Oimiakon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Diagrama climático de Oimiakon
Oimiakon
  Localidade rural  
Floresta de Oymyakon, em 2013.
Floresta de Oymyakon, em 2013.
Oimiakon está localizado em: Rússia
Oimiakon
Localização de Oimiakon na Rússia
Coordenadas 63° 15' N 143° 09' E
País Flag of Russia.svg Rússia
República autônoma Iacútia (República de Sakha)
Distrito Oimiakonsky
Administração
- Prefeito (a) Rosalia Kondakova
Altitude 741 m
População (2010)
 - Total 462
- Fuso horário VLAT (UTC+11)
- Horário de verão VLAT
Código postal 678752
Código de área 41154
Website oymiakon.ru

Oimiakon ou Oymyakon (em russo: Оймякон) é uma localidade do Leste da Sibéria (Rússia), junto ao Rio Indigirka, na República de Sakha, e tem cerca de 500 habitantes. É conhecida por ter o recorde de temperatura mais baixa numa localidade permanentemente habitada.

Em 6 de fevereiro de 1933, foi registrada temperatura de -67,7 ºC (-90 ºF) na estação meteorológica de Oimiakon.[1][2][3] Isto é, juntamente com a mesma leitura em Verkhoyansk, a temperatura mais baixa registada em qualquer local habitado permanentemente na Terra. É também a temperatura mais baixa registada no Hemisfério Norte.[2] Em seu curto verão, a temperatura pode chegar a 35 ºC positivos, entendendo-se que, juntamente às cidades russas de Verkhoyansk e Yakutsk, são as únicas cidades no mundo onde a amplitude térmica pode variar mais que 100 ºC.[4]

Localizado no nordeste da Rússia, esse município remoto – o centro urbano mais próximo, Yakutsk, está a 800 km de distância – foi fundado para amparar pastores de renas que utilizavam as águas termais da região para aquecer os rebanhos. Oimiakon situa-se a 63° 15' Norte de latitude e 143° 9' Este de longitude, a cerca de 800 km a leste de Yakutsk, uma das mais importantes cidades da Sibéria. Oimiakon fez história de uma maneira bastante peculiar em 1926, quando atingiu a temperatura recorde de 71,2 graus abaixo de zero. Mas essa medida nunca foi oficialmente reconhecida. Nenhum outro lugar permanentemente habitado pelo ser humano jamais registou frio tão espantoso.

No dialeto local Oimiakon significa água não congelada por causa da proximidade de fontes naturais de água. O solo é permanentemente congelado, do tipo permafrost.[5]

A vida é extremamente difícil, e os habitantes alimentam-se de cavalo e rena. O curto período estival permite obter alguns vegetais, ausentes dos hábitos alimentares durante todo o resto do ano. Os transportes são igualmente dificultados pelo facto de combustíveis como o gasóleo congelarem a -50 ºC (-58 ºF). As escolas suspendem as aulas quando as temperaturas estão abaixo dos -50 ºC. A tinta das canetas esferográficas congelam habitualmente e todo o equipamento eletrónico tem comportamento bizarro em função das diferentes reações de dilatação e contração dos metais a temperaturas extremamente baixas. O clima da cidade é subártico extremo (Dwd), apesar de estar em uma altitude mediana.[6]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]