Octavio Guedes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Octavio Guedes
Line-style-icons-newspaper.svg
Nome completo Octavio Massa Bragnoli Guedes
Nascimento 21 de novembro de 1966 (54 anos)
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Ocupação Escritor
Jornalista
Comentarista
Alma mater Universidade Federal Fluminense
Nacionalidade brasileiro
Atividade 1988 – presente
Trabalhos notáveis Essa República Vale Uma Nota
Estúdio i
Extra
GloboNews em Ponto
Prêmios Prêmio Esso de Jornalismo (2006)
Prêmio Esso de Jornalismo (2007)
Awards of Excellence (2010)
Empregador Grupo Globo

Octavio Massa Bragnoli Guedes (Rio de Janeiro, 21 de novembro de 1966) é um escritor, jornalista e comentarista brasileiro. Ele já foi diretor de redação do jornal Extra e atualmente é comentarista político no canal de notícias pago GloboNews. Guedes recebeu dois Prêmios Esso de Jornalismo e o prêmio Awards of Excellence, da Society for News Design, todos por seu trabalho no jornal Extra.[1] Guedes coescreveu, junto de seu colega Daniel Sousa, o livro Essa República Vale Uma Nota, lançado em 2019.[2]

Formação e carreira como jornalista[editar | editar código-fonte]

Nascido no Rio de Janeiro, Guedes é formado em jornalismo pela Universidade Federal Fluminense (UFF).[2] Guedes já trabalhou no Jornal do Brasil, O Globo e O Dia.[2] Em abril de 1998, Guedes participou da fundação do jornal Extra,[3] onde trabalhou como editor executivo e diretor de redação.[2]

Em 2013, assumiu como âncora na rádio CBN Rio, onde já trabalhava como comentarista e ficou na rádio até 2015.[2][4]

Atualmente, Guedes é comentarista político do canal de notícias pago GloboNews (e ocasionalmente na TV Globo),[5] onde faz participações nos telejornais GloboNews em Ponto, Jornal da GloboNews e Estúdio i.[6] Frequentemente Guedes chama a atenção do público por seus debates e comentários que faz ao vivo.[6][7][8][9]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em 2006, Guedes recebeu Prêmio Esso de Jornalismo, na categoria primeira página. A primeira página vencedora, do jornal Extra, trazia a manchete: "Eles são sem-terra, sem respeito, sem educação e sem vergonha". Foi publicada no dia 7 de junho de 2006 e intercalava as vírgulas do título com fotos sobre o quebra-quebra promovido por cerca de mil manifestantes integrantes do Movimento de Libertação dos Sem Terra no Congresso Nacional em Brasília.[2]

Em 2007, recebeu outro Prêmio Esso de Jornalismo, também na categoria primeira página, com a mesma equipe do prêmio anterior. A capa vencedora tinha na manchete: "Autoridades já fizeram até piada com a crise aérea, e quem chora somos nós", além da foto da ministra rindo em cima e abaixo a de alguém chorando sobre um balcão de embarque.[2]

Em 2010, recebeu o prêmio Awards of Excellence, da Society for News Design (SND – em português: Sociedade para o Design de Notícias), na categoria Páginas/Design de notícias. A capa era uma homenagem a Michael Jackson, publicada logo após sua morte em 25 de junho de 2009, e tinha a manchete: "Michael Jackson: This is it, Finished!"[2][1]

Lista de prêmios recebidos por Octavio Guedes
Ano Prêmio Categoria Indicado por Resultado
2006 Prêmio Esso de Jornalismo Primeira página Capa do Extra sobre manifestantes do Movimento de Libertação dos Sem Terra. Vencedor
2007 Prêmio Esso de Jornalismo Primeira página Capa do Extra sobre acidente aéreo da TAM no aeroporto de Congonhas. Vencedor
2010 Awards of Excellence Páginas/Design de notícias Capa do Extra em homenagem a Michael Jackson. Vencedor

Escritor[editar | editar código-fonte]

Guedes coescreveu o livro Essa República Vale Uma Nota junto de Daniel Souza, economista e comentarista também no canal GloboNews.[10] O livro conta, através de um personagem fictício, histórias reais da república brasileira, desde a época de Marechal Deodoro até os dias atuais. O livro foi lançado em 14 de novembro de 2019 pela editora Máquina de Livros.[11][12]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Octavio Guedes Ninguém vai transformar em crime o trabalho jornalístico de apurar. Ninguém vai me intimidar com milícia digital. Eu vou continuar apurando e vou continuar sempre ouvindo os dois lados, de preferência em ambientes públicos. Isso se chama jornalismo! Octavio Guedes

— Guedes comentou sobre caso em que foi fotografado com o procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro.[13]

Em janeiro de 2019, em entrevista ao SBT Brasil, o senador Flávio Bolsonaro (PSL), ao ser perguntado se iria se afastar do cargo por conta das investigações do caso Queiroz pelo Ministério Público, afirmou ser vítima de perseguição política e atacou a Rede Globo por conta de reportagens veiculadas sobre o caso.[14] Bolsonaro mostrou fotos de Guedes sentado em um restaurante com José Eduardo Gussem, procurador-geral de Justiça do Ministério Público do Rio de Janeiro e com Cláucio Cardoso, promotor de justiça, e disse, sem provas, que eles estavam conversando sobre seu processo.[15] Guedes comentou sobre o caso: "Ninguém vai transformar em crime o trabalho jornalístico de apurar. Ninguém vai me intimidar com milícia digital. Eu vou continuar apurando e vou continuar sempre ouvindo os dois lados, de preferência em ambientes públicos. Isso se chama jornalismo!"[13][16]

No dia 15 de março de 2019, o PSL, partido de Bolsonaro, protocolou na Corregedoria Geral do Ministério Público do Estado representações contra Gussem e Cardoso, pela atuação dos dois na investigação de Bolsonaro. As fotos de Gussem e Cardozo com Guedes foram anexadas ao processo.[17]

Octavio Guedes Roubaram a vírgula, sequestraram a referência e extorquiram o contexto. O pobre virou estúpido. Octavio Guedes

— Guedes, sobre o caso envolvendo fake news a seu respeito.[18]

Em agosto de 2020, Guedes foi alvo de calúnias e fake news nas redes sociais e sites bolsonaristas,[19] ao ter um comentário seu, tirado de contexto, compartilhado pelo senador Flávio Bolsonaro e seu irmão, o deputado Eduardo Bolsonaro.[20] No dia 14 de agosto, ao analisar uma pesquisa Datafolha sobre a popularidade do presidente brasileiro Jair Bolsonaro, durante o telejornal GloboNews em Ponto, Guedes fez uma paráfrase de um bordão conhecido pelos norte-americanos: "é a economia, estúpido". Guedes trocou a palavra "economia" pela palavra "pobre", para indicar que a população de baixa renda seria responsável pela popularidade do presidente e disse: "Se eu tivesse que fazer uma manchete sobre isso, faria: é o pobre, estúpido". A frase foi citada nas redes sociais sem a vírgula, dando a entender que ele havia chamado pobres de estúpidos. O "estúpido" da frase dita por Guedes se refere ao interlocutor (quem ouve a fala), e não aos pobres.[21] Guedes comentou sobre o caso: "Roubaram a vírgula, sequestraram a referência e extorquiram o contexto. O pobre virou estúpido."[18][22]

Em dezembro de 2020, Guedes foi citado, junto com outros 76 jornalistas e influenciadores digitais, em um relatório produzido para o governo federal, que analisava postagens em redes sociais e feitas pelos citados. Intitulado "mapa de influenciadores", o relatório classificava os jornalistas e influenciadores como "detratores", "neutros informativos" e "favoráveis" e sugeria medidas para lidar com eles. No relatório, Guedes foi classificado como "detrator".[23]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Capa do EXTRA em homenagem a Michael Jackson ganha prêmio internacional». Extra. Infoglobo. 22 de fevereiro de 2010. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  2. a b c d e f g h «Octavio Guedes». Portal dos Jornalistas. Junho de 2014. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  3. «Octavio Guedes fala sobre os novos desafios com a fusão da redações do Globo e do Extra». O Globo (vídeo). Infoglobo. 29 de janeiro de 2017. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  4. «Octavio Guedes deixa CBN e Carolina Morand assume comando de programa no RJ». Portal Imprensa. 28 de agosto de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  5. Guedes, Octavio (14 de maio de 2020). «Octávio Guedes comenta sobre o problema dos respiradores e do tomógrafo da Rocinha». Bom Dia Rio. TV Globo. Consultado em 13 de junho de 2020 – via Globoplay 
  6. a b Padiglione, Cristina (14 de janeiro de 2021). «Do desentendimento ao debate civilizado, divergências fazem bem à GloboNews». TelePadi. Folha de São Paulo. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 – via UOL 
  7. Caroline, Amanda (26 de agosto de 2020). «Jornalista quebra caneca ao vivo e leva outra bronca de Beltrão: "Lamentável"». Yahoo! Notícias. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  8. «Otávio Guedes compara Bolsonaro com Nazaré Tedesco». UOL. 26 de janeiro de 2021. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  9. Benício, Jeff (23 de março de 2020). «GloboNews: jornalista chama Bolsonaro de "Tiririca raivoso"». Terra. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  10. «Em 'Essa República vale uma nota', Octavio Guedes e Daniel Sousa mostram com humor que o Brasil 'anda em círculos' há 130 anos». G1. Grupo Globo. 27 de novembro de 2019. Consultado em 5 de março de 2021 
  11. «Essa República Vale Uma Nota». Google Livros. 2019. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  12. «Livro de Octavio Guedes e Daniel Souza trata com humor os 130 anos da República». Observatório da Imprensa. 26 de novembro de 2019. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  13. a b «Octavio Guedes sobre foto que circula na internet: 'Sou pago para entrevistar fontes'». Estúdio i. GloboNews. 24 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 – via G1 
  14. «Ao SBT, Flávio Bolsonaro nega possível renúncia e ataca Globo». Poder360. 24 de janeiro de 2019. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  15. Bergamasco, Débora (24 de janeiro de 2019). «Exclusivo! Flávio Bolsonaro concede entrevista ao SBT». SBT Brasil. SBT. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 – via YouTube 
  16. Stycer, Mauricio (25 de janeiro de 2019). «Ninguém vai transformar o jornalismo em crime, diz comentarista da GloboNews». UOL. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  17. «PSL do Rio e Flávio Bolsonaro fazem representação contra MP fluminense». Poder360. 16 de março de 2019. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  18. a b Queiroz, Gustavo (17 de agosto de 2020). «#Verificamos: É falso que jornalista da GloboNews chamou nordestinos de 'pobres e estúpidos'». Agência Lupa. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 – via UOL 
  19. «Bolsonaristas ignoram vírgula de frase para atacar jornalista da GloboNews». Portal Imprensa. 17 de agosto de 2020. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  20. Pacheco, Paulo (17 de agosto de 2020). «Família Bolsonaro compartilha mentira sobre jornalista da GloboNews». Na Telinha. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 – via UOL 
  21. Monnerat, Alessandra (19 de agosto de 2020). «Posts tiram de contexto fala de jornalista da GloboNews sobre alta na aprovação de Bolsonaro». Estadão. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  22. Pacheco, Priscila (19 de agosto de 2020). «Jornalista Octavio Guedes não chamou nordestinos e pobres de estúpidos». Aos Fatos. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
  23. Valente, Rubens (1 de dezembro de 2020). «Relatório do governo separa em grupos jornalistas e influenciadores». UOL. Consultado em 16 de fevereiro de 2021 
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "veja rio" definido em <references> não é utilizado no texto da página.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.