O Recado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O Recado
Portugal Portugal
1972 •  cor •  110 min 
Realização José Fonseca e Costa
Argumento José Fonseca e Costa
Elenco Maria Cabral
Francisco Nieto
Luis Filipe Rocha
Género Drama
Lançamento 24 de março de 1972
Idioma Português
Página no IMDb (em inglês)

O Recado (1971) é um filme português de José Fonseca e Costa, a sua primeira ficção. É uma das obras mais representativas do movimento do Novo Cinema português porque, implantado na tradição realista, se assume, com nova linguagem, como frontal no tema, em esmerados retratos sociais, além do da polícia política do velho regime, agora convertido em marcelismo.

Estreia no extinto cinema Vox, em Lisboa, a 24 de Março de 1972.

Ficha sumária[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

«Lúcia é cortejada por António, da mesma classe social, embora guarde memória amorosa de Francisco, um marginal meio-aventureiro. Ausente há longo tempo, Francisco manda recado a Lúcia do seu regresso, por intermédio de Maldevivre, um vagabundo, mas é morto por um gang, talvez em ajuste de contas. Lúcia espera-o em vão, no dia e no local marcado, numa praia deserta, até saber da sua morte por Maldevivre, o que a faz perder as possibilidades de evasão para um mundo que, não sendo o seu, a atrai. Desencantada, Lúcia curva-se perante a ordem de valores que António representa. Enquanto só, Maldevivre continua à espera que a raiva cresça e rebente». Cit.: José de Matos-Cruz em ‘’Cais Do Olhar’’, ed. Cinemateca Portuguesa, 1999.

Ficha artística[editar | editar código-fonte]

Ficha técnica[editar | editar código-fonte]

  • Director de Fotografia: José Ochoa
  • Assistente de Imagem José Abel Aboim
  • Maquinistas: Manuel Carlos, Anselmo Laranjo
  • Iluminação: António Porrondo, Fernando Sacristan
  • Director de som: Virgílio Luz
  • Assistente de som: Eduardo Duarte
  • Efeitos sonoros: Luís Castro e Alexandre Gonçalves
  • Sonoplastia: Luís Barão e Heliodoro Pires
  • Música: Rui Cardoso
  • Músicos: Pedro Caldeira Cabral, Fernando Alvim, Paulo Gil
  • Laboratório de Imagem: Foto Filme (Madrid)
  • Laboratório de som: Nacional Filmes e Exa Film (Madrid)

Festivais[editar | editar código-fonte]

  • Festival de Bergamo 1971 (Itália)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • O Recado em Amor de Perdição (base de dados).