O Filme da Minha Vida (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Filme da Minha Vida
Cartaz do filme "O Filme da Minha Vida"
 Brasil
2017 •  cor •  
Direção Selton Mello
Produção Vânia Catani
Leonardo Eddeo
Laise Nascimento
Coprodução Globo Filmes[1]
Roteiro Selton Mello
Marcelo Vindicatto
Elenco Johnny Massaro
Bruna Linzmeyer
Vincent Cassel
Bia Arantes
Gênero Drama
Romance[1]
Direção de arte Claudio Amaral Peixoto
Figurino Kika Lopes
Cinematografia Walter Carvalho
Companhia(s) produtora(s) Bananeira Filmes[1]
Distribuição Vitrine, MGM[1]
Lançamento 3 de Agosto de 2017
Idioma português
Orçamento R$ 1.218.000[1]
Receita R$ 243.000[1]
Página no IMDb (em inglês)

O Filme da Minha Vida é um filme brasileiro de drama, romance e comédia de 2017, dirigido pelo ator e diretor brasileiro Selton Mello. Com produção de Vânia Catani, Leonardo Eddeo e Laise Nascimento e roteiro de Selton Mello e Marcelo Vandicatto, direção de arte de Claudio Amaral Peixoto e cinematografia de Walter Carvalho, foi lançado nos cinemas nacionais em 3 de agosto de 2017 através da Vitrine Filmes. Traz no elenco Johnny Massaro, Bruna Linzmeyer, Vincent Cassel, Bia Arantes e Selton Mello. O filme é baseado no livro Um Pai de Cinema do chileno Antonio Skármeta.[2]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Serras Gaúchas, 1963. O jovem Tony Terranova (Johnny Massaro) precisa lidar com a ausência do pai, que foi embora sem avisar à família e, desde então, não deu mais notícias ao filho. Tony é professor de francês num colégio da cidade, convive com os conflitos dos alunos no início da adolescência e vive o desabrochar do amor. Apaixonado por livros e pelos filmes que vê no cinema da cidade grande, Tony faz do amor, da poesia e do cinema suas grandes razões de viver. Até que a verdade sobre seu pai começa a vir à tona e o obriga a tomar as rédeas de sua vida.[3][4]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

O filme foi gravado nos meses de abril e maio de 2015 na Serra Gaúcha, nas cidades de Cotiporã, Veranópolis, Bento Gonçalves, Garibaldi, Farroupilha, Monte Belo do Sul e Santa Tereza. O orçamento da produção do filme de 450 mil reais foi pago pelo governo do Brasil através da Agência Nacional do Cinema (ANCINE) em 2015.[1] Em 2016 recebeu mais 768 mil reais do Fundo Setorial do Audiovisual para a distribuição nos cinemas.[5]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Francisco Russo do website AdoroCinema deu ao filme a classificação 2,5/5 (2.5 de 5 estrelas.) e disse "Se é possível compreender O Filme da Minha Vida como um passo seguinte natural após O Palhaço, pela ambientação retratada, é necessário também reconhecer que o tom poético aqui apresentado soa, em vários momentos, artificial e pouco convincente. Em meio a tantos problemas narrativos e de direção, o filme se sustenta apenas no bom elenco e na bela ambientação de época".[6]

Renato Marafon em sua crítica ao Cinepop deu ao filme uma classificação 4.5/5 (4.5 de 5 estrelas.) elogiando a fotografia, ambientação, direção e trilha sonora, além da habilidade de conciliar diversos gêneros diferentes em uma única obra.[7]

Camila Sousa do website Omelete concluiu "O grande problema de O Filme da Minha Vida é o seu final e a resolução do conflito com o pai. Enquanto a publicação deixa o desfecho da história em aberto, o filme faz tudo de forma bem explicada e coloca seus protagonistas em contradição com suas próprias crenças. (...) Com isso, o arco de amadurecimento dos personagens é prejudicado, dando a sensação de que eles pouco mudaram desde o começo da trama. Faltou ao filme perder o medo de não ter um final feliz e ser mais coerente com sua própria história",[8] e finalizou com a classificação 2/5 (2 de 5 estrelas.).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.