Oduvaldo Vianna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Oduvaldo Vianna

Oduvaldo Vianna (São Paulo, 27 de fevereiro de 1892 - Rio de Janeiro, 30 de maio de 1972) foi um autor, diretor, produtor e roteirista de teatro e cinema brasileiro.

Suas peças teatrais começaram a ser encenadas em 1916. Em 1919 faz sucesso com "O Almofadinha" pela Companhia Nacional de Comédias e Vaudevilles no Teatro Carlos Gomes, no Rio de Janeiro. Do mesmo ano é a opereta O Clube dos Pirrôs pela Companhia Paschoal Segretto e as revistas "Viva a república" e "Flor da noite".

Em 1921, Oduvaldo cria com o escritor Viriato Corrêa e o empresário Nicolino Viggiani uma companhia que se instala no Teatro Trianon, o mais importante do Rio na década de 1920. Eles encenam três peças de Oduvaldo, entre elas "Terra Natal", comédia sobre os costumes importados adotados na, então, Capital Federal, e dissolvem a companhia em um ano.

Em 1922 é um dos fundadores da Companhia Abigail Maia, com a própria atriz, e no ano seguinte passa a dirigir a Companhia Brasileira de Comédias.

Em 1931, dirige suas próprias peças como "Um tostãozinho de felicidade" e "Sorrisos de mulher" na Companhia Brasileira de Espetáculos Modernos.

No mesmo ano passa a escrever para o principal ator da época, Procópio Ferreira, peças como "O Vendedor de ilusões", "Feitiço, "Segredo", "Mas que mulher!" e "Fruto proibido".

Sua consagração surge com "Amor", em 1933, com a Companhia Dulcina Durães Odilon. Ele mesmo dirigiu, com modernidades para a época, sua peça que defendia o divórcio para deixar os ex-cônjuges livres para novos amores.

Seu filme "Bonequinha de Seda" (1936), que ele dirigiu e roteirizou, tornou-se um clássico do cinema brasileiro.

Na segunda metade dos anos da década de 1930, ele dirige a Escola de Teatro Martins Pena. Na década seguinte chega ao rádio, onde passa a escrever radionovelas que ficam famosas, algumas chegam até a ganhar novas versões na televisão, anos depois.

Em 1963 recebe a Medalha de Honra ao Mérito, por mais de trinta anos dedicados ao teatro, dada pela Associação Brasileira de Críticos Teatrais.

É pai de Marilda Vianna, Yedda Vianna e Oduvaldo Vianna Filho.

Cinema e televisão[editar | editar código-fonte]

Dramaturgia[editar | editar código-fonte]

  • 1916 - Amigos de Infância
  • 1919 - Amor Bandido
  • 1919 - O almofadinha
  • 1919 - O Clube dos Pierrots
  • 1919 - Viva a República
  • 1919 - Flor da Noite
  • 1920 - Terra Natal
  • 1920 - A Casa do Tio Pedro
  • 1921 - Manhãs de Sol
  • 1921 - A Vida é um sonho
  • 1928 - O Castagnaro da Festa
  • 1929 - Diz isso cantando
  • 1931 - O vendedor de ilusões
  • 1931 - O Homem que Nasceu Duas Vezes
  • 1931 - Feitiço

Referências[editar | editar código-fonte]