O Jardim das Aflições (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Jardim das Aflições
The Garden of Afflictions
Cartaz oficial de "O Jardim das Aflições" .
 Brasil  Estados Unidos
2017 •  cor •  81 min 
Direção Josias Teófilo
Produção Matheus Bazzo
Música Guto Brinholi
Lançamento Brasil, 31 de maio de 2017
Idioma Português
Inglês
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

O Jardim das Aflições (inglêsThe Garden of Afflictions) é um filme de 2017 dirigido pelo cineasta brasileiro Josias Teófilo, com produção executiva de Matheus Bazzo e direção de fotografia de Daniel Aragão. O longa-metragem foi lançado nos cinemas em 31 de maio em diversas cidades brasileiras e, em 27 de julho, em Nova Iorque.[1][2][3]

Segundo seus produtores, foi o maior financiamento coletivo para um filme na história do Brasil, com arrecadação de 315 mil reais entre cerca de 2 800 investidores individuais, quantia superior à meta de 252,5 mil. O esforço por meio do financiamento coletivo, para os produtores, é uma tentativa de se esquivar do financiamento público.[4][5][6][7]

O filme[editar | editar código-fonte]

Filmado em 2015 nos Estados Unidos, na cidade de Richmond, capital da Virgínia, O Jardim das Aflições retrata a obra, o pensamento e o cotidiano de Olavo de Carvalho. Homônimo do livro publicado em 1995 pelo filósofo, cujos temas — principalmente a ideia de jardim na tradição filosófica — são aproveitados, o filme capta a atmosfera de trabalho intelectual, o convívio familiar e, principalmente, o pensamento filosófico, expostos em momentos distintos da rotina do protagonista, com temas específicos encadeados em uma narrativa. A dualidade entre a vida cotidiana e a transcendência filosófica é o eixo de sustentação da obra, que documenta a filosofia corporificada pela sua presença do filósofo. Estão entre os temas abordados a relação indivíduo versus coletivo e a Teoria do Estado — elaborada a partir do debate Os EUA e a Nova Ordem Mundial, com o acadêmico russo Alexsandr Dughin, em 2011, sobre a posição dos EUA no século XXI. Também é tratada a relação entre poder e simbolismo e a degradação cultural.[8][9][10][11][12][13][14]

A trilha sonora inclui obras da música clássica e composições originais executadas pelo maestro brasileiro, residente na Itália, Guto Brinholi, incluindo sinfonias do compositor finlandês Jean Sibelius, cujo tipo de estruturação das melodias ocorre tanto na estrutura interna (baseada na tradição filosófica do jardim) do livro homônimo de Olavo de Carvalho quanto na estrutura do documentário de Teófilo. É executada no acordeão pelo músico Vladislav Cojoru.[15][16][17]

O cartaz oficial do filme foi desenvolvido pelo designer Joaquim Olímpio utilizando a pintura de Maurício Takiguthi, que foi encomendada pela equipe de produção do longa exclusivamente para essa finalidade. A pintura original foi levada para os EUA e dada de presente a Olavo de Carvalho e sua família.[18]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

O filme causou significativa repercussão na mídia. Segundo o site Omelete, trata-se de um filme "polêmico"; o UOL considerou-o um "Aquarius da direita", comparando o documentário ao filme de Kleber Mendonça Filho que representou o Brasil em Cannes em 2016. O Jardim das Aflições também foi destaque na BBC Brasil, no Terra, no Correio de Minas, no Diário de Pernambuco e no Jornal do Commercio, entre outros. Contudo, a polêmica continuou após o documentário pronto, pois o filme foi rejeitado sumariamente em todos os festivais nos quais foi inscrito — decisões que o diretor Josias Teófilo atribuiu a um julgamento político, não estético. Teófilo chegou a dizer que "o mais curioso é que, apesar da polêmica, não é um documentário político"[8] e que "a originalidade de O Jardim das Aflições é tratar de filosofia seriamente".[19]

A primeira exibição pública de O Jardim das Aflições ocorreu a pedido da coordenadoria do curso de Filosofia e do Clube de Filosofia da Virginia Commonwealth University em 23 de março de 2017, com a presença de scholars da instituição, além de Josias e de Olavo de Carvalho.

Em protesto contra a exibição do documentário no Festival Cine Pernambuco 2017, a primeira exibição pública no Brasil, oito cineastas de cinco estados[20] retiraram os seus filmes da mostra competitiva a duas semanas do evento, alegando que este escolhera se alinhar a um discurso de direita.[21] Teófilo não foi consultado pela mídia acerca da reação ao filme. No dia seguinte, os produtores do festival adiaram a edição.[22][23] O diretor comentou que os cineastas "agiram pior que Mao e Hitler, que pelo menos assistiam aos filmes antes de censurá-los".[24] O boicote foi severamente criticado – mais significativamente nas redes sociais –[25] por artistas, jornalistas, críticos de cinema[26] e defensores da liberdade de expressão,[27] o que resultou em maior publicidade,[28] esgotamento de ingressos e pedidos de abertura de novas sessões (São Paulo e Porto Alegre receberam mais duas cada e Curitiba, mais uma).[29] Para Roberto Freire, Ministro da Cultura, eles "se fixaram apenas na Vulgata stalinista. Você pode discordar das ideias, mas não pode impedir que elas existam".[30]

A equipe do filme foi entrevistada pelo apresentador Danilo Gentili no talk show The Noite na segunda-feira anterior ao lançamento, e o programa foi exibido na madrugada do dia da estreia. Olavo de Carvalho participou via teleconferência da residência de seu filho Pedro, em Richmond.[31]

O economista Alan Ghani, em sua coluna no InfoMoney, listou dez motivos para assistir o filme, dentre eles estão a reflexão feita sobre a vida, o questionamento da liberdade na atualidade, importantes reflexões psicológicas e intelectuais, e o próprio boicote feito contra ele.[32]

O longa foi o grande vencedor na 21ª edição do Cine PE, realizado em 3 de julho de 2017. O filme foi premiado tanto pelo júri oficial do festival como pelo júri popular na categoria melhor longa-metragem, além de também conquistar o troféu Calunga de melhor montagem.[33]

Em 27 de outubro, o filme foi exibido na Universidade Federal de Pernambuco e causou polêmica após um grupo de militantes do Partido da Causa Operária e da União Internacional da Juventude Socialista tentarem impedir a sua exibição. Segundo o diretor do filme, Josias Teófilo, a exibição do documentário estava próxima do fim, em um auditório da universidade, quando alunos que não concordavam com a sessão ameaçaram invadir o local. Alguns espectadores tentaram proteger a equipe do filme, contudo houve um confronto entre os que eram favoráveis e contrários à exibição do documentário, impedindo que alguns alunos deixassem a sala e o centro universitário, além de deixar alguns estudantes feridos. Em uma rede social, o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, comentou que o confronto foi "lamentável" e que "trata-se de um comportamento inaceitável num país democrático". [34] [35] [36] [37]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio/Festival Categoria Resultado
2017 Cine PE[38] Melhor filme - mostra competitiva de longas-metragens Venceu
Melhor montagem Venceu
Júri popular Venceu

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «The Garden of Afflictions (2017)». Internet Movie Database. Consultado em 16 de março de 2017 
  2. «A Equipe - Documentário O Jardim das AfliçõesDocumentário O Jardim das Aflições». ojardimdasaflicoes.com.br. ojardimdasaflicoes.com.br. Consultado em 20 de março de 2017 
  3. «Documentário "O Jardim das Aflições" é exibido pela primeira vez, com debate em seguida». Terra. 21 de março de 2017. Consultado em 24 de março de 2017 
  4. «Filme sobre guru conservador Olavo de Carvalho quer abraçar a direita». UOL Cinema. Consultado em 12 de março de 2017 
  5. «Sobre o documentário - O Jardim das Aflições». ojardimdasaflicoes.com.br. Consultado em 16 de março de 2017 
  6. «Curtas, longas e vídeos pernambucanos buscam ajuda na internet para sair do papel». Diario de Pernambuco. 30 de junho de 2015. Consultado em 15 de março de 2017 
  7. «Documentário "O Jardim das Aflições" é exibido pela primeira vez, com debate em seguida». Terra. 21 de março de 2017. Consultado em 8 de abril de 2017 
  8. a b «Documentário "O Jardim das Aflições" é exibido pela primeira vez, com debate em seguida». Terra 
  9. Genestreti, Guilherme (1 de dezembro de 2016). «Depois de Olavo de Carvalho, diretores querem fazer filme com Danilo Gentili». Folha de S. Paulo. Consultado em 14 de março de 2017 
  10. Andrade de Souza, Roxane. «Informações sobre Olavo de Carvalho - 1: Dados biográficos». Consultado em 14 de março de 2017 
  11. «Cineasta cria documentário baseado na obra filosófica de Olavo de Carvalho». Correio Brasiliense. 19 de julho de 2016. Consultado em 12 de março de 2017 
  12. «Documentário sobre Olavo de Carvalho ganha primeiro teaser». UOL Cinema. 1 de janeiro de 2016. Consultado em 14 de março de 2017 
  13. «O Jardim das Aflições». Adoro Cinema. Consultado em 14 de março de 2017 
  14. STATELE UNITE SI NOUA ORDINE MONDIALA (PDF) (em romeno). Bucaresti, Romênia: Humanitas. 2012. Consultado em 14 de março de 2017 
  15. Teófilo, Josias. «O Jardim das Aflições». Consultado em 14 de março de 2017 
  16. «Olavo de Carvalho» (em inglês). The Inter-American Institute. Consultado em 14 de março de 2017 
  17. de Carvalho, Olavo (2000). O Jardim das Aflições: de Epicuro à ressurreição de César; ensaio sobre o materialismo e a religião civil. [S.l.]: É Realizações. 335 páginas. Consultado em 14 de março de 2017 
  18. «Cartaz Oficial O Jardim das Aflições». Flickr. Consultado em 22 de março de 2017 
  19. «"A originalidade de 'O Jardim das Aflições' é tratar de filosofia seriamente", diz Josias Teófilo, diretor do filme sobre Olavo». Boletim da Liberdade. 22 de abril de 2017. Consultado em 23 de abril de 2017 
  20. Prisco, Luiz (14 de maio de 2017). «Protesto contra filmes de "direita" faz Cine PE ser adiado». Metrópoles. Consultado em 14 de maio de 2017 
  21. «Cineastas deixam festival Cine PE em protesto contra filmes 'de direita'». Folha de S. Paulo. 10 de maio de 2017. Consultado em 10 de maio de 2017 
  22. «Após desistência de cineastas em protesto, Festival Cine PE será remarcado». UOL. 11 de maio de 2017. Consultado em 11 de maio de 2017 
  23. Plasse, Marcel (11 de maio de 2017). «Festival Cine PE é adiado após saída de sete filmes em protesto». Pipoca Moderna. Consultado em 14 de maio de 2017 
  24. de Aquino, Ruth (12 de maio de 2017). «O jardim das aflições». Época. Consultado em 12 de maio de 2017 
  25. «Petição em apoio a filme sobre Olavo de Carvalho tem mais de 8 mil assinaturas». JC Online. 17 de maio de 2017. Consultado em 18 de maio de 2017 
  26. Boscov, Isabela (16 de maio de 2017). «O Cidadão Ilustre». Veja. Consultado em 16 de maio de 2017 
  27. Andreazza, Carlos (16 de maio de 2017). «Um filme que não deveria existir». O Globo. Consultado em 16 de maio de 2017 
  28. Briguet, Paulo (15 de maio de 2017). «O cineasta que virou mito». Folha de Londrina. Consultado em 16 de maio de 2017 
  29. Carvalho, Guilherme (14 de maio de 2017). «Josias Teófilo comenta o boicote de cineastas ao Cine PE». Café Colombo. Consultado em 14 de maio de 2017 
  30. Pontes, Alef (13 de maio de 2017). «Ministro da Cultura critica boicote de cineastas ao Cine PE». Diário de Pernambuco. Consultado em 13 de maio de 2017 
  31. «Diretor de filme sobre Olavo de Carvalho é convidado de Danilo Gentili». JC Online. 17 de maio de 2017. Consultado em 31 de maio de 2017 
  32. GHANI, Alan (5 de junho de 2017). «Olavo tem razão: 10 motivos para você assistir ao Jardim das Aflições». InfoMoney. Consultado em 5 de junho de 2017 
  33. «Documentário pernambucano sobre filósofo Olavo de Carvalho vence o 21º Cine PE». G1. 4 de julho de 2017. Consultado em 4 de julho de 2017 
  34. «O Jardim das Aflições: exibição é marcada por confrontos | Gazeta do Povo». Gazeta do Povo 
  35. «Exibição de filme sobre Olavo de Carvalho termina em confusão na UFPE» 
  36. «Exibição de "O Jardim das Aflições" é violentamente reprimida na UFPE – Senso Incomum». Senso Incomum. 27 de outubro de 2017 
  37. «Exibição de filme sobre Olavo de Carvalho acaba em confronto na UFPE». Folha de S.Paulo 
  38. G1 PE (4 de julho de 2017). «Documentário pernambucano sobre filósofo Olavo de Carvalho vence o 21º Cine PE». G1. Consultado em 2 de agosto de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um documentário (ou um documentarista), integrado ao projeto sobre Cinema, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.