Olívia Santana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde dezembro de 2018) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Olívia Santana
Vereadora de Salvador
Período 1 de janeiro de 2005
até 31 de dezembro de 2012
Deputada estadual pela Bahia
Período 1º de fevereiro de 2019 a atualidade
Dados pessoais
Nome completo Maria Olívia Santana
Nascimento 25 de março de 1967 (52 anos)
Salvador (BA)
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade Federal da Bahia
Partido PCdoB
Profissão Professora
política

Maria Olívia Santana (Salvador, 25 de março de 1967) é uma política,[1] educadora e militante do movimento de mulheres negras brasileira.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Olívia Santana sempre lutou contra as desigualdades sociais e discriminações. Filha de uma empregada doméstica com um marceneiro, ela nasceu em uma família pobre, na invasão de Ondina, onde teve uma infância de carência extrema. Nasceu em Salvador no dia 25 de março de 1967, na comunidade do Alto de Ondina.[carece de fontes?] Aos 14 anos de idade, começou a trabalhar como faxineira, em uma escola particular para auxiliar no orçamento familiar. Sua história sofreu a primeira grande mudança em 1987, quando passou no vestibular da Universidade Federal da Bahia (UFBA) para pedagogia e deixou o emprego de faxineira do Colégio Universo do Guri para dedicar-se aos estudos.[carece de fontes?]

Iniciou a vida política em 1988, como presidenta do Diretório Acadêmico de Pedagogia e secretária de Educação e Cultura do Diretório Central dos Estudantes da UFBA. Foi vereadora de Salvador por 10 anos. Em 2007, foi instituído no Brasil o "Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa" (21 de Janeiro) pela Lei 11.635/07. Esta lei federal, foi inspirada na Lei 6.464/04 do Município de Salvador que teve a sua génese no Projeto de Lei de autoria de Olívia Santana da criação do "Dia Municipal de Combate à Intolerância Religiosa".[3] É autora também do Projeto de Lei do Livro e da Leitura.

Militante histórica das causas negras, Maria Olívia Santana - “A negona da cidade” - foi titular da Secretaria de Educação e Cultura de Salvador, ganhando destaque pela implantação do Sistema Informatizado de Matrícula e do ensino da História da África e da Cultura Afrobrasileira.[carece de fontes?]

Olívia integra o Fórum das Mulheres Negras e o Conselho de Promoção da Igualdade Racial. Também teve o privilégio de poder entregar ou propor a entrega da Medalha Zumbi dos Palmares a diversas personalidades como Vadinho França,[2] Egbomi Nice,[4] José Vicente (reitor),[5] Gilberto Gil,[6] entre outros.

Em 2012, foi candidata a vice-prefeita de Salvador, na chapa de Nelson Pelegrino (PT).[carece de fontes?]

Em 2015, foi nomeada pelo Governador da Bahia, Rui Costa, e passou a fazer parte da sua equipe. Olívia Santana dirigiu a Secretaria de Políticas para as Mulheres. Uma das suas primeiras iniciativas foi a parceria com a Secretaria de Segurança Pública, para a implantação da Ronda Maria da Penha, que protege as mulheres em situação de violência. Também foi idealizadora dos projetos Mulher com a Palavra e Mulheres na Ciência.[carece de fontes?]

À frente da Secretaria do Trabalho Emprego Renda e Esporte da Bahia, Olívia lutou e garantiu o bom funcionamento da Rede SineBahia, ampliando suas funções com a implantação de equipes do programa Primeiro Emprego e com o lançamento do Portal Contrate Bahia. Fortaleceu o cooperativismo, a Economia Solidária e as políticas do Esporte.[carece de fontes?]

Em 2018 foi eleita Deputada Estadual, pelo PCdoB-BA.[carece de fontes?]

Atividades políticas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «OLIVIA SANTANA - 13». UOL Eleições 2012. Consultado em 17 de Janeiro de 2014 
  2. a b «HOMENAGEM: Vadinho França recebe medalha Zumbi dos Palmares». Fundação Cultural Palmares. 13 de Setembro de 2010. Consultado em 17 de Janeiro de 2014 [ligação inativa]
  3. «Salvador celebra Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa». Portal Vermelho. 19 de Janeiro de 2012. Consultado em 17 de Janeiro de 2014. Arquivado do original em 19 de abril de 2014 
  4. «Egbomi Nice "coroada" com Medalha Zumbi dos Palmares». Câmara Municipal de Salvador. 18 de Dezembro de 2012. Consultado em 17 de Janeiro de 2014 
  5. «Medalha Zumbi dos Palmares ao reitor José Vicente». Câmara Municipal de Salvador. 3 de Dezembro de 2012. Consultado em 17 de Janeiro de 2014 
  6. «Gilberto Gil receberá Medalha Zumbi dos Palmares». Bahia Notícias. Consultado em 17 de Janeiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.