Oração da Serenidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Oração da Serenidade é uma oração enraizada na vida e no espírito de grupos de ajuda mútua que se utilizam do Programa de 12 passos de Alcoólicos Anônimos.[1]

Origens[editar | editar código-fonte]

Não há consenso entre pesquisadores sobre as origens e a autoria da oração.

O teólogo protestante Reinhold Niebuhr (1892–1971), que trabalhava no Union Theological Seminary (Estados Unidos), reivindica para si a autoria da oração, tendo declarado ter escrito a oração como introdução para um sermão sobre Cristianismo Prático. Mas ele mesmo, acrescentou dúvida à sua reivindicação quando declarou: "Naturalmente, é possível ter havido algo parecido durante anos ou mesmo séculos, mas eu não penso assim. Acredito honestamente ter escrito a oração".

Segundo investigadores das origens da oração, a primeira forma da oração, teve sua origem em Boecio, filósofo romano (480-524), autor do livro Os consolos da filosofia.

Foi a partir dai que as ideias da oração foram utilizadas por religiosos.

Sabe-se que depois da Segunda Guerra Mundial, um professor da universidade do norte da Alemanha, Dr. Theodor Wilhelm, que dera início a um renascimento da vida espiritual na Alemanha Ocidental, aprendeu a "pequena oração" através de alguns soldados canadenses.

Wilhelm havia escrito um livro, no qual incluirá a oração, sem citar o seu autor. Com o aparecimento da oração em muitos lugares diferentes: entre oficiais do exército, escolas, e outras instituições surgiu um nome literário de um possível autor - Friedich Oetinger, pietista do século dezoito.

Uma das hipóteses é de que Wilhelm adotou o pseudônimo de Oetinger, por admiração a seus antepassados do sul da Alemanha.

Texto[editar | editar código-fonte]

“Deus,
Conceda-me a serenidade
Para aceitar aquilo que não posso mudar,
A coragem para mudar o que me for possível
E a sabedoria para saber discernir entre as duas.
Vivendo um dia de cada vez,
Apreciando um momento de cada vez,
Recebendo as dificuldades como um caminho para a paz,
Aceitando este mundo cheio de pecados como ele é, assim como fez Jesus, e não como gostaria que ele fosse;
Confiando que o Senhor fará tudo dar certo
Se eu me entregar à Sua vontade;
Pois assim poderei ser razoavelmente feliz nesta vida
E supremamente feliz ao Seu lado na outra.
Amém. ”

Qual a importância?[editar | editar código-fonte]

Grupos de ajuda mútua, tais como Narcóticos Anônimos ou Alcoólicos Anônimos começaram a empregar esta oração nos seus programas de recuperação.

Esta oração retrata a luta diária que as pessoas que pertencem a estes grupos devem enfrentar para superar a si mesmos e pegar forças para melhorar as suas vidas.

Para as pessoas que frequentam estes grupos de ajuda mútua, é preciso se contemplar em um espelho e querer a transformação. É aí que a Oração da Serenidade dá forças a eles. Este é o uso mais significativo desta oração, pois o seu significado está carregado de sentido.

Quando é lida pela 1º vez em uma situação de ansiedade, percebe-se que ao passar o tempo a aceitação é uma meio de ver o mundo.

Referências

  1. User, Super. «Oração recitada nas salas de A.A.». A.A. do Brasil - Informação Pública - Site oficial. Consultado em 2 de junho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]