Odílio Denys

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Odílio Denys
Dados pessoais
Nascimento 17 de fevereiro de 1892 Rio de Janeiro Santo Antônio de Pádua
Morte 5 de novembro de 1985 (93 anos) Rio de Janeiro Rio de Janeiro
Vida militar
Força Exército
Hierarquia Marechal.gif Marechal
Comandos

Odílio Denys (Santo Antônio de Pádua, 17 de fevereiro de 1892Rio de Janeiro, 5 de novembro de 1985) foi um marechal brasileiro.

Comandou a 3ª Divisão de Infantaria, em Santa Maria, entre setembro e novembro de 1946.[1]

Entre 21 de março de 1953 e 14 de junho de 1954 comandou a Zona Militar Sul, em Porto Alegre.[2]

Teve participações marcantes em diversos momentos decisivos nos governos Juscelino Kubitschek, Jânio Quadros e Jango.

Foi amigo pessoal do general Henrique Teixeira Lott, tendo aconselhado a este, então ministro da Guerra de Café Filho, a realizar o contragolpe para depor o presidente em exercício, Carlos Luz, que realizava um golpe com o apoio de Carlos Lacerda contra a posse de Juscelino Kubitschek, em novembro de 1955.

No entanto, em 1961, já com relações estremecidas, Denys mandou prender Lott que, durante a crise causada pela renúncia do presidente Jânio Quadros, escreveu um texto defendendo a Constituição, que garantia a posse de João Goulart, hostilizado pelos militares conservadores. Odílio, junto com o brigadeiro Gabriel Grün Moss (Aeronáutica) e o almirante Sílvio Heck (Marinha), constituiu uma junta militar, que na prática foi quem governou durante os 13 dias em que o paulista Ranieri Mazzilli, presidente da Câmara, esteve na presidência República interinamente, esperando Jango voltar de viagem a China. Eles tentaram vetar, sem êxito, a posse do vice-presidente João Goulart.

Foi ministro da Guerra entre 15 de fevereiro de 1960 e 7 de setembro de 1961, nos governos de Juscelino Kubitschek e Jânio Quadros. Foi, ainda, um dos articuladores do golpe militar de 1964.[3]

Seu filho, o general Rubens Bayma Denys foi ministro-chefe da Casa Militar no governo José Sarney e ministro dos Transportes no governo Itamar Franco.

Referências

  1. «Galeria de Comandantes da 3ª DE». Consultado em 17 de dezembro de 2014 
  2. «Galeria de Ex-Comandantes do CMS». Consultado em 12 de dezembro de 2014 
  3. Odylio Denys é sepultado com honras militares. Folha de S. Paulo, 7 de novembro de 1985

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Odílio Denys


Precedido por
Henrique Batista Duffles Teixeira Lott
Ministro da Guerra do Brasil
1960 — 1961
Sucedido por
João de Segadas Viana


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.