarda Nacional, Ponciano de Azeredo Furtado, natural da Praça de Campos dos Goitacazes : romance
Autor(es) José Cândido de Carvalho
Idioma Português
País  Brasil
Género Ficção brasileira, romance
Localização espacial
Terras da baixada campista, Santo Amaro, Ponta Grossa dos Fidalgos, São Gonçalo, Fazenda Paus Amarelos, e em Campos, Rua da Jaca, Rua da Quitanda, Rua Aquidabam, altos da livraria Ao Livro Verde
Editora J. Olympio
Lançamento 1970
Páginas 304

O Coronel e o Lobisomem é segundo livro do escritor brasileiro José Cândido de Carvalho, sendo lançado em 1964.

Trata-se da história do coronel Ponciano de Azeredo Furtado, membro da Guarda Nacional, de menino a herdeiro, de Mata-Cavalo (alusão à casa de Dom Casmurro) e Sobradinho, entre outras propriedades, a especulador de açúcar e cavaleiro quixotesco.

Do início ao fim do romance o leitor é levado ao espírito do Cel. Ponciano, sentindo suas emoções e paixões, ao qual este dá um tom narrativo na primeira pessoa, interagindo com seu grande rival Nogueira, e seu eterno amor Esmeraldina.

Resumo[editar | editar código-fonte]

Romance em primeira pessoa. Ponciano de Azevedo Furtado, neto de Simeão, oficial superior da Guarda Nacional, espécie de herói picaresco de Campos dos Goytacazes, cidade do Rio de Janeiro, conta suas façanhas e seu esforço em lutar contra as mais variadas formas de injustiça: contra o valente de circo (Vaca-Braba), contra o cobrador de impostos, contra o tipo agiota. Espécie de cavaleiro andante das causas perdidas, solteirão rico, é cobiçado pelas mães ansiosas pelo casamento de suas filhas. Apesar de fraco no entendimento de coisas econômicas e administrativas (especulação do café) é um forte na arte de desencantar assombrações e cair na artimanha de mulheres casadas. O Coronel e o Lobisomem funde o realismo fantástico (inspirado na literatura de cordel e na fábula), e o retrato dos resíduos da sociedade patriarcal brasileira, valorizadora da coragem e atrelada, simultaneamente, a superstições e atavismos de toda a natureza. Esse realismo "fantástico" ou "mágico" que aproxima José Cândido de Carvalho de autores importantes de ficção latino-americana (Gabriel Garcia Marques, Vargas Llosa etc.) pode ser entendido como a resposta artística ao fenômeno de desmagicização do mundo, resultado do violento choque entre o Ocidente que avança e os povos extra europeus que se rebelam, tentando consciente ou inconscientemente, defender suas criaturas autóctones. É ainda uma vez a luta do instinto contra a civilização, do primitivo contra o moderno, do mágico contra o racional, do surreal contra o real.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Ponciano de Azevedo Furtado, neto de Simeão, oficial superior da Guarda Nacional, proprietário de fazendas de gado do interior fluminense, atraído pela vida da cidade e pela atividade de negociante, emigra para Campos dos Goitacazes, não conseguindo, porém, integrar-se no meio urbano. Dividido entre o mundo dos pastos e a vida citadina, Ponciano enlouquece, depois de perder quase toda sua fortuna.

Espécie de herói picaresco dos Campos dos Goitacases, estado do Rio de Janeiro, conta suas façanhas e seu esforço em lutar contra as mais variadas formas de injustiça: contra o valente de circo (Vaca-Braba), contra o cobrador de impostos, contra o tipo agiota. Espécie de cavaleiro andante das causas perdidas, solteirão rico, é cobiçado pelas mães ansiosas pelo casamento de suas filhas.

Apesar de fraco no entendimento de coisas econômicas e administrativas (especulação do café) é um forte na arte de desencantar assombrações e cair na artimanha de mulheres casadas.

Ao lado de Ponciano vivemos os mais divertidos casos e as mais fantásticas aventuras, caçamos uma onça-pintada e nos deparamos com uma sereia. Também namoramos bastante, que o coronel é chegado "num recurvado de moça bonita". O ponto culminante da narrativa é o embate com o lobisomem: não é qualquer comedor de farinha que pode lidar com lobisomem, bicho de muita astúcia no atacado e no varejo.

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.