Orca-pigmeia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaOrca-pigméia
Pygmy killer whale size.svg
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Cetacea
Subordem: Odontoceti
Família: Delphinidae
Género: Feresa
Gray, 1870
Espécie: F. attenuata
Nome binomial
Feresa attenuata
Gray, 1875
Distribuição geográfica
Cetacea range map Pygmy Killer Whale.PNG

A orca-pigméia (Feresa attenuata) é um golfinho oceânico pouco conhecido e raramente visto.[1] Seu nome popular deriva do fato de compartilhar algumas características físicas com a orca. É a menor espécie de cetáceo que possui "orca" no nome comum.[2] Embora a espécie seja conhecida por ser extremamente agressiva em cativeiro, esse comportamento agressivo não foi observado na natureza.[3]

A espécie foi descrita por John Gray em 1874, com base em dois crânios identificados em 1827 e 1874. O próximo avistamento registrado foi em 1952, o que levou à sua denominação formal pelo cetologista japonês Munesato Yamada em 1954.[4]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Esqueleto de uma orca-pigméia

Características distintas[editar | editar código-fonte]

A orca-pigméia é cinza escuro a preto no cabo e tem uma mudança acentuada para cinza mais claro nas laterais. A carne ao redor dos lábios e na ponta do focinho é branca, enquanto uma pele rosada envolve os órgãos genitais. O comprimento médio é de pouco mais de dois metros (6,5 pés). Ao atingir 2 metros de comprimento, os machos são considerados sexualmente maduros. Possui aproximadamente 48 dentes, com 22 dentes na mandíbula superior e 26 na mandíbula inferior.[5]

A espécie viaja a aproximadamente 3 km/hora (2 milhas/hora)[6] e é encontrada predominantemente em águas mais profundas, variando de 500 m a 2.000 m (1600–6500 pés) de profundidade.[1]

É mais comumente confundida com o golfinho-cabeça-de-melão e a falsa-orca.[7]

As três espécies podem ser distinguidas por diferenças físicas entre elas. Uma diferença que define é que, embora ambas as espécies tenham branco ao redor da boca, na orca-pigmeia o branco se estende de volta para o rosto. Também têm barbatanas dorsais com pontas arredondadas, em oposição às pontas pontiagudas. Quando comparadas com a falsa-orca, a orca-pigmeia têm uma barbatana dorsal maior. Finalmente, as orca-pigmeia possui uma linha mais claramente definida onde a cor escura dorsal muda para a cor lateral mais clara do que qualquer uma das outras duas espécies.[7]

As diferenças de comportamento também podem ser usadas para diferenciar a orca-pigmeia da orca-falsa. A orca-pigmeia geralmente se move lentamente quando está na superfície, enquanto a orca-falsa é altamente energética. A orca-pigmeia raramente cavalga na proa, um comportamento comum da falsa-orca.[7]

O pequeno tamanho desta espécie também causa confusão com outros golfinhos, especialmente onde a forma da cabeça frontal dos animais encontrados permanece invisível. Ao contrário do golfinho-cabeça-de-melão, a orca-pigmeia normalmente não levanta todo o rosto acima da água quando emergem para respirar.[8]

Registros iniciais[editar | editar código-fonte]

Antes da década de 1950, o único registro da orca-pigmeia era de dois crânios identificados em 1827 e 1874. Em 1952, um espécime foi capturado e morto em Taiji, Japão, que é conhecido por sua caça anual de golfinhos. Seis anos depois, em 1958, um indivíduo foi morto na costa do Senegal. Em 1963, houve dois eventos registrados envolvendo a orca-pigmeia. O primeiro foi no Japão, onde 14 indivíduos foram capturados e levados ao cativeiro; todos os 14 animais morreram em 22 dias. O segundo foi na costa do Havaí, onde um animal foi capturado e levado com sucesso para o cativeiro. Em 1967, uma única orca-pigmeia na Costa Rica morreu depois de ficar presa em uma rede de cerco com retenida. Finalmente, em 1969, uma orca-pigmeia foi morta na costa de São Vicente e um grupo de indivíduos foi registrado no Oceano Índico.[4]

Ecolocalização e audição[editar | editar código-fonte]

Necropsia de duas orcas-pigmeias

Como outros golfinhos oceânicos, a orca-pigmeia usa a ecolocalização. O centróide das frequências de ecolocalização está entre 70-85 kHz e pode variar de 32 a 100 kHz. Isso é semelhante ao alcance de outros odontocetos, como o golfinho-nariz-de-garrafa, mas é um pouco maior do que a orca-falsa. Durante a ecolocalização, produz 8-20 cliques por segundo com um nível de som de 197-223 decibéis na fonte de produção. A direcionalidade linear da produção de som é melhor do que em botos, mas menor do que a encontrada no golfinho-nariz-de-garrafa; a direcionalidade mais alta resulta em sons que são mais fáceis de distinguir do ruído de fundo. Com base nas semelhanças com os parâmetros acústicos de outros odontocetos, presume-se que eles usam um mecanismo semelhante para produzir cliques de ecolocalização.[9]

A anatomia para recepção auditiva é semelhante a outros odontocetos, com uma mandíbula oca e um corpo adiposo mandibular composto por uma camada externa de baixa densidade e um núcleo interno mais denso. O núcleo interno entra em contato direto com o complexo timpanoperiótico (funcionalmente semelhante à bolha auditiva em outras espécies). Os testes de audição realizados em dois indivíduos vivos trazidos para reabilitação exibiram faixa de resposta de frequência e resolução temporal semelhantes às encontradas em outros golfinhos. Durante esses testes, um indivíduo apresentou perda auditiva de baixa frequência que pode estar relacionada ao tratamento com o antibiótico amicacina, embora os pesquisadores acreditassem que a causa mais provável eram pequenas diferenças na configuração do teste.[10]

População e distribuição[editar | editar código-fonte]

Grupo de orcas-pigmeias em Guam

A espécie foi observada em grupos que variam de 4 a 30 ou até mais.[1] A única estimativa populacional é de 38.900 indivíduos no Oceano Pacífico tropical oriental; no entanto, essa estimativa tinha um grande coeficiente de variação, o que significa que o tamanho real da população poderia ser muito menor ou muito maior.[11]

A espécie possui ampla distribuição em águas tropicais e subtropicais em todo o mundo. É avistada regularmente no Havaí e no Japão.[12] As aparições nas capturas acessórias sugerem uma presença durante todo o ano no Oceano Índico, perto do Sri Lanka e das Pequenas Antilhas. A espécie também foi encontrada no sudoeste do Oceano Índico, nas Terras Francesas do Sul e da Antártica, na Ilha da Europa, em Moçambique[13] e na África do Sul, mas ainda não foi registrada na África Oriental. No Atlântico, indivíduos foram observados no extremo norte, até a Carolina do Sul, a oeste, e o Senegal, a leste.[14]

Uma população residente vive nas águas ao redor do Havaí. A maioria dos avistamentos ocorreu ao redor da ilha principal, no entanto, há avistamentos ocasionais ao redor de várias das outras ilhas. A população possui uma estrutura social fortemente conectada com afiliações entre indivíduos que podem durar até 15 anos. Apesar da existência dessa população residente, avistamentos de orcas-pigmeias no Havaí ainda são bastante raros; eles representaram menos de 1,5% de todos os cetáceos avistados em um estudo que durou de 1985 a 2007. Esta população foi observada associando-se a orcas-falsas, baleias-piloto-de-aleta-curta e golfinhos-nariz-de-garrafa.[1]

Conservação[editar | editar código-fonte]

A espécie é capturada de forma incidental em operações de pesca. Representa até 4% das capturas acessórias de cetáceos em redes de emalhar de deriva usadas pela pesca comercial no Sri Lanka.[15]

Como outros cetáceos, é hospedeira de vermes parasitas, como cestóides e nematóides. A espécie cestóide, Trigonocotyle sexitesticulae, foi descoberta pela primeira vez no cadáver de uma orca-pigmeia.[16] Uma orca-pigmeia que foi encontrada encalhada na costa da Nova Caledônia morreu de encefalite parasitária causada por nematóides. A espécie também é vítima de Isistius brasiliensis.[5]

A orca-pigmeia ocasionalmente envolve-se em encalhes em massa. Como visto em outros cetáceos, esses encalhes frequentemente envolvem um indivíduo doente ou ferido; mesmo quando empurrados de volta ao mar por equipes de resgate, os indivíduos saudáveis muitas vezes encalharão novamente e se recusarão a partir até a morte do indivíduo em declínio de saúde.[5]

A orca-pigmeia é classificada como espécie pouco preocupante pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).[17] Foi incluída no Acordo sobre a Conservação de Pequenos Cetáceos do Mar Báltico e do Mar do Norte (ASCOBANS) e no Acordo sobre a Conservação de Cetáceos no Mar Negro, Mar Mediterrâneo e Área Atlântica Adjacente (ACCOBAMS).[18]

Referências

  1. a b c d McSweeney, Daniel J.; Baird, Robin W.; Mahaffy, Sabre D.; Webster, Daniel L.; Schorr, Gregory S. (1 de julho de 2009). «Site fidelity and association patterns of a rare species: Pygmy killer whales (Feresa attenuata) in the main Hawaiian Islands». Marine Mammal Science (em inglês). 25 (3): 557–572. ISSN 1748-7692. doi:10.1111/j.1748-7692.2008.00267.x 
  2. Masa Ushioda, “Pygmy Killer Whale”, ”Cool Water Photo”, March 11, 2015
  3. Castro, Cristina (2004). «Encounter with a school of pygmy killer whales (Feresa attenuata) in Ecuador, southeast tropical Pacific». Aquatic Mammals. 30 (3): 441–444. doi:10.1578/AM.30.3.2004.441 
  4. a b «Cascadia Research Collective pygmy killer whales in Hawai'i». www.cascadiaresearch.org. Consultado em 21 de março de 2016 
  5. a b c Clua, Eric (2014). «Biological Data of Pygmy Killer Whale (Feresa attenuata) from a Mass Stranding in New Caledonia (South Pacific) Associated with Hurricane Jim in 2006». Aquatic Mammals. 40 (2): 162–172. doi:10.1578/am.40.2.2014.162 
  6. Baird, Robin W.; Schorr, Gregory S.; Webster, Daniel L.; McSweeney, Dan J.; Hanson, M. Bradley; Andrews, Russel D. (1 de outubro de 2011). «Movements of two satellite-tagged pygmy killer whales (Feresa attenuata) off the island of Hawai'i». Marine Mammal Science (em inglês). 27 (4): E332–E337. ISSN 1748-7692. doi:10.1111/j.1748-7692.2010.00458.x 
  7. a b c Baird, Robin W. (2010). «Pygmy Killer Whales (Feresa attenuata) or False Killer Whales (Pseudorca crassidens)? Identification of a Group of Small Cetaceans Seen off Ecuador in 2003». Aquatic Mammals. 36 (3): 326–327. doi:10.1578/am.36.3.2010.326 
  8. Allport, Gary A.; Curtis, Christopher; Pampulim Simões, Tiago; Rodrigues, Maria J. (8 de junho de 2017). «The first authenticated record of Pygmy Killer Whale (Feresa attenuata Gray 1874) in Mozambique; has it been previously overlooked?». Marine Biodiversity Records. 10. 17 páginas. ISSN 1755-2672. doi:10.1186/s41200-017-0119-9 
  9. Madsen, P. T.; Kerr, I.; Payne, R. (2004). «Source parameter estimates of echolocation clicks from wild pygmy killer whales (Feresa attenuata) (L)». Journal of the Acoustical Society of America. 116 (4): 1909–1912. PMID 15532623. doi:10.1121/1.1788726 
  10. Montie, Eric W.; Manire, Charlie A.; Mann, David A. (15 de março de 2011). «Live CT imaging of sound reception anatomy and hearing measurements in the pygmy killer whale, Feresa attenuata». Journal of Experimental Biology (em inglês). 214 (6): 945–955. ISSN 0022-0949. PMID 21346122. doi:10.1242/jeb.051599 
  11. Wade, P. R.; Gerrodette, T. (1993). «Estimates of cetacean abundance and distribution in the eastern tropical Pacific». Forty-Third Report of the International Whaling Commission. 43: 477–493 
  12. Author name,“Pygmy Killer Whale”, ”EOL, Encyclopedia of Life”, March 13th, 2015
  13. Allport, Gary A.; Curtis, Christopher; Pampulim Simões, Tiago; Rodrigues, Maria J. (8 de junho de 2017). «The first authenticated record of Pygmy Killer Whale (Feresa attenuata Gray 1874) in Mozambique; has it been previously overlooked?». Marine Biodiversity Records. 10. 17 páginas. ISSN 1755-2672. doi:10.1186/s41200-017-0119-9 
  14. Findlay, K. P.; Best, P. B.; Ross, G. J. B.; Cockcroft, V. G. (1 de junho de 1992). «The distribution of small odontocete cetaceans off the coasts of South Africa and Namibia». South African Journal of Marine Science. 12 (1): 237–270. ISSN 0257-7615. doi:10.2989/02577619209504706 
  15. Alling, Abigail (1998). «A Preliminary Report of the Incidental Trapping of Odontocetes by Sri Lanka's Coastal Driftnet Fishery». Journal of the Bombay Natural History Society. 85 (3) 
  16. Hoberg, Eric (11 de julho de 1989). «Trigonocotyle sexitesticulae sp.nov. (Eucestoda: Tetrabothriidae): a parasite of pygmy killer whales (Feresa attenuata)». Canadian Journal of Zoology. 68 (9): 1835–1838. doi:10.1139/z90-263 
  17. Braulik, G (2018). «Pygmy Killer Whale». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2018: e.T8551A50354433 
  18. «Species | ASCOBANS». www.ascobans.org. Consultado em 21 de março de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MEAD, J. G.; BROWNELL, R. L. (2005). Order Cetacea'. In: WILSON, D. E.; REEDER, D. M. (Eds.) Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference. 3ª edição. Baltimore: Johns Hopkins University Press. p. 723-743.
  • Marine mammals of the world. Jefferson, T.A., S. Leatherwood & M.A. Webber - 1993. FAO species identification guide. Rome, FAO. 320 p. 587 figs. .
Ícone de esboço Este artigo sobre cetáceos é um esboço relacionado ao Projeto Mamíferos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.