Oph 162225-240515

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Oph 162225-240515
Dados observacionais (J2000)
Constelação Scorpius
Asc. reta 16h 22m 25,21s[1]
Declinação -24° 05′ 13,9″[1]
Magnitude aparente 14,47[1] (14,53 + 15,24)[2]
(banda J)
Características
Oph 162225-240515 A
Tipo espectral M7.25 ± 0.25[2]
Oph 162225-240515 B
Tipo espectral M8.75 ± 0.25[2]
Astrometria
Mov. próprio (AR) -15,79 mas/a[3]
Mov. próprio (DEC) -23,24 mas/a[3]
Paralaxe 7,3440 ± 0,4060 mas[3]
Distância 444 ± 25 anos-luz
136 ± 8 pc
Detalhes
Idade 11 ± 2 milhões[4] de anos
Oph 162225-240515 A
Massa 0,051+0,009
−0,007
[4] M
Gravidade superficial log g = 4,25 ± 0,50 cgs[5]
Luminosidade 0,0039+0,0013
−0,0010
[2] L
Temperatura 2838[2] K
Oph 162225-240515 B
Massa 0,0020 ± 0,003[4] M
Gravidade superficial log g = 4,25 ± 0,50 cgs[5]
Luminosidade 0,0023+0,0009
−0,0006
[2] L
Temperatura 2478[2] K
Outras denominações
2MASS J16222521-2405139[1]
Oph 162225-240515
Scorpius constellation map.png

Oph 162225-240515 (abreviado para Oph 1622-2405 ou Oph 1622) é um sistema binário de anãs marrons na constelação de Scorpius. O sistema provavelmente é um membro do subgrupo Scorpius Superior da associação Scorpius-Centaurus, a associação OB mais próxima do Sol, que tem uma idade estimada de 11 milhões de anos[4] e está a uma distância média de 470 anos-luz (145 parsecs) da Terra.[2] O segundo lançamento do catálogo Gaia indica que o sistema está a uma distância de aproximadamente 440 anos-luz (140 parsecs).[3]

O sistema foi primeiramente descoberto como um par binário jovem de anãs marrons em 2005 em uma busca por fontes de radiação infravermelha em regiões de formação estelar próximas.[6]:71-72 Este sistema está próximo da região da nuvem de Ophiuchus, com uma idade de apenas 1 milhão de anos, e foi o 11º sistema encontrado na pesquisa, recebendo a identificação Oph 11.[6][7] Observações pelo Telescópio Espacial Spitzer no infravermelho médio (3,6 a 24 μm) mostraram que o componente secundário domina o fluxo do sistema nessa região do espectro, indicando excesso de emissão infravermelha causado por um disco de poeira ao redor do objeto,[7] o que é consistente com um tempo de sobrevivência de disco maior para objetos menos massivos.[6]:70 Assumindo a idade do complexo de Ophiuchus ao sistema produziu estimativas de massa de 12 e 9 MJ (massas de Júpiter) para o primário e secundário.[6]:91[7] mas a posição dos objetos no diagrama HR sugere idades, e consequentemente massas, significativamente maiores.[6]:91[8]

Em agosto de 2006, o Observatório Europeu do Sul anunciou a descoberta independente do sistema Oph 1622-2405, a partir de observações pelo New Technology Telescope, no Observatório de La Silla. A partir de tipos espectrais de M9.5 e M.9 e uma idade de 1 milhão de anos, massas de 14 e 7 MJ foram estimadas para os componentes primário e secundário, respectivamente, tornando-os objetos de massa planetária ("planemos"). A descoberta foi anunciada como a primeira de um sistema binário de objetos de massa tão baixa.[9][10] No entanto, observações posteriores encontraram massas maiores, e o sistema mais provavelmente é formado por anãs marrons e não planemos. Um estudo de 2007 mediu tipos espectrais mais quentes de M7.25 e M8.75, e encontrou massas de 58 e 20 MJ para as anãs marrons.[2] Modelos evolucionários deram idades de 10 a 30 milhões de anos para a primária e 1 a 20 milhões de anos para a secundária, que, junto com a análise dos seus espectro e localização do sistema no céu, sugerem que o par pertence ao subgrupo Scorpius Superior da associação Scorpius-Centaurus,[2] que teve em 2012 sua idade revista para 11 milhões de anos.[4]

A separação angular entre as duas anãs marrons é de 1,94 segundos de arco, o que corresponde a uma separação física mínima de cerca de 240 UA. Essa separação é mantida aproximadamente constante desde 1993, indicando que o par possui o mesmo movimento próprio e forma um real sistema binário. Não há evidências de movimento orbital entre os objetos, o que é esperado considerando o período orbital estimado de aproximadamente 20 mil anos do par. A separação entre os objetos significa que a energia de ligação entre eles é pequena, e espera-se que o sistema seja eventualmente rompido por um encontro aleatório com uma estrela passante.[5]

Estimativas dos parâmetros do sistema
(P=componente primário, S=componente secundário)
Idade
(106 anos)
Tipo espectral Temperatura
efetiva (K)
Massa
(MJ)
Ref.
P S P S P S
40 M7.5 M8 2800 2710 60 50 [6]:91
1 2321 2207 12 9 [6]:91[7]
~1 M9 M9.5-L0 2400 ± 100 2100 ± 100 ~14 ~7 [9]
1–10 2350 ± 150 2100 ± 100 13+8
−4
10+5
−4
[11]
10-20 M7 M8 2880 2710 55-65 30-35 [8]
1-30 M7.25 ± 0.25 M8.75 ± 0.25 2838 2478 58 ± 10 20+10
−5
[2]
5 ± 2 M9 ± 0.5 M9.5 ± 0.5 2375 ± 175 2175 ± 175 17+4
−5
14+6
−5
[5]
11 ± 2 53+9
−7
21 ± 3 [4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «NAME Oph J1622-2405 -- Double or multiple star». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 9 de abril de 2018 
  2. a b c d e f g h i j k Luhman, K. L.; et al. (abril de 2007). «Ophiuchus 1622-2405: Not a Planetary-Mass Binary». The Astrophysical Journal. 659 (2): 1629-1636. Bibcode:2007ApJ...659.1629L. doi:10.1086/512539 
  3. a b c d Gaia Collaboration: Brown, A. G. A.; Vallenari, A.; Prusti, T.; de Bruijne, J. H. J.; et al. (2018). «Gaia Data Release 2. Summary of the contents and survey properties». Astronomy & Astrophysics. 616: A1, 22 pp. Bibcode:2018A&A...616A...1G. arXiv:1804.09365Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201833051.  Catálogo Vizier
  4. a b c d e f Pecaut, Mark J.; Mamajek, Eric E.; Bubar, Eric J. (fevereiro de 2012). «A Revised Age for Upper Scorpius and the Star Formation History among the F-type Members of the Scorpius-Centaurus OB Association». The Astrophysical Journal. 746 (2): artigo 154, 22. Bibcode:2012ApJ...746..154P. doi:10.1088/0004-637X/746/2/154 
  5. a b c d Close, Laird M.; et al. (maio de 2007). «The Wide Brown Dwarf Binary Oph 1622-2405 and Discovery of a Wide, Low-Mass Binary in Ophiuchus (Oph 1623-2402): A New Class of Young Evaporating Wide Binaries?». The Astrophysical Journal. 660 (2): 1492-1506. Bibcode:2007ApJ...660.1492C. doi:10.1086/513417 
  6. a b c d e f g Allers, K. N. (2005). Disks and Dissociation Regions: The Interaction of Young Stellar Objects with their Environments (PDF) (Tese de PhD). Universidade do Texas em Austin 
  7. a b c d Allers, K. N.; Kessler-Silacci, J. E.; Cieza, L. A.; Jaffe, D. T. (junho de 2006). «Young, Low-Mass Brown Dwarfs with Mid-Infrared Excesses». The Astrophysical Journal. 644 (1): 364-377. Bibcode:2006ApJ...644..364A. doi:10.1086/503355 
  8. a b Allers, K. N.; et al. (março de 2007). «Characterizing Young Brown Dwarfs Using Low-Resolution Near-Infrared Spectra». The Astrophysical Journal. 657 (1): 511-520. Bibcode:2007ApJ...657..511A. doi:10.1086/510845 
  9. a b Jayawardhana, Ray; Ivanov, Valentin D. (setembro de 2006). «Discovery of a Young Planetary-Mass Binary». Science. 313 (5791): 1279-1281. Bibcode:2006Sci...313.1279J. doi:10.1126/science.1132128 
  10. «The 'Planemo' Twins - Astronomers Discover Double Planetary Mass Object» (Nota de imprensa). Observatório Europeu do Sul. 4 de agosto de 2006. Consultado em 10 de abril de 2018 
  11. Brandeker, Alexis; Jayawardhana, Ray; Ivanov, Valentin D.; Kurtev, Radostin (dezembro de 2006). «Infrared Spectroscopy of the Ultra-Low-Mass Binary Oph 162225-240515». The Astrophysical Journal. 653 (1): L61-L64. Bibcode:2006ApJ...653L..61B. doi:10.1086/510308