Objeto transnetuniano ressonante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Distribuição de centauros e objetos transnetunianos, com os objetos ressonantes em vermelho. O eixo horizontal representa o semieixo maior e período orbital, enquanto o vertical representa a inclinação.

Em astronomia, um objeto transnetuniano ressonante é um objeto transnetuniano em ressonância orbital com Netuno. Os períodos orbitais dos objetos ressonantes são uma relação simples com o período de Netuno (1:2, 2:3 etc). Por exemplo, um objeto em ressonância orbital 2:3 com Netuno completa 2 órbitas a cada 3 de Netuno. Objetos transnetunianos ressonantes podem tanto ser parte da população principal do cinturão de Kuiper, quanto do disco disperso.[1]

Acredita-se que objetos que estão atualmente em ressonância orbital com Netuno inicialmente seguiam órbitas heliocêntricas independentes. Durante a migração de Netuno no início da história do Sistema Solar, o planeta dispersava os corpos que encontrava; nesse processo, alguns dos corpos foram capturados em ressonância.[2]

Populações conhecidas[editar | editar código-fonte]

Ressonância 2:3 ("plutinos", período de ~250 anos)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Plutino

A ressonância 2:3 em 39,4 UA é de longe a maior categoria entre os objetos ressonantes, com 141 membros.[3] Os objetos dessa classe são chamados de plutinos, nome dado em homenagem a Plutão, o primeiro plutino descoberto. Alguns grandes plutinos incluem:[3][4]

Ressonância 3:5 (período de ~275 anos)[editar | editar código-fonte]

Uma população de 10 objetos conhecidos a 42,3 UA do Sol, incluindo:[4][3]

Ressonância 4:7 (período de ~290 anos)[editar | editar código-fonte]

Outra população importante, com 24 membros conhecidos, está a cerca de 43,7 UA do Sol. Os objetos dessa classe são pequenos (apenas um objeto tem magnitude absoluta maior que 6) e a maioria seguem órbitas próximas da eclíptica. Alguns objetos dessa classe:[4][3]

Ressonância 1:2 ("twotinos", período de ~330 anos)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Twotino

A ressonância 1:2, localizada a cerca de 47,8 UA do Sol, é muitas vezes considerada o limite exterior do cinturão de Kuiper. Objetos em ressonância 1:2 são conhecidos como twotinos. Twotinos têm inclinações menores que 15° e no geral excentricidades moderadas (entre 0,1 e 0,3).[5] Há 15 objetos dessa classe conhecidos.[3]

Existem muito menos objetos em ressonância 1:2 que plutinos. Simulações orbitais a longo prazo mostram que a ressonância 1:2 é menos estável que a 2:3; apenas 15% dos twotinos permanecem nessa condição por 4 bilhões de anos, comparados os 28% dos plutinos.[5] Consequentemente é possível que os twotinos tenham sido originalmente tão numerosos quanto os plutinos, porém o número foi diminuindo muito com o passar do tempo.[5]

Objetos com órbitas bem estabilizadas (em ordem de magnitude absoluta):[4]

Ressonância 2:5 (período de ~410 anos)[editar | editar código-fonte]

Há 15 objetos em ressonância orbital 2:5, localizados a cerca de 55,4 UA do Sol, incluindo:[4][3]

Outras ressonâncias[editar | editar código-fonte]

Há outras ressonâncias com um número menor de objetos, incluindo:[4]

Objetos ressonantes em órbitas distantes:[4]

Planetas anões em ressonâncias não confirmadas (possivelmente coincidentes) incluem:

Ressonância 1:1 (troianos de Netuno, período de ~165 anos)[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Troiano de Netuno

Alguns objetos possuem órbitas com semieixo maior muito parecido com o de Netuno, perto dos pontos de Lagrange do planeta. Esses troianos de Netuno, estão em ressonância orbital 1:1 com Netuno. Há doze troianos de Netuno conhecidos:[15]

Apenas os dois últimos objetos estão no ponto de Lagrange L5; os outros estão no ponto L4.[15]

Referências

  1. Hahn, Joseph M.; Malhotra, Renu (novembro de 2005). «Neptune's Migration into a Stirred-Up Kuiper Belt: A Detailed Comparison of Simulations to Observations». The Astronomical Journal. 130 (5). pp. pp. 2392–2414. Bibcode:2005AJ....130.2392H. doi:10.1086/452638 
  2. Malhotra, Renu (julho de 1995). «The Origin of Pluto's Orbit: Implications for the Solar System Beyond Neptune». Astronomical Journal. 110. pp. p. 420. Bibcode:1995AJ....110..420M. doi:10.1086/117532 
  3. a b c d e f «Trans-Neptunian objects». Consultado em 26 de outubro de 2011 
  4. a b c d e f g «MPEC 2010-B62 :Distant Minor Planets (2010 FEB. 13.0 TT)». Minor Planet Center. 30 de janeiro de 2010. Consultado em 26 de outubro de 2011 
  5. a b c M. Tiscareno, R. Malhotra (abril de 2008). «Chaotic Diffusion of Resonant Kuiper Belt Objects». The Astronomical Journal. 194 (3): 827–837. Bibcode:2009AJ....138..827T. arXiv:0807.2835Acessível livremente. doi:10.1088/0004-6256/138/3/827 
  6. Marc W. Buie (11 de abril de 2005). «Orbit Fit and Astrometric record for 02GD32». SwRI (Space Science Department). Consultado em 5 de fevereiro de 2009 
  7. Marc W. Buie (9 de novembro de 2007). «Orbit Fit and Astrometric record for 182397». SwRI (Space Science Department). Consultado em 29 de janeiro de 2009 
  8. Marc W. Buie (6 de dezembro de 2005). «Orbit Fit and Astrometric record for 119878». SwRI (Space Science Department). Consultado em 29 de janeiro de 2009 
  9. Marc W. Buie (16 de abril de 2004). «Orbit Fit and Astrometric record for 82075». SwRI (Space Science Department). Consultado em 29 de janeiro de 2009 
  10. «MPEC 2008-K28 : 2006 HX122». Minor Planet Center. 23 de maio de 2008. Consultado em 30 de janeiro de 2009 
  11. Marc W. Buie (21 de abril de 2007). «Orbit Fit and Astrometric record for 03LA7». SwRI (Space Science Department). Consultado em 29 de janeiro de 2009 
  12. Marc W. Buie (3 de março de 2008). «Orbit Fit and Astrometric record for 03YQ179». SwRI (Space Science Department). Consultado em 29 de janeiro de 2009 
  13. D. Ragozzine; M. E. Brown (4 de setembro de 2007). «Candidate Members and Age Estimate of the Family of Kuiper Belt Object 2003 EL61». The Astronomical Journal. 134 (6): 2160–2167. Bibcode:2007AJ....134.2160R. arXiv:0709.0328Acessível livremente. doi:10.1086/522334 
  14. a b Tony Dunn. «Possible resonances of Eris (2003 UB313) and Makemake (2005 FY9. Gravity Simulator. Consultado em 29 de janeiro de 2009 
  15. a b «List Of Neptune Trojans». Minor Planet Center. Consultado em 26 de junho de 2010 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]