Pereskia aculeata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ora-pro-nobis)
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaOra-pro-nóbis
detalhe da flor

detalhe da flor
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante [1]
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Caryophyllales
Família: Cactaceae
Género: Pereskia
Espécie: P. aculeata
Nome binomial
Pereskia aculeata

Pereskia aculeata, popularmente conhecida como ora-pro-nóbis (do latim ora pro nobis: 'ora por nós'), orabrobó, lobrobó ou lobrobô, é uma cactáceatrepadeira folhosa. É uma planta bastante rústica, perene, desenvolvendo-se bem em vários tipos de solo, tanto à sombra como ao sol. Muito usada em cercas vivas, mas suas folhas e frutos, que são bagas amarelas e redondas, também servem como alimento.[2] A planta é também empregada para a produção de mel. [3][4]

É originária do continente americano, onde tem ampla distribuição - desde o sul dos Estados Unidos até a Argentina, passando pelas ilhas do Caribe. Planta perene, rústica e resistente à seca, é a única espécie do gênero Pereskia que tem hábito de liana. No Brasil, ocorre em florestas perenifólias, nos estados de Maranhão, Ceará, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro.[5]

A denominação do gênero Pereskia refere-se ao botânico francês Nicolas-Claude Fabri de Peiresc, e o termo aculeata (do latim ăcŭlĕus, 'agulha' ou 'espinho') significa dotado de espinhos. Já o nome popular da planta, segundo a tradição, teria sido criado por pessoas que colhiam suas folhas no quintal de um padre, enquanto este rezava uma ladainha, cujo refrão, Ora pro nobis, era repetido a cada invocação.

Usos[editar | editar código-fonte]

Por serem ricas em ferro, as folhas da Pereskia aculeata ajudam a curar anemias. Podem ser usadas frescas ou, secas e moídas, no preparo da farinha múltipla, complemento nutricional empregado no combate à desnutrição. Ricas em mucilagem, contribuem para o bom funcionamento do intestino.

As folhas e flores são ingredientes de diferentes receitas de sopas, omeletes, tortas e refogados, sendo muito usadas na culinária das cidades históricas do estado de Minas Gerais, onde a planta é muito conhecida. Na cidade de Sabará, onde ocorre anualmente o Festival do Ora-pro-nóbis, [6] teria surgido a lenda de que o nome '"ora-pro-nóbis" teria sido criado por pessoas que colhiam a planta no quintal da casa do pároco local, que rezava uma ladainha.[7]Em Tiradentes, outra cidade de Minas Gerais, também há restaurantes que utilizam a ora-pro-nóbis, sendo apreciado o frango com ora-pro-nóbis.

Cruas, as folhas podem ser consumidas em saladas; desidratadas e trituradas, podem servir para enriquecer a farinha usada no preparo de massas e pães. As folhas secas contêm 25,4% de proteínas (razão pela qual a planta é conhecida como "carne de pobre" [7]) de alta digestibilidade (85%). Contém aminoácidos essenciais, em teores excepcionalmente elevados, destacando-se a lisina, cujo teor, no ora-pro-nóbis, é superior ao do milho, da couve e do espinafre.[3] As folhas também são ricas em vitaminas A, B e C , ferro, magnésio, cálcio e fósforo.[2][8][9]

Acredita-se que o cultivo em larga escala, com processamento industrial, do ora-pro-nóbis possa vir a provocar uma verdadeira revolução nos recursos alimentícios da humanidade, tendo em vista a facilidade do cultivo, a alta produtividade e o valor nutricional da planta, que serve também para alimentação animal, in natura ou adicionada à ração.[10]

Cultivo[editar | editar código-fonte]

A espécie tem flores brancas que podem servir como alimento. A variedade comestível tem flores com o miolo alaranjado e folhas médias e suculentas.[7][2]

Propaga-se por meio de estacas plantadas em solo fértil enriquecido de matéria orgânica. Depois de enraizada, é transplantada para o local definitivo. Em épocas de chuva pode ser plantada diretamente no local definitivo. Seu desenvolvimento, quando propagada por estaquia, é lento nos primeiros meses mas, após formação das raízes, tem o crescimento bastante acelerado.

A Pereskia aculeata não deve ser confundida com a Pereskia grandifolia ou a Pereskia bleo, que têm flores róseas. Essas espécies, muito comuns no Brasil, são difíceis de serem diferenciadas sem a florada.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Pereskia aculeata IUCN Red List of Threatened Species. International Union for Conservation of Nature.
  2. a b c Ora-pro-nóbis - Usada como cerca viva, ornamentação e alimento, a hortaliça se desenvolve em vários tipos de solo e é pouco explorada comercialmente. Por João Mathias. Consultores Nuno R. Madeira e Georgeton S. R. Silveira. Globo Rural.
  3. a b Ora-pro-nobis. Por Reynaldo Guilherme Kramer. APACAME.
  4. Ora-pro-nóbis: a planta que dá pão Jardim de Flores
  5. Flora do Ceará, Brasil: Cactaceae. Por Marcelo Oliveira Teles de Menezes, Nigel P. Taylor e Maria Iracema Bezerra Loiola. Rodriguésia, vol.64 nº 4. Rio de Janeiro, out.-dez. de 2013
  6. Festival do ora-pro-nóbis movimenta turismo em Sabará. Diário do Comércio, 13 de maio de 2016.
  7. a b c Ingrediente: Típico da cozinha mineira, ora-pro-nóbis é proteico. Por Rachel Botelho. Folha de S.Paulo, 10 de maio de 2007.
  8. Proteína verde das Gerais. Folha de S.Paulo, 14 de junho de 2001.
  9. Ora-pro-nóbis chega a SC e é usada na produção de farinha. Folhas são conhecidas como carne de pobre pelo alto teor de proteína. Aprenda uma receita de pão mais nutritiva que a tradicional. Globo Rural, 26 de março de 2012.
  10. Vieira, João Felix. Ora Pro Nobis - a carne dos pobres. Clube de Autores, 2007.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Ícone de esboço Este artigo sobre cactos, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.