One Hundred and One Dalmatians

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
One Hundred and One Dalmatians
Pôster original do filme.
No Brasil A Guerra dos Dálmatas
101 Dálmatas
Em Portugal Os 101 Dálmatas
 Estados Unidos
1961 •  cor •  79 min 
Direção Clyde Geronimi
Hamilton Luske
Wolfgang Reitherman
Produção Walt Disney
Roteiro Bill Peet
Baseado em The Hundred and One Dalmatians, de Dodie Smith
Elenco Rod Taylor
Cate Bauer
Betty Lou Gerson
Ben Wright
Lisa Davis
Martha Wentworth
Género animação
aventura
fantasia
comédia
Música George Bruns
Mel Leven
Edição Roy M. Brewer Jr.
Donald Halliday
Companhia(s) produtora(s) Walt Disney Productions
Distribuição Buena Vista Distribution
Lançamento Estados Unidos 25 de janeiro de 1961
Brasil 3 de março de 1961
Idioma inglês
Cronologia
101 Dalmatians II: Patch's London Adventure (2003)
Página no IMDb (em inglês)

One Hundred and One Dalmatians (bra: A Guerra dos Dálmatas[1] ou 101 Dálmatas[2]; prt: Os 101 Dálmatas[3][4]) é um filme estadunidense de 1961, dos gêneros animação, aventura, comédia e fantasia, dirigido por Clyde Geronimi, Hamilton Luske e Wolfgang Reitherman para a Disney, baseado no livro The Hundred and One Dalmatians, de Dodie Smith.

Lançado nos cinemas em 25 de janeiro de 1961, é o 17.º longa-metragem de animação dos estúdios Disney.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Cruella de Vil é uma mulher rica, fascinada em peles, e que tem como grande sonho confeccionar um casaco feito de pele de cachorro, mais especificamente de pele de dálmata. Anita, amiga de infância de Cruela, e seu marido Roger possuem um casal de dálmatas chamados Prenda e Pongo. Quando Prenda da a luz a 15 filhotes Cruela aparece querendo comprá-los, mas Roger nega isso a ela.

Então um dia, Cruela manda seus capangas Gaspar e Horácio roubá-los, quando só estiver em casa a cozinheira e ama dos cachorrinhos Nana. E assim foi feito: quando os dois casais saem para dar uma volta no parque, os vigaristas tentam entrar na casa sobre o pretexto de serem da companhia elétrica, mas a fiel Nana não quer deixar, mas eles conseguem atrapalhando-a. Nana quando descobre o que roubaram, entra em desespero.

Pongo e Prenda na noite seguinte contam isso aos outros animais da cidade até o campo latindo inclusive ao cão Coronel, ao gato Sargento Tibbs e ao cavalo Capitão que descobrem que alem dos filhotinhos roubados, estão na casa de Cruela mais 84 filhotinhos. Agora cabe a Pongo, Prenda, Coronel, Sarg. Tibbs, Capitão e aos outros animais do Latido, salvar e ajudar os 99 filhotinhos.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Rod Taylor como Pongo. No Brasil, Domingos Martins.[5]
  • Cate Bauer como Perdita / Prenda. No Brasil, Maria Alice Barreto.[5]
  • Betty Lou Gerson como Cruella De Vil. No Brasil, Olga Nobre.[5]
  • Ben Wright como Roger Radcliffe. No Brasil, Milton Rangel.[5]
  • Lisa Davis como Anita Radcliffe. No Brasil, Simone de Morais.[5]
  • Martha Wentworth como Nanny / Nana. No Brasil, Margarida Rey.[5]
  • J. Pat O'Malley como Gaspar / Coronel. No Brasil, Castro Gonzaga.[5]
  • Frederick Worlock como Horácio. No Brasil, Paulo Gonçalves.[5]
  • Thurl Ravenscroft como Capitão. No Brasil, Orlando Drummond.[5]
  • Tom Conway como Collie. No Brasil, Aloysio de Oliveira.[5]

Produção[editar | editar código-fonte]

One Hundred and One Dalmatians foi um dos últimos desenhos animados realizados sob a supervisão de Walt Disney. Foi o primeiro filme animado da Disney a usar a tecnologia da fotocopiagem (xerografia), o que proporcionou uma maior complexidade visual a produção. Mas Walt Disney não se agradou com o estilo de desenho que a nova tecnologia trouxe.

Um fã contou todos os pontos pretos que aparecem no filme, quadro a quadro, e concluiu que eles perfazem um total de 6.469.952 pontos.[6]

Música[editar | editar código-fonte]

Diferente de outros filmes da Disney, One Hundred and One Dalmatians possui apenas três músicas, com apenas uma, "Cruella De Vil", sendo tocada em uma grande parte da produção. As outras duas canções são "Kanine Krunchies Jingle" (por Lucille Bliss) e "Dalmatian Plantation" em que apenas dois versos são cantados por Roger no final do filme.[carece de fontes?]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

BAFTA (1962) Reino Unido

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Segundo o site Box Office Mojo, One Hundred and One Dalmatians foi a décima maior bilheteria do ano de 1961 arrecadando $6,400,000. No seu lançamento de 1991 foi a vigésima maior bilheteria do ano na América do Norte.[7]

Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. «A Guerra dos Dálmatas». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 7 de dezembro de 2018 
  2. «101 Dálmatas». Brasil: CinePlayers. Consultado em 7 de dezembro de 2018 
  3. «Os 101 Dálmatas». Portugal: DVDPT. Consultado em 7 de dezembro de 2018 
  4. «Os 101 Dálmatas». Portugal: SapoMag. Consultado em 7 de dezembro de 2018 
  5. a b c d e f g h i j 101 Dálmatas : Elenco, atores, equipe técnica, produção, dublagem brasileira no AdoroCinema
  6. 101 Dalmatians Original Animation Forensically Examined
  7. «1991 Domestic Grosses #1–50». Box Office Mojo. Consultado em 2 de abril de 2008 
Ícone de esboço Este artigo sobre animação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Sleeping Beauty
Lista de filmes de animação da Disney
1961
Sucedido por
The Sword in the Stone