Grupo Globo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Organizações Globo)
Ir para: navegação, pesquisa
Grupo Globo
Organizações Globo Participações S.A.
Tipo Empresa de capital fechado
Indústria Mídia
Gênero Privada
Fundação 29 de junho de 1925 (91 anos)
Fundador(es) Irineu Marinho
Sede Rio de Janeiro, RJ,  Brasil
Proprietário(s) Família Marinho
Presidente Roberto Irineu Marinho
Vice-presidente
Produtos
Lucro Aumento R$ 3,060 bilhões (2015)
LAJIR Baixa R$ 7,215 bilhões (2015)
Faturamento Baixa R$ 16,040 bilhões (2015)
Página oficial grupoglobo.com
[1][2][3][4]

Grupo Globo[5] (anteriormente conhecido como Organizações Globo)[6] é o maior conglomerado de mídia do Brasil, atuando também no setor de telecomunicações, é também o maior da América Latina, sendo um dos maiores de todo o mundo. A principal e mais conhecida empresa do Grupo Globo é a Rede Globo de Televisão, que é a maior do país e a segunda maior do mundo, atrás apenas da ABC, dos Estados Unidos. Em pesquisa da Top Thirty Global Media Owners, realizada pela ZenithOptimedia com base nas receitas publicitárias de 2011, mostra que o Grupo Globo é o 17º grupo de mídia do mundo, atrás de gigantes como Google (1º lugar), The Walt Disney Company (2º) e 21st Century Fox (3º).[7][8] O conglomerado alcançou a 14º posição em 2016 na mesma pesquisa, sendo o único conglomerado latino-americano entre os 20 maiores, e hoje, segundo o levantamento, é maior do que grupos de mídia conhecidos internacionalmente, como Microsoft (17º) e Yahoo! (15º).[9]

A primeira iniciativa da holding foi o jornal A Noite, fundado e dirigido por Irineu Marinho, no Rio de Janeiro, então capital do Brasil. Em 1925, com o sucesso do vespertino, Marinho decide fundar um segundo jornal, O Globo, para concorrer com os demais como Correio da Manhã, O Paiz, Gazeta de Notícias, O Jornal, Diário Carioca e Jornal do Brasil. Com a morte repentina de Irineu Marinho apenas semanas depois, seu filho Roberto Marinho herdou o jornal e passou à direção da empresa. Trabalhando ativamente na parte jornalística e administrativa, decidiu ampliar o negócio e investir em outras mídias além da impressa. Em 1944, inaugurou a Rádio Globo, também no Rio de Janeiro. Foi com a inauguração da Rede Globo (criada em 1964 e transmitida a partir de 1965), que a empresa se tornou líder no segmento de mídia e expandiu negócios como com a portuguesa SIC, até atingir e consolidar o pioneirismo tanto de audiência como de faturamento.

Atualmente o grupo está envolvido em TV gratuita e paga, marketing, produção, estações transmissoras, satélite e TV a cabo, direitos de marketing internacional, jornais e revistas, editoras, rádios, operadores de cabos, websites, produções cinematográficas a indústria da música. O conglomerado é composto de mais de 80 empresas diferentes. No total são mais de 24.000 pessoas, nacionais e internacionais, compõem suas fileiras de empregados. Nos últimos tempos, a empresa pode aumentar sua receita em cerca de 24% (2010), que é o primeiro e mais importante resultado do foco estratégico em mídia eletrônica e as empresas de alta no mercado da publicidade.

Desde 25 de agosto de 2014, a empresa passa adotar como nome "Grupo Globo", ante "Organizações Globo", marca usada desde a inauguração do jornal O Globo em 1925. Segundo Roberto Irineu Marinho, atual presidente "Essa mudança é resultado da nossa visão de futuro e atuação nos anos recentes. Queremos incentivar e promover cada vez mais a colaboração entre nossas empresas, o alinhamento de objetivos e a busca de resultados comuns. O esforço conjunto será cada vez mais importante para entender expectativas do público e atendê-las."[10]

Negócios do grupo[editar | editar código-fonte]

Edifício Jornalista Roberto Marinho, o prédio integra 17 áreas e abriga o departamento comercial da Rede Globo.[11]

Televisão aberta[editar | editar código-fonte]

Rede Globo de Televisão[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Rede Globo

Inaugurada em 1965, possui cinco emissoras próprias (TV Globo São Paulo, TV Globo Rio de Janeiro, TV Globo Minas, TV Globo Brasília e TV Globo Nordeste) e 124 emissoras afiliadas e é a maior rede de televisão aberta do Brasil em número total de emissoras próprias e afiliadas, em faturamento e em números de audiência.[3][12][13][14][15]

Canal Futura[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Canal Futura

Canal educacional, produzido pela Rede Globo em parceria com a Fundação Roberto Marinho e outras empresas. Programado pela Globosat, seu sinal é distribuído via antena parabólica e nos serviços de televisão por assinatura.[16][17]

Televisão por assinatura[editar | editar código-fonte]

Globosat[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Globosat

É a maior produtora de conteúdo destinado a TV por assinatura da América Latina, se diversifica em mais de trinta canais, sejam eles próprios ou em parcerias, e também conta com produtos em outras plataformas.[18][19][20] Possui duas sedes no país, a principal fica no Rio de Janeiro, recentemente inaugurada.[21][22]

Próprios
Em parceria com a TV Globo
Vídeo sob demanda
  • Philos
  • Globosat Play
Rede Telecine
Parceria com os estúdios 20th Century Fox, Universal Studios, Metro-Goldwyn-Mayer, Paramount Pictures e Walt Disney Pictures
Em parceria com a NBCUniversal
Em parceria com o Grupo Consórcio Brasil (GCB)
Playboy do Brasil
Em parceria com a Playboy TV América Latina

Globosat Comercialização de Conteúdos (G2C)[editar | editar código-fonte]

A Globosat Comercialização de Conteúdos, anteriormente conhecida como NET Brasil, é a empresa responsável pela representação e comercialização de tudo que a Globosat produz, seja canais, vídeo on-demand, pay-per-view e outras plataformas.[24][25][26][27]

Sky[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sky Brasil

Lançada em 30 de outubro de 1996, a Sky foi uma das primeiras empresas de TV por assinatura via satélite do Brasil, usando o sistema de televisão digital no DTH.[28][29] Dez anos mais tarde, em 2006, é concluída a maior fusão do setor com a DirecTV Brasil, até então sua maior concorrente.[30] A News Corporation, sócia da Sky, tinha comprado 35% das ações da DirecTV em 2004.[31][32] Anteriormente, em 2002, a Globo vendeu parte de sua participação na Sky para a News Corporation, fazendo com que esta assumisse o seu controle.[33][34][35] Atualmente, a controladora da DirecTV e, consequentemente, da Sky é da empresa de telecomunicações norte-americana AT&T, que comprou a empresa em 2015.[36][37] O Grupo Globo possui cerca de 5,4% do capital da empresa.[38]

Ver também: Sky+DirecTV

Rádio[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sistema Globo de Rádio

Empresa que controla as concessões e redes de rádio do grupo.[39][40]

Além de possuir concessões nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Belo Horizonte e Brasília, as emissoras da Rádio Globo e da CBN atuam com afiliadas em todo o território nacional.[42][43]

Internet[editar | editar código-fonte]

Globo.com[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Globo.com

O portal foi lançado em 2000 e firma seu foco em quatro pilares: notícias, esportes, entretenimento e vídeos.[44][45] Sites como o G1, globoesporte.com, Ego, Paparazzo, além de páginas das empresas do grupo, estão hospedados dentro do portal.[46] Também oferece serviço provedor de internet através de hotspots Wi-Fi, usando a rede da Oi.[47][48] Atualmente disputa com o UOL o status de líder na internet brasileira, sendo o quinto endereço mais acessado no país e o 153° no mundo, de acordo com o Alexa Internet.[49]

Domínio .globo[editar | editar código-fonte]

O Grupo Globo é a primeira entidade brasileira a obter um dos novos domínios de topo genéricos (gTLD) criados pela ICANN, órgão que regulamenta a web.[50] O Grupo Globo conseguiu a oficialização da extensão ".globo" na rede junto ao órgão.[51] Com a publicação da homologação do sufixo pela IANA em maio de 2014, o domínio ".globo" passa a fazer parte da internet.[52][53]

Zap Imóveis[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Zap Imóveis

Portal de classificados de imóveis da internet brasileira.[54]

Mídia impressa[editar | editar código-fonte]

Editora Globo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Editora Globo

Fundada em 1952, a editora publica livros e revistas.[55][56]

Edições Globo Condé Nast[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Edições Globo Condé Nast

Joint venture formada entre a Editora Globo (70%) e a Condé Nast (30%), que funciona de forma independente, porém, diretamente ligada.[57][58][59]

Infoglobo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Infoglobo

Empresa responsável por editar e publicar os jornais do grupo.[60]

Outros negócios, sociedades e participações[editar | editar código-fonte]

NoFonti.svg
Esta seção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
  • Globo Filmes[62]
  • Loja Globo[63]
  • Som Livre[64][65]
  • RGE[66]
  • Trade Network Participações
  • Outplan
  • Distel Holding S.A. - controlada pela Globo Comunicações e Participações S.A. com 85,29% em sociedade com: Internacional Finance Corporation (IFC), Roberto Irineu Marinho, João Roberto Marinho, José Roberto Marinho, Mauro Molchansky, Pedro Ramos de Carvalho e Ronaldo Tostes Mascarenhas.
  • Globo Cabo S.A. - controlada pelos três filhos de Roberto Marinho, e em sociedade com Globo Rio Participações e Serviços.
  • Globo Rio Participações e Serviços - holding controlada somente pelos filhos, em 33,34% para Roberto Irineu Marinho, 33,33% á João Roberto Marinho e 33,33% para José Roberto Marinho.
  • Roma Participações LTDA - controlada em 99,98% pela Globo Comunicações e Participações e em sociedade com João Roberto Marinho e Pedro Ramos de Carvalho.
  • SPIX - aquisição de 60% do capital da empresa que trabalha com ativos voltados para busca, indexação e compartilhando de conteúdo na internet.

Negócios anteriores[editar | editar código-fonte]

NoFonti.svg
Esta seção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Diário de S. Paulo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Diário de S. Paulo

O jornal paulista foi comprado pelo Grupo no início da década de 2000, sendo vendido para a empresa a Traffic, que pertence ao empresário J.Hawilla, em outubro de 2009.

Geo Eventos[editar | editar código-fonte]

Produtora de festas e eventos aberta em 2010, inicialmente em sociedade com o Grupo RBS, porém atualmente é controlada totalmente pela Globo, devido a um acordo entre os acionistas que resultou na aquisição dos 40% que pertenciam a RBS. A empresa ganhou notoriedade por trazer para o Brasil o festival Lollapalooza em 2012, porém devido a grandes perdas (estimadas em R$ 60 milhões) e por não ter alcançado o sucesso esperado, a empresa deverá ser incorporada pela Som Livre[67]. A despedida da produtora deve ser o sorteio dos grupos para a Copa do Mundo FIFA de 2014 no dia 6 de dezembro de 2013 na Costa do Sauipe, Bahia.

Globo Cochrane[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Globo Cochrane

Uma joint venture que foi formada pelas Organizações Globo e a empresa chilena Editorial Lord Cochrane S.A., localizada em Vinhedo, no interior de São Paulo, foi adquirida no final de março pela Sociedade Brasileira de Organizações e Participações (Sobrapar), do empresário Antonio José Carneiro. Especializada em construção civil e energia, a Sobrapar investiu cerca de R$ 130 milhões na aquisição.

HSM Brasil[editar | editar código-fonte]

Devido a RBS deixar a participação na Geo Eventos, a HSM Brasil foi transferida para a empresa gaúcha em forma de compensação.

Mosaico Negócios de Internet[editar | editar código-fonte]

Empresa responsável pelos sites Mundi que é especializado em busca de hotéis e passagens aéreas, ClickOn, destinado a compras coletivas, Zoom, para pesquisa de preços e o Gazeus Games, antigo Jogatina, destinado a produção de games.

NET[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: NET (telecomunicações)

A Globo possuia 3,84% (através da EGPar) da empresa de telecomunicações. Oferece no país o triple play, nome dado à oferta conjunta de serviços de TV por assinatura, internet banda larga e voz transmitidos por um único cabo, presente em 93 cidades brasileiras situadas em 14 unidades da Federação (são 13 estados e o Distrito Federal); conta com uma rede de mais de 47 mil km de cabos que conectam mais de 10,7 milhões de domicílios; tem mais de 4 milhões de clientes de TV por assinatura (NET TV), o que significa 50% do mercado brasileiro; registra mais de 3 milhões de assinantes de internet banda larga (NET Vírtua), que corresponde a 38% do mercado; alcança 2,5 milhões de clientes de voz (NET Fone via Embratel). O controle da empresa foi passado para América Móvil, que em 2015 a incorporou na Claro.[68]

Newco[editar | editar código-fonte]

Em meados de 2009, o grupo tentou sem sucesso adquirir por sua totalizada a empresa Sociedades Tom Brasil, que possui dez casas de shows/espetáculos espalhados nos país. Dentre eles são; Vivo Rio, Tom Rio Buffet, Tropical, HSBC Brasil, Instituto Cultural Brasilis, Mestre Cuca, além do site Ingresso Rápido. O negócio acabou ficando sem acordo entre os acionistas e não acabou passando de memorandos entre os proprietários.

São Marcos Empreendimentos Imobiliários LTDA[editar | editar código-fonte]

Empresa que implantou e administrou os quatro shoppings do grupo; Shopping Center Interlagos - São Paulo - SP, Botafogo Praia Shopping - Rio de Janeiro - RJ, CenterVale Shopping - São José dos Campos - SP e Shopping Downtown - Rio de Janeiro - RJ, a operação de venda foi realizada em 2008 para a Ancar IC S/A do empresário Marcos Batista Carvalho.

Shoptime[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Shoptime

Venda de 98,85% do capital em 2005 para a Americanas.com.[69][70][71]

Outros negócios anteriores[editar | editar código-fonte]

Estrutura corporativa[editar | editar código-fonte]

O Grupo Globo possui em seu alto escalão os seguintes nomes:[2]

Conselho de administração
Executivos
  • Roberto Irineu Marinho (presidente)
  • João Roberto Marinho (vice-presidente institucional e editorial)
  • José Roberto Marinho (vice-presidente de responsabilidade social)
  • Jorge Nobrega (vice-presidente executivo)
  • Antonio Cláudio Netto (diretor jurídico)
  • Cláudia Falcão (diretora corporativa de direitos humanos)
  • Cristiane Delecrode (diretora corporativa de planejamento e controle)
  • Paulo Tonet Camargo (vice-presidente de relações institucionais)
  • Renata Frota Pessoa (diretora corporativa de integração digital e tecnologia)
  • Sérgio Marques (diretor de finanças e relações com os investidores)

Referências

  1. «História Grupo Globo». Memória Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  2. a b «Estrutura corporativa». Grupo Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  3. a b Daniel Castro (19 de Março de 2016). «Globo encolhe R$ 730 mi em 2015, mas fatura quatro vezes mais que a Record». Notícias da TV. Consultado em 19 de Março de 2016. 
  4. «About Globo». Investor Relations (em inglês). Globo.com. Consultado em 29 de junho de 2016. 
  5. «Organizações Globo: saiba quais empresas do Grupo Globo». 8 de Setembro de 2016. Consultado em 8 de Setembro de 2016. 
  6. «Organizações Globo adotam nova marca: Grupo Globo». O Globo. Grupo Globo. 27 de Agosto de 2014. Consultado em 27 de Agosto de 2014. 
  7. Globo são o 17º maior grupo de mídia do mundo
  8. «Google é maior empresa de mídia do mundo». meioemensagem.com.br. 
  9. «The 30 biggest media companies in the world» (em inglês). Business Insider. Consultado em 8 de setembro de 2016. 
  10. Paulo Pacheco (25 de agosto de 2014). «Organizações Globo viram 'Grupo Globo' para modernizar marca». UOL. Notícias da TV. Consultado em 27 de agosto de 2014. 
  11. Edifício Jornalista Roberto Marinho é inaugurado em SP
  12. «TV Globo». Grupo Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  13. Gabriel Vaquer (7 de janeiro de 2016). «Globo e Record sobem, mas SBT cresce mais e mantém vice no PNT». NaTelinha. UOL. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  14. «Atlas de cobertura». Rede Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  15. «Nova regra de peso atribuído às programações das redes de TV aberta Globo, Record, SBT e Band» (PDF). ECAD. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  16. Mauricio Araújo (28 de março de 2012). «Futura - O Canal do Conhecimento». TV Magazine. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  17. «Canal Futura». Memória Roberto Marinho. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  18. «Globosat». Grupo Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  19. «Sobre a Globosat». Globosat. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  20. «O início da Globosat». Memória Roberto Marinho. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  21. Ivone Santana (21 de setembro de 2007). «Globosat se prepara para HD e novas instalações». Tela Viva. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  22. «Globosat completa 20 anos de mercado». Propmark. 24 de outubro de 2011. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  23. «Globosat guia de marcas». Globosat. 28 de Agosto de 2016. Consultado em 28 de Agosto de 2016. 
  24. «Sobre a G2C». Globosat Comercialização de Conteúdos. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  25. «G2C sucede a Net Brasil na representação e comercialização de conteúdos Globosat». Tela Viva. 30 de julho de 2012. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  26. Bárbara Sacchitiello (1 de agosto de 2012). «Globosat apresenta a empresa G2C». Meio&Mensagem. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  27. «ABTA: NET Brasil agora é G2C - Globosat Comercialização». TV Magazine. 30 de julho de 2012. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  28. «Quem Somos». Sky Brasil. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  29. «Globo lança TV paga por miniparabólicas». Mercados. Folha de S.Paulo. 31 de outubro de 1996. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  30. Agência Estado (25 de agosto de 2006). «Sky e DirecTV concluem fusão de negócios no Brasil». G1. Globo.com. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  31. John Lippman; Andy Pasztor (9 de abril de 2003). «News Corp. Nears $6 Billion Deal For Control of Hughes Electronics» (em inglês). The Wall Street Journal. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  32. Ben Rooney (16 de julho de 2014). «5 businesses Rupert Murdoch loved and lost». CNNMoney (em inglês). CNN. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  33. Samuel Possebon (31 de julho de 2002). «News Corp. assume controle da Sky no Brasil». Tela Viva. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  34. Taís Fuoco (7 de outubro de 2013). «News conclui negociação com Globo na Sky; sócios estudam novo aporte». Valor Econômico. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  35. Mauricio Araújo (22 de fevereiro de 2016). «2002: News Corporation assume o controle da SKY no Brasil». TV Magazine. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  36. «AT&T fecha a compra da DirecTV por US$ 49 bilhões». Veja. 24 de julho de 2015. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  37. «FCC aprova a compra da Sky/DirecTV. Agora, a AT&T vai ter que resolver o Brasil». TeleSíntese. 24 de julho de 2015. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  38. «Sky Brasil Serviços Ltda.». Junta Comercial do Estado de São Paulo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  39. «Sistema Globo de Rádio». Grupo Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  40. «Institucional». Sistema Globo de Rádio. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  41. «Sistema Globo de Rádio lança marca para seus canais de áudio». Tela Viva. 7 de agosto de 2013. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  42. «Rede CBN». CBN. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  43. «Afiliadas da Rádio Globo». Rádio Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  44. «Globo.com». Grupo Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  45. «Sobre a Globo.com». Globo.com. 28 de outubro de 2013. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  46. «Todos os Sites». Globo.com. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  47. «Globo.com Wi-Fi». Globo.com. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  48. «Como funciona». Oi WiFi. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  49. «globo.com Site Overview». Alexa Internet. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  50. Gustavo Gusmão (8 de maio de 2014). «Globo é primeira a conseguir domínio personalizado no Brasil». Info Exame. Exame. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  51. «Globo ganha autorização para usar domínio próprio na internet, o '.globo'». G1. Globo.com. 7 de maio de 2014. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  52. «Delegation Record for .GLOBO». IANA. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  53. «Rede Globo consegue registro do domínio personalizado ".GLOBO"». Canaltech. 7 de maio de 2014. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  54. «Quem Somos». Zap Imóveis. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  55. «Sobre nós». Editora Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  56. «Editora Globo». Grupo Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  57. Mariana Barbosa (27 de julho de 2010). «Editora Globo fecha parceria com Condé Nast, da revista "Vogue"». Mercado. Folha de S.Paulo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  58. «Os primeiros frutos da parceria Globo e Condé Nast». Meio&Mensagem. 7 de abril de 2011. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  59. Agência Estado (26 de julho de 2010). «Editora Globo anuncia parceria com editora da revista Vogue». Exame. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  60. «Sobre a Infoglobo». Infoglobo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  61. «Jornal "Valor Econômico" completa 15 anos neste sábado». Mercado. Folha de S.Paulo. 2 de maio de 2015. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  62. «Quem Somos». Globo Filmes. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  63. «Quem somos». Loja Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  64. «Som Livre». Grupo Globo. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  65. «Quem somos». Som Livre. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  66. «Som Livre relança 15 discos do acervo da RGE». Mercado. Folha de S.Paulo. 12 de outubro de 2006. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  67. «Após perda, a GEO Eventos pode ser incorporada a Som Livre». Exame.com. 11 de outubro de 2013. 
  68. Daniel Castro (29 de janeiro de 2014). «Operadora corta caloteiros e TV paga tem queda histórica». Notícias da TV. UOL. Consultado em 18 de junho de 2016. 
  69. «Americanas.com anuncia compra do Shoptime por R$ 126,7 mi». Agência Estado. Folha.com. 18 de agosto de 2005. Consultado em 9 de agosto de 2012. 
  70. «Americanas.com adquire TV Sky Shop por R$ 126,7 milhões». Folha.com. 19 de agosto de 2005. Consultado em 9 de agosto de 2012. 
  71. Edileuza Soares (19 de agosto de 2005). «Americanas.com compra Shoptime.com». Grupo Abril. Info Exame. Consultado em 9 de agosto de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias
Wikidata Base de dados no Wikidata