O Pavilhão Púrpura (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Pavilhão Púrpura
Autor(es) José Rodrigues dos Santos
Idioma português
País Portugal Portugal
Gênero Romance
Série Trilogia do Lótus #2
Editora Gradiva
Lançamento Maio de 2016
Páginas 702
ISBN 9789896167097
Cronologia
As Flores de Lótus
Vaticanum

O Pavilhão Púrpura[1] é o título do segundo romance de uma trilogia que aborda as ideologias do fascismo e do comunismo e os grandes acontecimentos que marcaram as sociedades portuguesa, chinesa, soviética e japonesa.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Pode uma ideia mudar o mundo?

Nova Iorque, 1929.
A bolsa entra em colapso, milhares de empresas fecham, milhões de pessoas vão para o desemprego. A crise instala-se no planeta.
Salazar é o ministro das Finanças em Portugal e a forma como lida com a Grande Depressão granjeia-lhe crescentes apoios. Conta com Artur Teixeira para subir a chefe de governo, mas primeiro terá de neutralizar a ameaça fascista. O desemprego lança o Japão no desespero. Satake Fukui vê o seu país embarcar numa grande aventura militarista, a invasão da Manchúria, na mesma altura em que tem de escolher entre a bela Harumi e a doce Ren. Lian-hua escapa a Mao Tse-tung e vai para Peiping. É aí que a jovem chinesa e a sua família enfrentam as terríveis consequências da invasão japonesa da Manchúria. A crise mundial convence os bolcheviques de que o capitalismo acabou. Estaline intensifica as coletivizações na União Soviética e o preço, em mortes e fome, é pago por milhões de pessoas. Incluindo Nadezhda.

O mundo à beira do abismo.

Referências

  1. «"O Pavilhão Púrpura" de José Rodrigues dos Santos». ruadebaixo.com. Consultado em 13 de Outubro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: José Rodrigues dos Santos


Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço relacionado ao Projeto Literatura. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.