Oil Rocks

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Oil Rocks
Neft Daşları
País  Azerbaijão
Cidade Baku
Área  
População  
  Cidade (2008) 2000
  QAS

A Oil Rocks (em azeri: Neft Daşları ) é um povoado industrial em Baku, Azerbaijão. O povoado integra o município de Çilov-Neft Daşları, no raion de Khazar.[1] Fica a 100 km da capital do país, e a 55 km da costa mais próxima, no Mar Cáspio. Uma cidade totalmente no mar, foi a primeira plataforma petrolífera no Azerbaijão, e a primeira plataforma petrolífera em alto mar a operar no mundo, incorporando diversas plataformas de perfuração.

O povoado começou com um único caminho na água e cresceu para um sistema de caminhos e plataformas construídos na parte de trás de navios afundados, para ser a fundação Neft Daşları.[2] A característica mais distintiva de Oil Rocks é que esta é, de facto, uma cidade funcional, com uma população de 2000 pessoas e mais de 300 km de ruas construídas em montes de terra e em aterros.[3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome original do povoado era Chernie Kamni ("Pedras Negras"), mas foi mais tarde renomeado de Neft Daşları ("Oil Rocks"), substituindo a alusão à cor negra do petróleo por uma referência à própria substância.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Construção do povoado[editar | editar código-fonte]

Selo soviético de 1971, ilustrando Oil Rocks.

O primeiro estudo geológico de larga escala da zona foi conduzido entre 1945 e 1948. O povoado de Neft Daşları foi construído em 1949, depois de ter sido descoberto lá petróleo, à profundidade de 1.100 metros no Mar Cáspio, tornando-se a primeira plataforma petrolífera em mar alto do mundo.[5][6]

Em 1951, Neft Daşları estava preparada para produzir, equipada com todas as infraestruturas necessárias na altura. As plataformas de perfuração estavam erigidas, os tanques de petróleo instalados, e as docas com boxes para os navios construídas. O primeiro petróleo aqui extraído foi carregado num navio tanque no mesmo ano.[7]

No ano de 1952, a construção sistemática de pontes de cavalates de ligação das ilhas artificiais começou. Diversas fábricas soviéticas construíram guindastes de montagem especialmente para serem usados em Neft Daşları, além de um navio grua que poderia transportar até 100 toneladas de petróleo. Foram também instalados martelos a diesel para colocar as estacas no leito marinho.[7]

A construção em larga escala começou em 1958, com hostels, hotéis, palácios culturais, pastelarias e lojas de limonada, alguns edifícios com nove andares.[8] O desenvolvimento em massa de Oil Rocks continuou entre 1976 e 1978, com a construção de um dormitório de cinco pisos e duas estações de compressão de petróleo-gás, com a criação de uma instalação de água potável e a construção de dois pipelines submarinos para o terminal de Dubendi, cada um com o diâmetro de 350 milímetros.[8] Além disso, foi instalado um viaduto para tráfego de veículos.[8] Como resultado, a área do povoado cresceu cerca de sete hectares nos anos 1960, com todo o comprimento das pontes dos cavaletes em aço a juntar-se às ilhas fabricadas pelo Homem, com mais de 200 km.[7]

Pós-independência[editar | editar código-fonte]

Em Novembro de 2009, o povoado celebrou o seu 60º aniversário.[9][10] Ao longo dos 60 anos anteriores, os campos petrolíferos de Oil Rocks produziram mais de 170 milhões de toneladas e 15 biliões de metros cúbicos de gás natural associados.[7] Os geologistas estimam actualmente que o volume de reservas recuperáveis ascende a 30 milhões de toneladas.[7]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população varia de tempo a tempo neste povoado. Em 2008, as plataformas tinham uma população combinada de 2000 pessoas entre homens e mulheres. Num momento, trabalharam lá 5000 pessoas.[11]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • Em 2008, uma equipa suíça de documentários, liderada pelo realizador Marc Wolfensberger, filmou "La Cité du Pétrole / Oil Rocks - City above the Sea" no povoado. O trabalho foi publicado em 2009.[12]
  • Oil Rocks surge numa cena do filme James Bond film The World Is Not Enough (1999).[13][14]

Referências

  1. «Belediyye Informasiya Sistemi» (em inglês). belediyye.org. Arquivado do original em 24 de Setembro de 2008 
  2. Timothy Gale (11 de Novembro de 2010). «Oil Rocks: An infrastructured Soviet city». Liquid Infrastructure. Cópia arquivada em 14 de Julho de 2012 
  3. Marcel Theroux (5 de Junho de 2009). «The Rock of Ages» (em inglês). Travel+Leisure. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 20 de abril de 2013 
  4. Azerbaijan International (1997). «Oily Rocks - Legend and Reality: The Early Days» (em inglês). Seyyad Ibrahimov. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 9 de Julho de 2012 
  5. «Oil Platforms» (em inglês). Oil Rigs and Platforms. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 10 de Setembro de 2012. The first oil platform in the world is the Oil Rocks (Neft Daşları) 
  6. Betty Blair (2006). «Oil Rocks in the Caspian: Birthplace to a New Trend in Soviet Art» (em inglês). Azerbaijan International. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 7 de Julho de 2012 
  7. a b c d e Vladimir Igorev (2010). «A man-made island of oil treasures» (em inglês). Oil of Russia. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 30 de Janeiro de 2013 
  8. a b c kuschk (22 de Dezembro de 2011). «Oil Rocks: The Offshore City of Neft Daşları». The Basement Geographer. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 10 de setembro de 2015 
  9. «Городу в Каспийском море уже 60 лет» (em russo). Life News. 2 de Fevereiro de 2010. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 5 de Setembro de 2012 
  10. «Oil Rocks is essential value for Azerbaijani people: president - UPDATE» (em inglês). Today.az. 6 de Novembro de 2009. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 17 de Julho de 2012 
  11. Arno Frank (14 de Novembro de 2012). «Forbidden City of Oil Platforms: The Rise and Fall of Stalin's Atlantis» (em inglês). Spiegel Online. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 27 de Fevereiro de 2014 
  12. «Oil Rocks: City Above the Sea» (em inglês). Internet Movie Database. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 10 de Setembro de 2015 
  13. James Turnbull (27 de Agosto de 2008). «Oil Rocks». Google Sightseeing. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 24 de Janeiro de 2013 
  14. Jean Patterson (1999). «Agent 007 Movie Scenes Shot in Baku» (em inglês). Azerbaijain International. Consultado em 10 de Setembro de 2015. Cópia arquivada em 16 de Julho de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Oil Rocks

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

  • Mir-Babayev M.F. The role of Azerbaijan in the World’s oil industry (O papel do Azerbaijão na indústria petrolífera mundial) – “Oil-Industry History” (EUA), 2011, volume 12, nº. 1, páginas 109 a 123.
  • Mir-Babayev M.F. Oil Rocks: the first city on the Caspian Sea (Oil Rocks: a primeira cidade no Mar Cáspio) – “Reservoir”, Canadá, 2012, volume 39, nº. 4, Abril, páginas 33 a 36.