Ordem dos Frades Menores Conventuais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ordem dos Frades Menores Conventuais
 
Ordo Fratrum Minorum Conventualium
PAX ET BONUM
Paz e bem
sigla
OFM Conv
Imagem: Ordem dos Frades Menores Conventuais
São Francisco de Assis
Tipo: Ordem religiosa
Fundador (a): São Francisco de Assis
Local e data da fundação: Itália 1209
Aprovação: Itália 1209
Superior geral: Frei Marco Tasca
Membros: 11.193 (2015)
Sede: Piazza XII Apostoli, 51, CP 00187, ItáliaRoma
Site oficial: http://www.ofmconv.net/
Projeto Catolicismo · uso desta caixa

A Ordem dos Frades Menores Conventuais (ou Ordem dos Franciscanos Conventuais) é um ramo da ordem religiosa que foi fundada por São Francisco de Assis em 22 de dezembro de 1209 com o nome original de Ordem dos Frades Menores e à qual foi acrescentado o título de Conventuais. Mais tarde, uma acentuada reforma ao carisma deste mesmo ramo da Ordem Franciscana deu origem aos Frades Franciscanos da Imaculada.

Características[editar | editar código-fonte]

Frade Conventual com hábito cinza.

Para este ramo da Ordem, o nome Conventual surgiu entre 1249 e 1250 por forma a identificar aquelas comunidades de frades que moravam em conventos, inseridas nas cidades, dedicadas aos estudos e ao trabalho apostólico em igrejas chamadas conventuais e que valorizavam intensamente a fraternidade desejada por São Francisco de Assis como característica da sua Ordem religiosa.

Desde seu aparecimento, a Ordem dos Frades Menores (Ordo Fratrum Minorum) foi considerada uma verdadeira Ordem religiosa, caracterizada, porém, por diversos elementos de grande novidade em relação ao estilo de vida dos religiosos da época (os monges). Seus membros vinham de todas as camadas da sociedade, tornando-se irmãos em torno do princípio evangélico da fraternidade; os irmãos não viviam em mosteiros, mas eram itinerantes, parando às vezes em eremitérios por breves períodos. Quem os ligava entre si era a figura arrebatadora do fundador Francisco de Assis; o espírito franciscano e a unidade entre os frades eram assegurados pela Regra de Vida, escrita por Francisco de Assis, pelo elo da obediência e por um sinal externo: o hábito franciscano, de cor cinza. Duas vezes por ano, os frades se reuniam em capítulos para falar das coisas de Deus, para tomar decisões acerca de seu estilo de vida e cultivar entre si o elo da fraternidade.

Ainda que era um estilo de vida fascinante, logo, porém, começaram a aparecer algumas dificuldades: havia o perigo da ociosidade; já havia frades que perambulavam desligados dos demais; a pobreza radical colocava, por vezes, os frades em situações de extrema penúria; não havia como amparar os irmãos doentes e velhos.

Por tudo isso, a Ordem Franciscana viveu nos últimos anos da vida de São Francisco de Assis (1220-26) transformações decisivas para o seu futuro, transformações que o próprio Francisco aprovava e procurava harmonizar com o espírito original de sua fraternidade. E assim, foram-se acrescentando outros elementos que caracterizam a vida franciscana: os frades, de itinerantes se tornaram estáveis, morando em conventos; de iletrados, com Santo Antônio e outros, tomaram-se estudiosos da religião; buscou-se uma ligação mais estreita com a hierarquia da Igreja Católica Romana por meio do Cardeal Protetor; o zelo pela pregação do Evangelho levou os frades a transferirem seus conventos para dentro das cidades e a se dedicarem ao trabalho pastoral entre o povo; procuraram meios menos precários de sustento com uma conseqüente administração mais elaborada.

Com estas transformações, a fraternidade franciscana possuía desde o início elementos de mudança que deveriam levá-la a um estilo de vida conventual, como nova dimensão de unidade e fraternidade. Com esta tendência concordavam Francisco de Assis e todos os membros de boa vontade da Ordem e também a Igreja Católica Romana. As fontes franciscanas[1] historicamente mais próximas a São Francisco mostram como ele próprio favoreceu estas mudanças, embora fontes tardias [2] pretendam falar de rejeição por parte dele.

[1] cf. FASSINI, Dorvalino Francisco, org. Fontes Franciscanas. Mensageiro de Santo Antônio: Santo André, 2004, p. 179-432.

[2] Id. Ibidem, p. 1187-1323.

Papas Franciscanos Conventuais[editar | editar código-fonte]

Papa Inicio Termino Periodo de Pontificado
Papa Sisto V 24 de Abril de 1585 27 de Agosto de 1590 5 anos, 4 meses e 3 dias
Papa Clemente XIV 19 de Maio de 1769 22 de Setembro de 1774 5 anos, 3 meses e 3 dias

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.