Oligodendrócito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Oligodendrócito
Neuron with oligodendrocyte and myelin sheath.svg
Os oligodendrócitos formam o isolamento elétrico em torno dos axônios das células nervosas do SNC.
Latim oligodendrocytus
Sistema Sistema nervoso central

Oligodendrócitos (do grego, 'células com alguns ramos') são um tipo de célula da glia cujas funções principais são fornecer suporte e isolamento para axônios no sistema nervoso central de alguns vertebrados, equivalente à função desempenhada pelas células de Schwann no sistema nervoso periférico. Os oligodendrócitos fazem isso criando a bainha de mielina.[1] Um único oligodendrócito pode estender seus processos para 50 axônios,[2] envolvendo aproximadamente 1 μm de bainha de mielina em torno de cada axônio; As células de Schwann, por outro lado, podem envolver apenas um axônio. Cada oligodendrócito forma um segmento de mielina para vários axônios adjacentes.[1]

Os oligodendrócitos são encontrados apenas no sistema nervoso central, que compreende o cérebro e a medula espinhal. Originalmente, pensava-se que essas células eram produzidas no tubo neural ventral; no entanto, a pesquisa agora mostra que os oligodendrócitos se originam da zona ventricular ventral da medula espinhal embrionária e, possivelmente, têm algumas concentrações no prosencéfalo.[3] Eles são o último tipo de célula a ser gerado no SNC.[4] Os oligodendrócitos foram descobertos por Pío del Río Hortega.[5][6]

Sem os oligodendrócitos, os neurônios não sobrevivem em meio de cultura. Em suas características físicas os oligodendrócitos mostram-se um corpo celular arredondado e pequeno, com poucos prolongamentos, curtos, finos e pouco ramificados (daí o nome: oligo= pouco; dendro= ramificação). Assim como em diversas células do corpo humano nos oligodendrócitos podem ser geradas neoplasias (tumores), que neste caso são os oligodedrogliomas.

Classificação[editar | editar código-fonte]

Os oligodendrócitos são um tipo de célula da glia. Eles surgem durante o desenvolvimento de células precursoras de oligodendrócitos (OPCs),[7] que podem ser identificadas por sua expressão de uma série de antígenos, incluindo o gangliosídio GD3,[8][9], o proteoglicano de sulfato de condroitina G2, e o receptor do fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF-alphaR).[10] Os oligodendrócitos maduros são amplamente classificados em oligodendrócitos satélites mielinizantes ou não mielinizantes. Os precursores e ambos os tipos maduros são tipicamente identificados por sua expressão do fator de transcrição OLIG2.[11]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A maioria dos oligodendrócitos se desenvolve durante a embriogênese e no início da vida pós-natal a partir de regiões germinativas periventriculares restritas.[12] A formação de oligodendrócitos no cérebro adulto está associada a células progenitoras restritas à glia, conhecidas como células progenitoras de oligodendrócitos (OPCs).[13] As células da zona subventricular migram para longe das zonas germinativas[13] para preencher as substâncias branca e cinzenta em desenvolvimento, onde se diferenciam e amadurecem em oligodendrócitos formadores de mielina.[9][14] No entanto, não está claro se todos os progenitores de oligodendrócitos sofrem essa sequência de eventos.

Entre a gestação média e o nascimento a termo, três estágios sucessivos da linhagem clássica de oligodendrócitos humanos são encontrados na substância branca cerebral humana: OPCs, oligodendrócitos imaturos (não mielinizantes) e oligodendrócitos maduros (mielinizantes).[15] Foi sugerido que alguns sofrem apoptose,[16] e outros não conseguem se diferenciar em oligodendrócitos maduros, mas persistem como OPCs adultos.[17] Notavelmente, a população de oligodendrócitos originada na zona subventricular pode ser dramaticamente expandida pela administração de fator de crescimento epidérmico (EGF).[18][19]

Função[editar | editar código-fonte]

Mielinização[editar | editar código-fonte]

Um oligodendrócito mielinizando vários axônios.

O sistema nervoso dos mamíferos depende crucialmente das bainhas de mielina, que reduzem o vazamento de íons e diminuem a capacitância da membrana celular, para uma rápida condução do impulso nervoso. A mielina também aumenta a velocidade do impulso, pois a propagação saltatória dos potenciais de ação ocorre nos nódulos de Ranvier entre as células de Schwann (do SNP) e os oligodendrócitos (do SNC). Além disso, a velocidade de impulso dos axônios mielinizados aumenta linearmente com o diâmetro do axônio, enquanto a velocidade de impulso das células não mielinizadas aumenta apenas com a raiz quadrada do diâmetro. O isolamento deve ser proporcional ao diâmetro da fibra interna. A proporção ideal do diâmetro do axônio dividido pelo diâmetro total da fibra (que inclui a mielina) é de 0,6.[20]

A mielinização é prevalente apenas em algumas regiões do cérebro no nascimento e continua na idade adulta. Todo o processo não está completo até cerca de 25-30 anos de idade.[20] Ratos que foram criados em um ambiente enriquecido, que é conhecido por aumentar a flexibilidade cognitiva, tiveram mais mielinização no corpo caloso.[21]

Suporte metabólico[editar | editar código-fonte]

Os oligodendrócitos interagem intimamente com as células nervosas e fornecem suporte trófico pela produção de fator neurotrófico derivado da linha de células gliais (GDNF), fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) ou fator de crescimento semelhante à insulina-1 (IGF-1).[22] Eles também podem fornecer metabólitos diretamente aos neurônios, conforme descrito pela hipótese do transporte de lactato.[23]

É hipotetizado que os oligodendrócitos satélite (ou oligodendrócitos perineuronais) são funcionalmente distintos de outros oligodendrócitos. Eles não estão ligados aos neurônios por meio de bainhas de mielina e, portanto, não contribuem para o isolamento. Eles permanecem opostos aos neurônios e regulam o fluido extracelular.[2] Os oligodendrócitos satélite são considerados parte da substância cinzenta, enquanto os oligodendrócitos mielinizantes são parte da substância branca. Eles podem apoiar o metabolismo neuronal. Oligodendrócitos satélite podem ser recrutados para produzir nova mielina após uma lesão desmielinizante..[24]

Significância clínica[editar | editar código-fonte]

As doenças que resultam em lesão de oligodendrócitos incluem doenças desmielinizantes, como esclerose múltipla e várias leucodistrofias. Trauma no corpo (por ex. lesão da medula espinhal) também pode causar desmielinização. Os oligodendrócitos imaturos, que aumentam em número durante o meio da gestação, são mais vulneráveis a lesões por hipóxia e estão envolvidos na leucomalácia periventricular.[25] A disfunção de oligodendrócitos também pode estar implicada na fisiopatologia da esquizofrenia e transtorno bipolar.[26]

Os oligodendrócitos também são suscetíveis à infecção pelo vírus JC, que causa leucoencefalopatia multifocal progressiva (LMP), uma condição que afeta especificamente a substância branca, geralmente em pacientes imunocomprometidos. Os tumores de oligodendrócitos são chamados de oligodendrogliomas. O agente quimioterápico Fluorouracil (5-FU) causa danos aos oligodendrócitos em camundongos, causando danos agudos ao sistema nervoso central (SNC) e piora progressiva da degeneração do SNC.[27][28]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Carlson, Neil (2010). Physiology of Behavior. Boston, MA: Allyn & Bacon. pp. 38–39. ISBN 978-0-205-66627-0 
  2. a b Baumann, Nicole; Pham-Dinh, Danielle (1 de abril de 2001). «Biology of Oligodendrocyte and Myelin in the Mammalian Central Nervous System». Physiological Reviews (em inglês). 81 (2): 871–927. ISSN 0031-9333. PMID 11274346. doi:10.1152/physrev.2001.81.2.871 
  3. Richardson, WD; Kessaris, N; Pringle, N (2006). «Oligodendrocyte wars.». Nature Reviews. Neuroscience. 7 (1): 11–8. PMC 6328010Acessível livremente. PMID 16371946. doi:10.1038/nrn1826 
  4. Thomas, JL; Spassky, N; Perez Villegas, EM; Olivier, C; Cobos, I; Goujet-Zalc, C; Martínez, S; Zalc, B (2000). «Spatiotemporal development of oligodendrocytes in the embryonic brain». Journal of Neuroscience Research. 59 (4): 471–6. PMID 10679785. doi:10.1002/(SICI)1097-4547(20000215)59:4<471::AID-JNR1>3.0.CO;2-3 
  5. Pérez-Cerdá, Fernando; Sánchez-Gómez, María Victoria; Matute, Carlos (2015). «Pío del Río Hortega and the discovery of the oligodendrocytes». Frontiers in Neuroanatomy (em inglês). 9. 92 páginas. ISSN 1662-5129. PMC 4493393Acessível livremente. PMID 26217196. doi:10.3389/fnana.2015.00092 
  6. James, Owen G; Mehta, Arpan R; Behari, Madhuri; Chandran, Siddharthan (2021). «Centenary of the oligodendrocyte». The Lancet Neurology (em inglês). 20 (6). 422 páginas. doi:10.1016/S1474-4422(21)00136-8 
  7. Cameron-Curry, Patrizia; Le Douarin, Nicole M. (1995). «Oligodendrocyte precursors originate from both the dorsal and the ventral parts of the spinal cord». Neuron. 15 (6): 1299–1310. PMID 8845154. doi:10.1016/0896-6273(95)90009-8 
  8. LeVine, S. M.; Goldman, J. E. (1988). «Spatial and temporal patterns of oligodendrocyte differentiation in rat cerebrum and cerebellum». The Journal of comparative neurology. 277 (3): 441–455. doi:10.1002/cne.902770309 
  9. a b Hardy, R.; Reynolds, R. (1991). «Proliferation and differentiation potential of rat forebrain oligodendroglial progenitors both in vitro and in vivo.». Development. 111 (4): 1061-1080 
  10. Pringle, N.P.; Mudhar, H.S.; Collarini, E.J.; Richardson, WD (1992). «PDGF receptors in the rat CNS: during late neurogenesis, PDGF alpha-receptor expression appears to be restricted to glial cells of the oligodendrocyte lineage.» (PDF). Development. 115 (2): 535–51. PMID 1425339 
  11. Yokoo, H.; Nobusawa, S.; Takebayashi, H.; Ikenaka, K.; Isoda, K.; Kamiya, M.; Sasaki, A.; Hirato, J.; Nakazato, Y. (2004). «Anti-human Olig2 antibody as a useful immunohistochemical marker of normal oligodendrocytes and gliomas.». Am J Pathol. 164 (5): 1717–25. PMC 1615653Acessível livremente. PMID 15111318. doi:10.1016/S0002-9440(10)63730-3 
  12. Vallstedt, Anna; M.Klos,Joanna; =Ericson, Johan (2005). «Multiple Dorsoventral Origins of Oligodendrocyte Generation in the Spinal Cord and Hindbrain». Neuron. 45 (1): 55-67. doi:10.1016/j.neuron.2004.12.026 
  13. a b Menn, B; Garcia-Verdugo, JM; Yaschine, C; Gonzalez-Perez, O; Rowitch, D; Alvarez-Buylla, A (2006). «Origin of oligodendrocytes in the subventricular zone of the adult brain.». The Journal of Neuroscience. 26 (30): 7907–18. PMC 6674207Acessível livremente. PMID 16870736. doi:10.1523/JNEUROSCI.1299-06.2006 
  14. Levison, S.W.; Goldman, J.E. (1991). «Both oligodendrocytes and astrocytes develop from progenitors in the subventricular zone of postnatal rat forebrain». Neuron. 10 (2): 201-212. doi:10.1016/0896-6273(93)90311-e 
  15. Barateiro, Andreia; Fernandes, Adelaide (2014). «Temporal oligodendrocyte lineage progression: In vitro models of proliferation, differentiation and myelination». Biochimica et Biophysica Acta (BBA) - Molecular Cell Research. 1843 (9): 1917–1929. PMID 24768715. doi:10.1016/j.bbamcr.2014.04.018 publicação de acesso livre - leitura gratuita
  16. Barres, B. A., Hart, I. K., Coles, H. S., Burne, J. F., Voyvodic, J. T., Richardson, W. D., & Raff, M. C. (1992). «Cell death and control of cell survival in the oligodendrocyte lineage». Cell. 70 (1): 31–46. doi:10.1016/0092-8674(92)90531-g 
  17. Wren et al., 1992
  18. Gonzalez-Perez, O, B; Romero-Rodriguez, R; Soriano-Navarro, M; Garcia-Verdugo, JM; Alvarez-Buylla, A (2009). «Epidermal growth factor induces the progeny of subventricular zone type B cells to migrate and differentiate into oligodendrocytes». Stem Cells. 27 (8): 2032–43. PMC 3346259Acessível livremente. PMID 19544429. doi:10.1002/stem.119 
  19. Gonzalez-Perez, O., B.; Alvarez-Buylla, A. (2011). «Oligodendrogenesis in the subventricular zone and the role of epidermal growth factor». Brain Research Reviews. 67 (1–2): 147–56. PMC 3109119Acessível livremente. PMID 21236296. doi:10.1016/j.brainresrev.2011.01.001 
  20. a b Fields, Douglas (2008). «White Matter Matters». Scientific American. 298 (March 2008): 54–61. Bibcode:2008SciAm.298c..54D. PMID 18357821. doi:10.1038/scientificamerican0308-54 
  21. Juraska, J. M.; Kopcik, J. R. (1988). «Sex and environmental influences on the size and ultrastructure of the rat corpus callosum». Brain Research. 450 (1–2): 1–8. PMID 3401704. doi:10.1016/0006-8993(88)91538-7 
  22. Bradl, M. (2010). «Oligodendrocytes: biology and pathology». Acta Neuropathol. 119 (1): 37–53. PMC 2799635Acessível livremente. PMID 19847447. doi:10.1007/s00401-009-0601-5 
  23. Philips, T; Rothstein, J.D. (2017). «Oligodendroglia: metabolic supporters of neurons.». J Clin Invest. 127 (9): 3271–3280. PMC 5669561Acessível livremente. PMID 28862639. doi:10.1172/JCI90610 
  24. Szuchet, S.; Nielsen, J.A.; Lovas, G.; Domowicz M.S.; de Velasco, J.M.; Maric, D.; Hudson, L.D. (2011). «The genetic signature of perineuronal oligodendrocytes reveals their unique phenotype.». Eur J Neurosci. 34 (12): 1906–22. PMC 4286392Acessível livremente. PMID 22132705. doi:10.1111/j.1460-9568.2011.07922.x 
  25. Kinney, HC; Back, SA (1998). «Human oligodendroglial development: relationship to periventricular leukomalacia.». Seminars in Pediatric Neurology. 5 (3): 180–9. PMID 9777676. doi:10.1016/s1071-9091(98)80033-8 
  26. Tkachev, D.; Mimmack, M.L.; Ryan, M.M. (2003). «Oligodendrocyte dysfunction in schizophrenia and bipolar disorder». Lancet. 362 (9386): 798–805. PMID 13678875. doi:10.1016/S0140-6736(03)14289-4 
  27. Dr. Mark D. Noble (27 de dezembro de 2011). «Chemotherapy-induced Damage to the CNS as a Precursor Cell Disease». University of Rochester. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2011 
  28. Han, R; Yang, Y. M.; Dietrich, J.; Luebke, A.; Mayer-Pröschel, M.; Noble, M. (2008). «Systemic 5-fluorouracil treatment causes a syndrome of delayed myelin destruction in the central nervous system». Journal of Biology. 7 (4): 12. PMC 2397490Acessível livremente. PMID 18430259. doi:10.1186/jbiol69 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]