O Século (Portugal)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o jornal brasileiro, veja O Século (Brasil).
Text document with red question mark.svg
Este artigo contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2018)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
O Século
Periodicidade diário
Sede Palácio dos Viscondes de Lançada, Lisboa
Fundação 8 de junho de 1880
Fundador(es) Sebastião de Magalhães Lima
Idioma português
Término de publicação 12 de fevereiro de 1977 (96 anos)
Circulação Portugal

O Século foi um jornal diário matutino de Lisboa, publicado entre 8 de Junho de 1880 e 12 de Fevereiro de 1977, data em que foi suspenso.

Foi fundado pelo jornalista Sebastião de Magalhães Lima, formado em Direito pela Universidade de Coimbra. Durante a sua existência foi o jornal de referência e grande rival do Diário de Notícias.

Tinha uma revista semanal intitulada inicialmente Illustração Portugueza, propriedade de J.J. da Silva Graça, que foi também seu director. Entre os seus editores contaram-se José Joubert Chaves e António Maria Lopes.

As fotografias das edições anteriormente publicadas estão presentes no Arquivo de Fotografia de Lisboa e constituem uma importante fonte de pesquisa dos primeiros anos de prática do futebol em Lisboa. Este arquivo faz parte do Arquivo Municipal de Lisboa.

Revista Cinéfilo[editar | editar código-fonte]

Entre 1928 e 1939, totalizando 578 números, o jornal teve um suplemento: a Revista Cinéfilo, que se dedicava ao cinema nacional e internacional.

De propriedade da Sociedade Nacional de Tipografia, seu director era Avelino de Almeida, com António Maria Lopes no cargo de editor.

O Século Cómico[editar | editar código-fonte]

O Século Cómico
Formato (41 cm)
Sede Lisboa Portugal Portugal
Fundação 1913
Director Acácio de Paiva
Idioma português europeu
Término de publicação 1921

O Século Cómico: suplemento humorístico de O Século nasceu em 1913 como suplemento do jornal O Século, passando a ser publicado juntamente com a revista Ilustração Portuguesa (também publicada pela Empresa do Jornal O Século) a partir de 1916 até à sua conclusão em 1921. Estão ligados ao Século Cómico, na qualidade de proprietário e diretor, respetivamente, J. da Silva Graça e Acácio de Paiva, e ainda, no papel de editor, Alexandre Ramos Certã [1].

O Século Ilustrado[editar | editar código-fonte]

O Século Ilustrado foi uma revista portuguesa, suplemento semanal do jornal O Século, de Lisboa[2].

Foi publicada entre 7 de novembro de 1933 e 27 de julho de 1989 e era dirigida ao público feminino[3]. O diretor era Joâo Pereira da Rosa[4], o diretor artístico era o cineasta José Leitão de Barros, e a edição estava a cargo de Fernando Monteiro de Castro Soromenho.

Na década de 1960, desempenhou um papel de inovação gráfica no jornalismo português, com capas marcantes e uso intenso da fotografia[5][6]. Sob a direção de Francisco da Mata, publicou artigos sobre temas como a Guerra do Vietnã e a luta pelos direitos civis nos Estados Unidos[7].

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre O Século


Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Catálogo BLX. «O seculo comico : suplemento humoristico de O seculo (1913-1921) – registo bibliográfico.». Consultado em 22 de outubro de 2015. 
  2. O Século Ilustrado. Hemeroteca Digital
  3. PIMENTA, Inês Machado Guedes.; Flama e O Século Ilustrado, análise de Outubro 1968. Faculdade de Letras da Universidade do Porto. P. 21
  4. Sociedade Nacional de Tipografia - Jornal O Século. Associação dos Amigos da Torre do Tombo
  5. CARMO, Teresa Maia e. Evolução portuguesa do jornalismo cultural. Janus 2006. P. 6
  6. MANUEL, Alexandre. Da Imprensa Regional da Igreja Católica. O que é, quem a faz e quem a lê. Edições MinervaCoimbra, 2013. P. 111
  7. FERREIRA, Paulo Rodrigues. Culturas de protesto em Portugal na imprensa periódica (1968-1970). Tese de mestrado, História Contemporânea, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 2010. P. 43 e 68