O Independente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde abril de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

O Independente foi um jornal semanário português, fundado em 1988, detido pela SOCI - Sociedade Independente de Comunicação, fundada e presidida por Luís Nobre Guedes[1]. O seu primeiro número foi publicado a 20 de Maio de 1988 e o último no dia 1 de Setembro de 2006. O seu primeiro diretor foi Miguel Esteves Cardoso, coadjuvado por Paulo Portas (que viria a ser o segundo diretor) e por Manuel Falcão.

O projeto influenciou sobremaneira o jornalismo português, ao assumir-se como um contraponto conservador e elitista, mas simultaneamente libertário e culto, à imprensa esquerdista que prevalecia na época. Teve como colaboradores nomes como Agustina Bessa Luís, Vasco Pulido Valente, António Barreto, João Bénard da Costa, Maria Filomena Mónica, João Miguel Fernandes Jorge, Joaquim Manuel Magalhães, M. S. Lourenço, Maria Afonso Sancho, Leonardo Ferraz de Carvalho, Pedro Ayres Magalhães, Rui Vieira Nery ou Edgar Pêra. Atribuiu uma enorme importância à fotografia, contando com o trabalho de fotógrafos importantes como Inês Gonçalves, Daniel Blaufuks e Augusto Alves da Silva.

Na década de 1990 quase todas as semanas surgia uma manchete denunciando uma figura pública (ministros, governantes, políticos), casos de corrupção, uso indevido de fundos públicos. Várias pessoas terão sido acusadas justamente, mas outras foram consideradas inocentes pelos tribunais e o jornal foi sujeito a vários processos por difamação. Enquanto Portas e Helena Sanches Osório faziam estremecer os alicerces do governo de Aníbal Cavaco Silva, com a denúncia semanal e impiedosa de escândalos políticos, Miguel Esteves Cardoso ocupava-se da parte cultural, no destacável Vida; outras vezes fazia dupla com Paulo Portas em entrevistas a figuras da política e cultura portuguesa. Foi um dos principais responsáveis pelo declínio do cavaquismo, facto que mais tarde iria tornar extremamente difíceis as relações entre o CDS-PP liderado por Paulo Portas, que acabou por iniciar uma carreira política, e o PSD. Teve também um papel na transformação do CDS em Partido Popular.

Após a saída de Portas, o jornal teve como diretores, sucessivamente, Constança Cunha e Sá, Isaías Gomes Teixeira, Inês Serra Lopes, novamente Miguel Esteves Cardoso e, por fim, Inês Serra Lopes de novo. No início do século XXI entrou em declínio e a consequente queda de vendas (apenas 9 mil nos últimos meses e apenas 1% de audiência), além das baixas vendas, o jornal teve de ainda pagar várias indemnizações a pessoas que se consideraravam injustamente acusadas. Em Abril de 2001, O Independente foi adquirido, livre de passivo, à Media Capital por um grupo de investidores encabeçado por Inês Serra Lopes.

A derradeira manchete do jornal diz: "Ponto final" e as suas primeiras páginas contam a história do próprio jornal. Esse último número (955) contém as despedidas de vários jornalistas e colaboradores bem como uma seleccão de primeiras páginas.

Referências

  1. «Táctico e advogado de empresas». Diário de Notícias. 12 de maio de 2005. Consultado em 9 de junho de 2011 
Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.