Obelisco do Vaticano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Obelisco do Vaticano
0 Place Saint-Pierre - Vatican.JPG
Patrocinador Amenemés II
Material granito vermelho (de Assuão)
Inscrições dedicações de Augusto e Tibério
Altura 40 metros
Local original Héliopolis
Local atual Vaticano Estado do Vaticano
Transportado por Augusto, Calígula e Papa Sixto V
Data de instalação 37 e 1586

O Obelisco do Vaticano (em italiano: Obelisco Vaticano) é um obelisco no centro da Praça de São Pedro no Vaticano, Roma. Originalmente do Egito, levado para o Vaticano por Calígula para decorar a "espinha" de seu novo Circo, onde posteriormente seria martirizado São Pedro, motivo pelo qual o obelisco foi mantido, por estar próximo ao local do martírio do apóstolo. É constituída de granito vermelho vindo de Assuão, sua base possuí quatro leões de bronze (de Prospero Antichi) e sua altura é de 40 m contando até a cruz, sendo o segundo maior obelisco de Roma, após o Obelisco Laterano, transportado para Roma três séculos mais tarde. A cruz em cima do obelisco guarda um dos pedaços originais da cruz de Jesus Cristo, colocadas ali pelo Papa Sixto V.

Origem do obelisco[editar | editar código-fonte]

O obelisco do Vaticano é desprovido de qualquer registro hieróglifo egípcio, mas possuí em duas das suas faces uma dedicação aos imperadores romanos Augusto e Tibério, feitos por Calígula. O obelisco provavelmente é nativo de Heliópolis (do Templo pilone de ), durante o reinado do faraó Amenemés II. A cruz de Cristo sobre o obelisco significa que Cristo venceu e está acima de tudo.

Transportado para Roma[editar | editar código-fonte]

Pintura mural (1685-1688) da Biblioteca Apostólica Vaticana -. Ereção de obelisco na Praça de la Basílica de São Pedro.

Ele foi transportado para Alexandria por Augusto, para um recém-construído Forum Iulii, pois após a conquista do Egito, obeliscos foram erguido em frente de templos e fóruns. Sendo poucos os registros dessa época.

Em seguida, os dados tornam-se seguros, sendo que Calígula em 37, transporta o obelisco para Roma, para se tornar a "espinha" do circo do Vaticano, ou circo de Calígula, então em construção. A localização do circo de Calígula antes da sua demolição é bem conhecida: a sua espinha, incluindo o obelisco que marca o centro, foi localizado a apenas poucos metros a sul da Velha Basílica de São Pedro, construída por doações do imperador Constantino I, toda a parte norte pertence à basílica. O obelisco em si é uma das construções mais antigas de Roma, sendo que nunca caiu. Ele permaneceu erguido em seu lugar de origem, de acordo com a imemorial tradição, próximo ao local do martírio do apóstolo Pedro.

No centro da Praça de São Pedro[editar | editar código-fonte]

A máquina de Domenico Fontana para mover o obelisco.

Durante a Idade Média, a bola dourada no topo do obelisco possuía as cinzas de Júlio César. O Papa Sixto V removeu o obelisco em 1586 para o centro da Praça de São Pedro, o arquiteto Domenico Fontana construiu máquinas de madeira para transportar o obelisco cerca de 300 metros, sendo preciso mais de novecentos homens para erguê-lo, demorando quatro meses, sendo considerada uma façanha técnica não vista desde a antiguidade. Fontana removeu a antiga bola de metal com as cinzas de César, colocando-a no Museu de Roma, onde está até a atualidade. Um século mais tarde, em 1660, Bernini construiria a Praça de São Pedro no aspecto atual, com duas séries de colunas idênticas no norte e no sul, com o obelisco no centro.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Armin Wirsching, Obelisken transportieren und aufrichten in Aegypten und in Rom, Norderstedt 2007, ISBN 978-3-8334-8513-8
  • L'Italia. Roma (guida rossa), Touring Club Italiano, Milão 2004
  • Cesare D'Onofrio, Gli obelischi di Roma, Bulzoni, 1967

Ligações externas[editar | editar código-fonte]