Odo de Saint Amand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde novembro de 2014). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicione esta.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2011)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Odo de Saint Amand (em francês: Eudes de Saint-Amand; 1110 - 1180) foi o oitavo Grão-Mestre dos Cavaleiros Templários entre 1171 e 1179.

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

St. Amand nasceu em uma família de Limusino, em França mas na Aquitânia quando se tinha aliado à Inglaterra sua rival. Ele foi Marechal de Jerusalém e depois Visconde. Ele era um líder obstinado da ordem, que lhe renderam elogios e ressentimentos em igual medida. Um exemplo disto pode ser encontrado em 1172 quando um cavaleiro templário, Gualtério de Maisnil, foi acusado de assassinar um dignitário islâmico pelo rei Amalrico I e St Amand se recusou a entregá-lo. Ele citou a bula papal que estipulava que o único poder sobre os templários era Roma.

Carreira Militar[editar | editar código-fonte]

Ainda no tempo do grão-mestre Bertrando de Blanchefort e com o posto de marechal ordem, quando lutavam ao lado Balduíno III de Jerusalém contra Nur al-Din, em 1157, foram ambos aprisionados depois de sofrerem uma emboscada no Vale de Jacó e só libertados passados três anos.

Já como grão-mestre, St. Amand participou de várias expedições durante o seu tempo.

Liderou uma ação militar em Nablus, Jericó e Gérasa, marcando vitórias consideráveis.

Talvez seu melhor momento foi na Batalha de Montgisard, onde os seus cavaleiros derrotaram o superior exército de Saladino.

Em março de 1179, em St Amand supervisionou a construção da fortaleza de Chastellet. Sua posição e inexpugnabilidade tornou um incômodo para Saladino e ele ofereceu uma quantia considerável de dinheiro para tê-la destruída. Foi tão eficaz que o ataque de Saladino a Jerusalém, em maio desse ano, foi derrotado. Suas forças destruíram as resistentes muralhas, e os combates ferozes dos Templários ali posicionadas causaram pesadas perdas para aos muçulmanos.

Tentando tirar proveito da vitória, um ataque contra as forças islâmicas foi organizada. Dando-se a Batalha de Marj Ayun, a 26 de Maio. Em número de oitenta cavaleiros[1] foi liderada pelo rei Balduíno IV, Raimundo III de Trípoli, Rogério de Moulins e o nosso Odo de St Amand. No entanto, Saladino se reagrupou e dizimou as forças cristãs. Balduíno IV escapou do massacre, levando com ele a Verdadeira Cruz, mas St. Amand foi capturado e levado como refém.

Pouco depois, em agosto de 1179, a nova fortaleza dos Templários foi capturada e os cavaleiros ali posicionados foram decapitados pelas forças muçulmanas.

St Amand morreu em um dos presídios de Saladino, embora ainda sem a data exata, em algum momento durante o mesmo ano de 1179[2]. Sua libertação foi proposta, em troca de um sobrinho de Saladino em cativeiro, mas as negociações chegaram muito tarde.

Em consequência disso o papa Alexandre III mandou editar a bula "Ad vestram non dubitamus", dirigida aos arcebispos e bispos para receberem condignamente os peregrinos que regressavam, atendendo que a Santa Sé tinha obrigação de confortar os que padeciam em defesa da fé, e recomendava para que honrassem ainda mais do que era costume fazê-lo os cavaleiros templários[3].

Recolhendo doações[editar | editar código-fonte]

Não foram só as vitórias de St. Amand importantes do ponto de vista militar, elas foram fundamentais na obtenção de novas promessas de dinheiro e recursos dos vários países da Europa. A exemplo, inspirado pela sensacional vitória dos templários em Montgisard, o Lorde Reinaldo de Margat doou metade da renda das suas cidades para as causas da ordem.

Referências

  1. Quadro Elementar Das Relações Politicas E Diplomaticas De Portugal Com As Diversas Potencias Do Mundo Desde O Princípio Da Monarchia Portuguesa Até Nossos Dias, Visconde de Santarém, Tomo Oitavo, nota pág. 11, Casa JP Aillaud, Pariz, 1853
  2. Quadro Elementar Das Relações Politicas E Diplomaticas De Portugal Com As Diversas Potencias Do Mundo Desde O Princípio Da Monarchia Portuguesa Até Nossos Dias, Visconde de Santarém, Tomo Oitavo, nota pág. 11, Casa JP Aillaud, Pariz, 1853
  3. Quadro Elementar Das Relações Politicas E Diplomaticas De Portugal Com As Diversas Potencias Do Mundo Desde O Princípio Da Monarchia Portuguesa Até Nossos Dias, Visconde de Santarém, Tomo Oitavo, pág.s 11 e 12, Casa JP Aillaud, Pariz, 1853

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Demurger, Alain (2005). Les Templiers, une chevalerie chrétienne au Moyen Âge (em francês). [S.l.]: Seuil. p. 611