O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O dragão da maldade contra o santo guerreiro
 Brasil
1969 •  cor •  100 min 
Direção Glauber Rocha
Roteiro Glauber Rocha
Elenco Maurício do Valle
Odete Lara
Othon Bastos
Hugo Carvana
Género aventura / western
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro, é um filme brasileiro de 1969, do gênero aventura e western, dirigido por Glauber Rocha. O título faz referência à lenda da luta de São Jorge contra um dragão que assolava um vilarejo que visitou.

O filme é conhecido internacionalmente como Antonio das Mortes, nome do protagonista, e que apareceu em outro filme do diretor, Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964).[carece de fontes?]

Apesar da história simples, o diretor Gláuber Rocha a conta de uma forma alegórica, misturando cordel e ópera, priorizando a música e os ritos folclóricos próprios da população nordestina.Glauber envolve a narrativa dentro do olhar metalinguistico comum ao cinema novo. A camera arrastada e a música vibrante Nordestina dão quase uma impressão de continuação a Deus e o Diabo. Por muitos é considerado a obra prima do Mestre Glauber, que mistura o ritual antropofagico Nordestino, sua "seita" e seu folclore ao encontro apoteótico com uma forma diferente de se fazer cinema, seguindo os parâmetros do cinema novo -já passado a fase experimental da primeira leva de filmes.

Em novembro de 2015 o filme entrou na lista feita pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Antônio das Mortes (Maurício do Valle) atravessa a caatinga atirando. Coirana (Lorival Pariz), com seu bando de cangaceiros, ocupa a vila Jardim de Piranhas com bandeiras e estandartes e reúne-se no centro da praça com os influentes locais: o coronel Horácio (Jofre Soares), mandante absoluto; Mattos (Hugo Carvana), indivíduo idealista e servil, puxa-saco; Laura (Odete Lara), esposa do Coronel. Assistindo estão o Professor (Othon Bastos), espécie de consciência do vilarejo e o cego Antão (Mário Gusmão). Coirana diz que vai voltar para enfrentar o dragão da maldade.

Num buteco, distante dali, Antônio das Mortes conta como encontrou Lampião que o convidou para entrar no cangaço, sendo que Corisco ficou enciumado. Antônio matou Corisco. Agora, vai a Jardim de Piranhas enfrentar os cangaceiros. Apanha o chapéu e o rifle papo amarelo e parte.

Na vila, o Coronel não gosta de jagunços mercenários, acha que eles trazem mais problemas, porém Mattos está decidido a acabar com a violência dos cangaceiros. Na verdade, quer a "paz" para instalar uma indústria local, gerar empregos. O Coronel tem medo que venha a reforma agrária, tem medo de perder suas terras e suas vacas.

Coirana, na encosta de uma montanha, diz para a Santa Bábara (Rosa Maria Penna) que é hora de queimar os vivos e destruir as cidades. Na vila, Antônio das Mortes recorda que matou mais de cem cangaceiros e hoje só vive na tristeza e lembrança. Agora, Coirana é um desafio para ele.

Beatos e cangaceiros entram novamente na cidade. Coirana e Antônio se defrontam. O cangaceiro grita que homem vai virar mulher, mulher vai pedir perdão. Prisioneiro vai ficar livre, carcereiro vai para a cadeia. Antônio pergunta se Coirana é verdade ou assombração. Este retruca: "Diga seu nome, fantasiado, quem abre assim a boca fica condenado". No duelo, Coirana cai, vai ser morto, e Santa Bárbara interfere; Antônio concede a vida ao inimigo. Levam Coirana ferido. O Coronel fica possesso e, com mais medo, diz que é um homem bom, distribui farinha e carne seca ao povo, reclamando que o governo não manda dinheiro para nada.

Ferido, deitado num balcão de bar, Coirana delira. É levado para fora, colocado aos pés da Santa Bárbara. Curioso, Antônio quer saber da Santa Bárbara de onde veio Coirana. Antônio diz que pensava ter sido Corisco o último cangaceiro. Ele está cansado, não quer matar mais gente. A Santa Bárbara grita: "Vai embora e cruze os caminhos do fogo do mundo pedindo perdão pelos crimes que cometeu".

Coirana mostra o punhal, aponta para Antônio: "Você é o dragão da maldade. Debaixo dessa capa tem uma camisa de ouro, por isso bala não entra em seu peito".

Antônio volta para o Jardim de Piranhas. Diz a Mattos para pedir ao Coronel que abra o armazém e dê toda comida ao bando de Coirana. E este que possa ficar por ali plantando banana.

Mattos quer que Antônio mate o Coronel. O Coronel recusa abrir o armazém, quer é matar Antônio. Mattos, que trouxe Antônio, agora quer que ele vá embora. Mattos diz que vai ser prefeito, vai resolver o problema de todo mundo.

O Coronel traz um caminhão de jagunços chefiados por Mata-Vaca (Vinícius Salvatori). Descobre-se que Mattos é amante de Laura. Este obriga Mattos a beijar Laura diante de toda a vila. Há um entrevero, Mattos, Laura e o Professor entram no bar, fecham a porta. Laura grita que Mattos prometeu levá-la embora da vila. O Professor discute com Mattos. Laura sai do bar, apanha o punhal de Mata-Vaca, crava no peito de Mattos.

Na encosta da montanha, Coirana morre. Antônio, Santa Bárbara e outros se aproximam. Ele quer enterrar Coirana no fundo do sertão. Na vila, o Professor arrasta o corpo de Mattos, seguido por Laura num vestido roxo. O padre avisa o Professor que Mata-Vaca vai matar os beatos, quer que procurem Antônio. Mas este, com o corpo de Coirana às costas, atravessa o sertão.

Na encosta da montanha, os jagunços dançam diante dos beatos que depois são mortos. Só a Santa Bárbara permanece viva. Quando Antônio chega à encosta, todos estão caídos e a Santa Bárbara cobre os olhos de Antônio com um espadim. Antônio se vai, seguido pelo Professor, que quer apanhar uma carona nos caminhões. O Professor tira o revólver e o punhal de Coirana.

Na vila, o Coronel e Laura, sentados numa marquesa, sobre os ombros dos jagunços, desafiam Antônio. O Professor diz que sua hora vai chegar. Antônio e Mata-Vaca se enfrentam com facões. Há um tiroteio. Laura é ferida. Surge o cego Antão vestido com as roupas de Oxóssi e enfia a lança no coração do Coronel - representando as reais figuras do "Dragão da Maldade" e do "Santo Guerreiro". No final, o Professor, com o corpo de Laura entre os braços, beija sua boca. Antônio das Mortes afasta-se pela estrada asfaltada, os caminhões passam. São mostradas imagens de São Jorge matando o dragão.[2]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Por esse trabalho, recebeu o Prêmio de Melhor Diretor do Festival de Cannes.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. André Dib (27 de novembro de 2015). «Abraccine organiza ranking dos 100 melhores filmes brasileiros». Abraccine. abraccine.org. Consultado em 26 de outubro de 2016. 
  2. ALZUGARAY, Cátia; ALZUGARAY, Domingo. (Editores). ISTOÉ: Cinema brasileiro., anexo da ed. 1466, p. 3-5.