Orfeu (editora)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Discos Orfeu
Fundação 1956
Fundador(es) Arnaldo Trindade
Distribuidor(es) Orfeu
Gênero(s) Poesia fonética, fado, jazz, nacional cançonetismo, música popular, pop rock
País de origem Portugal
Localização Porto

Discos Orfeu (ou, simplesmente Orfeu) foi uma prestigiada editora discográfica fundada em 1956 pelo empresário portuense Arnaldo Trindade. A empresa também era conhecida pelo nome do seu proprietário (nomeadamente Arnaldo Trindade & Companhia, Lda). Depois de um período conturbado a editora renasceu em 2010, sob a chancela da Movieplay, com o nome Art’Orfeu Media.[1][2]

História[editar | editar código-fonte]

Com o nome Orfeu começaram por ser editados discos de vários poetas a declamarem os seus poemas. A estreia aconteceu em 1956, com o vinil Torga por Torga do escritor Miguel Torga. Seguiram-se as edições de José Régio, Eugénio de Andrade, Sophia de Mello Breyner, Jaime Cortesão, Aquilino Ribeiro e Ferreira de Castro. A colecção de poesia, declamada pelos seus autores, obteve grande sucesso na época. As capas dos discos eram da autoria do artista Moreira de Azevedo. Instalado na rua de Santa Catarina, em frente ao Café Majestic, a Discos Orfeu tornou-se num ponto incontornável da cidade. O estabelecimento concentrava o ramo dos eletrodomésticos com a venda de discos, e que rapidamente avançou para as produções musicais.[3]

Os critérios e métodos pioneiros de Arnaldo Trindade para a produção fonográfica, constituíram um dos fatores essenciais para o sucesso da editora. A motivação do proprietário e o desprendimento comercial em relação à atividade de gravação aliado ao gosto pessoal, proporcionaram na Discos Orfeu um ponto de partida divergente do restante panorama editorial português, em particular as grandes empresas como a Rádio Triunfo e Valentim de Carvalho que, para além de possuírem fábrica de laboração de discos, estipulavam a seleção de repertório e artistas com base em critérios de indicadores de sucesso na produção fonográfica.[4] Foi na Orfeu que José Afonso gravou o melhor da sua obra, Adriano Correia de Oliveira lançou todos os seus discos e Vitorino fez a sua estreia. Os clássicos discos Pano Cru e Campolide de Sérgio Godinho, ou Blackground dos Duo Ouro Negro são outros nomes sonantes lançados pela editora, a que se juntam António Portugal, Fausto e Luís Cília. A editora tinha também uma linha mais popular de cançonetistas como Lenita Gentil, Florência, os conjuntos António Mafra e Maria Albertina e ainda Quim Barreiros. Também inovaram com o lançamento de discos do Pop Five Music Incorporated, que cantavam em inglês temas originais e versões de outras bandas. Mais tarde, os maestros José Calvário e Miguel Graça Moura foram gravar a Londres, aos famosos estúdios da Pye Records, com o selo da Orfeu.[3]

A editora portuense possuía o exclusivo de etiquetas internacionais importantes como a Durium Records (italiana), Disques Vogue (francesa), Pye Records (britânica), Tamla-Motown (americana) e Island Records (inglesa). Em 1969, Arnaldo Trindade foi inovador na realização da primeira convenção da Indústria Discográfica em Portugal, atraindo a atenção da revista "Billboard", ao trazer a Ofir representantes de todo o mundo e bandas como os Foundations, Status Quo ou os Long John Baldry, onde tocava o pianista Reginald Dwight (hoje conhecido como Elton John). As convenções discográficas passaram também por Lisboa, Cascais e Porto. A Discos Orfeu foi também inovara na atribuição dos primeiros discos de ouro da indústria fonográfica portuguesa, como confessou o empresário e criador da editora: "Éramos construtores de uma ideia nova". As duas canções-senha que deram início à Revolução de 25 de Abril de 1974 – "E Depois do Adeus", de Paulo de Carvalho e "Grândola Vila Morena" de José Afonso – fazem parte do vastíssimo legado da editora de Arnaldo Trindade.[5] Na década de 1970, passaram pela editora José Cid, que lançou o épico álbum 10.000 anos depois entre Vénus e Marte, Tonicha, entre outros.

Em 1983, a Movieplay Portuguesa adquiriu todo o património da "Arnaldo Trindade & Companhia, Lda", depois de ter comprado a Rádio Triunfo em 1979 aos herdeiros do proprietário Rogério Leal. Até 1985, foram editados discos com as etiquetas Orfeu–Rádio Triunfo. Depois a Movieplay e a Rádio Triunfo foram expulsas da GPPFV (atual Associação Fonográfica Portuguesa), por práticas ilegais de pirataria. O espólio da Orfeu foi sendo editado pela Movieplay, nomeadamente na colecção O Melhor dos Melhores [7] ou Clássicos da Renascença [8] Em 2010, etiqueta Orfeu foi reactivada, com o nome Art’Orfeu Media, com a reedição de discos de Mário Viegas e Mena Matos, a reedição dos seus discos mais emblemáticos de José Afonso, e um disco de J.P. Simões.

Lista de artistas[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os principais artistas que gravaram na Discos Orfeu.[5]

Referências

  1. «Art'Orfeu Media». Discogs. Consultado em 22 de abril de 2016 
  2. Zita Ferreira Braga. «Orfeu renasce no LxFactory». Jornal Hardmusica. Consultado em 22 de abril de 2016 
  3. a b Mário Lopes (4 de agosto de 2011). «A política da Orfeu era a utopia». Jornal Público. Consultado em 22 de abril de 2016 
  4. José Hugo Pires Castro (Setembro de 2012). «Discos na Luta: A canção de protesto na produção fonográfica em Portugal nas décadas de 1960 e 1970» (PDF). Universidade Nova Lisboa: 60. Consultado em 24 de abril de 2016 
  5. a b «Memória Música». Biografia Arnaldo Trindade. Consultado em 22 de abril de 2016. Arquivado do original em 23 de fevereiro de 2008 
  6. José Hugo Pires Castro (Setembro de 2012). «Discos na Luta: A canção de protesto na produção fonográfica em Portugal nas décadas de 1960 e 1970» (PDF). Universidade Nova Lisboa: 77. Consultado em 24 de abril de 2016 
  7. «Melhor dos Melhores». Discogs. Consultado em 23 de abril de 2016 
  8. «Clássicos da Renascença». CDGO. Consultado em 23 de abril de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]