Operação Sandstone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Explosão X-Ray da Operação Sandstone.

A Operação Sandstone foi um teste de armas nucleares de detonação tripla (em série), realizada no atol de Enewetak, the Atomic Energy Commission's (AEC) Pacific Proving Ground (PPG), na primavera de 1948. Localizado no Oceano Pacífico central, a PPG consistiu principalmente de Enewetak e atol de Bikini no noroeste das Ilhas Marshall. Os testes seguiram-se à Operação Crossroads e precederam a Operação Ranger.

Os 140 habitantes do atol foram realojados no atol de Ujelang em Dezembro.[1]

Explosões de Teste da Operação Sandstone
Nome do Teste Data Localização Potência* Nota
X-Ray 14 de Abril de 1948 Atol de Enewetak 37 quilotons  
Yoke 30 de Abril de 1948 Atol de Enewetak 49 quilotons  
Zebra 14 de Maio de 1948 Atol de Enewetak 18 quilotons  

*Nota: Um quiloton equivale a energia lançada de 1000 toneladas de equivalente em TNT

Contexto Histórico[editar | editar código-fonte]

A operação Sandstone foi o segundo teste em série a ser realizado nas Ilhas Marshall, mas diferencia da primeira série (Operação Crossroads, 1946), onde foi primariamente uma série de testes científicos AEC com as forças armadas servindo em um papel de apoio. Seu propósito era a prova-teste do design melhorado das armas atômicas, onde o objetivo de Crossroads era testar os efeitos das armas nucleares em navios.

As armas foram testados em Enewetak por uma junta militar e organização civil designada Joint Task Force 7 (JTF 7). Esta era uma organização militar em forma, mas continha militares, serviço civil e pessoal contratado do Departamento de Defesa (DOD) e AEC. O comandante desta força foi o representante designado da AEC e relatados para ambos do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos e o Comandante em chefe, Pacific.

"Força numérica DOD pico em SANDSTONE foi de aproximadamente 9890 soldados uniformizados, 350 civis DOD, 126 empreiteiros DOD, de total 10.366."

História[editar | editar código-fonte]

Com autorização concedida em 27 de Junho de 1947 e o atol de Enewetak foi escolhido para área de teste em 11 de Outubro. Os testes tiveram como objectivo avaliar os novos desenhos de armas nucleares que tinham sido desenvolvidas no Laboratório Nacional de Los Alamos como parte do Projeto Manhattan e que, até ao momento, não tinham sido utilizadas. As bombas usaram oralloy, uma forma de urânio enriquecido, como subsituto de plutónio, o qual tinha sido utilizado em todas as armas nucleares antes destas, com excepção da bomba Little Boy largada sobre Hiroshima, a qual empregou urânio-235. O teste X-Ray usou uma mistura de oralloy e plutónio na razão 2:1. Os testes Yoke e Zebra usaram unicamente oralloy.

Operações[editar | editar código-fonte]

Como na Operação Crossroads, foi dado para cada detonação o seu próprio nome de código, retirado do Joint Army/Navy Phonetic Alphabet. Todos utilizados modificado montagens Mark III, e foram detonadas de 200 pés (61 m) torres.[2] O calendário das detonações era uma questão de compromisso. Os experimentos de medição de raios gama necessária trevas, mas os B-17 drones que iria provar as nuvens necessários luz do dia para controlá-los. Como compromisso, as detonações Arenito tudo ocorreu pouco antes do amanhecer.[3]

As três detonações em série da Operação Sandstone dos Estados Unidos estão abaixo:

X-Ray[editar | editar código-fonte]

O dispositivo nuclear X-Ray usava um núcleo composto levitado.[2] Detonada em Enjebi pouco antes do nascer do sol em 6:17 em 15 de abril de 1948,[3] com um rendimento de 37 quilotons.[4] A eficiência de utilização de plutônio foi cerca de 35%; a do urânio-235 foi de 25% ou mais. Este foi um pouco maior do que a previsão Los Alamos'.[2] Os observadores assistindo a partir de navios na lagoa viram um flash brilhante, acompanhado de sensação de um aquecimento radiante. Uma nuvem de condensação 5 milhas náuticas (9,3 quilômetros; 5,8 mi) de diâmetro rapidamente envolveu a bola de fogo, que brilhava dentro da nuvem. Demorou 45 a 50 segundos para o estrondo da explosão alcançar os observadores.[3]

Cerca de 20 minutos mais tarde, Bariko lança um helicóptero para verificar o cabo do guincho que foi para coletar amostras. Ele também reduziu barcos para testar os níveis de radioactividade na lagoa. B-17 aeronaves sem piloto zangão foram levados através das nuvens, e um tanque de luz zumbido foi usado para recuperar amostras de solo da cratera. Infelizmente, tornou-se bogged e teve de ser rebocado para fora dez dias depois.[5]

Yoke[editar | editar código-fonte]

O dispositivo nuclear Yoke usou um levitado all-urânio-235 do núcleo.[2] Detonado em Aomon pouco antes do nascer do sol em 01 de maio de 1948 às 06:09, um dia de atraso devido aos ventos desfavoráveis.[6] Os observadores viram um semelhante flash e sentia o mesmo calor como a explosão de raios-X, mas a 6 milhas náuticas (11 km; 6,9 mi) de largura de condensação de nuvens foi maior, e o som da explosão mais forte. Um observador comparou-o ao som de "um saco de papel que está com força estourar em uma pequena sala"[6] Eles estavam corretos: Seu rendimento de 49 quilotons tornou-se a maior detonação nuclear desse tempo,[4] mas foi considerado ineficiente e um desperdício de material físsil.[2]

Zebra[editar | editar código-fonte]

Zebra, o terceiro teste, e o último da série Sandstone, foi detonada em Runit pouco antes do nascer do sol em 6:04 em 15 de maio de 1948.[7] Este teste foi caracterizado pela AEC Presidente David Lilienthal como o "mais difícil e mais importante" teste dos três. Ao usar um dos iniciadores de classe B, demonstrou que estes ainda poderia ser usado com confiança.[8] Os observadores perceberam o flash e explosão como semelhante a dois testes anteriores, mas desta vez a base da nuvem condensação estava em 2.000 pés (610 m), o que deu aos observadores uma vista panorâmica sobre a bola de fogo, o que, portanto, parece ser mais brilhante e duram mais do que os outros dois.[7] Looks estavam enganando: a sua. levitado urânio-235 núcleo produziu um rendimento de 18 quilotons.[4]

Os procedimentos utilizados nos ensaios anteriores foram repetidos, mas desta vez o cabo de guincho roubado, e as amostras de teste tinham que ser recuperados por uma jipe, expondo a sua equipe para mais radiação. O pessoal Los Alamos atribuídos a remover os filtros de B-17 drones aparentemente tinha realizado o procedimento na X-Ray e Yoke sem problemas, mas desta vez três deles sofreu queimaduras de radiação em suas mãos graves o suficiente para precisar de ser hospitalizado e pele enxerto. Um dos homens que realizaram o procedimento para Yoke foi, então, também encontrado para ter queimaduras em suas mãos e foi hospitalizado também, mas recebeu alta em 28 de Maio. Mais uma vez o tanque zangão deu problemas, e esbarrado na cratera, mas as amostras de solo foram recuperadas pelo tanque zangão backup. Ambos os tanques foram posteriormente despejados no oceano.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Operation SANDSTONE - página oficial do Laboratório Nacional de Los Alamos (em inglês).
  2. a b c d e Hansen, Chuck. Volume I: The Swords of Armageddon: US Nuclear Weapons Development since 1945. [S.l.]: Chukelea Publications, 1995. p. 242–245. ISBN 978-0-9791915-1-0 OCLC 231585284
  3. a b c Berkhouse, L. H.; Davis, S. E.; Gladeck, F.R.; Hallowell, J. H.; Jones, C. R.; Martin, E. J.; McMullan, F. W.; Osborn, M. J.; Rogers, W. E. (19-12-1983). Operation Sandstone: 1948 (PDF) p. 105. Defense Nuclear Agency.
  4. a b c Hewlett, Richard G. Atomic Shield, 1947–1952: A History of the United States Atomic Energy Commission. University Park, Pa.: Pennsylvania State University Press, 1969. p. 672.
  5. Berkhouse, L. H.; Davis, S. E.; Gladeck, F.R.; Hallowell, J. H.; Jones, C. R.; Martin, E. J.; McMullan, F. W.; Osborn, M. J.; Rogers, W. E. (19-12-1983). Operation Sandstone: 1948 (PDF) p. 105-109. Defense Nuclear Agency.
  6. a b Berkhouse, L. H.; Davis, S. E.; Gladeck, F.R.; Hallowell, J. H.; Jones, C. R.; Martin, E. J.; McMullan, F. W.; Osborn, M. J.; Rogers, W. E. (19-12-1983). Operation Sandstone: 1948 (PDF) p. 110. Defense Nuclear Agency. "Washington, D. C."
  7. a b Berkhouse, L. H.; Davis, S. E.; Gladeck, F.R.; Hallowell, J. H.; Jones, C. R.; Martin, E. J.; McMullan, F. W.; Osborn, M. J.; Rogers, W. E. (19-12-1983). Operation Sandstone: 1948 (PDF) p. 114. Defense Nuclear Agency. "Washington, D. C."
  8. Hansen, Chuck. Volume I: The Swords of Armageddon: US Nuclear Weapons Development since 1945. [S.l.: s.n.], 1995. p. 245. ISBN 978-0-9791915-1-0 OCLC 231585284
  9. Berkhouse, L. H.; Davis, S. E.; Gladeck, F.R.; Hallowell, J. H.; Jones, C. R.; Martin, E. J.; McMullan, F. W.; Osborn, M. J.; Rogers, W. E. (19-12-1983). Operation Sandstone: 1948 (PDF) p. 114-116. Defense Nuclear Agency. "Washington, D. C."

Ver também[editar | editar código-fonte]

Desenho de arma nuclear

Ícone de esboço Este artigo sobre Tecnologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.