Obá do Benim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Oba do Benim)
Ir para: navegação, pesquisa
Um obá do Benim do século XVII

O obá do Benim foi o obá (rei) do Império do Benim,[1] um antigo império africando também chamado Edo, com sua capital em Benin City (formalmente chamada de Ile Ibinu) nos dias atuais Nigéria, de 1180 até 1897. O título de 'obá' é proveniente do idioma nativo do Yoruba, (um grande grupo étnico africano), e significa rei ou governante. O antigo nome da cidade Benim também deriva da língua yoruba; Ile Ibinu literalmente significa "Casa da querela". A pátria Edo ou Benim (cujo território hoje se situa na Nigéria, e que não deve portanto ser confundido com o Benim de hoje, a República do Benim, anteriormente conhecido como Daomé), foi e continua sendo significativamente mais povoada pela Edo (também designado por Bini ou grupo étnico Benim). Em 1897, a 'Expedição punitiva' Britânica (ver Expedição ao Benim de 1897) saqueou Benin City e exilou o obá Ovonramwen, tomando controle da área a fim de estabelecer a Colônia Britânica da Nigéria. A expedição foi montada para vingar o assassinato de uma delegação oficial britânica em 1896. A expedição constou de soldados indígenas e oficiais britânicos. Para cobrir o custo da expedição, a Benin Royal Art foi leiloada pelos britânicos. O obá foi capturado e posteriormente autorizado a viver no exílio até à sua morte em 1914.

Placa de bronze do século XVI que representam a entrada para o Palácio do obá do Benim. Foto tirada no Museu Britânico de Londres.

Segundo a tradição oral, a primeira dinastia de Edo ou Império do Benim, foi o Oggi-Suo ou dinastia Ogiso. A segunda dinastia 'obá' foi fundada por Oranyan (também conhecido como Oranmiyan), um príncipe do reino Yoruba de Ife nos dias atuais Nigéria. O filho dele, Eweka I tornou-se o primeiro obá. O presente obá, Erediauwa I, é o 39º da dinastia obá.

Uma tradição oral afirma que durante o reinado o último Ogiso, seu filho e o herdeiro evidente Ekaladerhan foram banidos do Benim em consequência de uma das rainhas modificar uma mensagem do oráculo à Ogiso. O príncipe Ekaladerhan foi um guerreiro poderoso e bem amado. Partindo do Benim ele viajou no sentido oeste para a terra dos Yoruba. Nessa ocasião, o oráculo Ifá disse que o povo Yoruba de Ile Ife (também conhecido como Ife) será governado por um homem que sairia da floresta. Em seguida Ekaladerhans chegou na cidade Yoruba de Ife e ele finalmente instalou-se na posição de obá (que significa "rei" ou "imperador" Yoruba) e mais tarde recebeu o título de Ooni de Ife.

Ele mudou seu nome para 'Izoduwa', (que na sua língua nativa significa, 'Eu escolhi o caminho da prosperidade') e ser digno do Grande Oduduwa, também conhecido como Odudua, Oòdua e Eleduwa, do Yoruba.

Pela morte de seu pai, o último Ogiso, um grupo de Chefes do Benim liderados pelo Chefe Oliha veio para Ife, clamando ao obá (Rei) Oduduwa para retornar ao Benin para subir ao trono. A resposta de Oduduwa foi que "um governante não pode deixar o seu domínio", mas ele tinha sete filhos e iria pedir a um deles para voltar ao Benim para se tornar o próximo rei.

Nota: existem outras versões da história de Oduduwa. Muitas vezes os Yorubas referem-se a Oduduwa como proveniente de um lugar a leste da terra do povo Yoruba, no entanto, tende a não ser atribuída a Benin City.

Oranyan (também conhecido como Oranmiyan), um dos sete filhos de Oduduwa e filho da esposa Yoruba de Oduduwa Okanbi, concordou em ir para o Benim. Ele passou alguns anos no Benim, antes de retornar à terra Yoruba e estabelecer um reino Yoruba em Oyo. Diz-se que ele deixou o local com raiva e chamou-o "Ile Ibinu' (que significa, "terra de aborrecimento e irritação) e foi esta frase que se tornou a origem do antigo nome de Benin City, 'Ubini'. Oranmiyan, em seu caminho de casa para Ife, interrompido brevemente em Ego, onde ele engravidou a princesa Erimwinde, filha de Enogie de Ego e ela deu à luz uma criança chamada Eweka.

Escultura Yoruba, cabeça de bronze, Ife, Nigéria, século XII

Durante o reinado do obá Oduduwa como Alaafin de Oyo, Eweka tornou-se o obá em Ile Ibinu. obá Ewedo, um antepassado do obá Ewaka I, mudou o nome da cidade de Ile Ibinu para Ubini, que o português, na sua própria língua, o corrompeu ao Benim ou Bini. Em 1440, obá Ewuare [1], também conhecido como 'O Grande Ewuare' chegou ao poder e transformou a cidade-estado em um império. Por volta de 1470, ele nomeou o novo estado Edo.

Durante os séculos XIV e XV, o poder do obá do Benim estava no seu apogeu e diferentes monarcas da dinastia controlavam significativas extensões de terra na África. Durante esta época, requintada arte de bronze naturalista foi criada para valorizar e encarnar o poder do obá. A arte muitas vezes representava os antepassados para estabelecer a legitimidade. Formalmente, só se permitiu que obás do Benim possuíssem as famosas cabeças de bronze do Benim.

Lista dos obás do Império do Benim (1180-presente)[editar | editar código-fonte]

Pré-Império - obás do Benim (1180-1440)[editar | editar código-fonte]

obás do Império do Benim (1440-1897)[editar | editar código-fonte]

Pós-Império - obás do Benim (1914-Presente)[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

Enciclopédia Britânica [1] Ewuare the Great

Ligações externas[editar | editar código-fonte]