Oniro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde setembro de 2010). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Os oniros (em grego: Ὄνειροι, "sonhos" ), na mitologia grega, eram as mil personificações dos sonhos. Hesíodo os considera filhos de Nix (a Noite) sem intervenção masculina, outros autores consideram Érebo (a Escuridão) seu pai. Eurípides os considerava filhos de Gaia (a Terra) e os concebia como daimones de asas negras. Ovídio os considera filhos de Hipnos (o Sono), e menciona a três por seus nomes: Morfeu (o mais célebre e considerados por alguns, chefe dos oniros), Ícelos ou Fobetor e Fantasos:

Segundo Homero, os oniros viviam nas escuras praias do extremo ocidente do Oceano, em uma caverna do Érebo. Os deuses enviavam sonhos aos mortais desde uma das duas portas ali situadas: os sonhos autênticos surgiam de uma porta feita de corno, enquanto que os sonhos falsos abriam passagem desde uma porta feita de marfim.