O Estranho Caso de Angélica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
O Estranho Caso de Angélica
L'étrange affaire Angelica (FRA)
El extraño caso de Angélica (ESP)

Poster do filme
Portugal Portugal Flag of Spain.svg Espanha
 França  Brasil
2010 •  cor •  97 min 
Realização Manoel de Oliveira
Produção François d'Artemare
Renata de Almeida
Maria João Mayer
Luis Miñarro
Argumento Manoel de Oliveira
Elenco Ricardo Trêpa
Leonor Silveira
Pilar López de Ayala
Género drama
Música Maria João Pires
Direção de fotografia Sabine Lancelin
Figurino Adelaide Maria Trêpa
Edição Valérie Loiseleux
Lançamento
  • França 16 de março de 2011
  • Portugal 28 de abril de 2011
  • Espanha 20 de maio de 2011
  • Brasil 30 de agosto de 2013
Idioma português

O Estranho Caso de Angélica é um filme de 2010 do género drama fantástico. Co-produzida internacionalmente (entre Portugal, França, Espanha e Brasil), a longa-metragem é realizada e escrita por Manoel de Oliveira.[1] Oliveira concebeu a ideia para o argumento em 1946 e escreveu-o inicialmente em 1952.[2] A narrativa acompanha Isaac (interpretado por Ricardo Trêpa), um fotógrafo que é chamado de urgência por uma família rica para fazer o último retrato de Angélica (personificada por Pilar López de Ayala), uma jovem que faleceu após o seu casamento.[3]

Foi o filme de abertura da secção Un certain regard no Festival de Cannes, a 13 de maio de 2010.[4] A sua distribuição comercial iniciou-se em França a 6 de março de 2011.[5] O Estranho Caso de Angélica chegou às salas de cinema portuguesas a 28 de abril de 2011[6] e brasileiras a 30 de agosto de 2013.[7]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Em Portugal, na década de 50, Isaac, um jovem fotógrafo sefardita, é inquilino na modesta pensão de Dona Rosa, em Peso da Régua. Numa noite de tempestade, acorda subitamente quando é chamado com urgência por uma família abastada para uma missão inusitada: tirar o último retrato da filha, Angélica, uma jovem que morreu logo após o seu próprio casamento.[8] Deslocando-se a uma Quinta, Isaac encontra a família enlutada da jovem. Numa sala, o fotógrafo «descobre» Angélica, ficando deslumbrado com a sua beleza. Para seu assombro, no momento em que a olha através da objetiva tentando focar a imagem, Angélica parece ganhar vida só para ele. Por breves segundos, ela pisca os olhos e sorri-lhe.[9]

No dia seguinte, o fotógrafo regressa à atividade que o trouxe à região do Douro e sai para documentar os antigos métodos de trabalho nas vinhas, com especial atenção aos chamados "cavadores da terra".[10] Mas Isaac não consegue esquecer a imagem de Angélica e sente-se magicamente assombrado pela jovem. Vive perseguido pelo poder encantador das sucessivas aparições do fantasma de Angélica, que o deixam profundamente apaixonado.[11] Gradualmente, o fotógrafo exausta-se e distancia-se cada vez mais do meio que o rodeia e da vida e rotina social, até que acaba por sucumbir sem aparente explicação.[12]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Equipa técnica[editar | editar código-fonte]

  • Realização e argumentoManoel de Oliveira[4]
  • Produção: François d'Artemare[14]
  • Produtor executivo: João Montalverne
  • Direção de fotografia: Sabine Lancelin[15]
  • Montagem: Valérie Loiseleux
  • Guarda-roupa: Adelaide Maria Trêpa
  • Som: Henri Maikoff
  • Música: Maria João Pires
  • Pós-produção: Mireia Ibars

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

No longo intervalo que se seguiu à produção de Aniki Bóbó, em 1946, falece dias depois do seu casamento Maria Antónia, uma prima de Maria Isabel Carvalhais, esposa de Manoel de Oliveira. Este evento terá inspirado o realizador para escrever, em 1952, um argumento com o título Angélica. A narrativa fora originalmente concebida como uma resposta à Segunda Guerra Mundial, sendo Isaac um fotógrafo judeu refugiado recém-chegado a Portugal, numa tentativa de escapar ao conflito. O guião incluía uma discussão sobre a perseguição aos judeus e as origens do antissemitismo.[16]

Oliveira submeteu o projeto à apreciação do Secretariado Nacional de Informação, órgão de censura prévia do Estado Novo. O realizador nunca viria a obter uma resposta desse instrumento do Estado. Manoel de Oliveira considerou que "Uma história como esta não tinha nada que agradasse ao regime. Não lhe servia, nem do ponto de vista político, nem como distração para o povo […]. O argumento deve ter-lhes parecido a denúncia velada de um governo totalitário que cortava as asas à liberdade".[17] Angélica foi um dos projetos de Manoel de Oliveira, cujo financiamento fora sucessivamente negado, forçando-o a um hiato de 14 anos até O Pintor e a Cidade.[12]

Angélica (1954): Un découpage[editar | editar código-fonte]

Angélica (1954): Un découpage
Autor(es) Manoel de Oliveira
Idioma Português
Género Guião
Localização espacial Paris
Editora Editions Dis-Voir
Lançamento 1993
Páginas 123
ISBN 978-2906571808

Em 1988, a Cinemateca Portuguesa (Lisboa) publica a obra Alguns projectos não realizados e outros textos - Manoel de Oliveira, na qual se inclui a planificação de Angélica e de outros projetos como Bruma (1931), Os Gigantes do Douro (1934), Prostituição (1940) e Saltimbancos (1944).[17] Numa das cenas do documentário Oliveira, l'Architecte, gravado em 1992, Oliveira conta detalhadamente o episódio que inspirou o argumento de Angélica, assumindo o desgosto por nunca ter realizado o projeto.[18]

Quatro décadas depois da sua escrita, o argumento do filme seria publicado, com o título Angélica (1954): Un découpage, pela editora francesa Dis-Voir (Paris) em 1993[19], com uma edição inglesa em 1998.[20] No prefácio desta edição, Manoel de Oliveira descreve como o falecimento de Maria Antónia inspirou a narrativa: "Recebemos um telefonema […] informando-nos que Maria Antónia se teria sentido mal. […] Como sabia que eu tinha sempre uma câmara fotográfica no porta-luvas do automóvel, pediu-me para fazer uma fotografia, dizendo que a morta estava muito bonita […] A minha câmara era uma Leica anterior à guerra, cujo foco era obtido através de um visor onde a imagem se desdobra e se sobrepõe […]. Este exercício específico de foco deu-me a estranha impressão de ver uma alma a sair do corpo".[21]

Pré-produção[editar | editar código-fonte]

Já no século XXI, o produtor francês Leon Cakoff convence Manoel de Oliveira a regressar ao projeto de Angélica.[22] Na sua abordagem ao argumento, o realizador quis manter o essencial da história, uma vez que, como afirmou "os judeus eram perseguidos pelos alemães, agora são perseguidos pelos muçulmanos, e o mundo continua em guerra".[17] Ainda assim, procurou adaptar o argumento com elementos contemporâneos e a planificação às possibilidades que o cinema não apresentava nos anos 50.

O Estranho Caso de Angélica é o resultado de uma produção internacional entre as empresas Filmes do Tejo II (Portugal), Eddie Saeta SA (Espanha), Les Films de l’Après-Midi (França) e Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (Brasil). A obra contou com a participação financeira do Instituto do Cinema e do Audiovisual, RTP, Centre National du Cinéma et de l’Image Animée, Fundação Calouste Gulbenkian, Programa Ibermedia, Instituto de la Cinematografía y de las Artes Audiovisuales e do Fundo Nacional de Cultura do Ministério da Cultura do Brasil.[23]

Temas e estética[editar | editar código-fonte]

Característico do cinema de Oliveira, O Estranho Caso de Angélica é rico em intermedialidade com a literatura e a pintura. As citações de Antero de Quental e excertos recitados de As encruzilhadas de Deus (José Régio, 1936) ajudam a definir a atmosfera do filme.[12] O modo como o filme representa o espírito e o amor dos personagens através das fotografias do protagonista sugere a ideia de que apenas a arte revela a verdade. Desse ponto de vista, a alma da imagem do cinema transcende à sua materialidade dos corpos e da película.[24]

O filme, propositadamente, desorienta entre passado e presente: por um lado, a pensão de Rosa e a Quinta da família de Angélica parecem reportar para os anos 50, mas outros aspetos, como as preocupações contemporâneas com a crise económica na conversa entre os hóspedes intelectuais, transportam os espetadores para o presente. O autor assumiu a preponderância do tema: "Veja a Europa neste momento e em particular a Espanha e Portugal, é algo terrível. […] Tudo isso está ligado aos meus pensamentos, mesmo que eu não queira."[22]

Há vários outros indícios de que a obra reflete sobre a passagem do tempo, as consequentes transformações desse movimento constante e a inevitabilidade da morte. Fá-lo, por exemplo, através do registro de Isaac dos trabalhadores braçais, contrapostos à maquinaria da modernidade.[25] Mas acima de tudo, com O Estranho Caso de Angélica, Oliveira reflete sobre a história da arte cinematográfica e revisita os seus primórdios, na sua relação com a fotografia e na possibilidade de essas duas artes conservarem a beleza e manter uma aura, no sentido do pensamento de Walter Benjamin.[26] Oliveira elimina qualquer contra senso e abraça todas as formas de cinema com perspicácia, utilizando CGI pela primeira vez na sua carreira.[27] Oliveira disse que o cinema hoje é "o mesmo que era para Lumière, para Méliès e Max Linder. Aí você encontra o realismo, o fantástico e o cómico. Não há mais nada a acrescentar a isso, absolutamente nada".[16]

A paisagem noturna de Peso da Régua, que Manoel de Oliveira filma numa referência a Georges Méliès.

O longo travelling lateral a preto e branco em que Angélica e Isaac sobrevoam horizontalmente a paisagem noturna e sem chuva de Peso da Régua e do Rio Douro é uma das cenas mais comentadas do filme. A sua estética foi comparada com a de Georges Méliès. O tom é voluntariamente fantástico, amoroso, ingénuo e nostálgico.[28]

Vários elementos do filme foram também associados a referências hitchcockianas, nomeadamente a filmes como Rebecca (1940).[29] Em O Estranho Caso de Angélica surgem diversos planos sobre-enquadrados por binóculos e objetivas fotográficas nos quais Manoel de Oliveira se serve da tecnologia para atualizar esta estética mais característica dos filmes da década de 50.[30]

A flor branca aparece recorrentemente como um dos motivos centrais do filme, sugerindo pureza como no culto mariano e no ideal feminino. Na cena em que o casal protagonista voa sobre a Régua, Isaac apanha do rio e entrega a Angélica uma flor branca. Na cena seguinte, durante o pequeno-almoço, Isaac está absorto na recordação do sonho, fixando uma flor branca que enfeita uma jarra. Esta imagem associa-se diretamente a Angélica, ela também sempre usando o seu branco vestido de noiva.[12] Angélica surge também como símbolo de presságio, loucura e morte. Há inúmeras referências sonoras à morte ao longo da obra: as melopeias, cantadas pelos cavadores das vinhas do Douro; os sinos da igreja no cortejo fúnebre; os cânticos religiosos do coro feminino; o trinar do pintassilgo, como premonição; o som do apito do comboio; e os cânticos populares das crianças no olival, antes de encontrarem Isaac prostrado no solo.[31]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Lançamento[editar | editar código-fonte]

O Estranho Caso de Angélica foi selecionado para edição de 2010 do Festival de Cinema de Cannes, onde estreou na abertura da secção Un certain regard a 13 de maio.[4] França foi o primeiro país onde o filme teve distribuição comercial, pela Epicentre Films. Estreou a 6 de março de 2011.[5] Em Portugal, a obra ante-estreou a 27 de abril do mesmo ano, numa sessão no Auditório da Fundação de Serralves.[6] Distribuído pela ZON Lusomundo Audiovisuais, o filme teria estreia comercial no dia seguinte. No ano 2011, O Estranho Caso de Angélica foi também lançado comercialmente em países como Espanha (pela Karma Films) e Holanda (pela Amstelfilm). Nas salas de cinema brasileiras, a obra estreou a 30 de agosto de 2013.[7]

Festivais[editar | editar código-fonte]

Após a sua estreia no Festival de Cinema de Cannes,[32] o filme percorreu um longo circuito de Festivais internacionais de cinema, dos quais se destacam os seguintes:

Receção[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Aquando a sua estreia em França, O Estranho Caso de Angélica recebeu 32.674 de espetadores em sala. Este foi o país europeu onde o filme foi mais visto. Seguiu-se Espanha, com 6.019 espetadores, e Portugal, com um total de 2.724 espetadores em 2011.[34] O filme teve uma receita internacional correspondente a cerca de 123.500€.[35]

Crítica[editar | editar código-fonte]

O Estranho Caso de Angélica recebeu, de forma geral, comentários positivos pela crítica especializada. No agregador de críticas Rotten Tomatoes, o filme mantém um rating de aprovação de 85%, baseado em 27 críticas, com um rating médio de 7.60/10.[36] Num outro agregador, Metacritic, que atribui uma classificação até 100 a partir das publicações de críticos de cinema convencionais, o filme recebeu uma pontuação de 75, com base em 8 críticos, indicando "críticas geralmente favoráveis".[37]

Em Portugal, os vários críticos do Público escreveram textos elogiativos, excetuando Vasco Câmara que se revelou menos impressionado.[38] Luís Miguel Oliveira atribui 4 estrelas ao filme (em 5), impressionado pelo modo como a obra se assume atraída pelo meio cinemático: "Talvez não se exagere muito se, desse ponto de vista, se disser que se trata dos filmes mais confessionais de Oliveira".[39] Para Jorge Mourinha, é esta visão da história e génese do cinema que atribui charme e validade ao filme.[40]

No Brasil, o filme foi igualmente bem recebido. José Geraldo Couto, do Instituto Moreira Salles, expande a ideia comentada por Mourinha, defendendo que o encanto de O Estranho Caso de Angélica reside no modo como Manoel de Oliveira mantém um pé ancorado no cinema realista prosaico e ao simultaneamente explora uma abordagem da fantasia.[29] Luiz Santiago (Plano crítico) define a obra de "cinema puro e muitíssimo particular"[41] e Sérgio Alpendre (Folha de S. Paulo) defende que "ninguém mais filma como Oliveira. Suas marcas autorais são inconfundíveis: os enquadramentos simétricos, a frontalidade em muitas cenas, a câmera que pouco se movimenta, os personagens que surgem inesperadamente da sombra ou de fora do quadro, o humor peculiar, o claro-escuro, a preocupação com o texto".[42] Bruno Carmelo, na plataforma Adoro Cinema, escreve que a longa-metragem está repleta de uma metalinguagem cinemática que representa "um coquetel irresistível aos cinéfilos mais românticos".[24]

Em publicações internacionais, os críticos revelaram-se impressionados por aspetos semelhantes, como Kevin Thomas do Los Angeles Times[43] e A.O. Scott do The New York Times enaltecem a simplicidade e inteligência com Manoel de Oliveira equilibra o misticismo e o quotidiano ao longo do filme.[44] Keith Uhlich (Time out) descreveu do seguinte modo o travelling em que Angélica e Isaac sobrevoam Régua: "é provavelmente uma das mais estimulantes visões do doce abraço da morte alguma vez filmados".[45]

Listas de melhor filme[editar | editar código-fonte]

Publicações incluíram O Estranho Caso de Angélica entre os dez primeiros lugares em listas de melhores filmes. Elas estão listadas abaixo, por ordem de classificação:

Referências

  1. «The Strange Case of Angelica (O Estranho Caso de Angélica)». Cineuropa - the best of european cinema (em inglês). Consultado em 17 de março de 2021 
  2. «The Strange Case of Manoel de Oliveira, still making films at 101». the Guardian (em inglês). 13 de maio de 2010. Consultado em 17 de março de 2021 
  3. «TVCine | O Estranho Caso De Angélica». www.tvcine.pt. Consultado em 17 de março de 2021 
  4. a b c «Filme abriu a secção «Un Certain Regard»». TVI. 14 de maio de 2010. Consultado em 4 de agosto de 2013 
  5. a b «L'Etrange affaire Angélica, ce film de Manoel de Oliveira vous hantera longtemps». Toutelaculture (em francês). 6 de março de 2011. Consultado em 17 de março de 2021 
  6. a b «Manoel de Oliveira cumpre sonho em «O Estranho Caso de Angélica» - Atualidade - SAPO Mag». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 17 de março de 2021 
  7. a b Marafon, Renato (29 de agosto de 2013). «O Estranho Caso de Angélica | CinePOP». Consultado em 17 de março de 2021 
  8. «O Estranho Caso de Angélica». VEJA SÃO PAULO. Consultado em 17 de março de 2021 
  9. a b Portugal, Rádio e Televisão de. «O Estranho Caso de Angélica - Filmes - Drama - RTP». www.rtp.pt. Consultado em 17 de março de 2021 
  10. AdoroCinema, O Estranho Caso de Angélica, consultado em 17 de março de 2021 
  11. Público. «O Estranho Caso de Angélica». Cinecartaz. Consultado em 17 de março de 2021 
  12. a b c d Delgado, Ana Maria & Delgado,. (2018). O estranho caso de Angélica" de Manoel de Oliveira: um viajar fora do tempo. Nov. 2018 Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG. Belo Horizonte, v. 12, n. 23, nov. 2018. v. 12, n. 23, 2018. 1982-3053.
  13. a b «STRANGE CASE OF ANGELICA (THE)». inter.pyramidefilms.com. Consultado em 17 de março de 2021 
  14. «O ESTRANHO CASO DE ANGÉLICA». Programa Ibermedia. Consultado em 17 de março de 2021 
  15. Nascimento, Frederico Lopes / Marco Oliveira / Guilherme. «O Estranho Caso de Angélica». CinePT-Cinema Portugues. Consultado em 17 de março de 2021 
  16. a b c «J. Hoberman on Manoel de Oliveira's The Strange Case of Angelica». www.artforum.com (em inglês). Consultado em 17 de março de 2021 
  17. a b c Andrade, Sérgio C. «Angélica, uma história de assombração». PÚBLICO. Consultado em 17 de março de 2021 
  18. «Manoel de Oliveira, o Arquitecto». Consultado em 6 de março de 2021 
  19. Barbosa, Maicon. (2015). O fascínio da imagem: a experiência do fora e o filme O estranho caso de Angélica. outra travessia. 249. 10.5007/2176-8552.2015n18p249.
  20. «Angelica (1954) : Shooting Script by De Oliveira, Manoel: Very Good Paperback (1998) | Pamela Bakes at Page Two - ABA». www.abebooks.com (em inglês). Consultado em 17 de março de 2021 
  21. «Fundação de Serralves». www.serralves.pt (em inglês). Consultado em 17 de março de 2021 
  22. a b «Press Conference: The Strange Case of Angelica - Festival de Cannes». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 17 de março de 2021 
  23. a b «43ª Mostra Internacional de Cinema - Filme - O Estranho Caso de Angélica». 43.mostra.org. Consultado em 17 de março de 2021 
  24. a b AdoroCinema, O Estranho Caso de Angélica: Críticas AdoroCinema, consultado em 17 de março de 2021 
  25. «O Estranho Caso de Angélica». Consultado em 17 de março de 2021 
  26. Delgado, Ana Maria dos Santos Silva (28 de novembro de 2018). «O estranho caso de Angélica, de Manoel de Oliveira: um viajar fora do tempo». Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG (23): 129–144. ISSN 1982-3053. doi:10.17851/1982-3053.12.23.129-144. Consultado em 18 de março de 2021 
  27. «Cinética». www.revistacinetica.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  28. «O Estranho Caso de Angélica: afinidade entre Fantástico e Documental Rita Benis1». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 18 de março de 2021 
  29. a b «O estranho caso de Manoel». Blog do IMS. 30 de agosto de 2013. Consultado em 17 de março de 2021 
  30. «contracampo :: revista de cinema». www.contracampo.com.br. Consultado em 17 de março de 2021 
  31. «ANGÉLICA: A MULHER, O MISTÉRIO E A MORTE, REENCARNADA CINQUENTA E SEIS ANOS DEPOIS». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 18 de março de 2021 
  32. «Opening of Un Certain Regard: O Estranho Caso de Angelica by Manoel de Oliveira - Festival de Cannes». webcache.googleusercontent.com. Consultado em 17 de março de 2021 
  33. «O estranho caso de Angélica | IFFR». iffr.com. Consultado em 17 de março de 2021 
  34. «O Estranho Caso de Angélica». Lumiere 
  35. «The Strange Case of Angelica». Box Office Mojo. Consultado em 17 de março de 2021 
  36. The Strange Case of Angelica (2010) (em inglês), consultado em 17 de março de 2021 
  37. The Strange Case of Angelica, consultado em 17 de março de 2021 
  38. Público. «O Estranho Caso de Angélica». Cinecartaz. Consultado em 18 de março de 2021 
  39. Oliveira, Luís Miguel. «Mundo fantasma». PÚBLICO. Consultado em 18 de março de 2021 
  40. Mourinha, Jorge. «O Estranho Caso de Angélica». PÚBLICO. Consultado em 17 de março de 2021 
  41. planocritico (23 de julho de 2019). «Crítica | O Estranho Caso de Angélica». Plano Crítico. Consultado em 17 de março de 2021 
  42. «Crítica: Manoel de Oliveira celebra o cinema com 'O Estranho Caso de Angélica' - 30/08/2013 - Ilustrada». Folha de S.Paulo. Consultado em 17 de março de 2021 
  43. Facebook; Twitter; options, Show more sharing; Facebook; Twitter; LinkedIn; Email; URLCopied!, Copy Link; Print (7 de março de 2011). «Film review: 'The Strange Case of Angelica'». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 18 de março de 2021 
  44. Scott, A. O. (28 de dezembro de 2010). «In Remote Corner of Portugal, a Photographer Finds More Than He Expects (Published 2010)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 18 de março de 2021 
  45. «Your ultimate guide to New York City». Time Out New York (em inglês). Consultado em 18 de março de 2021 
  46. SAPO. ««O Estranho Caso de Angélica» é o 2º melhor filme do ano para a «Cahiers du Cinema»». SAPO Mag. Consultado em 17 de março de 2021 
  47. «Top 10 des années 2010 | Cahiers du Cinéma» (em francês). Consultado em 17 de março de 2021 
  48. «Filmes de Pedro Costa e Manoel de Oliveira nos melhores da década para o Festival de Toronto». C7nema. Consultado em 18 de março de 2021 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]