Os Sete de Chicago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Os Sete de Chicago, em inglês Chicago Seven (originalmente Chicago Eight, também Conspiracy Eight / Conspiracy Seven) foram sete réus - Abbie Hoffman, Jerry Rubin, David Dellinger, Tom Hayden, Rennie Davis, John Froines e Lee Weiner - acusados pelo governo dos Estados Unidos de conspiração, incitação a revolta e outras acusações relacionadas a protestos contraculturais e contra a Guerra do Vietnã ocorridos em Chicago, Illinois, por ocasião da Convenção Nacional Democrata de 1968. Bobby Seale, o oitavo homem acusado, teve seu julgamento interrompido durante o processo, diminuindo o número de réus de oito para sete. Seale foi condenado a quatro anos de prisão por desacato ao tribunal, embora essa decisão tenha sido revertida posteriormente. Depois de um julgamento federal que resultou em absolvições e condenações, seguido de apelações e reversões, alguns dos sete acusados foram finalmente condenados, embora todas as condenações tenham sido revertidas.[1]

Circunstâncias[editar | editar código-fonte]

A Convenção Nacional Democrata de 1968 foi realizada em Chicago no final de agosto para selecionar os candidatos do partido para a eleição presidencial de novembro de 1968. Antes e durante a convenção - que aconteceu no International Amphitheatre -, manifestações, marchas e tentativas de marchas aconteceram nas ruas e nos parques à beira do lago, a cerca de oito quilômetros do local da convenção. Essas atividades foram realizadas principalmente em protesto às políticas do presidente Lyndon B. Johnson para a Guerra do Vietnã, políticas que foram vigorosamente contestadas durante a campanha primária presidencial e dentro da convenção.

Grupos antiguerra pediram à prefeitura de Chicago que autorizasse a marcha de oito quilômetros partindo do distrito comercial central (o Chicago Loop) até o local da convenção, para realizar uma série de comícios nos parques à beira do lago e também perto da convenção, e acampar no Lincoln Park. A prefeitura negou todas as permissões, exceto por uma tarde de reunião na velha concha acústica na extremidade sul do Grant Park. A cidade também impôs um toque de recolher às 11 horas no Lincoln Park. Confrontos com os manifestantes se seguiram à medida que a polícia reforçou o toque de recolher, interrompeu as tentativas de marchar para o International Amphitheatre e retirou multidões das ruas.

O comício do Grant Park na quarta-feira, 28 de agosto de 1968, contou com a participação de cerca de 15.000 manifestantes; outras atividades próximas envolveram centenas ou milhares de manifestantes. Após o grande comício fora do local, vários milhares de manifestantes tentaram marchar para o International Amphitheatre, mas foram parados em frente ao Conrad Hilton Hotel, onde os candidatos à presidência e suas campanhas estavam sediados. A polícia trabalhou para empurrar os manifestantes para fora da rua, usando gás lacrimogêneo, confrontos verbais e físicos e cassetetes para espancar pessoas; os manifestantes retaliaram atirando pedras e garrafas e danificando propriedades comerciais privadas. A polícia fez dezenas de prisões. As redes de televisão transmitiram imagens desses confrontos violentos , cortando os discursos de indicação dos candidatos à presidência.

Ao longo de cinco dias e noites, a polícia fez inúmeras detenções, além de usar gás lacrimogêneo, spray e bastões nos manifestantes.[2]Centenas de policiais e manifestantes ficaram feridos. Dezenas de jornalistas cobrindo as ações também foram espancados pela polícia ou tiveram câmeras destruídas e filmadas confiscadas. No rescaldo do que mais tarde foi caracterizado como um "conflito policial" pela Comissão Nacional das Causas e Prevenção da Violência dos EUA,[3] um júri federal indiciou oito manifestantes e oito policiais.

Júri e acusação formal[editar | editar código-fonte]

Após a convenção de 9 de setembro de 1968, um júri federal foi convocado para considerar as acusações criminais. O grande júri concentrou-se nos possíveis motivos para acusações em quatro áreas:

  • Uma conspiração dos manifestantes para cruzar as linhas estaduais e incitar distúrbios;
  • Violações da polícia dos direitos civis dos manifestantes pelo uso de força excessiva;
  • e violações da rede de TV das leis federais de escuta.

Ao longo de mais de seis meses, o júri se reuniu 30 vezes e ouviu cerca de 200 testemunhas. O procurador-geral do presidente Lyndon Johnson, Ramsey Clark, desencorajou uma acusação, acreditando que a violência durante a convenção foi causada principalmente pelo mau uso dos protestos pela polícia de Chicago. O grande júri retornou as acusações somente depois que o presidente Richard Nixon assumiu o cargo e John Mitchell assumiu a Procuradoria Geral. Em 20 de março de 1969, oito manifestantes foram acusados ​​de vários crimes federais e oito policiais foram acusados ​​de violações dos direitos civis.

Os oito réus ​​foram acusados ​​de acordo com as disposições antirrevolta do Civil Rights Act de 1968, que tornou um crime federal atravessar fronteiras estaduais com a intenção de incitar revolta.[4]

Os Oito de Chicago foram acusados de três tipos de crimes:

  • Que todos os oito réus teriam conspirado (junto com outros 16 co-conspiradores que não foram indiciados) para cruzar fronteiras estaduais para incitar uma revolta ,ensinar a fabricação de um dispositivo incendiário, e cometer atos para impedir os policiais em seus deveres legais.
  • David Davidinger, Rennie Davis, Tom Hayden, Abbie Hoffman, Jerry Rubin e Bobby Seale teriam cruzado individualmente as fronteiras estaduais para incitar uma revolta.
  • John Froines e Lee Weiner instruíram outras pessoas na construção e uso de um dispositivo incendiário. Os 16 supostos co-conspiradores que evitaram a acusação foram: Wolfe B. Lowenthal, Stewart E. Albert, Sidney M. Peck, Kathy Boudin, Corina F. Fales, Benjamin Radford, Thomas W. Neumann, Craig Shimabukuro, Bo Taylor, David A Baker, Richard Bosciano, Terry Gross, Donna Gripe, Benjamin Ortiz, Joseph Toornabene e Richard Palmer.[5]

Referências

  1. «Chicago Seven». HISTORY (em inglês) 
  2. 1932-, Schultz, John, (2009). No one was killed : the Democratic National Convention, August 1968. Chicago: University of Chicago Press. ISBN 9780226740782. OCLC 256533989 
  3. «U.S. STUDY SCORES CHICAGO VIOLENCE AS 'A POLICE RIOT'; Says Many Officers Replied to Taunts in August With Unrestrained Attacks» (em inglês) 
  4. «AllPolitics - Democratic National Convention». www.cnn.com. Consultado em 26 de novembro de 2018 
  5. User, Super. «Testimony of Philip David Ochs». famous-trials.com (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2018 
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.