Deus Cornífero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de O Deus)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Junho de 2008). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O deus Cornífero é uma das duas principais divindades encontradas na Wicca e algumas formas relacionadas de Neopaganismo. O termo deus Corníferi é anterior à Wicca, e é um termo sincrético do início do século XX para um deus antropomórfico com chifres ou antleros com origens pseudohistóricas, parcialmente baseadas em deidades masculinas com chifres,[1], a partir de uma gama de mitologias, mesmo que historicamente não relacionadas.

Essas divindades incluem, por exemplo, o celta Cernuno, os gregos Pan, Dionísio, Apollo e sátiros, e mesmo pinturas rupestres do Paleolítico como "o Bruxo" ("Le Sorcière") na caverna francesa de Le Trois Frères. Os Panteões tradicionais dos deuses corníferos são os europeus, pois que aí se deu o berço de suas crenças.

O deus Cornífero para um Bruxo é o Consorte da Deusa Mãe, a Criadora e Incriada. Esta é a visão dos Neopagãos na religião Wicca.

O deus Cornífero é o deus fálico da fertilidade. Geralmente é representado como um homem de barba com casco e chifres. Ele é o guardião das entradas e do círculo mágico que é traçado para o ritual começar. É o deus dos bosques, o rei do carvalho e do azevinho e senhor das matas. É o deus que morre e sempre renasce. Seus ciclos de morte e vida representam nossa própria existência.

A mais antiga imagem conhecida do deus Cornífero é aquela do deus com chifres de cervo ou alce, o Senhor das Florestas. Com o passar do tempo, à medida que a humanidade se tornava sedentária, passando da fase coletora para o desenvolvimento de uma agricultura e a domesticação de animais, surgem as imagens do deus com chifres de touro, carneiro, veado e bode. Em todo caso, todas essas imagens o representam como o deus portador da renovação e da virilidade.

O antigo Cornífero é o Caçador das Florestas, o Homem Verde, o Senhor dos Animais, o ctônico e escuro Senhor das Sombras que habita o submundo, o Senhor da Morte. O deus em seu único aspecto celeste representa o Sol – representando o pilar masculino, porém seus principais atributos, que o concretizam como o deus na Wicca, são esses citados.

Com o surgimento da agricultura, o deus torna-se associado às culturas agrícolas, como o Senhor das Colheitas, que se oferece em sacrifício para que a humanidade possa sobreviver. A origem dos ritos da comunhão é muito antiga, quando o povo consumia a natureza divina transformada em pão e vinho, unindo-se ao seu espírito. Esses ritos estavam intimamente ligados aos mistérios da transformação e reencarnação, e eram retratados nos ciclos do reino vegetal e no mito da Roda do Ano ou calendário wiccano.

Ícone de esboço Este artigo sobre Wicca é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Michael D. Bailey Witchcraft Historiography (review) in Magic, Ritual, and Witchcraft - Volume 3, Number 1, Summer 2008, pp. 81-85