Operação Tocha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde abril de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo.
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Editor: considere colocar o mês e o ano da marcação. Isso pode ser feito automaticamente, substituindo esta predefinição por {{subst:rec}}
Operação Tocha
Campanha Norte-Africana, Segunda Guerra Mundial
Operation Torch - map.jpg
Desembarques das tropas aliadas na Operação Tocha.
Data 8-16 de novembro de 1942
Local Marrocos e Argélia
Resultado Vitória dos Aliados
Combatentes
Estados Unidos Estados Unidos
Flag of Reino Unido Reino Unido
Flag of Free France 1940-1944.svg Resistência francesa
França França de Vichy
Alemanha Alemanha
Comandantes
Estados Unidos Dwight Eisenhower
Reino Unido Andrew Cunningham
Estados Unidos George S. Patton
Estados Unidos Lloyd Fredendall
Reino Unido Kenneth Anderson
Flag of Free France 1940-1944.svg Henri d'Astier
Flag of Free France 1940-1944.svg José Aboulker
França de Vichy:
França François Darlan
França Charles Noguès
França Frix Michelier
Alemanha:
Alemanha Ernst Kals
Forças
107 000 homens
(33 000 no Marrocos, 39 000 perto de Argel, 35 000 perto de Oran)
França de Vichy: 60 000 homens
Alemanha: dois submarinos perto de Casablanca
Baixas
479+ mortos
720 feridos
1 346+ mortos
1,997 feridos

A Operação Tocha teve lugar em 8 de novembro de 1942, quando os aliados desembarcaram no norte da África, abrindo uma nova frente de batalha para as tropas do Afrika Korps. [1] A intenção era acelerar a derrota alemã no continente e aliviar a pressão que os soviéticos estavam sofrendo na Europa, dissipando as forças alemãs. Stalin desejava uma segunda frente na Europa, mas Roosevelt e Churchill preferiram começar pelo norte da África. Na verdade os comandantes americanos priorizavam um desembarque na Europa ocupada o quanto antes possível, enquanto seus pares britânicos acreditavam que isso seria um desastre. A ofensiva foi proposta porque expulsaria as tropas do Eixo do norte africano, intensificaria o controle aliado do Mar Mediterrâneo e prepararia o terreno para uma invasão no sul da Europa em 1943.

Após a vitória que os britânicos e seus aliados, principalmente da Commonwealth (Australianos, Néo-Zelandeses, Canadenses, Indianos, Sul-Africanos e também franceses livres) obtiveram contra o Afrika korps, na Segunda Batalha de El Alamein, empurrando os ítalo-alemães para a Tunísia, os aliados ocidentais resolveram levar a cabo a Operação Tocha (desembarques anglo-americanos no noroeste da África), cercando as tropas do Eixo em sintonia com os anglo-aliados que avançavam no sentido leste desde El Alamein, cercando e levando à capitulação cerca de 250.000 soldados alemães e italianos em maio de 1943.

Tropas aliadas desembarcando na costa africana.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A expulsão dos nazi-fascistas do Norte da África deu aos aliados ocidentais (Reino Unido, Estados Unidos e Canadá) as condições necessárias para abrir o segundo front de batalhas na Europa, que o líder soviético Josef Stalin tanto insistia, para afastar as tropas alemãs da Rússia. Os aliados resolveram começar o início da libertação da Europa do jugo nazista pela Sicília, na Itália, em 10 de julho de 1943, tendo em vista sua localidade mais próxima, no Mediterrâneo, e o fato de os ingleses terem domínio da fortificada ilha de Malta, o calcanhar de Aquiles de Erwin Rommel no norte da África.

Com a entrada dos Estados Unidos na Guerra, americanos e britânicos decidiram que, por ser o adversáio mais poderoso, a Alemanha deveria ser derrotada antes que o Japão. No início de 1942, o aliado anglo-americano do leste, a União Soviética, estava duramente ameaçada pelos alemães, enquanto que no norte da África, Rommel marchava em direção ao Canal de Suez.

Joseph Stalin, premier russo, fazia pressão para que seus aliados ocidentais abrissem uma outra frente, aliviando, assim, a pressão alemã sobre os russos que lutavam para deter o avanço alemão. Em fins de junho de 1942, Churchill e Rooselvelt decidem abrir uma nova frente na África, antes de 1943. Começam, então, os preparativos para o que seria primeira operação Alameinanfíbia anglo-americana. A operação Tocha, que tinha as seguintes diretivas:

1. Estabelecer sólidas cabeças de praia entre Oran e a Tunísia, permitindo atividades das forças aéreas terrestres e navais aliadas.

2. Rápida e vigorosa exploração das cabeças de praia, Argélia e Tunísia, permitindo marchar em direção leste, encurralando pela retaguarda as forças de Rommel que lutavam contra os ingleses na África Oriental.

3. Aniquilamento das forças do Eixo que se opunham aos ingleses na África Oriental, e intensificação das operações aéreas e navais contra o continente europeu através da Itália, proporcionando uma futura invasão.

Em 14 de agosto de 1942, o general americano Dwight D. Eisenhower foi nomeado comandante em chefe de todas operações terrestres, aéreas e navais no continente africano. A Operação Tocha dividia-se em três grupos:

1. Força Tarefa 34, quase toda norte-americana constituída de 39 mil homens, escoltados por 3 encouraçados, 6 cruzadores e 5 porta-aviões, 40 contra-torpedeiros e diversos outros navios. Desembarcou nas colônias francesas do Marrocos e da Argélia. O comando era do General Patton e do almirante Hewitt.

2. Força Tarefa Central, com 39 mil homens de tropas americanas, embarcados na Inglaterra, de onde partiriam. As forças navais compreenderiam um encouraçado, 3 porta-aviões, 1 cruzador, 6 corvetas e diversos navios auxiliares. O comando era do almirante Trobridge.

3. Força Tarefa Oriental, com 23 mil homens de tropas britânicas e 10 mil homens de tropas americanas, embarcados na Grã-Bretanha, Partiriam de Norfolk, Portland e Bermudas. Contava com 3 Cruzadores, 2 porta-aviões, 3 Navios Anto-aéreos, 1 monitor, 13 contra-torpedeiros e 7 corvetas, além de outros navios auxiliares. O Comando era do general Reyder e do Almirante Burrough.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Segunda Guerra Mundial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.