Operação Manta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mapa da Guerra Civil no Chade (1980-1987). A área controlada pelo GTUN até 1986/87 está em verde-claro.

Operação Manta é o nome dado a uma intervenção militar francesa no Chade entre 1983 e 1984 durante a Guerra dos Toyota, no Conflito entre Chade e Líbia. A operação consistiu de pequenos golpes e carraspanas militares.

A operação foi despoletada pela invasão do Chade por uma força conjunta da Líbia e de rebeldes chadianos do Governo de Transição de Unidade Nacional (GTUN) em junho de 1983. A França esteve relutante em participar no início, mas o bombardeamento líbio do oásis estratégico de Faya-Largeau ocorrido a partir de 31 de julho levou até ao Chade cerca de 3500 tropas francesas, o maior destacamento desde o final da era colonial.

As tropas francesas, em vez de tentarem repelir as forças líbias do Chade, desenharam uma "linha na areia".[1] Concentraram as suas forças no paralelo 15 N, a chamada "Linha Vermelha," (depois movido para o paralelo 16 N) para bloquear o avanço dos líbios e do GTUN para N'Djamena, assim salvando o presidente do Chade Hissène Habré. As forças líbias e rebeldes evitaram ataques além da Linha Vermelha mas provocaram os franceses. O impasse resultante levou à partição de facto do Chade, com os líbios e o GTUN a norte e Habré e os franceses no Chade central e meridional.

Para acabar o impasse, o Presidente da França François Mitterrand e o líder líbio Muammar Gaddafi negociaram uma retirada mútua das suas tropas no Chade em setembro de 1984. O acordo foi respeitado pelos franceses, assim colocando um final à Operação Manta, mas não pelos líbios, cujas forças ficaram no Chade até 1987 (embora tenham continuado a respeitar a Linha Vermelha). A violação do paralelo 15 causou nova intervenção francesa no Chade, a Operação Epervier e a expulsão das forças líbias de todo o Chade, com exceção da Faixa de Aouzou no ano seguinte.

Referências

  1. Smith, William E. (1983-08-29). "France Draws the Line". Time [S.l.: s.n.] 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]