O Outro Teatro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2018). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Cinema.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde abril de 2018.

O Outro Teatro
 Portugal
1976 •  cor •  59 min 
Direção António de Macedo
Produção Cinequanon
Género documentário
Distribuição IPC
Lançamento 1977

O Outro Teatro (1976) é um documentário português de média-metragem de António de Macedo. Sendo um estudo histórico sobre um aspecto específico do teatro português, é um dos filmes característicos do cinema militante que se praticou em Portugal na década de setenta.

Estreia na RTP, a 1 de Outubro de 1977

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O Teatro Experimental do Porto foi uma das experiências pioneiras do teatro independente em Portugal, iniciativa do encenador António Pedro. Experiências dessas contribuíram para atenuar o papel do teatro institucional e o monopolismo empresarial, compensar a falta de apoio do Estado e combater a censura. Incluem-se nessas experiências as do Teatro Moderno de Lisboa, por acção de Rogério Paulo e outros, o teatro universitário e o de outros grupos que entraram em confronto com «a política anti-cultural do fascismo», cultivada pelo Estado Novo. Seguiram esse caminho companhias como o Teatro Estúdio de Lisboa, os Bonecreiros, o Adoque, o Grupo 4, a Comuna, os Cómicos, o Adoque, a Cornucópia, o Teatro Experimental de Cascais.

Depôs da Revolução dos Cravos, proliferam os grupos independentes. Faz-se um registo de representações, põe-se em relevo iniciativas paralelas, traça-se perspectivas. Põe-se em evidência a Semana de Luta na Feira Industrial de Lisboa, mostra-se excertos de O Muro, de O Círculo de Giz Caucasiano, de Os Tambores da Noite.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um filme do cinema português é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.