Operação Uphold Democracy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Operação Uphold Democracy
Port-au-Prince airfield seizure.jpg
Soldados da Companhia C, no primeiro dia da Operação Defender a Democracia
Data 19 de setembro de 1994 - 31 de março de 1995
Local Haiti
Desfecho Reposição de Jean-Bertrand Aristide como o presidente do Haiti
Beligerantes
 Estados Unidos
 Polônia
 Argentina
Haiti
Comandantes
Estados Unidos George Fisher
Polónia Slawomir Petelicki
Argentina Enrique Molina Pinto
Haiti Raoul Cedras
Baixas
Estados Unidos 1 morto Haiti 100 - 300 mortos

A Operação Uphold Democracy ou Operação Defender a Democracia (19 de setembro de 1994 - 31 de março de 1995) foi uma intervenção militar no Haiti destinada a remover o regime militar instalado pelo golpe de Estado de 1991.

História[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 1990, Jean-Bertrand Aristide, um padre populista católico romano (Salesiano), ganhou 67% dos votos nas eleições que observadores internacionais amplamente consideraram livres e justas.[carece de fontes?]

Mas, as políticas de Aristide e a violência de seus apoiantes alarmaram muitos da elite do país e, em setembro de 1991, ele foi derrubado por um golpe violento que trouxe o General Raoul Cédras ao poder. Houve violenta resistência ao golpe de Estado, em que centenas foram mortos e Aristide foi forçado ao exílio. Estima-se que 3000 a 5000 haitianos foram mortos durante o período do regime militar.[carece de fontes?]

O golpe criou um êxodo em grande escala de refugiados para os Estados Unidos. Entre 1991 e 1992, a Guarda Costeira dos Estados Unidos resgatou ou interditou 41.342 haitianos. A entrada nos Estados Unidos foi negada a maioria, sendo estes repatriados ao Haiti. De acordo com Mark Weisbrot, Aristide acusou os Estados Unidos de apoiar o golpe de 1991.[1] Em resposta ao golpe de Estado, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou a Resolução 841 que institui sanções internacionais e um embargo de armas ao Haiti. (Ver: Sanções contra o Haiti)

O regime militar governou o Haiti até 1993. Várias iniciativas para pôr termo à crise política através da restauração pacífica do governo constitucionalmente eleito falharam. Em Julho de 1994, a repressão montada no Haiti e a expulsão da missão de acompanhamento aos direitos humanos civis do país, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou a Resolução 940, que autorizou os Estados membros a utilizarem todos os meios necessários para facilitar a saída da liderança militar haitiana e restabelecer o governo constitucionalmente eleito do Haiti ao poder.[2]

Em meados de setembro de 1994, com as tropas dos EUA preparadas para entrar no Haiti para dar inicio a Operação Defender a Democracia, o presidente Bill Clinton enviou uma equipe de negociadores lideradas pelo ex-presidente Jimmy Carter para persuadir as autoridades a se afastar e permitir o retorno da regra constitucional. Com as tropas de intervenção já no ar, Cédras e outros principais líderes concordaram em renunciar. Este esforço foi bem sucedido devido, em parte porque a delegação norte-americana foi capaz de apontar para as forças concentradas prontas para entrar no país.[3] A missão militar passou de uma operação de combate a uma missão de manutenção de paz e operação de construção da nação, naquele momento com a implantação dos EUA levou a uma força multinacional no Haiti. Em outubro, Aristide foi capaz de retornar. As eleições foram realizadas em junho de 1995. A coalizão de Aristide, a Organização Política Lavalas (Cachoeira), teve uma vitória arrasadora. Em fevereiro de 1996, René Préval, um proeminente político aliado de Aristide, foi eleito presidente com 88% dos votos: esta foi a primeira transição do Haiti sempre entre dois presidentes democraticamente eleitos.[carece de fontes?]

A Operação Defender a Democracia terminou oficialmente em 31 de março de 1995, quando foi substituída pela Missão das Nações Unidas no Haiti (UNMIH). O presidente dos EUA, Bill Clinton, e o presidente haitiano Jean Bertrand Aristide, presidiram a cerimônia de mudança de autoridade. De março de 1995 até Março de 1996, 2.400 norte-americanos da original Operação Defender a Democracia permaneceu como um grupo de apoio comandado pela UNMIH sob uma nova operação chamada Operação New Horizons. [4] Forças da ONU sob vários nomes ficaram em missão no Haiti de 1995 a 2000.[carece de fontes?]

Referências

  1. Mark Weisbrot: U.S. Is Still Undermining Haiti, Dezembro de 2005. Arquivado em 29 de setembro de 2007, no Wayback Machine.
  2. «ONU aprova intervenção no Haiti». Folha de S.Paulo. 1 de agosto de 1994 
  3. «El inicio de la invasión convencio a Cédras de que la amenaza era real». El Pais. 19 de setembro de 1994 
  4. Operation New Horizons GlobalSecurity.org