Opus quadratum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
(a) sistema grego isodomo(b) sistema grego de ortostatos e diátonos alternados.
(c) sistema romano arcaico(d) sistema romano em filas de ortostatos e diátonos.

Opus quadratum é uma técnica de construção de paredes de alvenaria de pedra utilizada pelos romanos. São utilizadas pedras rectangulares (aparelho grande - 70 cm x 40 cm x 40 cm), silhares de pedra da mesma altura se estabeleciam em fiadas paralelas regulares, com frequência sem o uso de morteiro. Se os lados das pedras que constituem este tipo de obra têm os lados todos iguais, denomina-se de opus quadratum isodome.

Técnica[editar | editar código-fonte]

Esta técnica de construção foi utilizada pelos gregos e os romanos sobre o século VI a. C. em adiante, conseguindo a cada vez maior precisão e exactidão no corte do bloco. Esta técnica continuou-se utilizando durante toda o Império Romano, inclusive após a introdução do morteiro. Utiliza-se com frequência junto a outras técnicas. O tipo de pedra, o tamanho dos blocos e a forma em que se juntavam, podem ser utilizados para ajudar aos arqueólogos a datar as estruturas que dispunham desta tecnologia.

Os blocos rectangulares de pedra (para o aparelho grande tem umas medidas de 70 × 40 × 40 cm) em base horizontal. Quando as pedras têm todos os lados iguais, se conhece como opus quadratum isodome.

Ao modo etrusco[editar | editar código-fonte]

Na sua utilização primitiva, (com frequência chamado à "maneira etrusca"), as juntas entre os blocos apresentavam descontinuidades, os blocos eram desiguais. Exemplos com este tipo de construção podem-se encontrar nos lagos artificiais, sotanos, muros e pódios dos templos nas cidades etruscas e em Roma.

Ao modo grego[editar | editar código-fonte]

Posteriormente (à "maneira grega"), os blocos colocavam-se numa das duas rotações. Deviam-se colocar "camilhas" para que o lado mais longo estivesse face à parede e se colocavam "cabeceiras" onde o lado mais curto estivesse face à parede e se ampliavam ainda mais atrás na espessura do muro

Poder-se-iam dar vários padrões em função da forma de colocação dos blocos e era comum para reforçar o muro, assegurar que as uniões entre blocos estivessem centradas sobre os blocos da fila inferior.

Betão romano[editar | editar código-fonte]

Com a introdução do betão ou betão romano ou opus caementicium, foram com frequência, construídos muros exteriores contínuos, com alguns blocos colocados como cabeceiras com o fim de aderir à parede interior. Tanto azulejos como mármores se podem encontrar cimentados nos muros, mas era menos comum os encontrar em estruturas de cargas, como arcos e pilarres utilizados para pontes e aquedutos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.