Okinoshima (Fukuoka)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pix.gif Ilha Sagrada de Okinoshima e locais associados na Região de Munakata *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO
País  Japão
Critérios ii, iii
Referência 1535
Região** Fukuoka
Coordenadas Coordenadas : minutos ou segundos > 60
Histórico de inscrição
Inscrição 2017  (41 sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

Okinoshima (沖ノ島 Okinoshima?) é uma ilha que faz parte da cidade de Munakata, Fukuoka, Japan. É considerada um local sagrado pelos locais Munakata Taisha. A população da ilha consiste em um único homem empregado pelo santuário. A ilha faz parte da tradição religiosa japonesa conhecida como Xintoísmo, especificamente do culto ao Kami. A entrada de mulheres no local é proibida.

A ilha cobre a área de 0,97 quilômetros quadrados e tem máxima de elevação de 244 m (800 pés).

Em 2017, a Ilha Sagrada de Okinoshima e locais associados na Região de Munakata foram declarados Património Mundial da UNESCO.[1]

Munakata Taisha santuário Okitsu[editar | editar código-fonte]

Okitsu-gū

O santuário Okitsu-gū situa-se na porção sudoeste do Okinoshima. Ela foi fundada em meados do século 17. Antes de o santuário ser estabelecido como um local natural sagrado, seu entorno servia como um local para o culto dos kami. O santuário tem sido conservado nas mesmas condições, desde o Período de Shōwa, em 1932, antes do qual, ele tinha sofrido reparação e reconstrução diversas vezes.

UNESCO [editar | editar código-fonte]

Em 2009, a ilha foi enviado para a futura inscrição na Lista do Património Mundial da Unesco, como parte da série de nomeação Okinoshima Ilha e Locais Relacionados na Região de Munakata.[2][3] A ilha ganhou status de Patrimônio Mundial da UNESCO em 9 de julho de 2017. [4]

Os moradores locais tinham manifestado a sua preocupação de que a  inclusão da ilha na lista poderia provocar um aumento do turismo, o que iria ameaçar a sua sacralidade. Takayuki Ashizu, o sumo sacerdote no Munakata Taisha, disse que, independentemente da inclusão ou não de Okinoshima à lista do patrimônio cultural da UNESCO, a ilha não iria abrir para o público, porque "as pessoas não deveriam visitar por curiosidade."[5]

Em 2017, a Ilha Sagrada de Okinoshima e locais associados na Região de Munakata foram declarados Património Mundial da UNESCO.[6]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]