Jogos Olímpicos de Verão de 2016

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Olimpíadas de 2016)
Ir para: navegação, pesquisa
Jogos da XXXI Olimpíada
Rio 2016
Logomarca dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016
Dados
Países participantes 206 [1][2]
Slogan Um mundo novo [3]
País anfitrião  Brasil
Atletas 11 303[4]
Eventos 28 modalidades[1][2]
Cerimônia de abertura 5 de agosto
Cerimônia de encerramento 21 de agosto
Abertura oficial Presidente interino Michel Temer
Juramento do atleta Robert Scheidt
Juramento do árbitro Martinho Nobre
Tocha Vanderlei Cordeiro de Lima
Estádio principal Estádio do Maracanã
◄◄ Londres 2012 {{{evento}}} Tóquio 2020 ►►

Jogos Olímpicos de 2016 conhecidos oficialmente como os Jogos da XXXI Olimpíada, mais comumente Rio 2016, foi um evento multiesportivo realizado no segundo semestre de 2016, na cidade do Rio de Janeiro, capital do estado homônimo, no Brasil.

A escolha da sede foi feita durante a 121ª Sessão do Comitê Olímpico Internacional, que aconteceu em Copenhague, Dinamarca, em 2 de outubro de 2009. Foram os primeiros Jogos Olímpicos de Verão sob a presidência de Thomas Bach.[5] e a oitava vez que o Brasil acolheu um grande evento multiesportivo. Foi a primeira edição dos Jogos Olímpicos sediados na América do Sul e a segunda na América Latina e nos trópicos, depois da Cidade do México 1968.[6] Foi ainda a quarta vez que uns Jogos Olímpicos de Verão ocorreram em uma estação climática diferente (Sydney 2000 foi parcialmente no inverno e na primavera australiana, e Tóquio 1964 e Cidade do México 1968 no outono), mas a primeira que decorreram integralmente no inverno local.[7] Pois os Jogos Rio 2016 ocorreram durante o inverno brasileiro, uma vez que a cidade localiza-se no hemisfério sul.[7]

O evento decorreu no período de 5 a 21 de agosto de 2016 e as Paralimpíadas ocorreram entre 7 e 18 de setembro desse ano, na mesma cidade e com organização do mesmo comitê.[8] O local de abertura e encerramento foi no Estádio do Maracanã, sendo a primeira vez, desde os Jogos Olímpicos de Verão de 1900 que a Cerimônia de abertura aconteceu num local diferente de onde foram realizadas as competições de atletismo,[9] e contou com a presença de diversas celebridades como a modelo Gisele Bündchen e os cantores Anitta, Gilberto Gil e Caetano Veloso.[10] Realizaram-se 306 disputas de medalhas em 28 esportes divididos em 42 modalidades,[1][2] duas a mais em relação aos Jogos Olímpicos de Verão de 2012. O Comitê Executivo do COI sugeriu as inclusões do rugby sevens e do golfe,[11] que foram aprovados durante a 121ª Sessão.[12]

Os Estados Unidos terminaram os Jogos na primeira colocação do quadro de medalhas pela quinta vez consecutiva, tendo a maioria das medalhas de ouro (46) e maior número de medalhas no geral (121).[13] A Grã-Bretanha terminou em segundo e a China em terceiro.[14] O Brasil ganhou 7 medalhas de ouro, e 19 no total, sendo o maior número de medalhas conquistadas pelo país na história das Olimpíadas, terminando em décimo terceiro lugar.[15] Esta edição dos Jogos também premiou com a medalha de ouro pela primeira vez os países de Fiji,[16] Kosovo,[17] Porto Rico,[18] Singapura,[19] Tadjiquistão,[20] Vietnã[21] e para os atletas independentes do Kuwait,[22] além do recorde de 1000 medalhas de ouro olímpicas para os Estados Unidos.[23]

Processo de candidatura[editar | editar código-fonte]

O processo de eleição da cidade-sede dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 ocorreu entre 2007 e 2009 e contou com a participação de sete cidades de três continentes. Outras ainda planejaram participar do processo, mas não se inscreveram.[24]

O ex-Ministro dos Esportes Orlando Silva Júnior, Prefeito Eduardo Paes, ex - Presidente Lula, ex-Governador Sérgio Cabral Filho e Presidente do COB Carlos Arthur Nuzman.
Membros da delegação brasileira comemoram a escolha do Rio de Janeiro.

Em 13 de setembro de 2007 encerrou-se o prazo de inscrições. Duas cidades da América (Chicago e Rio de Janeiro), duas da Ásia (Doha e Tóquio) e três da Europa (Baku, Madri e Praga) oficializaram a postulação.[25] Em 4 de Junho de 2008 o Comitê Olímpico Internacional (COI) revelou o resultado das avaliações preliminares das sete cidades postulantes, eliminando Baku, Praga, Doha e tornando as quatro restantes em cidades candidatas: Rio de Janeiro, Madrid, Tóquio e Chicago.[26]

A segunda fase começou com o Programa de Observação dos Jogos Olímpicos de Verão de 2008, em Pequim. Depois de elaborar o seu livro de candidatura e receber a visita da Comissão Avaliadora do Comitê Olímpico Internacional, as cidades agora candidatas participaram, em junho, de um encontro, promovido pela primeira vez na história, com os membros do COI, que elegeriam a cidade-sede dos Jogos de 2016.[27]

Em setembro de 2009, a Comissão Avaliadora divulgou o relatório com suas impressões sobre os projetos finalistas. Tóquio, a cidade que teve a nota preliminar mais alta, perdeu o favoritismo, principalmente devido aos baixos níveis de apoio popular que a candidatura recebia. Chicago sofreu com protestos da população contra os previstos gastos públicos para a preparação da cidade em meio a maior crise econômica mundial em décadas. A candidatura de Madrid teve o projeto mais criticado, principalmente por causa da falta de clareza das leis antidoping da Espanha e da estrutura organizacional do comitê local. As críticas fizeram os representantes da candidatura fazerem mudanças drásticas em pouquíssimo tempo, e, mesmo com o prefeito Alberto Ruiz-Gallardón já admitindo a derrota, o Parlamento Espanhol aprovou a alteração nas leis antidoping do país poucos dias antes da votação. O Rio de Janeiro, apesar de ter tido boas notas, teve problemas com a acomodação e os transportes.[28] As avaliações foram consideradas equilibradas, não sendo possível até então apontar alguma cidade como favorita, nem pelo presidente do COI, Jacques Rogge,[29] nem pelos membros da entidade, que tinham o direito de escolher a vencedora,[30] assim como por órgãos de imprensa e sites especializados.

Eleição[editar | editar código-fonte]

A cidade-sede dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Verão de 2016 foi escolhida em 2 de outubro de 2009, em Copenhague, na Dinamarca, em votação durante a 121ª Sessão do Comitê Olímpico Internacional. Após as eliminações de Chicago e Tóquio, Madri e Rio de Janeiro chegaram à final,sendo que a vencedora foi eleita por maioria dos votos.[31]

121ª Sessão
Comitê Olímpico Internacional
2 de outubro de 2009, no Bella Center, Copenhague, Dinamarca.
Bids for the 2016 Summer Olympics.svg
Cidade Nação 1ª Rodada 2ª Rodada 3ª Rodada
Rio de Janeiro  Brasil 26 46 66
Madri Flag of Spain.svg Espanha 28 29 32
Tóquio  Japão 22 20
Chicago  Estados Unidos 18

Preparação[editar | editar código-fonte]

Mapa dos locais de competição
Vista aérea do Parque Olímpico, com destaque para o Velódromo (em primeiro plano), as Arenas Cariocas 3, 2 e 1 e a Arena do Futuro (ao fundo).
Museu do Amanhã, projetado pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava e parte do Porto Maravilha
Arena do Futuro, cujos módulos serão transformados em escolas públicas

Na Assembleia Geral do COB do dia 22 de dezembro de 2009 foi criado o Comitê Organizador dos Jogos Olimpicos e Paralímpicos Rio 2016, cujo presidente é Carlos Arthur Nuzman.[32]

Locais e infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Os eventos foram distribuídos em quatro regiões espalhadas pelo Rio.[33][34][35] A maioria dos eventos foi realizada na zona oeste da cidade, na região da Barra da Tijuca. Os locais na área do Parque Olímpico do Rio fazem parte de uma ampliação do Complexo Esportivo Cidade dos Esportes.[36]

O maior espaço para os jogos em termos de capacidade é o Estádio do Maracanã, oficialmente conhecido como Estádio Jornalista Mário Filho, que pode abrigar 90 mil espectadores, sendo a sede das cerimônias de abertura e encerramento do evento, bem como das finais de futebol. Além disso, cinco locais fora do Rio de Janeiro foram sedes de eventos do futebol, nas cidades de Brasília, Belo Horizonte, Manaus, Salvador e São Paulo.[37]

Parque Olímpico[editar | editar código-fonte]

O Parque Olímpico do Rio de Janeiro é um conjunto de instalações no Complexo Esportivo Cidade dos Esportes que está sendo expandido no bairro da Barra da Tijuca. A construção teve início no dia 6 de Julho de 2012.[38]

O complexo inclui nove espaços esportivos na Zona Oeste do Rio de Janeiro, sendo que sete deles são estruturas permanentes. Após os jogos são concluídas, a Arena Carioca 3 irá se tornar uma escola de esportes, enquanto os outros seis locais farão parte do Centro Olímpico de Treinamento.[39][40]

Uma parte do Cidade dos Esportes que foi originalmente construída para sediar os Jogos Pan-Americanos de 2007, foi reutilizada, sendo composto pelo Parque Aquático Maria Lenk, Velódromo Olímpico do Rio e a Arena Olímpica do Rio, que no ano seguinte foi privatizada, tornando-se a HSBC Arena. Em agosto de 2011, foi divulgado o escritório de arquitetura britânico Estúdio Aecom como responsável pelo projeto.[41]

Porto Maravilha[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Porto Maravilha

O centro histórico da cidade está passando por um projeto de revitalização urbana beira-mar em grande escala chamado "Porto Maravilha". Ele abrange 5 quilômetros quadrados de área. O projeto visa a reestruturação a zona portuária do Rio de Janeiro, com a crescente atratividade do centro da cidade, e melhorar a posição de competitividade da cidade na economia global. A chamada "Região Portuária" (parte do Caju, Gamboa, Saúde, Santo Cristo e parte do Centro), que sofreu grande degradação a partir dos anos 1960 por falta de incentivo às indústrias e residências na região.[42]

Durante os Jogos, a Zona Portuária do Rio de Janeiro ofereceu ao público diversas atrações no "Boulevard Olímpico". O evento foi realizado no trecho entre a Gamboa e a Praça XV, pela orla. No local, o público acompanhou programações diárias com a transmissão de provas olímpicas ao vivo, programas culturais e apresentações de diversos artistas.[43]

A renovação urbana envolve: 700 km de redes públicas de abastecimento de água, saneamento, drenagem, eletricidade, gás e telecomunicações; 4 km de túneis; 70 km de estradas; 650 km² de calçadas; 17 km de ciclovias; 15 mil árvores e três estações de tratamento de esgoto.[44]

Financiamento[editar | editar código-fonte]

Obs.: o trecho seguinte está "compactado" de modo a despoluir visualmente o contexto da página toda.

Fase I – requerimento
Receita Governo federal Governo estadual Total
Fundos públicos R$3.022.097,88 R$3.279.984,98 R$6.302.082,86
Fundos privados R$2.804.822,16
General Total R$9.106.905,02
Fase II – candidatura

Receitas públicas

Receita Fundos públicos
Governo federal R$47.402.531,75
Governo estadual R$3.617.556,00
Governo municipal R$4.995.620,93
Total R$56.015.708,68
Receitas privadas
Receita Fundos privados
EBX R$130.000.000,00
Eike Batista R$1.000.000,00
Bradesco R$123.500.000,00
Odebrecht R$.300.000,00
Embratel R$300.000.000,00
LATAM Airlines Brasil¹ R$11.233.726,00
Total R$346.033.726,00

¹A LATAM Airlines Brasil contribuiu com R$1.233.726,00 na forma de descontos em passagens aéreas.[45]

Investimento
Olimpíadas/Cidade Investimento Público Privado
Parque Olímpico R$5,6 bilhões R$1,46 bilhão R$4,18 bilhões
Transporte público R$24 bilhões R$13,7 bilhões R$10,3 bilhões
Total R$29,6 bilhões - -

Fonte:[46]

Torneio de futebol[editar | editar código-fonte]

Quatro cidades, que também foram subsedes da Copa do Mundo FIFA de 2014, foram originalmente designadas a receber as partidas preliminares do futebol.[47] Inicialmente o Estádio do Morumbi foi designado como sede em São Paulo, mas com a construção da Arena Corinthians para a Copa do Mundo, este foi substituído para as Olimpíadas.[48][49]

Em 2015, o Comitê Organizador solicitou a inclusão de Manaus com subsede, cidade que também sediou jogos na Copa do Mundo de 2014, apesar da resistência inicial por parte da Federação Internacional de Futebol devido às grandes distâncias.[50][51] Porém, em março de 2015 a FIFA confirmou que o torneio de futebol será disputado nas quatro cidades originais, além de Manaus e do Estádio Olímpico João Havelange, no próprio Rio de Janeiro, que na segunda semana dos jogos irá sediar o atletismo, totalizando sete estádios em seis cidades.[52]

Publicidade[editar | editar código-fonte]

Logotipo[editar | editar código-fonte]

Escultura do logo dos Jogos de 2016 no Parque Olímpico do Rio de Janeiro

O processo de escolha do logotipo dos Jogos Olímpicos de 2016 reuniu 138 agências brasileiras. Na reta final, apenas oito continuaram no páreo.[53] Após passar pelo crivo de uma comissão julgadora de 12 membros, o desenho criado pela agência carioca Tátil foi o vencedor.[53]

O lançamento do logotipo ocorreu no dia 31 de dezembro de 2010 na festa de reveillon, em Copacabana.[53] Às 22 horas, a cantora Daniela Mercury chamou ao palco da festa a campeã olímpica Maurren Maggi e outros atletas para juntos revelarem a logomarca.[53] Estiveram presentes na festa, assistindo de camarote o presidente do COI (Comitê Olímpico Internacional), Jacques Rogge, o presidente do COB (Comitê Olímpico Brasileiro), Carlos Artur Nuzman, o governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, o prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, o ex-ministro dos esportes, Orlando Silva e a coordenadora da comissão do COI, Nawal El Moutawakel.

O logotipo é representado pela união de três figuras humanas unidas pelas mãos e pés nas cores verde, amarelo e azul.[54] O símbolo, que pela primeira vez na história é tridimensional, além de ser a primeira desde Turim 2006 que apresenta um símbolo da cidade sede, representa o ato de abraçar, cuja função é única na cultura brasileira, simbolizando a cultura acolhedora e receptiva do brasileiro e o morro do Pão de Açúcar, um dos mais famosos cartões postais do Rio de Janeiro; e entre outras interpretações os números que formam "2016" e a palavra "Rio".[54]

O logotipo provocou alguma controvérsia com a mídia brasileira que aponta semelhanças entre ela e o logotipo utilizado pela Fundação Telluride no Colorado e com a pintura de Henri Matisse, La Danse.[55] Os projetistas afirmaram que as semelhanças entre os três são mera coincidência.[56]

Transmissão[editar | editar código-fonte]

Centro Internacional de Transmissão, ao lado do Centro Principal de Mídia e do Hotel de Mídia, no Parque Olímpico

Os direitos de transmissão no Brasil foram concedidos pelo COI à proposta conjunta feita pelas Organizações Globo e o Grupo Bandeirantes de Comunicação. Posteriormente, as emissoras autorizaram a revenda dos direitos de televisão aberta para outras interessadas, sendo a única a Central Record de Comunicação.[57] A Globosat, que fez parte do consórcio formado pela Rede Globo e pela Rede Bandeirantes, vai transmitir pela TV por assinatura.[58] Por não ter comprado os direitos do evento esportivo, o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) não pôde usar os nomes "Olimpíada", "Jogos Olímpicos" ou similares para lançar quadros ou programas para suas transmissões. Por essa razão, o canal registrou o título “Corrida pelo Ouro”, e era com esse "slogan" que ele fazia matérias relacionadas ao tema.[59]

A NBC, por meio do presidente da divisão de esportes Mark Lazarus, anunciou ter ultrapassado na quarta-feira, 10 de agosto, a marca de 1 bilhão de minutos de "live streaming", transmissão ao vivo pela internet. O resultado supera toda a audiência digital registrada para em Londres em 2012, de 818 milhões de minutos de "live streaming". Nos próximos dias, deve-se superar a audiência digital acumulada para a Olimpíada na história.[60]

Pictogramas[editar | editar código-fonte]

No dia 7 de novembro de 2013 foram lançados os 64 pictogramas dos Jogos, sendo 41 olímpicos e 23 paralímpicos. Foi a primeira vez que todos os eventos foram contemplados. "Esse é um dos nossos diferenciais na história dos Jogos", declarou Carlos Arthur Nuzman, presidente do COB e do Comitê Rio-2016.[61] Todas as modalidades foram representadas em desenhos com fundo em formato das formas geográficas da cidade.[62] O conceito tipográfico dos pictogramas, segundo os desenvolvedores, "foi inspirado nas letras e números do logotipo Rio-2016 e na essência dos Jogos".[63]

Mascotes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Vinícius e Tom
Vinícius e Tom, os mascotes oficiais dos Jogos Olímpicos e dos Jogos Paralímpicos de Verão de 2016

Em 23 de novembro de 2014 foram anunciados as mascotes dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos durante o programa Fantástico, da Rede Globo.[64] Representando a fauna e flora brasileiras, o primeiro é uma mistura de todos os animais e possui a característica de se esticar o quanto quiser, pular bem alto e imitar o som de qualquer animal e representa as Olimpíadas. O segundo é uma mistura de todas as plantas das florestas brasileiras, conhece os segredos da natureza e sabe que com criatividade, inteligência e vontade pode chegar aonde quiser. Representa as Paralimpíadas.[65]

Após a divulgação oficial foi aberta uma votação popular pela internet para a escolha dos nomes das mascotes. Dentre as três opções estavam Vinicius e Tom, Oba e Eba e Tiba Tuque e Esquindim.[64] Em 14 de dezembro de 2014, foi escolhido o nome Vinícius e Tom, com 44% dos votos.[66] A escolha homenageia os músicos Vinicius de Moraes e Tom Jobim, dois expoentes da bossa nova e autores de Garota de Ipanema, uma das canções brasileiras mais conhecidas no mundo.[67]

Vinicius é o nome do mascote olímpico e Tom do paralímpico.[68]

Ingressos[editar | editar código-fonte]

Os preços dos bilhetes foram anunciados em 16 de setembro de 2014 e tudo será vendido em reais (R$). Um total de 7,5 milhões de bilhetes serão vendidos; 200 mil bilhetes menos em comparação aos Jogos Olímpicos de Verão de 2012, porque o tamanho de muitas arenas é menor. Os preços dos ingressos variam de 40 reais para muitos eventos até 4.600 reais para os assentos mais caros na cerimônia de abertura. Cerca de 3,8 milhões desses bilhetes estarão disponíveis a menos de 70 reais.[69][70] Apesar do esforço de deixar os ingressos a preços razoáveis, a crise econômica brasileira pode afetar a presença do público brasileiro nos jogos olímpicos no Rio de Janeiro. Segundo dados da Kantar Worldpanel, 83% dos brasileiros provavelmente não estarão presentes em nenhum evento das Olimpíadas 2016. O principal desafio para conseguir ir aos jogos é a falta de dinheiro para investir nesse momento de lazer, motivo dado por 60% dos entrevistados. Existem também aqueles que moram em outro estado e acham que o deslocamento para o Rio de Janeiro pode complicar a logística para acompanhar os jogos (42% dos respondentes). Apenas 24% declararam achar os ingressos caros[71].

Tocha Olímpica[editar | editar código-fonte]

A presidente Dilma Rousseff, entre o governador Luiz Fernando Pezão e o prefeito Eduardo Paes, na solenidade de divulgação da tocha olímpica

O desenvolvimento de escolha do design da tocha foi realizado através de um concurso entre 76 agências brasileiras que foram submetidas a uma comissão julgadora constituída por 11 membros. No final do concurso o modelo escolhido foi o da agência paulista Chelles & Hayashi.[72] A tocha olímpica foi revelada no dia 3 de julho de 2015 em um evento com a presença de autoridades públicas e do Comitê Olímpico Brasileiro em Brasília, incluindo a Presidente da República, Dilma Rousseff, o coordenador da equipe de vela brasileira, Torben Grael, a velejadora Isabel Swan, e pelo presidente do Comitê Organizador dos Jogos, Carlos Arthur Nuzman.[73]

A tocha olímpica é produzida com alumínio reciclado e tem acabamento acetinado. Ela é formada por seis segmentos que se abrem quando é acesa, que também é conhecido como “momento do beijo”, e que remetem à paisagem natural do Rio de Janeiro e do Brasil. O topo dourado da tocha é uma referência ao céu e ao sol, já o recorte inferior representa com a cor verde a montanha do Pão de Açúcar, o Morro Dois Irmãos e a Pedra da Gávea. Logo abaixo nas cores azuis estão representados as ondas e o mar, e por fim em azul escuro o calçadão de Copacabana. A malha triangular no final da tocha representa os três valores olímpicos: excelência, amizade e respeito. O comprimento da tocha quando fechada é de 63,5 cm e quando expandida é de 69 cm. Ela pesa aproximadamente 1,5 kg.[74]

O revezamento da tocha será feito por 12 000 carregadores em 83 cidades brasileiras[75] (incluindo todas as capitais dos 26 estados e do Distrito Federal). Após a fase grega (de Olímpia a Atenas), a tocha passou pelas cidades suíças de Genebra e Lausanne, onde visitou a sede das Nações Unidas e a sede do Comitê Olímpico Internacional, juntamente com o Museu Olímpico, ficando exposta por um dia.[76] A fase brasileira começou na capital, Brasília, e termina no Rio de Janeiro durante a cerimônia de abertura dos Jogos.[77]

Uma curiosidade é que no dia 3 de agosto, o prefeito da cidade do Rio de Janeiro, Eduardo Paes carregou a tocha olímpica. Com isso, ele tornou-se o primeiro político no cargo executivo a carregar a tocha na história dos Jogos olímpicos da era moderna. Pelo protocolo do COI, para não misturar excessivamente política e esporte, políticos no cargo podem apenas segurar a tocha e repassá-la, sem, no entanto, correr com ela.[78]

Trilha-sonora oficial[editar | editar código-fonte]

Em 25 de maio de 2016, o Comitê Organizador Local divulgou um videoclipe com uma nova versão da canção "A Vida do Viajante", de Luiz Gonzaga, como sendo a música oficial do revezamento da tocha olímpica.[79] A nova versão recebeu uma releitura nas vozes de Marcelo Jeneci, Luan Forró Estilizado, César Menotti e Fabiano, Roberta Sá, MC Koringa e Banda Malta. A versão com vários artistas promove um revezamento de ritmos, que simboliza a passagem da tocha de mão em mão.[80]

No dia 3 de julho de 2016 foi exibido em primeira mão pelo programa Fantástico, da Rede Globo, o videoclipe oficial da música-tema dos Jogos. Interpretada pelos cantores Thiaguinho e Projota, a canção “Alma e Coração”, tem letra de Léo da Baixada, Victor Reis e Rodrigo Marques, e foi produzida pela dupla Tropkillaz.[81]

Organização[editar | editar código-fonte]

Medalhas[editar | editar código-fonte]

As medalhas criadas para os Jogos de 2016

No dia 14 de junho de 2016 as medalhas foram apresentadas ao público pela primeira vez, numa cerimônia realizada na Arena do Futuro.[82] Pesando 500 g, as medalhas distribuídas no Rio 2016 são as maiores e mais pesadas da história dos Jogos de Verão. A de ouro tem 494 g de prata (metal) com 92,5% de pureza e 6 g de ouro, com 99,9% de pureza. A de prata tem 500 g de prata. A de bronze, com 40% de cobre reutilizado da própria Casa da Moeda, tem 475 g de cobre (97%) e 25 g de zinco (3%).[82] Além disso, as peças de ouro são 100% livres de mercúrio, e as de prata e bronze contam com 30% de material reciclado em sua composição. Já a fórmula da fita que prende as medalhas nos pescoços dos atletas é produzida com 50% de garrafas PET recicladas. Por fim, o estojo que guarda as preciosidades é feito de madeira produzida em áreas com atividade ambiental sustentável e socialmente responsável.[83] Seu tamanho, 85 mm, é o mesmo das dos Jogos de Londres 2012.[84]

Pela primeira vez na história elas têm o centro ligeiramente mais alto que as bordas.[83] Será a primeira vez também que as medalhas paralímpicas contam com guizos. Elas emitem sons diferentes para as medalhas de ouro, prata e bronze, trazendo uma experiência sensorial para os vencedores da Paralimpíada.[82]

As medalhas olímpicas mantiveram o padrão dos últimos Jogos, com a deusa da vitória, Nike, no centro do Estádio Panatenaico, na Grécia. Ao fundo, aparece a acrópole. No outro verso, uma coroa de louros gigante rodeia a logo da Rio 2016. A paralímpica é diferente, com a logo dos Jogos Paralímpicos de um lado e no outro inscrições em braille.[82]

Pódio olímpico e cerimonial de premiação[editar | editar código-fonte]

Equipe estadunidense com Michael Phelps após ganhar a medalha de ouro no revezamento 4 por 200m

Sobre o pódio olímpico, pela primeira vez na história dos Jogos a natureza aparece, tanto no pódio olímpico quanto no paralímpico.[82] Eles são feitos de madeira de pinheiro (Pinus eliote) e enfeitados com mangue de praia (Clusia fluminensis) e outras plantas representando a biodiversidade brasileira. De acordo com os criadores, o design das plataformas permite que elas sejam reutilizadas como móveis após os Jogos.[83] O Comitê Rio 2016 optou por não entregar ramos de flores aos medalhistas como era tradição em edições anteriores das Olimpíadas. Cada um dos medalhistas irá ganhar, além da medalha, uma edição especial do mascote Vinícius e uma escultura em 3D do logotipo dos Jogos.[84]

No dia 25 de julho de 2016, a organização do Rio 2016 divulgou como seriam feitas as cerimônias de premiação. Os medalhistas foram recebidos no pódio com três diferentes tipos de música e de vestimentas (estas assinadas pela estilista carioca Andreia Marques),[85] escolhidas de acordo com a modalidade.[86] A ideia partiu da diretora de apresentações esportivas do Comitê Rio 2016, Christy Nicolay, que explicou a escolha. As músicas foram divididas em três estilos: tradicional, popular e descolada. A tradicional foi tocada em premiações de esportes como hipismo e esgrima, e as pessoas utilizaram roupas mais formais, como blazers.[87] Já em esportes populares, como futebol, basquetebol e voleibol, as vestimentas foram mais descontraídas, acompanhadas de uma levada mais animada. Para a descolada, foram escolhidos roupas mais informais, que fizeram a integração com uma música com características do funk brasileiro, sendo apresentadas em cerimônias de voleibol de praia e do ciclismo BMX.[87]

Os jogos[editar | editar código-fonte]

Cerimônia de abertura[editar | editar código-fonte]

Estádio do Maracanã durante a cerimônia de abertura

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 ocorreu na noite de 5 de agosto no Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro, a partir de 20:00 (23:00 UTC).[88] Foi a primeira vez, desde os Jogos Olímpicos de Verão de 1900 que a Cerimônia de abertura aconteceu num local diferente de onde foram realizadas as competições de atletismo.[89]

Como estipulado pela Carta Olímpica, o processo combinou a abertura cerimonial formal deste evento desportivo internacional (incluindo discursos de boas-vindas, içar das bandeiras e do desfile de atletas) com um espetáculo artístico para mostrar a cultura do país anfitrião. Cerca de 78.000 espectadores testemunharam a cerimônia de abertura ao vivo do Estádio do Maracanã.[90]

Os diretores de criação para a cerimônia foram Fernando Meirelles, Daniela Thomas e Andrucha Waddington.[91] Deborah Colker, a primeira latino-americana a dirigir um espetáculo do Cirque du Soleil e tambéma mais famosa coreografa do país , preparou um elenco de mais de 6000 voluntários para dançar na cerimônia de abertura. Os ensaios começaram no final de maio de 2016.[92]

Para encerrar o revezamento da tocha olímpica, no final da cerimônia de abertura, Gustavo Kuerten trouxe a tocha ao estádio, passou a chama olímpica para Hortência Marcari, que retransmitiu a tocha para Vanderlei de Lima, medalhista de bronze da maratona nos Jogos Olímpicos de Verão de 2004 e único brasileiro consagrado com a Medalha Pierre de Coubertin.[93]

A Cerimônia de abertura funcionou como uma alavanca para o interesse pelos jogos nas redes sociais. No mesmo dia em que foram iniciadas as competições olímpicas (3 de agosto) o jogo Pokémon GO também havia chegado ao país, dividindo a atenção dos brasileiros conectados. No entanto, a partir da festa da cerimônia de abertura, as menções aos Jogos Olímpicos ultrapassaram as conversas relacionadas ao jogo da Niantic[94].

Cerimônia de encerramento[editar | editar código-fonte]

A cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016 ocorreu na noite de 21 de agosto no Estádio do Maracanã, a partir de 20:00 (23:00 UTC).[88] O diretor da cerimônia foi Rosa Magalhães.[95] Em meio a fortes chuvas, a cerimônia começou com dançarinos representando vários marcos da cidade anfitriã. Martinho da Vila, em seguida, cantou uma versão da clássica canção "Carinhoso" de Pixinguinha. Apresentando os atletas, a cantora Roberta Sá interpretou a cantora e atriz Carmen Miranda, utilizando um cocar de frutas. Logo após, um coro de 27 crianças representando os estados do Brasil, cantou o hino Nacional Brasileiro.[96]

Momento final da cerimônia de encerramento

Foram introduzidos quatro novos membros eleitos da comissão de atletas do Comitê Olímpico Internacional, a esgrimista Britta Heidemann da Alemanha, o tenista de mesa Ryu Seung-min da Coréia do Sul, o nadador Dániel Gyurta da Hungria e a saltadora com vara Yelena Isinbayeva da Rússia. O cantor Lenine cantou a música "Jack Soul Brasileiro", em homenagem aos voluntários dos Jogos.[97] A cerimônia de entrega da bandeira começou como padrão com o Hino da Grécia seguido pelo hino olímpico. O prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes entregou a bandeira ao presidente do Comitê Olímpico Internacional Thomas Bach, que, em seguida, entregou a governadora de Tóquio Yuriko Koike.[98]

Representantes de Tóquio, cidade-sede dos Jogos Olímpicos de Verão de 2020, fizeram uma apresentação de vídeo com personagens de jogos e animes proeminentes do país, como Captain Tsubasa, Doraemon, Pac-Man e Hello Kitty, até a aparição de Shinzō Abe, primeiro-ministro do Japão, que surgiu no estádio vestido com a fantasia de Mario Bros, um dos jogos mais conhecidos e jogados do mundo.[99][100]

Os discursos finais foram feitos pelo presidente do Comitê de Organização dos Jogos Rio 2016 Carlos Arthur Nuzman e pelo presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach. Mariene de Castro cantou em frente a pira olímpica, enquanto a chama era extinguida através da chuva canalizada.[96] A cerimônia terminou com uma queima de fogos e uma homenagem ao Carnaval do Rio de Janeiro. Um desfile de 250 artistas do Carnaval de 2017 foi conduzido pela modelo brasileira Izabel Goulart e pelo gari Renato Sorriso, com a música "Cidade Maravilhosa".[96]

Tecnologia[editar | editar código-fonte]

Os Jogos receberam tecnologias inéditas em diversas modalidades.[101] Na natação, utilizou-se pela primeira vez em Jogos Olímpicos um contador eletrônico dentro das piscinas, embaixo de cada raia, que informa aos atletas a contagem de voltas no caso de provas mais longas. Anteriormente, essa contagem era feita através de placas manuais na borda, obrigando nadadores a olharem para fora da água.[102]

O voleibol contou com a tecnologia do sistema de challenge (desafio), que é usado quando um time contesta a decisão do árbitro. Foram instaladas cerca de 10 câmeras em quadra e na rede para tirar dúvidas da arbitragem e também do público.[103]

No tiro com arco, a pontuação deixou de depender apenas do olhar do árbitro e ganhou um sistema eletrônico que dá o resultado imediato na mesa técnica dos árbitros.[102] No tiro esportivo, o alvo eletrônico evoluiu e passou a fazer a leitura e o cálculo do local do impacto do projétil por meio de um feixe de laser, em substituição ao modelo anterior por onda sonora.[104] Além disso, pela primeira vez no mundo houve uma transmissão terrestre ao vivo em Resolução 8K[105]

Programa esportivo[editar | editar código-fonte]

Campo Olímpico de Golfe dos Jogos de 2016

O programa esportivo dos Jogos Olímpicos de 2016 teve 28 esportes, totalizando 42 modalidades. Ao contrário das edições anteriores, duas vagas estavam abertas para novos esportes, pois o beisebol e o softbol foram eliminados, em 2005, do programa dos Jogos Olímpicos de Verão de 2012, em Londres.[106] O Comitê Executivo, após resultado de uma consultoria, anunciou os sete finalistas para estas duas vagas. Quatro deles já estiveram em edições anteriores de Jogos Olímpicos: beisebol e softbol, golfe (presente nos Jogos de 1900 e de 1904) e rugby sevens, uma variação do rugby (presente nas edições de 1900, 1908, 1920 e 1924). Completaram a lista de esportes-candidatos a patinação sobre rodas, o caratê e o squash.[106] As respectivas federações fizeram suas apresentações para os membros do COI em junho de 2009.[107]

Em agosto, o conselho executivo aprovou a inclusão do rugby sevens, por maioria de votos, eliminando assim, patinação e squash da disputa. Entre os três restantes (golfe, caratê e softbol) o conselho escolheu o golfe. A decisão sobre os dois esportes restantes foi feita em 9 de outubro de 2009, no último dia da 121ª Sessão do COI em que a cidade do Rio de Janeiro foi eleita como sede. Para serem aprovados os dois esportes precisavam de maioria simples de votos.[107] Os membros do COI votaram para inclusão do rúgbi (63 votos a favor, 27 contra e duas abstenções) e do golfe (81 votos a favor, oito contra e uma abstenção) no programa dos Jogos a partir da edição do Rio de Janeiro. Os outros 26 esportes também foram ratificados pela maioria absoluta.[108]

Em novembro de 2015, durante o Fórum Legislativo do Futebol, o então ministro dos esportes, George Hilton, afirmou que iria solicitar a inclusão do futsal como um esporte de demonstração.[109] Porém, desde 1992 o COI vetou a inclusão de esportes de demonstração no programa olímpico. Em 2008 concedeu uma permissão especial ao Comitê Organizador dos Jogos de Pequim para a realização de uma competição paralela de wushu. O mesmo aconteceu neste Jogos, com a permissão de um torneio de jogos eletrônicos (eGames) em iniciativa do governo do Reino Unido e como parte do London Games Festival. Assim, os atletas terão à disposição a infra-estrutura dos Jogos, mas receberão medalhas diferentes das oficiais.[110]

Calendário[editar | editar código-fonte]

As caixas em azul representam uma competição, ou um evento qualificatório de determinada data. As caixas em amarelo representam um dia de competição valendo medalha. Cada ponto dentro das caixas representa uma disputa de medalha de ouro, e é uma ligação para a página do evento. A coluna T representa o total de finais do esporte. O calendário é adaptado do arquivo da candidatura e ainda não inclui eventuais provas novas, além do golfe e do rugby sevens que foram adicionados ao programa dois dias após o anúncio da cidade como sede dos Jogos Olímpicos em outubro de 2009.

CA Cerimônia de abertura Competições esportivas 1 Medalhas de ouro EG Exibição de gala CE Cerimônia de encerramento
Agosto 3
Qua
4
Qui
5
Sex
6
Sáb
7
Dom
8
Seg
9
Ter
10
Qua
11
Qui
12
Sex
13
Sáb
14
Dom
15
Seg
16
Ter
17
Qua
18
Qui
19
Sex
20
Sáb
21
Dom
Medalhas de ouro
Cerimônias (abertura / encerramento) CA CE
Atletismo 3 5 4 5 5 4 6 7 7 1 47
Badminton 1 1 2 1 5
Basquetebol 1 1 2
Boxe 1 1 1 1 1 1 3 4 13
Canoagem Slalom 1 1 2 16
Velocidade 4 4 4
Ciclismo Ciclismo de estrada 1 1 2 18
Ciclismo de pista 1 2 2 1 1 3
BMX 2
Bicicleta de montanha 1 1
Esgrima 1 1 1 1 2 1 1 1 1 10
Futebol 1 1 2
Ginástica Artística 1 1 1 1 4 3 3 EG 18
Rítmica 1 1
Trampolim 1 1
Golfe 1 1 2
Halterofilismo 1 2 2 2 2 2 1 1 1 1 15
Handebol 1 1 2
Hipismo 2 1 1 1 1 6
Hóquei sobre a grama 1 1 2
Judô 2 2 2 2 2 2 2 14
Lutas 2 2 2 3 3 2 2 2 18
Nado sincronizado 1 1 2
Natação 4 4 4 4 4 4 4 4 1 1 34
Pentatlo moderno 1 1 2
Polo aquático 1 1 2
Remo 2 4 4 4 14
Rugby sevens 1 1 2
Saltos ornamentais 1 1 1 1 1 1 1 1 8
Tiro 2 2 2 1 2 1 2 2 1 15
Tiro com arco 1 1 1 1 4
Tênis 1 1 3 5
Tênis de mesa 1 1 1 1 4
Taekwondo 2 2 2 2 8
Triatlo 1 1 2
Vela 2 2 2 2 2 10
Voleibol Voleibol de praia 1 1 4
Voleibol 1 1
Total medalhas ouro 12 14 14 15 20 19 24 21 22 17 25 16 23 22 30 12 306
Total acumulativo 12 26 40 55 75 94 118 139 161 178 203 219 242 264 294 306
Agosto 3
Qua
4
Qui
5
Sex
6
Sáb
7
Dom
8
Seg
9
Ter
10
Qua
11
Qui
12
Sex
13
Sáb
14
Dom
15
Seg
16
Ter
17
Qua
18
Qui
19
Sex
20
Sáb
21
Dom
Medalhas de ouro

Participantes[editar | editar código-fonte]

Quantidade de esportistas por delegação nacional
Delegação Olímpica da Austrália para os Jogos do Rio
Delegação brasileira durante a cerimônia de abertura

Todos os 206 Comitês Olímpicos Nacionais garantiram a classificação de pelo menos um atleta aos Jogos. As primeiras três nações a qualificar atletas para os Jogos foram Alemanha, Reino Unido e Países Baixos, que qualificaram quatro atletas cada um.[111]

Kosovo e Sudão do Sul tiveram seus CONs reconhecidos em 2014 e 2015, respectivamente, e estrearam em Jogos Olímpicos.[112][113]

Por sua vez, em outubro de 2015, o Kuwait foi suspenso pelo COI pela segunda vez em cinco anos devido a interferências do governo no Comitê Olímpico do país, mas seus atletas classificados deverão competir sob a bandeira olímpica.[114][115]

Atletas refugiados[editar | editar código-fonte]

Devido a crise migratória na Europa e por outras razões, o COI permitiu que determinados atletas competissem como independentes e sob a bandeira olímpica.[116] Em Jogos Olímpicos anteriores os refugiados não eram elegíveis para competir devido à impossibilidade de representar seus respectivos CONs.[117] Em 2 de março de 2016, o COI criou uma equipe específica de Atletas Olímpicos Refugiados (ROA), sendo que dentre 43 atletas refugiados considerados potencialmente elegíveis, entre cinco e dez deles serão escolhidos para formar a equipe.[118][119]

Atletas independentes[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2015, a Rússia foi provisoriamente suspensa de todas as competições internacionais de atletismo pela Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF - sigla em inglês) após um relatório da Agência Mundial Anti-Doping (WADA) em um amplo programa de doping no país com ajuda do governo.[120] A IAAF anunciou que permitiria que atletas russos independentes se candidatassem por "elegibilidade excepcional" para participar dos Jogos como atletas "neutros", se fosse verificado de forma independente que eles não haviam se envolvido em doping nem com o programa de doping russo.[121]

Em 24 de julho de 2016, o COI rejeitou as recomendações da IAAF e da WAAD para permitir que os atletas limpos para competissem de forma neutra, afirmando que a Carta Olímpica "não prevê atletas neutros" tais" e que cabe ao Comitê Olímpico Nacional de cada país decidir quais atletas competirão.[122]

Comitês Olímpicos Nacionais participantes dos Jogos[123]


Quadro de medalhas e destaques[editar | editar código-fonte]

Das 207 delegações presentes nos Jogos do Rio, 59 terminaram com ao menos uma medalha de ouro e 87 com ao menos uma medalha.[124] Nove nações conquistaram a medalha de ouro pela primeira vez.[125] A primeira medalha de ouro foi conquistada pela atiradora Virginia Thrasher, dos Estados Unidos, ao vencer a prova da carabina de ar 10 m. As medalhas de prata e de bronze foram conquistadas pelas chinesas Du Li e Yi Siling.[126]

Final do futebol olímpico no Estádio do Maracanã, a esquerda Neymar e a direita Julian Brandt.

Os nove países que conquistaram pela primeira vez a medalhas de ouro foram o Bahrein, com Ruth Jebeth no atletismo;[125] Singapura, com Joseph Schooling, na natação;[125] Costa do Marfim, com Cheick Sallah Cisse Junior, no taekwondo;[125] Fiji, com a equipe de rugby sevens masculino;[127] Jordânia, com Ahmad Abughaush, no taekwondo;[125] Kosovo, com Majlinda Kelmendi, do judô;[128] Porto Rico, com Mónica Puig no tênis;[125] Tadjiquistão, com Dilshod Nazarov, no atletismo[125] e Vietnã, com Hoàng Xuân Vinh, no tiro.[129]

Além deles, no tiro, o kuwaitiano Fehaid Al-Deehani se tornou no primeiro Participante Olímpico Independente (IOA) a ganhar uma medalha de ouro na história dos Jogos Olímpicos.[130][131]

Nestes Jogos, os Estados Unidos conquistou sua milésima medalha de ouro. De acordo com os números do Comitê Olímpico do país, ela foi obtida no dia 13 de agosto, após a vitória da equipe do revezamento 4x100 medley feminino na natação, com Kathleen Baker, Lilly King, Dana Vollmer e Simone Manuel. Porém, por conta de divergências nos Jogos Olímpicos de Verão de 1904, há quem conteste, e diz que a milésima medalha de ouro foi obtida neste mesmo dia, mas pela equipe do revezamento 4x100 medley masculino na natação, com Cody Miller, Michael Phelps, Nathan Adrian e Ryan Murphy.[132]

Quanto aos países lusófonos, apenas Brasil e Portugal conquistaram medalhas. Os anfitriões encerraram os Jogos com o título de voleibol masculino,[133] totalizando 19 medalhas no seu melhor desempenho da história. Isaquias Queiroz se destacou como primeiro brasileiro a ganhar três medalhas nas mesmas Olimpíadas.[134] O Brasil conquistou a medalha de ouro inédita no futebol masculino, derrotando a Alemanha.[135] Já Portugal conquistou só um bronze através de Telma Monteiro, do judô, mas mesmo assim alcançou um dos seus melhores desempenhos gerais de sempre.[136]

     País sede destacado

 Ordem  País Medalha de ouro Medalha de prata Medalha de bronze GoldSilverBronze medals.svg
1 Estados UnidosUSA Estados Unidos 46 37 38 121
2 Grã-BretanhaGBR Grã-Bretanha 27 23 17 67
3 ChinaCHN China 26 18 26 70
4 RússiaRUS Rússia 19 18 19 56
5 AlemanhaGER Alemanha 17 10 15 42
6 JapãoJPN Japão 12 8 21 41
7 FrançaFRA França 10 18 14 42
8 Coreia do SulKOR Coreia do Sul 9 3 9 21
9 ItáliaITA Itália 8 12 8 28
10 AustráliaAUS Austrália 8 11 10 29
13 BrasilBRA Brasil 7 6 6 19
78 PortugalPOR Portugal     1 1
Os demais países lusófonos não conquistaram medalhas.

Fonte: [137]

Recordes[editar | editar código-fonte]

Um total de 65 recordes olímpicos e 19 recordes mundiais foram superados no evento.[138] O primeiro recorde mundial quebrado foi logo no primeiro dia do evento, na qualificação do tiro com arco individual masculino: o sul-coreano Kim Woo-jin marcou 700 em 720 possíveis e ultrapassou o recorde anterior feito nos Jogos Olímpicos de 2012 pelo compatriota Im Dong-Hyun.[139][140]

O ciclismo foi a modalidade que mais se destacou na quebra de recordes, com 26 novos melhores tempos no ciclismo de pista, entre recordes mundiais e olímpicos. É um número 30% maior do que as 20 quebras registradas em Londres 2012 e impressionantes 550% superior às quatro de Pequim 2008. Vários fatores contribuíram para o recorde de novos recordes: mais e novas provas e o próprio velódromo, como dizem atletas e especialistas.[141]

Já a natação registrou, como sempre, o maior número absoluto de quebras de recordes, já que possui um grande número de provas: 31 recordes.[141]

Doping[editar | editar código-fonte]

Em 12 de agosto, a Associação Chinesa de Natação anunciou que nadadora Chen Xinyi, 4.ª colocada nos 100 m borboleta, testou positivo para o diurético hidroclorotiazida. A coleta da amostra de seu sangue não ocorreu no Brasil. Mas ela viajou ao Rio de Janeiro sem saber que o teste havia dado positivo.[142] A atleta já solicitou a contraprova, que em caso de novo resultado positivo, anulará a posição e o tempo de 56 segundos e 72 centésimos.[143]

Neste mesmo dia, foi-se noticiado que a atleta búlgara Silvia Danekova, que competiria na prova dos 3.000m, foi alvo de um teste que detectou EPO em seu sangue. Os testes ocorreram logo que ela chegou ao Rio, no dia 26 de julho.[142] Além de ter sido impedida de competir, ela teve sua credencial cassada.

Ainda no dia 12 de agosto, mais dois atletas foram suspensos por terem testado positivo em exames antidoping realizados antes de as competições começarem. Os atletas pegos são: o brasileiro Kleber Ramos (ciclismo de estrada), flagrado com a substância CERA, e o polonês Tomasz Zielinski (levantamento de peso), cujo exame indicou a presença da substância 19-Norandrosterona no organismo.[144]

No dia 18 de agosto, o atleta do Quirguistão, Izzat Artykov, que havia conquistado a medalha de bronze no levantamento de peso até 69Kg, foi flagrado com a substância estricnina.[145] Com isso, ele tornou-se o primeiro medalhista a ser excluído dos Jogos Olímpicos do Rio por doping.[146]

Em 19 de agosto, Serghei Tarnovschi, da Moldávia, que ganhou a medalha de bronze na disputa da categoria C1 1.000m, chegou a ter sua medalha cassada pela Comissão Disciplinar do Comitê Olímpico Internacional (COI). Porém, a Comissão do COI voltou atrás e informou que o resultado será mantido até que todos os procedimentos legais ligados ao caso sejam concluídos. Mesmo com a correção, o atleta não pôde disputar a prova do C2 1.000m.[147]

Ainda em 19 de agosto, a Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) anunciou que o atleta do Quirguistão Izzat Artykov testou positivo para a substância estricnina. Ele conquistou a medalha de bronze no levantamento de peso até 69 kg. O atleta foi excluído da Olimpíada e sua credencial retirada, entretanto caberá a Federação Internacional de Halterofilismo (IWF) definir a punição e, junto ao COI, definir quem herdará a medalha de bronze.[148]

No dia 20 de agosto, o atleta mongol Chagnaadorj Usukhbayar, do levantamento de peso, testou positivo para testosterona, e foi desqualificado da Olimpíada, perdendo os resultados obtidos na categoria até 56 kg.[149]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Marina da Glória, local de competições de vela
Forte de Copacabana, que recebeu as competições de ciclismo, maratona aquática e triatlo

Quase 1.400 atletas velejarão nas águas da Marina da Glória na Baía de Guanabara, nadando na praia de Copacabana e praticando canoagem e remo nas águas insalubres da Lagoa Rodrigo de Freitas. Em julho de 2015 a agência de notícias Associated Press encomendou quatro rodadas de testes da qualidade da água em cada um desses locais de competições, e também na água que alcança a areia da praia de Ipanema, que é muito frequentada por turistas, mas onde não será realizado nenhum evento olímpico. Os resultados dos testes indicaram altas contagens de adenovírus, rotavírus, enterovírus e coliformes fecais em algumas amostras. Esses são vírus conhecidos por causar doenças estomacais, respiratórias e outras, incluindo diarreia aguda e vômitos, além de doenças cerebrais e cardíacas, que são mais graves, porém mais raras. As concentrações dos vírus foram aproximadamente as mesmas que são encontradas no esgoto puro. A Lagoa Rodrigo de Freitas, que foi declarada segura para remadores e canoístas, apresentou as águas mais poluídas dos locais de competições, com resultados que variam de 14 milhões de adenovírus por litro no extremo inferior a 1,7 bilhão por litro no extremo superior.[150]

Segundo a organização Anistia Internacional, depois que o Rio foi escolhido para sediar os Jogos, mais de 22 mil famílias foram desalojadas, segundo dados apresentados pela Prefeitura do Rio de Janeiro, sendo que a Vila Autódromo se tornou o caso mais emblemático. As remoções causam enorme impacto social, principalmente entre as crianças, quando elas ocorrem sem o devido encaminhamento e indenizações. No entanto, violações de direitos humanos ligadas a grandes eventos esportivos não são um fato isolado no Brasil, mas mais um exemplo de que grandes eventos esportivos realizados em países com histórico grave de abusos tendem a exacerbar violações que já ocorrem, como foi em Pequim 2008, Sochi 2014, Baku 2015 e Qatar 2022.[151] O sociólogo britânico David Goldblatt , autor de The Games: A Global History of the Olympics ("Os Jogos: Uma História Global das Olimpíadas", em tradução livre), também lembra que mais de 800 mil pessoas foram alvo de remoções forçadas antes dos Jogos Olímpicos de Verão de 1988, realizados em Seul, na Coreia do Sul.[152]

Em 2014, a Operação Lava Jato, uma investigação da Polícia Federal do Brasil, descobriu a lavagem de dinheiro sem precedentes e de corrupção na empresa estatal de petróleo Petrobras. No início de 2015, uma série de protestos contra a suposta corrupção por parte do governo da presidente Dilma Rousseff começou no Brasil, desencadeado por revelações de que numerosos políticos estavam envolvidos no caso Petrobras, resultando em manifestações massivas em todo o país, envolvendo milhões de manifestantes,[153] tanto anti e pró-Rousseff.[154][155] Ao mesmo tempo, o Brasil enfrenta sua pior recessão econômica desde a década de 1990, levantando questões sobre se o país está adequadamente preparado para os Jogos de encontro a um contexto político e econômico volátil. De acordo com um porta-voz da OCDE a recessão brasileira vai durar até 2018 e só pode ser resolvida por novas eleições.[156] Em 12 de maio, a presidente Dilma Rousseff foi destituído de seus poderes e deveres por 180 dias, após uma votação de impeachment no Senado Federal, portanto, o vice-presidente Michel Temer será presidente interino durante os Jogos.[157]

Desde a concessão das Olimpíadas de 2016 ao Rio de Janeiro, os problemas de criminalidade da cidade têm recebido mais atenção. Um helicóptero da polícia foi abatido em uma favela carioca durante uma das muitas guerras contra o narcotráfico na cidade e o piloto foi morto no incidente.[158] O prefeito do Rio admitiu que existem "grandes problemas" enfrentados pela cidade, mas garantiu a segurança do evento. No entanto, ele também disse que tais preocupações e questões foram apresentados ao COI durante todo o processo de licitação.[159] A estimativa é de que cinco mil homens da Força Nacional de Segurança Pública e 22 mil oficiais das Forças Armadas (14,8 mil do Exército, 5,9 mil da Marinha e 1,3 mil da Aeronáutica), além do contingente fixo do Rio de Janeiro, atuem durante os Jogos Olímpicos.[160] No entanto, apesar das promessas para aumentar a segurança, ainda existem preocupações de segurança na cidade. A Anistia Internacional aponta ainda que no Rio, em 2015, um em cada cinco assassinatos foi cometido pela polícia, sendo que as vítimas são, em sua maioria, jovens negros moradores de favelas e periferias.[151]

Caça F-5EM Tiger II da Força Aérea Brasileira durante um treinamento de interceptação aérea para os Jogos

Devido aos recentes atentados realizados em outros países, casos da França e da Bélgica, e ao maior número de adesões de brasileiros à ideologia do Estado Islâmico, em abril de 2016 a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) elevou o grau de risco de ataque do EI durante as Olimpíadas.[161] No dia 21 de julho de 2016, a Departamento de Polícia Federal deflagrou a Operação Hashtag onde foram presas 12 pessoas, supostamente militantes de uma célula do Estado Islâmico no Brasil. Esse grupo vinha sendo monitorado em redes sociais, sobretudo via Facebook e Twitter, e por aplicativos de troca de mensagens, e foram presos acusados de planejar um atentado terrorista durante a Olimpíada.[162]

A Vila Olímpica do Rio de Janeiro 2016 tem sido descrita como o maior da história das Olimpíadas. No entanto, algumas delegações consideraram a vila como "inabitável" e "insegura" devido a grandes riscos de colapso dos sistemas de encanamento e eletricidade apenas 15 dias antes do início dos Jogos Olímpicos. Sanitários entupidos, vazamento de tubulações, fiação exposta, escadas escuras onde não há iluminação instalada e pisos sujos estavam entre os problemas relatados em alguns dos apartamentos no complexo. A equipe olímpica australiana boicotou a vila nos dias iniciais por considerar o seu bloco de apartamentos inabitável. Uma equipe de mais de 500 funcionários do comitê olímpico local trabalharam para corrigir os problemas relatados pelas delegações.[163] A organização dos Jogos Olímpicos admitiu a possibilidade de ter havido casos isolados de sabotagem por funcionários durante a fase de construção da Vila que recebeu os atletas durante o Rio 2016.[164]

Um surto em curso do vírus Zika transmitida por mosquitos no país tem levantado temores sobre seu potencial impacto sobre os atletas e visitantes. Os organizadores planejam realizar inspeções diárias de locais olímpicos para evitar poças de água estagnada que permitem que os mosquitos para se reproduzir.[165] A transmissão do vírus Zika também foi atribuída ao tratamento de esgoto ineficiente na cidade.[166] Em maio de 2016, um grupo de 150 médicos e cientistas enviaram uma carta aberta à Organização Mundial de Saúde (OMS) convidando-a ter "uma discussão aberta e transparente sobre os riscos da realização do Jogos Olímpicos como planejados no Brasil". A OMS, no entanto, rejeitou o pedido, afirmando que "cancelar ou alterar o local dos Jogos Olímpicos de 2016 não vai alterar significativamente a propagação internacional do vírus Zika" e que não havia "nenhuma justificação de saúde pública" para adiar o evento.[167][168][169]

Em novembro de 2015, equipe de atletismo da Rússia foi provisoriamente suspensa de todas as competições internacionais de atletismo pela Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) após um relatório da Agência Mundial Anti-Doping (WADA) concluir que havia um amplo programa de dopagem no país.[120] Em 18 de julho de 2016, uma investigação independente encomendada pela WADA informou que Ministério dos Esportes e o Serviço Federal de Segurança da Rússia tinham operado um sistema "ditado pelo Estado" para implementar um amplo programa de doping e para encobrir amostras positivas. Com base na constatação de o Comitê Olímpico Internacional (COI) pediu uma reunião de emergência para considerar o banimento da Rússia dos Jogos Olímpicos de Verão.[170] O COI decidiu contra a proibição da participação da Rússia e, em vez disto, decidiu estabelecer requisitos adicionais e mais rigorosos para todos os participantes russos entrarem nos Jogos.[171] Em 1 de agosto de 2016, dos 387 atletas declarados pela Rússia para a competição, pelo menos 117 foram removidos por causa de doping.[172]

Na maratona masculina, o etíope Feyisa Lilesa cortou a meta em segundo lugar e fez um gesto de apoio à tribo dos Oromas a que pertence, minoritária de seu país marginalizada pelo Governo. É um gesto político e alusivo à revolta dessa mesma tribo contra o poder da Etiópia por temer perder as terras. O atleta admite que pode ser morto ou preso se voltar ao país.[173]

Legado[editar | editar código-fonte]

Um ônibus do sistema BRT do Rio de Janeiro na estação do Aeroporto Tom Jobim, um dos legados das Olimpíadas de 2016.
Estação Ipanema/General Osório, a estação é a que liga a Linha 1 a Linha 4 do Metrô do Rio, essa última inaugurada para as Olimpíadas na cidade.

De acordo com estudo do Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (FGV Social), coordenado pelo seu diretor, o economista Marcelo Neri, e divulgado na semana da cerimônia de abertura dos Jogos, os indicadores econômicos e sociais evoluíram melhor no município do Rio de Janeiro do que no resto do estado ou do Brasil, desde que a cidade foi escolhida como sede dos Jogos de 2016. Das 27 capitais e 9 regiões metropolitanas pesquisadas, foi no Rio que a renda individual do trabalho mais cresceu desde 2013. Entre 2008 e 2016, a renda per capita cresceu 30% na cidade contra 18% nos outros municípios do Grande Rio. A desigualdade também nunca esteve tão baixa na cidade na série histórica e não piorou mesmo com a crise econômica do país e do governo do estado. Com base em dados do IBGE, a pesquisa também comparou a evolução nos períodos pré e pós anúncio da Olimpíada em 38 indicadores de 7 áreas: habitação, educação, trabalho, transporte, inclusão digital, serviços públicos e desenvolvimento social. A cidade do Rio de Janeiro historicamente evoluiu muito pior do que os demais municípios do estado em todos os indicadores comparáveis entre 1970 e 2012, mas no período pós escolha como sede, a cidade melhorou mais do que a média na maioria dos números. Entre 2008 e 2016, por exemplo, a pobreza (considerando renda de R$ 206/mês) caiu de 5,71% para 2% da população da cidade e os anos de estudo foram de 7,91 para 8,67 anos.[174]

No entanto, dois retrocessos foram verificados: o tempo médio de viagem entre a casa e o trabalho aumentou de 41,4 para 46,8 minutos e as horas perdidas no transporte, comparadas com o salário médio, foram de R$ 17 para R$ 42 por semana. Ambos os índices são enquadrados na área de mobilidade urbana, um dos mais incensados como legado dos Jogos, mas os dados prévios da abertura dos corredores BRT e de uma nova linha do metrô . Os índices no agregado também não englobam o efeito pontual de fenômenos relacionados aos Jogos como as remoções forçadas, segregação urbanística[175], brutalidade policial e corrupção (ver acima).[174]

Em uma pesquisa realizada pela Kantar antes do início dos jogos olímpicos, 44% dos entrevistados disseram acreditar na possibilidade de um legado positivo da Olímpíada no Rio de Janeiro. Entre as principais expectativas para o futuro, estavam o reaproveitamento das estruturas olímpicas (62%), a disseminação da cultura nacional (46%) e a ampliação e melhoria dos aeroportos cariocas, como o Galeão (45%) e o Santos Dumont (32%)[176]. Em uma pesquisa com arquitetos e urbanistas, o portal de estatísticas Kantar percebeu que um bom legado, na visão desses profissionais, seria a requalificação das áreas e um incentivo a um novo tipo de ocupação, além da transformação da mobilidade urbana. No entanto, arquitetos e urbanistas estão bastante conscientes de que essas mudanças positivas só serão percebidas no médio e longo prazo, pois existe uma adaptação social e econômica nos locais e na cidade como um todo, o que demora a acontecer[176].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Rio 2016 - Esportes». Rio 2016. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  2. a b c «Rio Olympics 2016: Games set for opening ceremony» (em inglês). BBC. 5 de agosto de 2016. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  3. Levin, Teresa (14 de junho de 2016). «Rio 2016 apresenta medalhas e slogan». Meio & Mensagem. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  4. «Rio 2016 Olympics» (em inglês). Comitê Olímpico Internacional. Consultado em 1 de outubro de 2016. 
  5. «About Rio 2016 Summer Olympics» (em inglês). Rio 2016 Olympics Wiki. Arquivado desde o original em 27 de agosto de 2016. Consultado em 31 de outubro de 2015. 
  6. Castro, Daniel (04 de agosto de 2015). «Cidade será primeira sede dos Jogos Olímpicos na América do Sul». Temas Especiais. Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de agosto de 2016. 
  7. a b «Com muito esporte na areia, Rio faz a 1ª Olimpíada de Verão no inverno». UOL. 21 de agosto de 2016. Arquivado desde o original em 27 de agosto de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2016. 
  8. «121st IOC Session and 13th Olympic Congress in Copenhagen - Information for the Media» (em inglês). COI. 15 de junho de 2009. Arquivado desde o original em 1 de agosto de 2009. Consultado em 16 de setembro de 2009. 
  9. «O espetáculo é aqui: como será a cerimônia de abertura da Olimpíada 2016». Zero Hora. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  10. «Elenco Completo da Cerimônia de Abertura "Rio 2016"». IMDb. 5 de agosto de 2016. Consultado em 19 de agosto de 2016. 
  11. Comitê Olímpico Internacional (13 de agosto de 2009). «IOC Executive Board proposes 2 additional sports for the 2016 Games: Golf and Rugby» (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2009. 
  12. Fernando Duarte (8 de outubro de 2009). «Golfe e rúgbi aprovados para os Jogos Olímpicos de 2016». Online. Consultado em 8 de outubro de 2009. 
  13. «Rio Olympics 2016 medal table: 119 medals and counting for U.S.». SiLive. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  14. «Great Britain finish second in Rio 2016 Olympic medal table». The Guardian. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  15. «Brasil supera vizinhos no quadro de medalhas da Rio 2016». R7. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  16. «Fiji ganha primeira medalha olímpica de ouro e emociona público». Zero Hora. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  17. «Não reconhecido pela ONU, Kosovo conquista a primeira medalha de ouro». Zero Hora. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  18. «Puig bate Kerber no tênis e leva 1º ouro olímpico da história de Porto Rico». IG. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  19. «Oito anos, duas fotos: fã de Phelps, jovem de Cingapura se torna algoz». Globo Esporte. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  20. «Tadjiquistão conquista a primeira medalha de ouro da história». Zero Hora. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  21. «Primeiro ouro da história do Vietnã vale quatro meses de salário a atirador». UOL. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  22. «Atleta Olímpico Independente leva o ouro no tiro esportivo». Rio 2016. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  23. «EUA levam revezamento feminino e ganham seu 1000º ouro na história dos Jogos». ESPN. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  24. Comitê Olímpico Internacional (2 de outubro de 2009). «Rio de Janeiro Elected As 2016 Host City» (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2009. 
  25. Comitê Olímpico Internacional (14 de setembro de 2007). «Seven Applicant NOCs/ Cities for the 2016 Games» (em inglês). Consultado em 10 de outubro de 2009. 
  26. Comitê Olímpico Internacional (4 de junho de 2008). «Four Cities to Compete to Host The 2016 Olympic Games» (em inglês). Consultado em 10 de outubro de 2009. 
  27. Comitê Olímpico Internacional (17 de junho de 2009). «2016 candidate cities brief IOC members» (em inglês). Consultado em 10 de outubro de 2009. 
  28. «[PRESS RELEASE] The International Olympic Committee (IOC) today released the report of the Evaluation». Comitê Olímpico Internacional. 2 de setembro de 2009. Consultado em 10 de setembro de 2010. 
  29. GamesBids.com (11 de setembro de 2009). «No Favourites In 2016 Race - Rogge» (em inglês). Consultado em 16 de setembro de 2009. 
  30. GamesBids.com (1 de outubro de 2009). «2016 Race Too Close To Call» (em inglês). Consultado em 1 de outubro de 2009. 
  31. Comitê Olímpico Internacional (2 de outubro de 2009). «Rio de Janeiro Elected As 2016 Host City» (em inglês). Consultado em 10 de setembro de 2010. 
  32. «Sobre o Comitê Organizador Rio 2016». FSC. Consultado em 25 de agosto de 2016. 
  33. Estado de São Paulo (7 de junho de 2011). «Rio de Janeiro define sede do golfe na Olimpíada de 2016». Consultado em 26 de novembro de 2011. 
  34. Secretaria Especial Rio 2007 - Prefeitura do Rio de Janeiro. «Conheça o Projeto Rio 2016 para a região do Deodoro». Consultado em 29 de novembro de 2009. 
  35. Secretaria Especial Rio 2007 - Prefeitura do Rio de Janeiro. «Conheça o Projeto Rio 2016 para a região de Copacabana». Consultado em 29 de novembro de 2009. 
  36. Secretaria Especial Rio 2007 - Prefeitura do Rio de Janeiro. «Conheça o Projeto Rio 2016 para a região da Barra da Tijuca». Consultado em 29 de novembro de 2009. 
  37. "Sports and Venues" (PDF), Rio de Janeiro 2016 Candidate File, 2, (BOC), 16 de fevereiro de 2009, pp. 10–11, http://www.rio2016.org.br/sumarioexecutivo/sumario/English/Per%20Theme/Volume%202/Theme_09.pdf, visitado em 2 de dezembro de 2009. 
  38. KONCHINSKI, Vinicius (6 de julho de 2012). «Rio de Janeiro inicia construção do Parque Olímpico dos Jogos de 2016». UOL. 
  39. «Rio 2016 Olympic and Paralympic Games venues to leave sporting, educational and social legacy to city». Rio 2016. 29 de julho de 2015. Consultado em 4 de março de 2016. 
  40. «Barra Olympic Park, heart of the Rio 2016 Games, 95 per cent complete». Rio 2016. 29 de dezembro de 2015. Consultado em 6 de março de 2016. 
  41. «Escritório de Londres vai construir Parque Olímpico do Rio». Exame.com. Abril. 19 de agosto de 2011. 
  42. O Dia. «Prefeito lança projeto com ações sociais para moradores da Região Portuária». 
  43. «Mais sobre o Boulevard Olímpico – Boulevard Olimpico». www.boulevard-olimpico.com. Consultado em 2016-09-28. 
  44. «Porto Maravilha – A operação urbana» (PDF). Prefeitura do Rio de Janeiro. p. 7. Arquivado desde o original (PDF) em 27 de agosto de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2016. 
  45. «Frequently Asked Questions». Rio 2016. Consultado em 31 de outubro de 2015. 
  46. G1 - Globo (4 de janeiro de 2015). «Passada crise com o COI, Paes diz que obras da Rio 2016 estão 'na mão'». Consultado em 27 de agosto de 2016. 
  47. UOL Esporte (3 de outubro de 2009). «Mais quatro cidades irão abrigar eventos dos Jogos de 2016». Consultado em 27 de julho de 2012. 
  48. UOL (25 de julho de 2012). «COI admite seguir Fifa, e Morumbi pode ser substituído por Itaquerão em 2016, diz jornal». Consultado em 23 de maio de 2014. 
  49. Placar (19 de março de 2014). «Definidos os estádios que abrigarão partidas das Olimpíadas Rio 2016». Consultado em 23 de maio de 2014. 
  50. ESPN Brasil (12 de fevereiro de 2015). «Fifa diz que Manaus não é opção 'apropriada' para futebol nas Olimpíadas de 2016». Consultado em 18 de março de 2015. 
  51. «Rio-2016 quer futebol em Manaus, mas aguarda aval da Fifa». Olimpíadas UOL. 12 de fevereiro de 2015. Consultado em 27 de agosto de 2016. 
  52. Brasil 2016 (16 de março de 2015). «Sete estádios em seis cidades receberão o futebol olímpico». Consultado em 18 de março de 2015. 
  53. a b c d UOL Esporte (31 de dezembro de 2010). «Rio de Janeiro divulga logomarca do Jogos Olímpicos de 2016 em Copacabana». Consultado em 31 de dezembro de 2010. 
  54. a b Lancenet (31 de dezembro de 2010). «Rio 2016 lança logomarca para os Jogos Olímpicos». Consultado em 31 de dezembro de 2010. 
  55. «Marca Rio 2016 é envolvida em suspeita de plágio». Exame.com. 3 de janeiro de 2011. Consultado em 3 de janeiro de 2011. 
  56. «Rio 2016 logo designers deny plagiarism». Washington Post. 2 de janeiro de 2011. Consultado em 4 de janeiro de 2011. 
  57. «Olimpíada de 2016 será transmitida por três emissoras: Globo, Record e Bandeirantes». UOL Esporte UOL Esporte [S.l.] 27 de setembro de 2009. Consultado em 07/11/2009. 
  58. «Globosat adquire direitos de transmissão dos Jogos Olímpicos de 2016». Redação Portal IMPRENSA Portal Imprensa [S.l.] 1 de outubro de 2009. Consultado em 1 de outubro de 2009. 
  59. RD 1 (19 de abril de 2016). «Proibido de usar o nome Olimpíada, SBT busca alternativas para cobrir evento». IG. Consultado em 27 de agosto de 2016. 
  60. «Diretor da rede NBC, dos EUA, aponta recorde de 'streaming' e elogia Rio-2016» Folha de S.Paulo [S.l.] 12 de agosto de 2016. Consultado em 12 de agosto de 2016. 
  61. «Perto dos mil dias para o Rio-2016, COB lança pictogramas das Olimpíadas». ESPN.com.br. 7 de novembro de 2013. Consultado em 7 de novembro de 2013. 
  62. «Pictogramas dos Jogos Olímpicos de 2016 são lançados no Rio de Janeiro». Estadão. 7 de novembro de 2013. Consultado em 7 de novembro de 2013. 
  63. «Jogos Paralímpicos do Rio serão os primeiros com pictogramas exclusivos». UOL. 7 de novembro de 2013. Consultado em 7 de novembro de 2013. 
  64. a b «Rio-2016 lança mascotes olímpicos e abre escolha do nome para voto popular». UOL. 23 de novembro de 2012. Consultado em 16 de dezembro de 2014. 
  65. «Fauna e flora inspiram criação de mascotes do Rio/2016». Yahoo! Esportes. 23 de novembro de 2014. Consultado em 16 de dezembro de 2014. 
  66. «Rio 2016 divulga nomes de mascotes e homenageia astros da Bossa Nova». UOL. 14 de dezembro de 2014. Consultado em 16 de dezembro de 2014. 
  67. «Mascotes dos Jogos Rio 2016 são batizados de Vinicius e Tom». G1. 14 de dezembro de 2014. Consultado em 16 de dezembro de 2014. 
  68. «Vinicius e Tom são os nomes dos mascotes dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016». Yahoo! Esportes. 14 de dezembro de 2014. Consultado em 16 de dezembro de 2014. 
  69. «Prijzen tickets Olympische Spelen 2016 in Rio bekend». olympischespelenrio.nl. 16 de setembro de 2014. Consultado em 6 de outubro de 2014. 
  70. «Olympic Games ticket prices September 2014» (PDF). Rio 2016. 16 de setembro de 2014. Consultado em 6 de outubro de 2014. 
  71. «29% dos brasileiros pretendem acompanhar a Olimpíada». 
  72. «Reunindo movimento, inovação e brasilidade, tocha Olímpica Rio 2016 é apresentada». Rio 2016. 3 de julho de 2015. Consultado em 12 de julho de 2015. 
  73. Fabrício Marques (3 de julho de 2015). «Com as cores do Brasil e movimento, tocha olímpica de 2016 é apresentada». Fabrício Marques. Consultado em 12 de julho de 2015. 
  74. Marcio Dolzan (3 de julho de 2015). «Tocha Olímpica de 2016 inova ao ganhar cores e movimento». Consultado em 12 de julho de 2015. 
  75. «Rio 2016 announces first 83 cities of Olympic Torch Relay route». www.olympic.org. Consultado em 8 de julho de 2015. 
  76. «A 100 dias da Rio 2016, Grécia entrega ao Brasil tocha olímpica». Agência Brasil. 27 de abril de 2016. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  77. «O trajeto da tocha olímpica no Brasil». O Globo. Consultado em 30 de abril de 2016. 
  78. «Rio-2016 abre exceção para Paes carregar a tocha olímpica». Folha de S.Paulo. 3 de agosto de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2016. 
  79. «Nova versão de ‘Vida do viajante’ é escolhida como tema do revezamento da Tocha Olímpica». Extra Globo. 25 de maio de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2016. 
  80. «Versão de clássico de Luiz Gonzaga é música tema do revezamento da tocha olímpica- "A vida de viajante" teve releitura nas vozes de Marcelo Jeneci, Luan Forró Estilizado, César Menotti e Fabiano, Roberta Sá, MC Koringa e Malta». ZH Clicrbs. 20 de maio de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2016. 
  81. ego.globo.com/ Projota e Thiaguinho interpretam música tema da Olimpíada Rio 2016
  82. a b c d e «Rio 2016 lança as medalhas oficiais dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos». GloboEsporte.com. 14 de junho de 2016. Consultado em 16 de junho de 2016. 
  83. a b c «Rio 2016 apresenta as medalhas dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos com inovações de design e sustentabilidade». Rio2016.com. 14 de junho de 2016. Consultado em 16 de junho de 2016. 
  84. a b «Por "imponência", medalhas da Rio 2016 são as mais pesadas da história». GloboEsporte.com. 14 de junho de 2016. Consultado em 16 de junho de 2016. 
  85. «Lançadas as medalhas, o pódio, roupas da premiação e slogan do Rio 2016». Best Swimming. 14 de julho de 2016. Consultado em 25 de julho de 2016. 
  86. «Pop ou Clássica - Premiação na Rio 2016 terá diferentes tipos de música». Extra. 24 de julho de 2016. Consultado em 24 de julho de 2016. 
  87. a b «Premiações terão vestimentas e trilhas sonoras personalizadas no Rio 2016». ESPN Brasil. 25 de julho de 2016. Consultado em 25 de julho de 2016. 
  88. a b «Rio 2016 Ingressos». 31 de março de 2015. Consultado em 14 de junho de 2015. 
  89. «Sem favela, sem luxo e uma só pira: a cerimônia de abertura do Rio 2016». Globo Esporte. 23 de setembro de 2015. Consultado em 27 de agosto de 2016. 
  90. «Opening Ceremony of Rio 2016 Summer Olympics». 
  91. «Rio Olympics committee reveals opening ceremony details». 29 July 2015. 
  92. «Opening ceremony choreographer promises masterpiece of dance and passion». 
  93. Vinicius Lisboa (5 de agosto de 2016). «Show de luzes e mistura de ritmos dão o tom da abertura da Rio 2016». Agência Brasil. Consultado em 6 de agosto de 2016. 
  94. «Abertura das Olimpíadas alavanca interesse pelos jogos». 
  95. «Rio 2016: Rosa Magalhães deve comandar encerramento». Rio 2016. 19 de setembro de 2015. 
  96. a b c «Rio Olympics Closing Ceremony live: carnival, costumes, performance art, the Japanese PM dressed as Super Mario. Standard.». The Daily Telegraph [S.l.: s.n.] Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  97. «The Latest: Rio Games close with samba-fueled Carnival party». USA Today [S.l.: s.n.] 21 de agosto de 2016. Consultado em 21 de agosto de 2016. 
  98. «Rio bids the world a fond farewell». COI. 18 de agosto de 2016. 
  99. Palazzo, Chiara (22 de agosto de 2016). «Shinzo Abe emerges from a green pipe disguised as Super Mario during Rio Closing Ceremony». The Daily Telegraph [S.l.: s.n.] Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  100. Samuelson, Kate (22 de agosto de 2016). «Shinzo Abe Dresses as Super Mario for Rio Closing Ceremony». TIME [S.l.: s.n.] Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  101. rederecord.r7.com/ Rio 2016 terá tecnologia inédita em várias modalidades
  102. a b globoesporte.globo.com/ Rio 2016 terá tecnologia renovada para cronometragem e resultados
  103. globoesporte.globo.com/ Ao som de Star Wars, desafio é usado nos Jogos, mas rede de LED fica fora
  104. startupi.com.br/ Saiba mais sobre as tecnologias que serão usadas nos Jogos Olímpicos Rio 2016
  105. tecmundo.com.br/ Globo fará transmissão ao vivo em 8K durante Jogos Olímpicos do Rio
  106. a b «COI exclui beisebol e softbol do programa dos Jogos de 2012» UOL Esportes [S.l.] 08 de julho de 2005. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  107. a b «Olympic Leaders Approve Golf and Rugby for 2016 Summer Games» Fox News [S.l.] 13 de agosto de 2009. Consultado em 1 de outubro de 2009. 
  108. «Olympics 2016: IOC Approves Golf And Rugby Sevens To Be Included In Rio De Janeiro Games.». News.sky.com. Consultado em 15 de março de 2010. 
  109. «Ministro comete gafe e promete pedir inclusão impossível do futsal na Rio-2016». iG. 25 de novembro de 2015. Consultado em 19 de junho de 2016. 
  110. «eGames: Olimpíadas Rio 2016 terá evento competitivo de esporte eletrônico». ESPN Brasil. 6 de abril de 2016. Consultado em 19 de junho de 2016. 
  111. «Rio Olympics gets 1st qualified athletes». USA Today [S.l.: s.n.] Associated Press. 26 de agosto de 2014. Consultado em 26 de agosto de 2014. 
  112. «Kosovo to compete in Olympics at Rio 2016 after IOC recognition» (em inglês). BBC. 9 de dezembro de 2014. Consultado em 22 de abril de 2016. 
  113. «South Sudan to compete in Rio after becoming 206th Olympic nation» (em inglês). The Guardian. 2 de agosto de 2015. Consultado em 22 de abril de 2016. 
  114. «Comitê Olímpico Internacional bane Kuwait pela segunda vez em 5 anos». GloboEsporte.com. 27 de outubro de 2015. Consultado em 22 de abril de 2016. 
  115. «Kuwait facing ban from Rio 2016 after refusing to back down in row with IOC» (em inglês). Inside the Games. 5 de abril de 2016. Consultado em 22 de abril de 2016. 
  116. «COI convida refugiados a participar do Rio 2016, desde que alcancem índice». GloboEsporte.com. 28 de janeiro de 2016. Consultado em 22 de abril de 2016. 
  117. «Refugees can compete for first time in 2016 Rio Olympics, IOC head says» (em inglês). ESPN. 27 de outubro de 2015. Consultado em 22 de abril de 2016. 
  118. «Team of Refugee Olympic Athletes (ROA) created by the IOC» (em inglês). Comitê Olímpico Internacional. 2 de março de 2016. Consultado em 22 de abril de 2016. 
  119. «Rio 2016 terá equipe olímpica formada por atletas refugiados». Exame. 3 de março de 2016. Consultado em 22 de abril de 2016. 
  120. a b «Athletics doping: Russia provisionally suspended by IAAF». BBC Sport. Consultado em 14 de novembro de 2015. 
  121. «Russian whistleblower Yuliya Stepanova to compete as ‘neutral athlete’ in Rio». The Guardian. Consultado em 15 de julho de 2016. 
  122. «Background Information to the decision of the IOC Executive Board concerning the participation of Russian athletes in the Olympic Games Rio 2016». 24 de julho de 2016. Arquivado desde o original em 25 de julho de 2016. Consultado em 27 de julho de 2016. 
  123. «Países Olímpicos». Rio 2016. Arquivado desde o original em 08 de Julho de 2016. Consultado em 05 de Agosto de 2016. 
  124. «Veja como seria o quadro de medalhas da Olimpíada por população e dinheiro». ESPN Brasil. 22 de agosto de 2016. Consultado em 30 de agosto de 2016. 
  125. a b c d e f g «Para nunca esquecer: a primeira vez de nove hinos em pódios olímpicos». globoesporte.com. 22 de agosto de 2016. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  126. «Americana do Tiro conquista primeira medalha de ouro dos Jogos do Rio». Correio da Bahia. 6 de agosto de 2016. Consultado em 6 de agosto de 2016. 
  127. «Fiji wins first-ever men’s rugby sevens gold medal» (em inglês). NBC. 11 de agosto de 2016. Arquivado desde o original em 12 de agosto de 2016. Consultado em 12 de agosto de 2016. 
  128. Masters, James (10 de agosto de 2016). «Majlinda Kelmendi wins gold for Kosovo's historic first Olympic medal» (em inglês). CNN. Arquivado desde o original em 11 de agosto de 2016. Consultado em 11 de agosto de 2016. 
  129. Sims, Alexandra (8 de agosto de 2016). «Rio 2016: Vietnam wins first ever Olympic gold medal» (em inglês). The Independent. Arquivado desde o original em 11 de agosto de 2016. Consultado em 11 de agosto de 2016. 
  130. Stephen, Eric (10 de agosto de 2016). «Fehaid Al-Deehani wins first-ever independent Olympic gold medal» (em inglês). SB Nation. Arquivado desde o original em 11 de agosto de 2016. Consultado em 11 de agosto de 2016. 
  131. Micali, Matthew (10 de agosto de 2016). «Fehaid Al-Deehani wins first ever IOA gold» (em inglês). NBC. Arquivado desde o original em 11 de agosto de 2016. Consultado em 11 de agosto de 2016. 
  132. «Confusão e polêmica de mais de 100 anos marcam 1.000º ouro americano». GloboEsporte.com. 13 de agosto de 2016. Consultado em 30 de agosto de 2016. 
  133. «Brasil bate Itália e fecha a Rio-2016 com mais um ouro». Veja. 21 de agosto de 2016. Arquivado desde o original em 21 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  134. «Com 19 medalhas, Brasil tem melhor desempenho da história». Terra. 21 de agosto de 2016. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  135. «Brasil x Alemanha - Jogos Olímpicos - Futebol masculino 2016-2016 - globoesporte.com». globoesporte.com. Consultado em 2016-09-28. 
  136. Cappelletti, Milton (21 de agosto de 2016). «Chefe de Missão minimiza falta de medalhas nos Jogos Olímpicos». Observador. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  137. «Medalhas por país». Rio 2016. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  138. «Recorde». Rio 2016. Consultado em 22 de agosto 2016. 
  139. «Recurve Men Qualification» (em inglês). 5 de agosto de 2016. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  140. «Sul-coreano Kim Woojin estabelece novo recorde no tiro com arco». Global Media Group. 5 de agosto de 2016. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  141. a b esporte.ig.com.br/ Após feitos históricos, Rio 2016 ficará marcado por vários recordes
  142. a b esportes.estadao.com.br/ Rio-2016 tem primeiros casos de doping
  143. «A um passo do bronze nos 100m borboleta, chinesa é pega no doping». GloboEsporte.com. 12 de agosto de 2016. Consultado em 12 de agosto de 2016. 
  144. folha.uol.com.br/ Ciclista brasileiro testado às vésperas dos Jogos do Rio é suspenso por doping
  145. gazetaweb.globo.com/ Izzat Artykov, do levantamento de peso, conquistou o bronze na prova de até 69Kg
  146. folha.uol.com.br/ Olimpíada do Rio tem dois primeiros medalhistas suspensos por doping
  147. zh.clicrbs.com.br/ Bronze na canoagem e rival de Isaquias, moldavo é pego no doping
  148. «Atleta do Quirguistão é pego no doping e perde medalha da Rio 2016». GloboEsporte.com. 18 de agosto de 2016. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  149. globoesporte.globo.com/ Atleta da Mongólia é flagrado no antidoping e eliminado da Rio 2016
  150. Folha de S.Paulo, : (30 de julho de 2015). «Atletas olímpicos irão competir no Rio em água contaminada, mostra análise». Consultado em 1 de agosto de 2015. 
  151. a b Anistia Internacional, : (29 de julho de 2016). «Rio 2016: Jogos Olímpicos marcados por remoções e alto número de homicídios cometidos pela polícia». Consultado em 20 de julho de 2016. 
  152. Fernando Duarte (27 de julho de 2016). «Rejeição à Rio 2016 é normal, mas pode ser amenizada com espetáculo e medalhas, diz historiador olímpico». BBC Brasil. Consultado em 30 de julho de 2016. 
  153. Flynn, Daniel; Soto, Alonso (14 de março de 2016). «Record Brazil protests put Rousseff's future in doubt» [S.l.: s.n.] Reuters. Consultado em 14 de março de 2016. 
  154. David Segal (7 de agosto de 2015). «Petrobras Oil Scandal Leaves Brazilians Lamenting a Lost Dream» New York Times [S.l.] 
  155. Grandin, Greg (22 de março de 2016). «Millennials Are Taking to the Streets to Defend Democracy in Brazil» [S.l.: s.n.] The Nation. Consultado em 5 de junho de 2016. 
  156. Eichenberg, Fernando (4 de junho de 2016). «Brasil só sai da crise com eleições, avalia OCDE» [S.l.: s.n.] O Globo. Consultado em 5 de junho de 2016. 
  157. [1], Globo.com, 12 de maio de 2016. Acessado em 30 de abril de 2016.
  158. «Rio gang violence amid Olympics safety concerns». Presstv.ir. Consultado em 15 de março de 2010. 
  159. «Rio's mayor expresses safety concerns for 2016 Olympics , ksdk.com , St. Louis, MO». ksdk.com. Consultado em 15 de março de 2010. 
  160. «Terroristas divulgam 'manual' para ataques nos Jogos do Rio». Terra. 20 de julho de 2016. Consultado em 25 de julho de 2016. 
  161. «Abin eleva risco de ataque do Estado Islâmico durante as Olimpíadas». SporTV. 14 de abril de 2016. Consultado em 25 de julho de 2016. 
  162. Felipe Coutinho (21 de julho de 2016). «Polícia Federal prende célula do Estado Islâmico que planejava atentado na Olimpíada». Época. Globo. Consultado em 21 de julho de 2016. 
  163. «Rio Olympics Athletes' village 'unliveable' days before Games begin». Consultado em 25 de julho de 2016. 
  164. «Rio 2016 admite possibilidade de casos isolados de sabotagem na Vila Olímpica». ESPN. 28 de julho de 2016. Consultado em 30 de julho de 2016. 
  165. «Zika virus: Olympic venues to be inspected daily before and during Games» BBC Sport [S.l.] 29 de janeiro de 2016. Consultado em 30 de janeiro de 2016. 
  166. Khazan, Olga (31 de março de 2016). «What Happens When There's Poop in the Water». The Atlantic. Consultado em 30 de junho de 2016. 
  167. «"The Games will go ahead": Tourists have a near-zero chance of getting Zika at the Rio Olympics». Quartz. Consultado em 31 de maio de 2016. 
  168. «150 experts say Olympics must be moved or postponed because of Zika». Washington Post. Consultado em 31 de maio de 2016. 
  169. «Zika crisis: WHO rejects 'move Rio Olympics' call». BBC News. Consultado em 31 de maio de 2016. 
  170. Ruiz, Rebecca (18 de julho de 2016). «Russia May Face Olympics Ban as Doping Scheme Is Confirmed». The New York Times [S.l.: s.n.] ISSN 0362-4331. Consultado em 26 de julho de 2016. 
  171. «Decision of the IOC Executive Board concerning the participation of Russian athletes in the Olympic Games Rio 2016». IOC. 24 de julho de 2016. Consultado em 24 de julho de 2016. 
  172. RFE/RL (31 de julho de 2016). «All Russians Still Must Be Cleared For Olympics By New IOC Panel». RadioFreeEurope/RadioLiberty (em inglês) [S.l.: s.n.] Arquivado desde o original em 1 de agosto de 2016. Consultado em 2 de agosto de 2016. 
  173. Oliveira Duarte, Ricardo; Santos Silva, Sónia (21 de agosto de 2016). «"Talvez seja morto quando chegar". Etíope festeja medalha com gesto polémico». Global Media Group. Arquivado desde o original em 22 de agosto de 2016. Consultado em 22 de agosto de 2016. 
  174. a b João Pedro Caleiro (27 de julho de 2016). «Olimpíada pode ter feito Rio resistir à crise, diz estudo». Revisa Exame. Consultado em 30 de julho de 2016. 
  175. «Entorno da Transcarioca tem falhas urbanísticas e gambiarras». Consultado em 2016-09-19. 
  176. a b «Qual o legado dos Jogos Olímpicos Rio 2016?». 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jogos Olímpicos de Verão de 2016
Precedido por
Londres 2012
Jogos Olímpicos de Verão
2016
Sucedido por
Tóquio 2020