O Menino do Dedo Verde

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de O menino do dedo verde)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Tistou les pouces verts
O Menino do Dedo Verde (BR)
100px
Tistu e Sr. Bigode
Autor (es) Maurice Druon
Idioma Francês
País  França
Género Ficção
Ilustrador Jacqueline Duhême
Arte de capa Jacqueline Duhême
Editora França Del Duca
Lançamento 1957
Páginas 200
Edição portuguesa
Edição brasileira
Tradução Dom Marcos Barbosa
Editora Brasil José Olympio
ISBN 8503001373

Tistou les pouces verts (O Menino do Dedo Verde (título no Brasil) ) é um livro infanto-juvenil escrito por Maurice Druon em 1957, sendo este o único livro fictício e de linguagem infantil que o autor escreveu. Foi traduzido para o português por Dom Marcos Barbosa, o mesmo escritor/poeta que traduziu O Pequeno Príncipe.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Tistu, desde pequeno era especial, de um modo que ninguém sabia , nem ele mesmo.

Como não conseguiu ficar na escola, Dona Mãe e Sr. Papai ( seus pais ) resolveram ensinar-lhe tudo que precisava saber na "prática".

Seu primeiro professor, Bigode ( jardineiro da casa de Tistu ), descobriu que Tistu tinha o polegar verde, isso significa que onde ele colocasse o polegar iriam nascer flores, pois em cada canto do mundo há sementes, só esperando que um menino especial como Tistu faça esta se transformar em uma flor. Por fim, Bigode disse a Tistu que não poderia contar isso a ninguém.

Seu segundo professor, Sr. Trovões, lhe mostrou o que era ordem e onde havia desordem, mostrando-lhe a favela de Mirapólvora, um lugar barrento e nogento. Tistu, achando  a favela um lugar sem alegria, não perdeu tempo! Onde passava pela favela colocava seu dedo verde! Fez isso também nos lugar onde levavam-no para aprender como na prisão e no hospital.

Um dia, no entanto, Tistu passou dos limites! Aconteceu que estava havendo uma guerra entre duas cidades, e Tistu não querendo que isso acontecesse, fez crescer flores em todos os canhões, o que causou a ira de todos em Mirapólvora, a cidade onde morava. Não havendo escolha, Tistu contou a todos que tinha polegar verde! Todos ficaram surpresos no começo, mas depois, acreditaram.

Após um tempo, uma coisa horrivél aconteceu! O grande amigo de Tistu, Bigode faleceu! Como falaram a Tistu que Bigode estava no céu, Tistu fez crescer uma grande planta  para que ele pudesse subir e buscar Bigode ou que Bigode pudesse descer.

Enquanto Tistu sobia , seu pônei Ginástico, corroia a planta.

Quando Tistu se deu conta, estava subindo sem tocar em nada e via que em si havia lindas assas brancas! No final o que Ginástico corroía era a seguinte frase: TISTU ERA UM ANJO!

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

O livro foi adaptado para o teatro, sendo a peça exibida até os dias de hoje[quando?] no Brasil. Também ganhou uma versão em desenho animado na França.

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.