Operação Unthinkable

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Operação Impensável)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Operação Unthinkable
Parte do fim da Segunda Guerra Mundial na Europa
Data 1 de julho de 1945 (projetado)
Objetivos:
Local Europa Central e Oriental
Situação Planejado, mas nunca realizado
Beligerantes
 Estados Unidos
 Reino Unido
 Canadá
 Alemanha
 França
 Polônia
 União Soviética
Comandantes
Estados Unidos Harry Truman
Estados Unidos Dwight D. Eisenhower
Estados Unidos Walter Bedell Smith
Estados Unidos Omar Bradley
Estados Unidos Jacob L. Devers
Estados Unidos Hoyt Vandenberg
Reino Unido Winston Churchill
Reino Unido Arthur Tedder
Reino Unido Frederick E. Morgan
Reino Unido Humfrey Gale
Reino Unido James Robb
Reino Unido Bernard Montgomery
União Soviética Joseph Stalin
União Soviética Vyacheslav Molotov
União Soviética Aleksandr Vasilevsky
União Soviética Gueorgui Júkov
União Soviética Lavrenty Beria
União Soviética Borís Chápochnikov
União Soviética Georgy Malenkov
União Soviética Nikolai Kuznetsov
União Soviética Alexander Nóvikov
União Soviética Semyon Timoshenko
Forças
Unidades terrestres:
80 divisões de infantaria
  • 3.065.500 americanos
  • 1.295.200 britânicos
  • 437.140 franceses
  • 217.420 canadenses
  • 62.520 outros

6.411.636 (total)

Tanques de assalto:
23 divisões blindadas


22.200 (total)

Aviões de combate:

  • 14.845 americanos
  • 5.559 bombardeiros pesados
  • 6.003 caças

28.000 (total)

Aviões táticos:


6.048 (total)

Aviões estratégicos:

  • 1.008 americanos
  • 1.722 Commonwealth
  • 20 poloneses

2.750 (total)
Unidades terrestres:
228 divisões de infantaria

7.181.987 (total)

Tanques de assalto:
36 divisões blindadas


12.657 (total)

Aviões de combate:

  • 8.078 caças
  • 4.991 ataque-ao-solo
  • 4.878 bombardeiros
  • 876 reconhecimento
  • 3.798 outros
    (Forças operacionais)
  • 183 caças
  • 173 ataque-ao-solo
  • 204 bombardeiros
  • 64 reconhecimento
  • 377 outros
    (reservas Stavka)

19.447 (total)
   

Operação Unthinkable (em português, Operação Impensável), era o nome dado a dois planos relacionados, mas não realizados, pelos Aliados Ocidentais contra a União Soviética. A criação dos planos foi ordenada pelo Primeiro-ministro do Reino Unido Winston Churchill em 1945 e desenvolvida pela equipe de planejamento conjunto das Forças Armadas do Reino Unido no final da Segunda Guerra Mundial na Europa.

Supunha-se um ataque surpresa às forças soviéticas estabelecidas na Alemanha para "impor a vontade dos Aliados Ocidentais" aos soviéticos. "O testamento" foi qualificado como "um acordo para a Polônia",[1] o que provavelmente significava impor o acordo recentemente assinado na Conferência de Ialta. Quando as probabilidades foram julgadas "fantasiosas", o plano original foi abandonado.

O codinome foi usado para um cenário defensivo no qual os britânicos se defenderiam contra uma movimentação soviética em direção ao Mar do Norte e ao Atlântico após a retirada das forças americanas do continente.

O estudo se tornou o primeiro plano de contingência da era da Guerra Fria para a guerra com a União Soviética.[2] Ambos os planos eram altamente secretos e não foram divulgados até 1998,[3] embora um espião britânico para os soviéticos, Guy Burgess, tivesse passado alguns detalhes na época.

Operações[editar | editar código-fonte]

Ofensiva[editar | editar código-fonte]

O principal objetivo inicial da operação foi declarado como "impor à União Soviética a vontade dos Estados Unidos e do Império Britânico. Embora a "vontade" desses dois países possa ser definida como não mais que um acordo para a Polônia, isso não limita necessariamente o compromisso militar".[1] (A União Soviética é referida como "Rússia" em todo o documento, um metonímia comum no Ocidente durante a Guerra Fria.)

Os chefes de gabinete estavam preocupados com o fato de que, dado o enorme tamanho das forças soviéticas destacadas na Europa no final da guerra e a percepção de que o líder soviético Joseph Stalin não era confiável, havia uma ameaça soviética à Europa Ocidental. A União Soviética ainda não lançara seu ataque às forças japonesas e, portanto, uma suposição no relatório era que a União Soviética se aliaria ao Império do Japão se os Aliados Ocidentais iniciassem hostilidades.

A data hipotética para o início da invasão aliada na Europa soviética estava marcada para 1 de julho de 1945, quatro dias antes das eleições gerais no Reino Unido.[4] O plano assumiu um ataque surpresa de até 47 divisões britânicas e americanas na área de Dresden, Alemanha no meio das linhas soviéticas.[4] Isso representava quase metade das cerca de 100 divisões disponíveis dos britânicos, americanos e canadenses naquele momento.[3]

O plano foi adotado pelo Comitê de Chefes de Estado-Maior Britânico como militarmente inviável por causa de uma superioridade de 2.5 para 1 prevista nas divisões das forças terrestres soviéticas na Europa e no Oriente Médio até 1 de julho, onde o conflito foi projetado para ocorrer.[5] A maior parte de qualquer operação ofensiva teria sido realizada pelas forças americanas e britânicas, bem como pelas forças polonesas e até 10 divisões da antiga Wehrmacht alemã, remobilizadas do status de prisioneiros de guerra. Qualquer sucesso rápido seria causado apenas pela surpresa. Se não fosse possível obter um rápido sucesso antes do início do inverno, a avaliação era de que os Aliados estariam comprometidos com uma guerra total prolongada. No relatório de 22 de maio de 1945, uma operação ofensiva foi considerada "perigosa".

O equilíbrio de forças na Europa Ocidental e na Itália, primavera de 1945[nota 1]
Aliados Soviéticos[6]
Europa Ocidental Itália Total Forças operacionais Reservas Stavka Total Proporção
Soldados 5.077.780[7][nota 2] 1.333.856[8] 6.411.636 6.750.149 431.838 7.181.987 1 : 1.12
Tanques de assalto[nota 3] c. 19.100[9][nota 4][nota 5] 3.100[10] 22.200 12.333[nota 6] 324[nota 7] 12.657 1.75 : 1
Artilharia c. 63.000[11] 10.200[10] c. 70.200 114.344[nota 8] 6.838[nota 9] 121.182 1 : 1.73
Aviões de combate -- -- 28.000[12][nota 10][13] 18.823[nota 11] 624[nota 12] 19.447 1.44 : 1
Veículos motorizados 970.000[12] desconhecido desconhecido 366.959[nota 13] 20.362[nota 14] 387.321 acima de 2.5 : 1
Saldo projetado na Europa Ocidental, 1 de julho de 1945[14]
Aliados Soviéticos Proporção
Divisões de infantaria[nota 15] 80 228 1 : 2.85
Divisões blindadas[nota 16] 23 36 1 : 1.57
Aviões táticos 6.048[nota 17] 11.802 1 : 1.95
Aviões estratégicos 2.750[nota 18] 960 2.86 : 1

Defensivo[editar | editar código-fonte]

Em resposta a uma instrução de Winston Churchill de 10 de junho de 1945, foi escrito um relatório de acompanhamento sobre "que medidas seriam necessárias para garantir a segurança das Ilhas Britânicas em caso de guerra com a União Soviética em um futuro próximo".[15] As forças americanas estavam se mudando para o Pacífico para uma invasão planejada do Império do Japão, e Churchill estava preocupado com o fato de que a redução nas forças de apoio deixaria os soviéticos em uma posição forte para tomar ações ofensivas na Europa Ocidental. O relatório concluiu que se os Estados Unidos se concentrassem apenas no Pacífico, as chances da Grã-Bretanha "se tornariam fantasiosas".[16]

A equipe de planejamento conjunto rejeitou a noção de Churchill de reter cabeças de ponte no continente como não tendo vantagem operacional. Previa-se que a Grã-Bretanha usasse sua força aérea e marinha para resistir, mas se previa uma ameaça de ataque de foguetes em massa, sem meios de resistência, exceto pelo bombardeio estratégico.

Discussões subsequentes[editar | editar código-fonte]

Em 1946, tensões e conflitos estavam se desenvolvendo entre as áreas ocupadas pelos Aliados e soviéticas na Europa. Eles foram vistos como potenciais gatilhos para um conflito mais amplo. Uma dessas áreas era a Veneza Júlia (uma região do sudeste da Europa agora dividida entre Croácia, Eslovênia e Itália) e, em 30 de agosto de 1946, ocorreram discussões informais entre os chefes de gabinete britânicos e americanos sobre como esse conflito poderia se desenvolver e a melhor estratégia para conduzir uma guerra europeia.[17] Mais uma vez, foi discutida a questão de manter uma cabeça de ponte no continente, com Dwight D. Eisenhower preferindo uma retirada a região dos Países Baixos, ao invés da Itália, devido à sua proximidade com o Reino Unido.

Possível conscientização soviética[editar | editar código-fonte]

Em junho de 1945, o comandante do Exército Soviético Marshal Gueorgui Júkov de repente ordenou que as forças soviéticas na Polônia se reagrupassem e preparassem suas posições para a defesa. De acordo com John Erickson, professor da Universidade de Edimburgo, a Operação Unthinkable ajuda a explicar por que ele fez isso. Se os planos da operação tivessem sido transmitidos a Moscou pelos Cambridge Five, isso explicaria as ordens repentinas de reagrupar e se preparar para a defesa, no entanto, é tão possível quanto a desconfiança soviética dos Aliados Ocidentais. Se os soviéticos realmente soubessem que os Aliados Ocidentais estavam planejando um possível ataque, o elemento surpresa teria sido perdido antes do início das operações contra os soviéticos, reduzindo ainda mais as chances de sucesso da Operação Unthinkable.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Exclui forças não operacionais soviéticas, equipamentos soviéticos em depósitos de armazenamento/reparo/substituição e forças Aliadas em outros teatros
  2. 3.065.500 americanos, 1.295.200 britânicos, 437.140 franceses, 217.420 canadenses e 62.520 outros.
  3. Exclui armas SPGs dos Aliados
  4. Os números de Zaloga não fornecem um total para TDs da Commonwealth, no entanto, a proporção de tanques para destruidores de tanques no ETO dos Estados Unidos era de aproximadamente 6.57 : 1. Sob essas condições, as forças da Commonwealth teriam possuído aproximadamente 640 destruidores de tanques até o final da guerra.
  5. Incluindo 4.720 Stuart, 1.163 Chaffee, 7.709 Sherman 75/76, 709 Sherman Firefly, 636 Sherman 105, 108 Pershing, 549 Cromwell, 30 Challenger, 237 Comet e 742 Churchill. Os destróieres de tanques ETO dos Estados Unidos incluíam 427 Hellcat, 427 Wolverine e 1.039 Jackson.
  6. Incluindo 976 tanques pesados, 6.059 tanques médios, 564 tanques leves e 73 tanques especiais. As armas de assalto totalizaram 504 pesadas, 758 médias e 3.399 leves.
  7. Incluindo 139 tanques médios e 35 leves. As armas de assalto totalizaram 16 pesadas, 84 médias e 50 leves.
  8. Incluindo 45.921 morteiros, 2.726 lançadores de foguetes e 13.558 armas AA.
  9. Incluindo 3.043 morteiros, 148 lançadores de foguetes e 768 armas AA.
  10. Incluindo 14.845 americanos; somente as Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos na ETO possuía 5.559 bombardeiros pesados e 6.003 caças.
  11. Incluindo 8.078 caças, 4.991 ataque-ao-solo, 4.878 bombardeiros, 876 reconhecimento e 3.798 outros
  12. Incluindo 183 caças, 173 ataque-ao-solo, 204 bombardeiros, 64 reconhecimento e 377 outros
  13. Incluindo 268.428 caminhões
  14. Incluindo 14.423 caminhões
  15. Divisão-Equivalentes para os soviéticos
  16. Divisão-Equivalentes para os soviéticos
  17. Incluindo 3.480 americanos, 2.370 Commonwealth e 198 poloneses.
  18. Incluindo 1.008 americanos, 1.722 da Commonwealth e 20 poloneses.

Referências[editar | editar código-fonte]

Citações[editar | editar código-fonte]

  1. a b Operation Unthinkable..., p. «1». Consultado em 25 de setembro de 2015. Arquivado do original em 16 de novembro de 2010 
  2. Costigliola, p. 336
  3. a b Gibbons, p. 158
  4. a b Reynolds, p. 250
  5. Operation Unthinkable p. 22 Retrieved 2 May 2017
  6. Великая Отечественная война: Действующая армия, "1 January 1945"
  7. Zaloga, "Downfall 1945: The Fall of Hitler's Third Reich" p. 28
  8. Jackson, "The Mediterranean and Middle East, Volume VI: Part III - November 1944 to May 1945" p. 230
  9. Zaloga, "Downfall 1945: The Fall of Hitler's Third Reich" p. 29
  10. a b История второй мировой войны 1939–1945 гг. Volume 10, Table 6, p. 261
  11. S.L.A. Marshall "ON HEAVY ARTILLERY: AMERICAN EXPERIENCE IN FOUR WARS". Journal of the US Army War College. Page 10. "ETO," US forces in Western Europe, fielded 42,000 pieces of artillery; American forces comprised approximately 2/3 of the Allied effort during the campaign.
  12. a b MacDonald, "The Last Offensive" p. 478
  13. Air Force Statistical Digest, 1978 p. 156
  14. "Operation Unthinkable," pp. 22-23. Retrieved 5 May 2018
  15. Operation Unthinkable..., p. «30 (Annex)». Consultado em 16 de novembro de 2010. Arquivado do original em 16 de novembro de 2010 
  16. Operation Unthinkable..., p. «24». Consultado em 12 de maio de 2015. Arquivado do original em 16 de novembro de 2010 
  17. Operation Unthinkable..., p. «35». Consultado em 16 de novembro de 2010. Arquivado do original em 16 de novembro de 2010 

Fontes[editar | editar código-fonte]

Livros
Documentos