Odo de Bayeux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Odão.
Odo de Bayeux
Nascimento 1036
Normandia
Morte 1097 (61 anos)
Palermo
Sepultamento Catedral de Palermo
Cidadania Ducado da Normandia, Reino da Inglaterra
Progenitores Mãe:Herleva de Falaise
Pai:Herluino de Conteville
Irmão(s) Guilherme I de Inglaterra, Roberto
Ocupação padre católico
Título conde
Religião Igreja Católica
Odo, com uma maça em mãos, reagrupando tropas do duque Guilherme durante a Batalha de Hastings em 1066, como mostrado na tapeçaria de Bayeux. Tituli em latim acima: HIC ODO EP[ISCOPU]S BACULU[M] TENENS CONFORTAT PUEROS ("Aqui o bispo Odo, segurando sua maça, encorajando os jovens"). Duque Guilherme também é mostrado brandindo uma maça durante a batalha em outra cena.

Odo de Bayeux, por vezes referido como Odão ou Odo, Conde de Kent (morto em 1097), e Bispo de Bayeux, foi o meio-irmão de Guilherme, o Conquistador, e foi, durante algum tempo, o segundo no poder depois do rei da Inglaterra.[1]

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Era filho da mãe de Guilherme, o Bastardo, Arlete de Falaise, e Herluino de Conteville. O conde Roberto de Mortain era seu irmão mais novo.[2] Há incerteza sobre a sua data de nascimento. Alguns historiadores sugeriram que ele nasceu por volta de 1035. Duque Guilherme o fez bispo de Bayeux em 1049. Por isso, tem sido sugerido que seu nascimento foi anterior a 1030, fazendo com que tivesse uns dezenove anos, em vez de catorze, na época.

Conquista normanda e anos seguintes[editar | editar código-fonte]

Embora Odo fosse um clérigo cristão ordenado, ele é mais conhecido como guerreiro e estadista, participando do Conselho de Lillebonne. Encontrou navios para a invasão normanda da Inglaterra e é um dos poucos companheiros comprovados de Guilherme, o Conquistador, conhecido por ter lutado na Batalha de Hastings em 1066. A tapeçaria de Bayeux, provavelmente encomendada por ele para adornar sua própria catedral, parece trabalhar o ponto em que ele realmente não lutou, isto é, derramar sangue, em Hastings, mas incentivou as tropas da parte traseira. A anotação latina bordada na Tapeçaria acima de sua imagem cita: "Hic Odo Eps (Episcopus) Baculu(m) Tenens Confortat Pueros", ou, "Aqui Odo, o bispo que segura uma maça, fortalece os jovens." Sugeriu-se que seu status clerical proibisse-o de usar uma espada,[3] embora isso seja duvidoso: a maça era uma arma comum e usado frequentemente pela liderança,[4] inclusive pelo próprio Duque Guilherme, como também retratado na mesma parte da tapeçaria. Odo foi acompanhado por Guilherme, o transportador de seu báculo e um séquito de criados e membros de sua criadagem.

Em 1067, Odo tornou-se conde de Kent, e por alguns anos foi um ministro real confiável. Em algumas ocasiões em que Guilherme estava ausente (de volta à Normandia), ele atuou como regente de facto da Inglaterra,[5] e às vezes liderou as forças reais contra as rebeliões (por exemplo, a Revolta dos Condes): a esfera precisa de seus poderes não é certa. Há outras ocasiões em que acompanhou o duque de volta à Normandia.

Durante este tempo, Odo adquiriu vastas propriedades na Inglaterra, maior em extensão do que qualquer um, exceto o rei: ele tinha terra em vinte e três condados, principalmente no sudeste e na Ânglia Oriental.

Notas

  1. Thomas 2008, p. 156.
  2. Lingard, John (1853). A History of England: From the First Invasion by the Romans to the Accession of William and Mary in 1688. II. [S.l.]: Phillips, Sampson. p. 13 
  3. This reason for his use of a club was proposed by David C. Douglas & George W. Greenaway, (Eds.) in: English Historical Documents 1042-1189, London, 1959, p.238, The Bayeux Tapestry. As Duke William himself is shown further on also holding a club, the theory seems to lose force
  4. Ewart Oakeshott is of the opinion and thinks the club has significance as a symbol of leadership in "European Weapons and Armour" Ewart Oakeshott, 1980 P62-63
  5. Bates 2004.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Thomas, Hugh M. (2008). The Norman Conquest: England After William the Conqueror (em inglês). Lanham, MD: Rowman & Littlefield. ISBN 0742538400 
  • Ireland, William Henry (1829). England's Topographer: or A New and Complete History of the County of Kent (em inglês). Londres: G. Virtue 
Atribuição

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • LePatourel, John (1946). «The Date of the Trial on Penenden Heath». The English Historical Review (em inglês). 61 (241): 378–388. doi:10.1093/ehr/LXI.CCXLI.378 
  • «Odo of Bayeux (Norman noble)». Encyclopædia Britannica, Inc. Britannica Online Encyclopedia. Consultado em 24 de setembro de 2015 
  • Bates, David. 'The Character and Career of Odo, Bishop of Bayeux (1049/50–1097)', in: Speculum, vol. 50, pp. 1–20 (1975).
Precedido por
Vacante
Leofivino
Conde de Kent
1067–1088
Sucedido por
Vacante
Guilherme de Ypres