O Retrato de Laura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


O Retrato de Laura
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Preto e Branco
Criador(es) Ciro Bassini
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Mário Bassini
Ítalo Rossi
Exibição
Emissora original TV Tupi
Transmissão original 14 de outubro de 1969 - dezembro de 1969
Cronologia
Sozinho no Mundo
Um Gosto Amargo de Festa

O Retrato de Laura foi uma telenovela brasileira produzida e exibida pela extinta TV Tupi entre 14 de janeiro e 8 de março de 1969, às 18:30 horas. Foi escrita por Ciro Bassini, baseada no original de Vito Martini, com direção de Mário Bassini e Ítalo Rossi e supervisão de Mário Bassini.

Produção[editar | editar código-fonte]

Com a ascensão da recém-criada Rede Globo, pautada nos textos de capa e espada de Glória Magadan, a Tupi-Rio, que na época era mera exibidora de novelas produzidas em São Paulo, foi perdendo audiência paulatinamente. Em setembro de 1968 a Tupi-Rio resolveu reagir e criou o Departamento de Produção de Telenovelas.[1] Ao longo do ano foi traçado um plano para a produção de novas novelas inspiradas na “novela-verdade” de Beto Rockfeller. O plano consistia no lançamento quase simultâneo de três novelas das 18h30 entre outubro de 1968 e o início de 1969: Retrato de Laura de Ciro Bassini (outubro), Um Gosto Amargo de Festa de Cláudio Cavalcanti (novembro)[2] e Enquanto Houver Estrelas de Mario Brasini (janeiro de 1969).[3]

Retrato de Laura foi selecionada entre dezenas de textos pelo diretor de produção de telenovelas da Tupi-Rio Mário Brasini. A telenovela foi escrita pelo autor Ciro Bassini, experiente autor de radionovelas e telenovelas da Tupi e Record e cujo trabalho principal havia sido a criação da primeira versão de Éramos Seis na Record. Bassini adaptou um texto de Vito Martini e o batizou Retrato de Laura. A direção de Retrato de Laura coube ao próprio Mário Brasini, como forma de demonstrar sua confiança no projeto de produção de telenovelas da Tupi-Rio. Para a produção da telenovela, houve uma grande reforma dos estúdios, reinaugurados com o nome de Telestudios Tupi-Guanabara.[4][5] Durante a seleção do elenco, parte do público ficou curioso sobre quem faria o papel de “Laura”, com a Tupi-Rio recebendo ligações e telegramas dos fãs de telenovela.[6] Em setembro a Tupi-Rio anunciou o elenco encabeçado pelos protagonistas Cláudio Cavalcanti e a recém contratada Diana Morel (como Laura).[3][7][8]

Com a produção iniciada em setembro, a estreia foi agendada para 14 de outubro no Rio de Janeiro[7], 16 de dezembro em Recife[9] e em janeiro de 1969 em São Paulo. A trilha sonora foi entregue ao compositor Lúcio Alves.[10] A produção da novela continuou até a gravação do último capitulo, realizada na segunda semana de outubro.[11]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

"...É a história de uma mulher infeliz, pela saciedade de todos os seus desejos. É a narrativa, dentro dos moldes populares, do fenômeno que hoje assola determinadas sociedades altamente desenvolvidas. ..."
— Mário Brasini sobre o tema da novela Retrato de Laura em entrevista para Carlos Alberto, Tribuna da Imprensa, 28 de agosto de 1968.[12]

Laura é uma jovem órfã criada pela avó milionária Dª Letícia em uma mansão no Rio de Janeiro e torna-se uma mulher muito rica, mimada, cruel e odiada por quase todos ao seu redor. Infeliz, envolve-se com Júlio (dono de uma boate[13] e líder de uma quadrilha de contrabando). As únicas pessoas que gostam de Laura são a avó e Marcelo, seu primo, um pintor famoso que faz secretamente um retrato de Laura, o qual retoca em momentos de solidão. Subitamente Laura desaparece e sua família gasta muitos recursos, porém não a encontra. Apesar de correrem boatos sobre sua morte, a trama gira em torno da pergunta: onde está Laura?[14]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Stanislaw Ponte Preta (31 de agosto de 1968). «Artes e manhas». O Cruzeiro , ano XL, edição 35, página 36/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 1 de março de 2022 
  2. Cartaz W.M. (15 de setembro de 1968). «Rápidas». O Jornal, ano XLIX, edição 14408, 3º Caderno, página 2/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 1 de março de 2022 
  3. a b «Tupi compra a briga». Intervalo, ano VI, edição 299, páginas 50 e 51/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 1968. Consultado em 1 de março de 2022 
  4. «Pelo ar:ondas e vídeo». Correio da Manhã, ano LXVIII, edição 23146, 6º Caderno, última página /republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 22 de setembro de 1968. Consultado em 1 de março de 2022 
  5. Tupi-Rio, Canal 6 (13 de novembro de 1968). «O Retrato de Laura-Anúncio publicitário». Correio da Manhã, ano LXVIII, edição 23190, 3º Caderno, página 2/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 1 de março de 2022 
  6. «O retrato de...Laura». O Jornal, ano XLIX, edição 14414, página 6/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 22 de setembro de 1968. Consultado em 1 de março de 2022 
  7. a b «O retrato de Laura». Diário de Notícias, edição 14067, página 10/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 28 de setembro de 1968. Consultado em 1 de março de 2022 
  8. «A "Laura" Diana Morel». O Jornal, ano XLIX, edição 14421, página 3/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 1 de outubro de 1968. Consultado em 1 de março de 2022 
  9. «Grande sensação do Nordeste». Diário de Pernambuco, ano 144, edição 293, página 1/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 15 de dezembro de 1968. Consultado em 1 de março de 2022 
  10. Carmem Verena (22 de setembro de 1968). «Dinah festeja nova muralha». O Jornal, ano XLIX, edição 14414, Segundo Caderno, página 4/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 1 de março de 2022 
  11. Carlos Alberto (19 de outubro de 1968). «Preto no Branco». Tribuna da Imprensa, ano XIX, edição 5634, 2º Caderno, página 3/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 1 de março de 2022 
  12. Carlos Alberto (28 de agosto de 1968). «Preto no Branco». Tribuna da Imprensa, ano XIX, edição 5660, 2º caderno, página 3/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 1 de março de 2022 
  13. Tupi-Rio-Canal 6 (23 de outubro de 1968). «"O Retrato de Laura"». O Jornal, ano XLIX, edição 14440, página 9/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 1 de março de 2022 
  14. «O Retrato de Laura». Intervalo, ano VI, edição 303, página 55/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 27 de outubro de 1968. Consultado em 1 de março de 2022 
Ícone de esboço Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.