Orlando Fedeli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2008)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Orlando Fedeli (São Paulo, 7 de fevereiro de 1933 — São Paulo, 9 de junho de 2010) foi um historiador católico brasileiro e professor universitário. Foi fundador e presidente da Associação Cultural Montfort.

Nasceu em 1933, na cidade de São Paulo, filho de imigrantes italianos. Estudou no Colégio Dom Bosco, de padres salesianos, e no Colégio Nossa Senhora do Carmo, de irmãos maristas. Foi oficial da reserva do Exército, arma de infantaria pelo CPOR/SP. Em 1954, graduou-se em história na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, onde teve como professor Plínio Corrêa de Oliveira.

Participou durante trinta anos da organização Tradição, Família e Propriedade (TFP), que tem como fundador Plínio Corrêa de Oliveira. Mais tarde, saiu dessa entidade. Atacava, por pertinência, os "Arautos do Evangelho", pseudônimo da Associação Católica Internacional de Fiéis de Direito Pontifício, fundada Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, de quem foi professor e diretor espiritual, mas com quem rompeu mais tarde.

Era doutor em história pela Universidade de São Paulo. Seus escritos se posicionam contra o Concílio Vaticano II, a liberdade religiosa, o modernismo, o gnosticismo, a maçonaria e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Também escreveu sobre a Idade Média, da qual era admirador, e sobre o romantismo alemão, tema de sua tese de doutorado, o que o faz um dos poucos especialistas brasileiros no tema. Foi professor em escolas secundárias de São Paulo, além de ministrar aulas na PUC-SP e em Universidades do Canadá e dos Estados Unidos. Viajava por todo país, e algumas vezes ao exterior, ministrando aulas e palestras.

Trabalhava na defesa e promoção da Missa Tridentina, a qual recebeu renovado interesse após a publicação do motu próprio do Papa Bento XVI (Summorum Pontificum). Entre o final de 2004 e o começo de 2005, no meio das polêmicas sobre o uso de células-tronco embrionárias, recolheu mais de 150.000 assinaturas contra seu uso. No dia 26 de janeiro de 2005, entregou ao Papa João Paulo II, no Vaticano, uma placa representando as assinaturas.

Debateu com Hélio Bicudo sobre a pena de morte, com Olavo de Carvalho, com os representantes do Instituto Paulo VI de Brescia sobre o modernismo, com Felipe Aquino, membro da comunidade Canção Nova, e com Dom Estevão Bettencourt, monge beneditino. Era grande combatente da Teologia da Libertação, da Renovação Carismática Católica e do Ecumenismo, por isso criticava Leonardo Boff, Frei Betto, padre Marcelo Rossi e monsenhor Jonas Abib, entre outros.

Lançou quatro livros; o primeiro, Nos labirintos de Eco, é uma interpretação do famoso romance de Umberto Eco, O Nome da Rosa. Nele relacionou o romance passado na Idade Média com acontecimentos históricos desse período, com a história do século XX e com as relações de Umberto Eco com o escritor argentino Jorge Luis Borges. O segundo livro, Carta a um padre, é uma exposição e crítica das doutrinas que foram defendidas no Concílio Vaticano II. Nesse livro, Fedeli argumenta que as doutrinas dos teólogos do Vaticano II são derivadas da teologia modernista condenada pela Igreja Católica, principalmente pelo Papa São Pio X. Afirma ainda uma forte influência do pensamento heterodoxo no Concílio. "Antropoteísmo: a religião do homem" é um resumo das suas concepções sobre o esoterismo ao longo da história universal."No País das Maravilhas: a Gnose burlesca da TFP e dos Arautos do Evangelho", é uma crítica ao grupo católico-conservador Tradição Família e Propriedade, acusado por Orlando Fedeli de ser uma seita esotérica e promover um culto heterodoxo a Plínio Corrêa de Oliveira.

No Brasil, é considerado um dos principais líderes leigos do catolicismo tradicionalista, contra as posições de alguns setores da CNBB. A Associação Cultural Montfort é muito criticada devido a suas posturas consideradas radicais e fiéis aos ensinamentos tradicionais da Igreja.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Nos Labirintos de Eco. São Paulo: Veritas, 2005.
  • Carta a um Padre. São Paulo: Veritas, 2007
  • Antropoteísmo: a religião do homem. São Paulo: Editora Montfort, 2011.
  • No País das Maravilhas: a Gnose burlesca da TFP e dos Arautos do Evangelho. São Paulo: Editora Montfort, 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Catolicismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.