Operação Serval

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Intervenção militar no Mali
(Operação Serval)
Parte da(o) Revolta no norte do Mali e Insurgência islâmica no Magrebe
Two French Air Force Rafale fighter aircraft, below, prepare to break formation after refueling with a U.S. Air Force KC-135 Stratotanker aircraft with the 351st Expeditionary Air Refueling Squadron over Mali 130423-F-DT859-086.jpg
Dois caças Dassault Rafale franceses voando sobre o Mali.
Data 11 de janeiro de 2013 - 1 de agosto de 2014
Local Mali
Desfecho Vitória francesa e do governo do Mali
  • Tropas da França e do Mali recuperam o controle dos principais centros urbanos do país;
  • Lançada a operação Barkhane para eliminar os últimos grupos rebeldes no país;
Combatentes
 França
Mali
ECOWAS members.svg CEDEDAO

Apoio logístico:

 Estados Unidos[1][2]
Bélgica Bélgica[3]

Canadá Canadá[4]

Dinamarca Dinamarca[5]

Espanha Espanha[6][7]

Reino Unido Reino Unido[8]

Flag of Jihad.svg Al-Qaeda
Principais líderes
França François Hollande
França Jean-Yves Le Drian
França Edouard Guillaud
[9]
Mali Dioncounda Traoré
Mali Ousmane Fané[10][11]
Flag of Jihad.svg Abdelhamid Abou Zeid
Flag of Jihad.svg Iyad ag Ghaly
Flag of Jihad.svg Omar Ould Hamaha
Flag of Jihad.svg Mokhtar Belmokhtar
Flag of Jihad.svg Abdel Krim
Forças
França 4 000 soldados[12]
Aviões Dassault Rafale, Dassault Mirage 2000D
helicópteros Aérospatiale Gazelle
40 veículos blindados
[13][14]
Mali 7 000 - 7 800
Togo 40[15]
Nigéria Nigeria 900
Senegal Senegal 500
Gana Ghana 120
Burkina Faso Burkina Faso 500
Níger Níger 500
Togo Togo 500
Benim Benin 300
Guiné Guiné 144[16][17]
5 000 - 10 000[18]
Vítimas
França 9 mortos e 300 feridos[19]
1 helicóptero Gazelle derrubado[20]

Mali 82 mortos[21][22][23]

600 a 1 000 mortos[24][25]
50 veículos destruídos, 150 toneladas de munição e 200 armas apreendidas e 60 IEDs desarmadas[20]
300 capturados[26]

A intervenção militar no Mali, denominada Operação Serval (em francês: Opération Serval, uma referência ao felino africano), foi uma operação militar realizada no norte do país, no início de 2013, pelas Forças Armadas Francesas, com apoio logístico das Forças Armadas dos Estados Unidos e de outros países europeus. A intervenção estrangeira ocorreu a pedido da junta militar que governa o Mali desde o golpe de 2012[27] e contou com o apoio de vários países africanos e ocidentais,[28][29][30] tendo sido autorizada pelas Nações Unidas.[31] O objetivo declarado da intervenção é deter o avanço de tuaregues e rebeldes islâmicos do Azauade, supostamente ligados à Al Qaeda, os quais[32] governam de facto o norte do país desde 2012, podendo eventualmente chegar à capital, Bamako.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2012, após um influxo de armas que ocorreu após a Guerra Civil Líbia, tribos tuaregues do Movimento Nacional de Libertação do Azauade (MNLA) começaram uma rebelião contra o governo central do Mali.[33] Em abril, o MNLA afirmou que havia atingido seus objetivos e cancelou sua ofensiva contra o governo, proclamando a independência do Azauade.[34] Em junho de 2012, no entanto, o MNLA entrou em conflito com os grupos islamitas Ansar Dine e o Movimento para a Unidade e Jihad na África Ocidental (MUJAO) após os islâmicos começarem a impor a sharia no Azauade.[35] Em 17 de julho, o MUJAO e o Ansar Dine haviam expulsado o MNLA de todas as grandes cidades.[36] Em 1 de setembro de 2012, a cidade de Douentza, na região de Mopti, até então controlada pela milícia Iso Ganda, foi tomada pelo MUJAO,[37] e em 28 de novembro de 2012, o MNLA foi expulso de Léré, Região de Timbuktu pelo Ansar Dine.[38]

Assim, o resultado inesperado da revolta tuaregue e do colapso do Estado do Mali após o golpe de Estado de março, foi o estabelecimento de um miniestado fundamentalista islâmico no norte do país.[36]

Pedido de intervenção[editar | editar código-fonte]

Em 24 de setembro de 2012, o governo do Mali voltou-se para as Nações Unidas, a fim de solicitar que uma força militar internacional ajudasse o Exército do Mali a recuperar o controle do Azauade.

O pedido foi apresentado pelos então presidente e primeiro-ministro do país africano, Dioncounda Traoré e Cheick Modibo Diarra, respectivamente, através de uma carta ao secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki Moon.[27]

Em 20 de dezembro de 2012, o Conselho de Segurança da ONU autorizou o envio uma força militar conjunta africana (AFISMA), sendo a aprovada a proposta por unanimidade pelos 15 membros do Conselho e na presença do ministro das Relações Exteriores do Mali, Tieman Coulibaly.

Operação[editar | editar código-fonte]

Um Rafale B sobrevoando o Mali.

A operação começou a 11 de janeiro de 2013, quando helicópteros Gazelle do exército francês atacaram uma coluna de veículos rebeldes na cidade de Sévaré, na região de Mopti. As tropas francesas sofreram uma baixa quando um dos seus helicópteros foi atingido por fogo de armas pequenas e um dos pilotos foi atingido. O piloto, o tenente Damien Boiteux, viria a morrer devido aos ferimentos. O seu colega conseguiu controlar a aeronave e leva-la direto para a base, apesar dos danos substanciais sofridos.[39][40]

A 12 de janeiro, centenas de soldados franceses iniciaram uma grande operação militar no Mali,[41] notavelmente derrotando os insurgentes islamitas na batalha de Konna.[42] Enquanto isso, aviões da força aérea francesa destruíram posições dos rebeldes no sul, como o posto de comando dos terroristas em Ansar Dine.[43]

Logo, os Estados Unidos e o Reino Unido se comprometeram a dar apoio logístico aos franceses.[44][45] Tropas da ECOWAS também foram enviados ao Mali em meados de janeiro.[44]

Em 13 de janeiro, aviões franceses bombardearam a cidade de Gao. Postos de comando e depósitos de combustíveis dos rebeldes islâmicos foram destruídos, matando pelo menos 60 militantes.[46][47]

Em 15 de janeiro, tropas especiais francesas avançaram sobre a cidade de Markala,[48] tomando a região em quatro dias.[49] Forças francesas e do Mali lançaram uma nova ofensiva no norte do país, em 16 de janeiro.[50] A cidade de Konna e toda a região foi tomada em 18 de janeiro. Três dias depois, o município de Diabaly também caiu para as tropas do governo mali, com apoio de aviões franceses.[51] No dia seguinte, forças malis começaram a avançar pela região de fronteira com o Niger, no sul.[52]

Soldados franceses em Gao, março de 2013.

Em 25 de janeiro, soldados franceses e malis capturaram a cidade de Hombori, cerca de 160 km ao sul de Gao. Os franceses bombardearam as posições dos islamitas e destruíram seus estoques de suprimento em toda a região ao redor de Gao.[53][54]

Na manhã do dia 26 de janeiro, o aeroporto de Gao foi tomado por tropas francesas, que também assumiram o controle de pontes sobre o rio Niger, próximo de Gao.[55][56] Forças especiais francesas também tinham de combater militantes terroristas entre a população civil mali.[57] No mesmo dia, as forças franco-malis avançaram sobre a cidade de Gao, apoiado por aviões e helicópteros de guerra. Os franceses não sofreram uma única perda, matando dúzias de islamitas no processo. Ao fim de 27 de janeiro, Gao havia sido completamente conquistada.[55]

Em 27 de janeiro, forças francesas tomaram a cidade de Timbuktu sem muita resistência.[58][59] Nas próximas horas, toda a região entre Gao e Timbuktu foi limpa de militantes islamitas, com as estradas passando para o controle do governo mali.[60][61][62]

Três dias após tomar Timbuktu, forças francesas e malis capturaram Kidal em 30 de janeiro, a 200 km da fronteira com a Argélia. Esta foi a última grande cidade em mãos dos islamitas.[63] Apesar destas vitórias, tropas francesas e malis continuaram a combater os insurgentes por toda a região de Gao até o começo de fevereiro. Vários soldados franceses foram feridos nestes combates, mas as perdas dos islamitas eram sempre consideravelmente maiores.[64] A 8 de fevereiro, a cidade de Tessalit foi recuperada pelo governo do Mali, dando as autoridades controle sobre todas as regiões com aeroportos no país. Nesse mesmo dia, em Gao, um atentado a bomba matou um soldado mali.[65] Dois dias depois, os islamitas atacaram a cidade de Gao,[66] mas foram detidos por tropas franco-malis.[67]

Em 19 de fevereiro, um soldado francês (membro da Legião Estrangeira Francesa) foi morto durante pesados combates que aconteceram nas montanhas de Adrar des Ifoghas, no norte do Mali, próximo a fronteira argelina.[68] Duas semanas depois, um paraquedista francês foi morto em combate, no mesmo dia em que o exército do Chade anúnciou que havia matado dois líderes argelinos islamitas, Abdelhamid Abou Zeid e Mokhtar Belmokhtar.[69][70] Em 6 de março, um sargento francês do 68º regimento de artilharia africano foi morto no leste do Mali, a cerca de 100 km da cidade de Gao, perto de uma região controlada por terrorista. A 17 de março, um fuzileiro naval francês morreu quando seu veículo foi atingido por um artefato explosivo improvisado ao sul de Tessalit, na região de Kidal. Outros três militares foram feridos no atentado.[71]

Em 30 de março, a cidade de Timbuktu foi alvo de um atentado terrorista contra um posto de controle do exército mali, o que permitiu que um grupo guerrilheiro islamita se infiltrasse na região a noite. Cerca de 50 soldados franceses, apoiados por aviões, reforçaram as forças malis e em 1 de abril os terroristas foram expurgados da cidade.[72] Enquanto isso, na cidade de Kidal um atentado terrorista foi reportado num mercado, matando três pessoas e ferindo outras doze.[73]

Em 25 de maio de 2013, começaram lentamente a retirar seus equipamentos do Mali.[74] Isso não significou o fim dos combates. A 30 de julho um soldado francês foi morto. Este foi o nono e último militar da França morto no Mali.

Em novembro de 2013, Hacene Ould Khalill, o segundo em comando da Al Qaeda no Magrebe Islâmico, foi morto por tropas especiais francesas em Tessalit, na região de Kidal.[75] Em 25 de janeiro de 2014, os franceses lançaram uma operação militar na região de Tombouctou, no norte de Mali, terminando na morte de pelo menos 11 terroristas islâmicos.[76] Em abril, outros 12 guerrilheiros islamitas foram mortos pelos franceses em Dayet.

Em julho de 2014, os franceses encerraram suas principais operações militares no Mali.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Tropas francesas no Mali se preparando para a operação.

Embora explicitamente o então presidente francês, François Hollande, justifica a participação francesa por razões de paz e rejeita a existência de interesses políticos ou econômicos com estas palavras:

A França é um país livre, tem valores" [...] "Nós não estamos defendendo nenhum interesse político ou econômico no Mali, apenas defendemos a paz[77]

Estudiosos como G. Labarthe, fundador da agência de notícias suíça DATAS e especialista em África, assegura que parece claro que a França e os outros países envolvidos no Mali também estão se movendo no interesse de garantir as jazidas minerais da região,[78] como aconteceu na Líbia há dois anos. Durante os meses antes da intervenção Le Monde publicou diversos artigos sobre a importância das jazidas de urânio e questionou uma possível intervenção militar.[79]

A organização Global Research também mostra que em torno de Faléa na região de Kayes, no sul do país, há importantes jazidas de urânio cujo acesso poderia ser potencialmente importante para a indústria nuclear francesa. Na mesma região, a corporação canadense Rockgate leva anos fazendo prospecção. Existem também jazidas de urânio importantes na região de Gao. Além disso, a AQMI (Al Qaeda no Magreb Islâmico) manteve a 7 reféns franceses e os islâmicos ameaçam segurança para toda a região do Sahel, que abriga milhares de cidadãos franceses, cujo lider foi dado como morto, mas a informação ainda não foi confirmada.[80][81]

Referências

  1. EUA enviam tropas em apoio a missão no Mali
  2. Malí: Washington pone a disposición de Francia aviones de transporte 17 de enero de 2013 - AFP
  3. Regering keurt steun aan militaire interventie in Mali goed
  4. Canada sending C-17 transport plane to help allies in Mali
  5. Danmark sender transportfly ind i kampene i Mali
  6. España confirma que intervendrá en Malí. Cuartopoder, 2013.
  7. [1]. ABC, 2013.
  8. BBC: UK troops to assist Mali operation to halt rebel advance
  9. Soldados franceses repelen insurgentes en Malí Ene - 12,12
  10. Francia continúa operación en Malí, detenido avance islamista AFP - 11 de enero de 2013
  11. Mueren “un centenar” de islamistas en combates en Malí AFP - 12 de enero de 2012
  12. BBC: Mali conflict: UN backs France's military intervention
  13. Francia bombardea a rebeldes en Mali mientras llegan más tropas a Bamako Reuters - 13 de enero de 2013
  14. Francia confirma los bombardeos de cuatro cazas Rafale en Gao 13-01-2013 - Europa Press
  15. Terra: Llegan a Malí 40 togoleses, primeros soldados de fuerza africana
  16. Se intensifica la ofensiva internacional sobre Mali AFP y Reuters - 14 de enero de 2013
  17. Se agrava la crisis en Mali por avance de islamistas sobre tropas de Francia EFE y REUTERS - 14 de enero de 2013
  18. Salomé Legrand. «Qui sont les islamistes à qui la France a déclaré la guerre ?». Francetvinfo.fr. Consultado em 22 de novembro de 2013 
  19. «One more French soldier killed in Mali». Xinhua News Agency. Consultado em 15 de julho de 2014 
  20. a b «RETEX Mali : les hommes et les matériels ont souffert mais ont tenu». http://defense.blogs.lavoixdunord.fr. Consultado em 15 de janeiro de 2013 
  21. «63 Mali soldiers, 600 Islamists 'killed this year'». En.starafrica.com. Consultado em 22 de novembro de 2013 
  22. «2 Killed, 1 Wounded in Mali Blasts». Voanews.com. Consultado em 22 de novembro de 2013 
  23. «Cinco militares mueren en Malí en un accidente de helicóptero». Terra. Consultado em 12 de abril de 2013 
  24. «Mali : retour sur l'opération Serval avec le général Barrera». http://defense.blogs.lavoixdunord.fr/. 1 de outubro de 2013 
  25. 25 mortos (10-20 de março)[2] 21 killed (30 March)[3] 2 mortos (12 de abril)[4] 5 mortos (10 de maio)[5] 7 mortos (18 de maio)[6]
  26. «Torture, beatings, and death for detained Malians». IRIN News. United Nations. 15 de abril de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  27. a b Malí pide a la ONU autorizar una intervención militar internacional en el norte del país
  28. Togoleses en Malí
  29. Chad envía contingente de tropas especiales a Malí
  30. Envía Nigeria a Malí primeros refuerzos para Francia
  31. El Consejo de Seguridad de la ONU autoriza el envío de una misión militar a Malí
  32. Mali lanza una ofensiva apoyada por Francia y África Occidental contra los rebeldes salafistas
  33. «Mali Besieged by Fighters Fleeing Libya». Stratfor. Consultado em 22 de Março de 2012 
  34. «Tuareg rebels declare the independence of Azawad, north of Mali». Al Arabiya. 6 de Abril de 2012. Consultado em 6 de Abril de 2012 
  35. Serge Daniel (27 de Junho de 2012). «Islamists seize north Mali town, at least 21 dead in clashes». Google News. Agence France-Presse. Consultado em 27 de Junho de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012 
  36. a b Adam Nossiter (18 de Julho de 2012). «Jihadists' Fierce Justice Drives Thousands to Flee Mali». The New York Times. Consultado em 23 de Novembro de 2012. Cópia arquivada em 23 de Novembro de 2012  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Nossiter" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  37. «Mali: des islamistes à la lisière Nord-Sud». Le Figaro. 1 de Setembro de 2012. Consultado em 13 de Janeiro de 2013 
  38. «Ban Ki-moon met en garde contre une intervention au Mali». Le Monde. 29 de Novembro de 2012. Consultado em 13 de Janeiro de 2013 
  39. Par Nathalie Guibert. «Mali: après la mort rapide d'un officier, l'opération militaire s'annonce compliquée» (em francês). Le Monde.fr. Consultado em 13 de janeiro de 2013 
  40. Merchet, Jean-Dominique. «Mali: le premier mort français de l'opération Serval» (em francês). Marianne.net. Consultado em 13 de janeiro de 2013 
  41. «French troops continue operation against Mali Islamists». BBC. Consultado em 15 de janeiro de 2013 
  42. Vasudevan Sridharan (12 de janeiro de 2012). «France's Airstrike Helps Mali Army to Recapture Konna». International Business Times 
  43. Robyn Dixon. «France airstrikes in Mali repel Al Qaeda-linked militants». LA Times. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  44. a b «French Airstrikes in Mali Deter Islamist Rebels». The New York Times. 13 de janeiro de 2013 
  45. «UK troops to assist Mali operation to halt rebel advance». BBC. 12 de janeiro de 2013. Consultado em 13 de janeiro de 2013 
  46. «Mali Islamists counter attack, threaten France WORLD». Ibnlive.in.com. Consultado em 15 de janeiro de 2013 
  47. Afua Hirsch in Bamako & Kim Willsher in Paris. «Mali conflict: France has opened gates of hell, say rebels». Londres: Guardian. Consultado em 15 de janeiro de 2013 
  48. «Mali : l'armée française passe au sol». Rfi.fr. Consultado em 22 de novembro de 2013 
  49. «French troops in Mali secure key town of Markala». Euronews.com. 19 de janeiro de 201. Consultado em 4 de julho de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  50. «France in 'direct combat' in Mali within hours». News.yahoo.com. 16 de janeiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  51. «Malian troops take key town;humanitarian crisis grows». CNN. 21 de janeiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  52. «Chadian soldiers join battle for northern Mali». Radio Netherlands Worldwide. 24 de janeiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  53. «Mali crisis: Troops 'take northern town of Hombori'». BBC. 25 de janeiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  54. Mark Doyle. «Mali crisis: Troops 'take northern town of Hombori'». Bbc.co.uk. Consultado em 4 de julho de 2017 
  55. a b Valdmanis, Richard (26 de janeiro de 2013). «French, Malian forces capture Gao rebel stronghold». Reuters. Consultado em 4 de julho de 2017 
  56. Andrew Harding (26 de janeiro de 201). «Mali: French-led soldiers 'in control of Gao'». Bbc.co.uk. Consultado em 4 de julho de 2017  Verifique data em: |data= (ajuda)
  57. «French special forces in action at Gao in Mali: officer». Reuters. 26 de janeiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  58. «French Troops Recapture Timbuktu From Rebels». News.sky.com. 27 de janeiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  59. Rukmini Callimachi (14 de fevereiro de 2013). «In Timbuktu, al-Qaida left behind a manifesto». ArmyTimes. Associated Press. Consultado em 4 de julho de 2017 
  60. French-led troops in Mali control access to Timbuktu. Times of India. Acessado em 28 de janeiro de 2013
  61. French-led troops control access to Timbuktu: military. Daily News. Acessado em 28 de janeiro de 2013
  62. Breaking News: French-led troops control access to Timbuktu: military. Straits Times. Acessado em 28 de janeiro de 2013
  63. «French troops in Mali take Kidal, last Islamist holdout». BBC. 31 de janeiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  64. «French clash with Islamists in north Mali». Londres: The Telegraph. 6 de fevereiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  65. «Mali Conflict: First suicide bomber in Gao». BBC. 8 de fevereiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  66. David Lewis (10 de fevereiro de 2013). «Gunbattle rocks Gao after rebels surprise French, Malians». Reuters. Consultado em 4 de julho de 2017 
  67. Bamako (17 de fevereiro de 2013). «French, Malian troops secure rebel strongpoint near Gao». Reuters. Consultado em 18 de fevereiro de 2013 
  68. «Mali: French soldier killed fighting Islamists». Bbc.co.uk. 19 de fevereiro de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  69. «Mali : un Français tué dans de violents combats, inquiétude pour les otages». Lemonde.fr. Consultado em 4 de julho de 2017 
  70. «Al Qaeda leader Abou Zeid 'killed in Mali'». FRANCE 24. 5 de março de 2013 
  71. «Un cinquième soldat français tué au Mali». Lemonde.fr. Consultado em 4 de julho de 2017 
  72. «Timbuktu clashes between Mali army and Islamists». Bbc.co.uk. 31 de março de 2013. Consultado em 4 de julho de 2017 
  73. Ahmed, Baba (12 de abril de 2013). «Official: Suicide bombing at market in north Mali kills 3 Chad soldiers, injures civilians». Montrealgazette.com. Consultado em 19 de abril de 2013. Arquivado do original em 10 de junho de 2013 
  74. «France begins first stage of Mali military withdrawal». BBC. 25 de maio de 2013 
  75. «French forces kill Islamist chief Belmokhtar's No. 2». France 24. Consultado em 1 de dezembro de 2013 
  76. «French troops kill 11 Muslim fighters in Mali». Press TV. 25 de janeiro de 2014 
  77. La sombra del uranio sobrevuela Malí Público 18/01/2013
  78. «Riquezas minerais, além do combate ao terror, explicam intervenção francesa no Mali». Opera Mundi 
  79. L'intervention militaire au Mali n'est pas une solution Le Monde 20/06/2012
  80. Líder da al Qaeda está vivo, diz serviço de monitoramento ESTADÃO - 3 de março de 2013
  81. «Las claves de la rebelión en Malí» 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal Guerra

Ligações externas[editar | editar código-fonte]