O Labirinto do Fauno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pan's Labyrinth movie black horizontal logo.png
O Labirinto do Fauno (PRT/BRA)
Poster promocional do filme.
Flag of Spain.svg Espanha  México
2006 •  cor •  118 min 
Direção Guillermo del Toro
Produção Álvaro Augustín
Alfonso Cuarón
Bertha Navarro
Guillermo del Toro
Frida Torresblanco
Roteiro Guillermo del Toro
Elenco Ivana Baquero
Doug Jones
Sergi López
Maribel Verdú
Ariadna Gil
Álex Angulo
Género Fantasia sombria
Suspense
Drama
Aventura
Idioma espanhol
Orçamento 19 milhões [1]
Receita 83.258.226 milhões [1]
Página no IMDb (em inglês)

O Labirinto do Fauno (no original, El laberinto del fauno) é um filme mexicano e espanhol de 2006, do gênero fantasia sombria, suspense, drama e aventura, dirigido, escrito e produzido por Guillermo del Toro.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Ophelia é a reencarnação de uma princesa que fugiu do submundo, onde predomina a magia e os seres fabulosos.

No plano terreno ela e sua mãe, que está prestes dar à luz, estão viajando para um acampamento militar, onde Ophelia irá conhecer o seu novo padrasto, o temido capitão Vidal; Este é um excelente soldado, comanda com mão de ferro seus subordinados, e suas características mais notáveis são o sadismo e o preconceito.

No decorrer da trama Ophelia encontra vários seres fabulosos, e um deles é o fauno, e ele revela a ela que sua missão é ajudá-la a retornar para o verdadeiro lar, o submundo.

Mas para isso a garotinha terá que realizar três tarefas secretamente, ainda ela conta com alguns objetos mágicos e fadas dadas pelo fauno, entre eles um livro mágico capaz de contar a história de tudo que existe, mesmo sendo o passado ou até mesmo o futuro.

Após várias desventuras e aparições de criaturas monstruosas, Ophelia realiza as duas primeiras tarefas e paralelamente o conflito entre os militares e os rebeldes republicanos, torna-se cada vez mais intenso, e com perdas significativas por parte dos republicanos. Com a morte da mãe, Ophelia resgata o seu irmão de Vidal, mas ele inicia uma caçada para recuperar o filho. A fantástica magia do labirinto ajuda-a a escapar, e a leva de encontro com o fauno. E ele mostra a terceira e ultima tarefa, sendo um teste de sacrifício, onde ela deveria escolher entre a vida de seu irmão ou sua única oportunidade de regressar a seu legítimo lar.

Nos acontecimentos finais, ela escolhe salvar a vida do bebê, e é assassinada pelo seu próprio padrasto Vidal, que antes tomou seu filho das mãos dela; Entretanto ele é cercado e morto pela milícia revelando o seu segredo de família. Ophelia já morta revive no plano fabuloso, onde sua verdadeira família e reino existem, e ainda de acordo com a narração ela vive feliz eternamente.

Fica a dúvida se Ophelia realmente vivenciou os acontecimentos mágicos e fantásticos durante a história ou se era tudo sua imaginação. Cabe ao público escolher.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ivana Baquero (Ofelia) e o realizador Guillermo del Toro na estreia do filme.
  • Ivana Baquero como Ofelia, uma garota que acredita ser a reencarnação de uma princesa do submundo. Del Toro disse que estava nervoso em relação à escolha do papel principal, e que achar uma atriz espanhola de dez anos foi puramente acidental (o filme foi gravado entre junho e outubro de 2011, quando ela já tinha onze anos). "A personagem que eu escrevi era inicialmente mais jovem, em torno de oito ou nove anos, e Ivana entrou e era um pouco mais velha que a personagem, com seu cabelo encaracolado que eu nunca imaginei que a garota teria. Mas eu amei sua primeira leitura, minha mulher estava chorando e a mulher controlando a câmera também estava chorando e eu sabia que Ivana era a melhor atriz que havia aparecido, mas eu sabia que teria de alterar o roteiro para acomodar sua idade."[2] Baquero disse que o diretor enviou várias revistas e contos de fada para ajudá-la a "entrar mais na atmosfera de Ofelia e mais no que ela sentia." Ela disse pensar que o filme era "maravilhoso" e que "ao mesmo tempo ele pode trazer-lhe dor, tristeza, medo e felicidade."[3]
  • Doug Jones como Fauno/Homem Pálido. Como o Fauno, Jones guia Ofelia para o mundo de fantasia. Como o Homem Pálido, ele interpreta um grotesco monstro que devora crianças. O ator havia trabalhado com del Toro em Mimic e Hellboy, dizendo que o diretor enviou-lhe um email que dizia: "Você tem de estar nesse filme. Ninguém mais pode interpretar esse personagem se não você." Jones respondeu entusiasticamente uma versão em inglês do roteiro, mas depois descobriu que o filme era em espanhol, língua que ele não falava. Disse que estava "aterrorizado" e que del Toro sugeriu aprender o roteiro foneticamente, o que Jones rejeitou, preferindo aprender as palavras por si mesmo. Ele disse: "Eu realmente, realmente me esforcei e me comprometi a aprender aquilo palavra por palavra e eu consegui a pronúncia quase correta antes de começar", utilizando as cinco horas por dia que ele levava colocando a fantasia e maquiagem para praticar as palavras.[4] Del Toro, posteriormente, decidiu dublar Jones com a voz de Pablo Adán, um "respeitado ator de teatro", mas os esforços de Doug continuaram úteis, pois o dublador era capaz de combinar sua fala com os movimentos da boca do ator.[5] A presença deste em dois papeis pretende sugerir que o Homem Pálido (junto com a rã) é ou uma criação do Fauno ou ele em outra forma.[6][7]
  • Sergi López como Capitão Vidal, o padrasto de Ofelia e um oficial falangista. Del Toro encontrou López em Barcelona, um ano e meio antes das filmegens terem início, para perguntá-lo se gostaria de atuar como Vidal. Em partes da Espanha, o ator era considerado um ator melodramático ou de comédia, com produtores que viviam em Madrid dizendo a del Toro: "Você devia ser bem cuidadoso porque você não sabe sobre essas coisas pois é mexicanp, mas esse cara não irá entregar a performance." O diretor respondeu: "Bem, não é que eu não saiba, é que eu não ligo."[8] De sua personagem. López disse: "Ele é a personagem mais diabólica que eu já interpretei na minha carreira. É impossível de melhorá-lo; a personagem é tão sólida e bem escrita. Vidal é descontrolado, um psicopata difícil de defender. Mesmo que a personalidade de seu pai tenha marcado sua existência, e certamente é uma das razões para sua desordem mental, isso não pode ser uma desculpa. Pareceria ser muito cínico usar aquilo para justificar ou explicar seus atos cruéis e covardes. Eu acho bom que o filme não considere nenhuma justificativa do fascismo."
  • Maribel Verdú como Mercedes, caseira de Vidal. Guilhermo del Toro escolheu a atriz para interpretar a revolucionária com compaixão porque ele viu "uma tristeza nela que ele pensou ser perfeito para o papel."[8]
  • Ariadna Gil como Carmen, mãe de Ofelia e esposa de Vidal.
  • Álex Angulo como o Médico Ferrero, a serviço de Vidal, embora seja contra Franco.
  • Roger Casamajor como Pedro, irmão de Mercedes e um dos rebeldes.
  • César Vea como Serrano, um dos tenentes de Vidal.
  • Manolo Solo como Garcés, um dos tenentes de Vidal.
  • Federico Luppi como Casares, pai de Ofelia.
  • Pablo Ádan como Narrador/voz do Fauno

Prêmios e Indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Categoria Indicado Resultado
Óscar Melhor Filme Estrangeiro Guillermo Del Toro Indicado
Melhor Roteiro Original Indicado
Melhor Fotografia Guillermo Navarro Venceu
Melhor Direção de Arte Eugenio Caballero e Pilar Revuelta Venceu
Melhor Maquiagem e Penteados David Martí e Montse Ribé Venceu
Melhor Trilha Sonora Javier Navarrete Indicado
British Academy Film Awards[9] Melhor Filme em Língua Não Inglesa Guillermo Del Toro Venceu
Melhor Roteiro Original Indicado
Melhor Direção de Arte Guillermo Navarro Indicado
Melhor Direção de Arte Eugenio Caballero e Pilar Revuelta Indicado
Melhor Caracterização Lala Huete Venceu
Melhor Som Martin Hernández, Jaime Baksht e Miguel Ángel Polo Indicado
Melhor Maquiagem e Penteado David Martí e Montse Ribé Venceu
Melhores Efeitos Especiais Edward Irastorza, Everett Burrell, David Martí e Montse Ribé Indicado
Globo de Ouro[10] Melhor Filme em Língua Estrangeira Guillermo Del Toro Indicado
Prêmios Goya Melhor Filme Indicado
Melhor Realizador Guillermo Del Toro Indicado
Melhor Ator Sergi López Indicado
Melhor Atriz Maribel Verdú Indicado
Melhor Atriz Revelação Ivana Baquero Venceu
Melhor Roteiro Original Guillermo Del Toro Indicado
Melhor Fotografia Guillermo Navarro Indicado
Melhor Direção de Arte Eugenio Caballero Indicado
Melhor Maquiagem e Penteado José Quetglas e Blanca Sánchez Venceu
Melhor Edição Bernat Villaplana Venceu
Melhor Som Miguel Polo Venceu
Melhor Música Javier Navarrete Indicado
Melhores Efeitos Especiais David Martí, Montse Ribé, Reyes Abades, Everett Burrell,
Edward Irastorza e Emilio Ruiz
Venceu
Prêmio Ariel Melhor Diretor Guillermo Del Toro Venceu
Melhor Atriz Maribel Verdú Venceu
Melhor Ator Coadjuvante Álex Angulo Indicado
Melhor Fotografia Guillermo Navarro Venceu
Melhor Direção de Arte Eugenio Caballero Venceu
Melhor Caracterização Lala Huete Venceu
Melhor Maquiagem José Quetglas e Blanca Sánchez Venceu
Melhor Edição Bernat Villaplana Indicado
Melhor Som Miguel Polo Indicado
Melhor Trilha Original Javier Navarrete Indicado
Melhores Efeitos Especiais David Martí, Montse Ribé, Reyes Abades, Everett Burrell,
Edward Irastorza e Emilio Ruiz
Venceu
Fantasporto Melhor Filme Venceu
Spacey Awards[11] Prêmio Escolha Espacial para Melhor Filme Venceu
Constellation Awards[12] Melhor Filme de Ficção-científica, Filme de TV ou Mini-Série de 2006 Venceu
Belgian Film Critics Association Grand Prix Indicado
Prêmio Hugo[13] Melhor Apresentação Dramática Venceu
BBC Four World Cinema Awards BBC Four World Cinema Award Venceu
Nebula Award Melhor Roteiro Guillermo Del Toro Venceu
Sociedade Nacional de Críticos de Cinema Melhor Filme Venceu
Melhor Diretor Guillermo Del Toro Indicado
Melhor Fotografia Guillermo Navarro Indicado
Saturn Awards[14] Melhor Filme Internacional Venceu
Melhor Diretor Guillermo Del Toro Indicado
Melhor Roteiro Indicado
Melhor Ator Coadjuvante em Cinema Sergi López Indicado
Melhor Atuação de um Jovem Ator Ivana Baquero Venceu
Melhor Maquiagem David Martí e Montse Ribé Indicado
Independent Spirit Awards Melhor Filme Indicado
Melhor Fotografia Guillermo Navarro Venceu

Prováveis influências[editar | editar código-fonte]

  • O canibal inumano

É um ser que não teve influência dos mitos bárbaros como as fadas e o fauno[15]. Talvez recebece influência de histórias infantis como o conto de João e Maria, onde uma bruxa encantava as crianças com um suntuoso banquete, para então comê-las.[16].

  • O sapo de três olhos

Este teve influência de um sapo que realmente existe, porém traz os mitos da idade média, onde acreditavam que os objetos, bichos e pessoas eram encantados ou enfeitiçados.[17].

Objetos mágicos[editar | editar código-fonte]

  • O giz magico Capaz de criar um portal ou porta que une os dois mundos.
  • Livro magico ou da revelação Pode revelar o futuro ou a história de qualquer coisa.
  • Pedra de ambar Pode matar o monstro sapo.
  • A raiz bebê No plano fabuloso ele pediu para se tornar um bebê de verdade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Pan's Labyrinth(2006)». Box Office Mojo. Consultado em 8 de fevereiro de 2018 
  2. Fischer, Paul (26 de setembro de 2006). «Exclusive Interview: Guillermo del Toro "Pan's Labyrinth (em inglês). Dark Horizons. Consultado em 28 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 5 de julho de 2009 
  3. Spelling, Ian (25 de dezembro de 2006). «Guillermo del Toro and Ivana Baquero escape from a civil war into the fairytale land of Pan's Labyrinth» (em inglês). Science Fiction Weekly. Consultado em 27 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 9 de junho de 2008 
  4. Topel, Fred (27 de dezembro de 2006). «Doug Jones En Espanol». CanMag. Consultado em 27 de janeiro de 2007 
  5. Eisner, Ken (11 de maio de 2016). «Labyrinth's faun unmasked». straight.com. Consultado em 11 de maio de 2016 
  6. Prokopy, Steve "Capone" (10 de janeiro de 2007). «Capone chats with Abe Sapien, The Faun, The Old Man and The Silver Surfer!!! The Ultimate Man In Suit Chats PAN'S LABYRINTH». aintitcool.com. Consultado em 11 de setembro de 2012 
  7. Guillen, Michael (17 de dezembro de 2006). «PAN'S LABYRINTH—Interview With Guillermo Del Toro». 11/09/2012 (em inglês). twitchfilm.com. Cópia arquivada em 29 de setembro de 2012 
  8. a b Stone, Sasha (11 de janeiro de 2007). «Pan's Labyrinth: A Story that Needed Guillermo Del Toro» (em inglês). Awards Daily. Consultado em 2 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 26 de janeiro de 2018 
  9. «Latest winners & Nominees» (em inglês). British Academy of Film and Television Arts. Consultado em 23 de maio de 2007 
  10. «Golden Globe Nominations and Winners» (em inglês). Hollywood Foreign Press Association. Consultado em 23 de maio de 2017. Cópia arquivada em 14 de maio de 2017 
  11. «Spaceys 06; Space Choice» (em inglês). Space. Consultado em 20 de julho de 2007. Cópia arquivada em 24 de junho de 2007 
  12. «The Constellation Awards – A Canadian Award for Excellency in Science Fiction Film and Television». Consultado em 12 de julho de 2007 
  13. «2007 Hugo Awards» (em inglês). World Science Fiction Society. 1 de setembro de 2007. Consultado em 1 de setembro de 2007 
  14. S. Cohen, David. «'Superman' tops Saturns» (em inglês). Variety. Consultado em 20 de agosto de 2007 
  15. Joseph Ritson, Fairy Tales, Elibon Classics, 2007, p. 27.
  16. «João e Maria» (em Portugês). Consultado em 30 de abril de 2012 
  17. R7 (30 de agosto de 2011). «Sapo gigante aterroriza Malásia» (em Portugês). Consultado em 30 de abril de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]