Orde Wingate

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Orde Wingate
Flag of the United Kingdom.svg
Nascimento 26 de fevereiro de 1903
Naini Tal, Índias Britânicas
Morte 24 de março de 1944 (41 anos)
Birmânia
Nacionalidade Britânico
Cargo Comandante dos chindits na Guerra da Birmânia
Serviço militar
Patente Major-General

Orde Charles Wingate (26 de fevereiro de 190324 de março de 1944) foi um general britânico, criador de forças de combate especiais durante a Guerra da Birmânia, na Segunda Guerra Mundial.

Wingate chegou ao Extremo Oriente em 27 de fevereiro de 1942, em pleno início da invasão japonesa do Sudeste Asiático. Promovido a coronel e enviado à Birmânia, foi incumbido de organizar uma unidade de guerrilha para a luta contra os invasores na selva birmanesa. Em princípio, estas unidades não surtiram o efeito desejado e ele transferido para a Índia.

De volta à Birmânia pouco tempo depois, o General Archibald Wavell, comandante de todas as forças aliadas no Sudeste Asiático, lhe deu o comando de três brigadas mistas, de britânicos e indianos, a qual ele treinou e preparou como uma unidade de guerrilha de penetração de longo alcance na retaguarda das linhas inimigas, chamadas de chindits ( baseado no nome de de um mítico leão birmanês, Chinthe ). Wingate tentou endurecer e acostumar estes homens à luta em condições adversas da natureza, aclimatando-os às condições da selva, mantendo-os acampados nas florestas birmanesas durante a monção, a grande estação de chuvas que ocorre todo ano na região. O resultado foi um grande número de baixas devido a doenças, malária e pneumonia. Muitos deles tiveram que ser substituídos por integrantes de outras partes das forças armadas aliadas.

Além disso, sua maneira direta e abrupta de tratar com seus colegas oficiais e superiores, junto com hábitos pessoais excêntricos, não o tornaram muito popular entre o comando: ele comia cebolas cruas e ao invés de tomar banho se esfregava com uma esponja de borracha para tirar o suor e a sujeira da mata. Entretanto, suas conexões políticas na Grã-Bretanha e o apreço que Wavell tinha por ele o protegiam de retaliações.

Os chindits[editar | editar código-fonte]

A primeira operação comandanda por Wingate em 1943 estava programada para ser uma ação em conjunto com as tropas do exército regular britânico. Quando a contra-ofensiva aliada na Birmânia foi cancelada pela falta de recusos, Wingate implorou a Wavell que permitisse que suas tropas entrassem no país assim mesmo, recebendo seu consentimento.

Coluna de chindits atravessa rio no interior da Birmânia, 1943.

Os chindits – um misto de soldados britânicos e indianos com treinamento especial de comandos de selva – entraram na Birmânia em fevereiro de 1943, Inicialmente, a expedição teve sucesso, colocando fora de ação algumas ferrovias e canais de comunicação dos japoneses na retaguarda inimiga. Mas a medida que Wingate pentrava mais fundo na selva, cruzando o rio Irrawaddy, os japoneses conseguiram cercá-lo, cortar seu avanço e penetrar no meio de suas forças, separando-as. Diante da forte reação, eles foram obrigados a recuar, grupo a grupo, e voltar para o ponto de partida, o que foi feito em pequenos pelotões durante toda a primavera, muitas vezes lutando para abrir caminho até a Índia, com pequenos destacamentos conseguindo voltar apenas através da China.

O grupo teve muitas perdas em homens e o valor de sua missão muito questionado, que desafortunadamente para os Aliados, deu aos japoneses a certeza que os britânicos eram capazaes de penetrar em certas regiões da fronteira indo-birmanesa, ao contrário do que supunham, pois consideravam o adversário ainda batido e sem forças, o que os levou a preparar uma grande ofensiva contra a Índia.

De qualquer modo, a operação acabou, ainda assim, sendo considerada um sucesso perante a opinião pública e o governo em Londres, após uma longa série de desastres militares no sudeste asiático, mostrando que os britânicos e indianos poderiam lutar e vencer os japoneses na batalha nas selvas.

Em seu retorno, Wingate fez um relatório das operações em que ele novamente fazia críticas pesadas ao exército e e a seus métodos de combate e a alguns de seus próprios homens. O relatório andou por canais não usuais através de seus amigos na Inglaterra e chegou diretamente a Winston Churchill, que o convidou a ir a Londres. Imediatamente após sua chegada, o Primeiro-Ministro o integrou e à sua esposa na comitiva da delegação britânica à Conferência de Quebec, no Canadá, para a reunião de chefes de estado com os Presidentes Roosevelt e Chiang Kai-shek, onde ele explicou a Churchill e a diversos líderes militares suas idéias para as ações de penetração em linhas inimigas de seus comandos; com apoio aéreo e comunicação via rádio, algo novo em equipamento militar, isso permitiria a seus soldados estabelecerem bases em território inimigo, criando brechas nas defesas externas e aumentando o alcance das forças convencionais. Os líderes ficaram impressionados e missões de penetração profunda em larga escala foram aprovadas.

De volta à Índia, Wingate foi promovido provisoriamente a major-general e recebeu o comando de seis brigadas para planejar os próximos ataques. Porém, ao beber água contaminada durante a viagem ele contraiu febre tifóide, causando o retardamento do planejamento e dos treinamentos para a nova incursão de seus chindits.

A missão final[editar | editar código-fonte]

O caráter desta operação de 1944 foi bastante diverso das missões do ano anterior. Seus objetivos eram mais ambiociosos tanto na quantidade de recursos disponíveis quanto na distância a ser percorrida. Os chindits deveriam estabelecer bases fortificadas no interior da Birmânia, a partir das quais eles conduziriam as operações contra o inimigo, estratégia imitada anos depois pelos franceses em Dien Bien Phu.

Em 6 de março de 1944, os chindits começaram a entrar na Birmânia lançados de pára-quedas e transportados por planadores para estabelecer bases no território ocupado pelos japoneses. Por sorte do destino, a operação começou no mesmo momento em que os inimigos lançaram um ataque contra a Índia, o que deu aos soldados de Wingate a oportunidade de atacá-los na retaguarda e nos flancos de seu avanço com missões localizadas, causando uma ruptura na ofensiva e obrigando parte das tropas japonesas a se desviarem do ataque principal ao território indiano.

Em 24 de março, o general Wingate deixou a Índia e voou até a Birmânia para vistoriar as condições em três bases estabelecidas por seus soldados no meio da selva. Na viagem de volta, o avião que o transportava colidiu com uma montanha causando sua morte e dos outros nove tripulantes e passageiros.

Ver também[editar | editar código-fonte]