Oscar Maroni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde abril de 2013). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo.
Oscar Maroni
Nome completo Oscar Maroni Filho[1]
Conhecido(a) por Proprietário do 'Bahamas Hotel Club'.
Nascimento 27 de janeiro de 1951 (68 anos)
Jundiaí[2]
Nacionalidade  Brasil
Filho(s) Aritana (16/11/1978)
Aruã (09/05/1982)
Aratã (17/02/1987)
Acauã (21/01/1989)
Ocupação Empresário, psicólogo, editor e promoter

Oscar Maroni Filho (Jundiaí, 27 de janeiro de 1951) é um empresário e psicólogo brasileiro.[3] Ele é mais conhecido por ser dono de uma casa de prostituição na cidade de São Paulo, chamada "Bahamas Night Club", bem como por suas recorrentes polêmicas.[4]

Atua nas áreas de entretenimento adulto, pecuária e hotelaria. É o editor das revistas Penthouse e Hustler, e promoter de "Showfight" (eventos de artes de combate)

Histórico[editar | editar código-fonte]

À frente o Bahamas Hotel Club, centro de entretenimento para adultos. Logo atrás o Oscar's Hotel para executivos. Empresas distintas.

O Oscars World ou o mundo do Maroni é composto pelas seguintes empresas: dois hotéis situados a menos de 600 metros do Aeroporto de Congonhas, chamados "Bahamas Hotel Club" dedicado ao entretenimento para adultos e o outro hotel, que é totalmente independente do primeiro citado, é um hotel para executivos. - o Oscar's Hotel.

Uma fazenda em Araçatuba, dedicada à pecuária de corte, seleção de gado da raça nelore e seleção de cavalos quarto de milha. Promoter da Showfight, evento de arte de combate e do energético Showfight. Proprietário dos direitos de distribuição das revistas Hustler e Penthouse no Brasil.

Maroni frequentemente aparecia em público com um animal de estimação nos braços: um cachorro da raça maltês chamado de Docinho.[5][6]

Carreira & perfil[editar | editar código-fonte]

Antes de se tornar um empresário no ramo de entretenimento para adultos em São Paulo, formou-se em psicologia e teve seu próprio consultório durante cinco anos.

Começou sua vida profissional em um trailer, vendendo alimento aos alunos da faculdade cachorro quente.[2] Estudava à tarde e revezava com a sua ex-namorada Marisa, a qual se tornaria sua futura esposa. Hoje estão separados e têm 4 filhos.

Oscar Maroni Filho é também conhecido pelo seu jeito extrovertido e falastrão.[4] Em sua última entrevista ao programa Pânico, afirmou que manteve relações sexuais com mais de 2.000 mulheres. Também já foi destaque em diversas revistas e programas de entrevistas e se orgulha de já ter participado de quase todos os programas de televisão e vários da rádio. É uma exótica pessoa pública.

Com a queda do avião da TAM em 2007, em que morreram 199 pessoas, a vida de Maroni, segundo ele, se tornou um caos, pois foi preso por ser o dono do Bahamas Club, o que viralizou pela internet. Inicia-se nessa época uma perseguição declarada da Prefeitura de São Paulo contra o Bahamas Hotel Club e o empresário.[7] O Senhor subprefeito da regional da Vila Mariana, Fábio Lepic assumiu pra si o direito de julgar o que já havia sido transitado em julgado por desembargadores da 4º Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo e que é jurisprudência nas revistas dos tribunais do Jure - 817 novembro 2003 nonagésimo 2 ano. E também distorceram uma entrevista dada por Maroni ao repórter Roberto Cabrini, afirmando algo que Maroni diz não ter dito, qual seja, que o Bahamas Hotel Club seria uma casa de prostituição de luxo. O juiz da 5º Vara criminal Dr. Brandão pede à TV Bandeirantes a fita bruta e a editada e solicita à um perito criminal a degravação, constatando-se oficialmente a distorção dos fatos, pois na verdade a frase dita por Maroni é que "Bahamas Club é frequentado também por prostitutas de luxo", o que não é ilegal. Começa aí uma batalha jurídica, com Maroni sendo denunciado por casa de prostituição, facilitação à prostituição e tráfico de mulheres, contudo, sai absolvido ao final.[8] Os desembargadores dão provimento ao recurso de apelação apresentado por Oscar Maroni Filho para com fundamento no artigo 386, inciso III do Código do Processo Penal, absolve-lo da imputação feita na denúncia. Tal artigo significa que o fato não constitui em infração penal.

Em 2008, foi candidato a vereador pelo município de São Paulo, em uma campanha polêmica para provocar o então prefeito Gilberto Kassab.[9] Não foi eleito.[10]

Em 2009, o jornalista paulistano Daniel Barbosa, escreveu o livro-reportagem: "Oscar: uma crônica maroniana", que aborda fatos da biografia do empresário.[11]

No dia 14 de setembro de 2014, entrou para a sétima temporada do reality show A Fazenda, da Rede Record[12]. E em 02 de outubro de 2014, foi o primeiro eliminado do programa.[13]

Em 2018, Maroni distribuiu cerca de 9 mil latas de cerveja em frente ao Bahamas Club, como forma de comemoração pela prisão do ex-presidente Lula[14]. Cerca de 3 mil pessoas se reuniram no local, que se transformou num evento com o staff da casa (que estava fechada para reformas), com garçons, seguranças, assessores e um DJ. No palco montado em frente ao Bahamas foi montado uma espécie de altar com fotos dos juízes Cármen Lúcia, do STF, e Sergio Moro, responsável pela Lava-Jato. Com um microfone e usando uma fantasia listrada remetendo a um presidiário, Maroni dançou, cantou e comandou a multidão. Uma stripper se exibiu[15], enquanto os presentes comoravam, festejavam e entoavam o Hino Nacional[16].

Bahamas Hotel Club[editar | editar código-fonte]

O empresário Oscar Maroni é proprietário do Bahamas Hotel Club, que fica localizado na Rua dos Chanés nº 571, Moema, São Paulo, Brasil. O local comumente é frequentado por casais liberais, homens, mulheres e mulheres profissionais. O Bahamas possui diversas opções de entretenimento para adultos que variam de shows, balneário completo com sauna mista, restaurante executivo com cardápio variado, American bar e também conta com 23 suítes luxuosas para encontros íntimos.

O Bahamas foi interditado pela Prefeitura em 2007, sob a afirmação de que o estabelecimento não estava licenciado e que não tinha Certificado de Acessibilidade e Certificado de Manutenção do Sistema de Segurança.[17] Acusado pelo Ministério Público de favorecimento e exploração da prostituição, formação de quadrilha e tráfico de pessoas, Maroni foi julgado em 2011 em primeira instância, e condenado a pena de 11 anos e 8 meses de prisão. Ele ficou preso entre 14 de agosto e 2 de outubro de 2007, mas saiu do Distrito Policial da Casa Verde graças a um habeas corpus[18], recorrendo em liberdade.

Em junho de 2012, a Justiça de São Paulo negou liminar que permitiria a reabertura da boate. Mas no ano seguinte, a Justiça inocentou Maroni dos crimes ligados à prostituição. Os desembargadores do Tribunal de Justiça entenderam que, embora prostitutas frequentassem o Bahamas, ele não se caracterizava como casa de prostituição.[19] O Bahamas foi reaberto em 16 de setembro de 2013, com licença para "hotel" e "serviços pessoais e estéticos". Uma das exigências da licença era que a casa não oferecesse shows. Entretanto, Maroni disse que performances e shows sensuais seriam realizados no palco da casa. A administração municipal confirmou na ocasião que havia a ressalva na licença de que o uso do restaurante deveria ser exclusivo aos hóspedes do hotel, e que também estava vedado o uso do estabelecimento para pista de dança e shows.

O Bahamas Hotel Club recebe, na época da Fórmula 1 na cidade de São Paulo, em média cerca de 400 clientes diários, entre eles pessoal de algumas escuderias famosas, e com isso organizavam shows eróticos com garotas de programas que usavam o tema baseado no evento automobilístico.[20] Bahamas Hotel Club após ter ganhado na justiça a dois anos está em pleno funcionamento. É um sucesso na noite paulistana e é considerado um dos maiores e mais sofisticados estabelecimentos do ramo no Brasil.[carece de fontes?]

A polêmica do Oscar's Hotel[editar | editar código-fonte]

Imagem que mostra a proximidade da edificação junto aos sinalizadores do Aeroporto de Congonhas mas o que ocorre é uma ilusão de ótica. O próprio COMAR (Comando da Aeronáutica) ao analisar a localização do Hotel e a Proximidade do Aeroporto de Congonhas constata que não apresenta risco nem para o prédio, nem para os frequentadores ou ao aeroporto e que a obra foi executada segundo o gabarito de altura da Aeronáutica).

Oscar Maroni construiu o Oscar´s Hotel de 11 andares, considerado por revista especializada uns dos 15 mais luxuosos hotéis do Brasil, localizado na Rua dos Chanés nº 621, a 600 metros de uma das cabeceiras da pista do Aeroporto de Congonhas. O prédio fica ao lado do Bahamas que são empresas diferentes.

Após o acidente com o Voo TAM 3054, o até então prefeito da cidade de São Paulo Gilberto Kassab, cassou o alvará de aprovação e construção do hotel, alegando que o hotel colocava em risco as aeronaves e reduzia o tamanho da pista.[6] Além disso criou condições para que Maroni fosse preso, pois na época o atual prefeito estava candidato à Prefeitura e se aproveitou desse acidente para estudar uma hipótese de demolir o Oscar´s Hotel anexo a Bahamas Hotel Club e a desmoralização do empresario Maroni com isto criando condições eleitoreiras[5]. Maroni protestou durante a interdição do hotel, dizendo ser usado como "bode expiatório" e chamando a medida de Kassab de "eleitoreira"[21].

Em contrapartida, o COMAR reanalisou a estrutura e sua localização e chegou a conclusão de que o Oscar´s Hotel estava dentro dos padrões exigidos no inicio da obra e aprovados para a sua construção de edificação na área do Aeroporto de Congonhas e sendo assim não haveria porque demolir o prédio. Oscar Maroni ganhou os processos na justiça, com a defesa dos seus Advogados Dr. Leonardo Panta Leão, Dr. Vagner Cosenza e Dr. Jose Thalles Solon de Mello. E agora seus advogados recorrem na justiça por indenizações que podem chegar aproximadamente em R$ 160.000.000,00 a 200.000.000,00 em processos por danos,

Aritana Maroni[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Aritana Maroni

Aritana Vaccari Maroni[22] (São Paulo, 16 de novembro de 1978) é uma empresária e cozinheira brasileira.[23][24] Aritana é a primogênita da família Maroni, formada ainda por três homens: Aruã, Aratã e Acauã. Os nomes foram inspirados na telenovela Aritana, exibida pela Rede Tupi em 1978. "Aritana na novela era um personagem homem. Mas, na língua indígena, o nome significava ser guerreiro, ter poder. Eu usei para batizar minha primeira filha", contou Oscar Maroni.[25]

Apaixonada por gastronomia, ela sempre ajudou sua avó na cozinha quando seus pais viajavam e tinha que cuidar de seus irmãos. Conhece bastante de carne, já que seu pai cria gado para corte. Em 2015, entrou para a segunda temporada do talent show culinário MasterChef Brasil, sendo a décima segunda eliminada. Após quase perder a estreia da filha no programa, Oscar fez uma declaração que chamou atenção: "Eu estava na 'suíte 21' com duas mulheres, na hora minha fisiologia brochou".[26]

No ano de 2017, entra para a nona temporada do reality show rural A Fazenda, o mesmo em que seu pai participou em 2014. Aritana foi sétima eliminada, no 52º dia de confinamento. A roça foi recorde de votos do programa, onde Aritana obteve 41,89% dos votos para ficar mas acabou sendo eliminada por Flávia Viana, mais tarde vencedora da edição.[27]

Vida pessoal

É casada e possui um casal de filhos, Igor e Manuela.[23]

Referências

  1. «Oscar Maroni sai da prisão e admite processar ex-namorada». São Paulo: G1. 20 de julho de 2009 
  2. a b Fábio Brisola; Edison Veiga (18 de setembro de 2009). «Oscar Maroni é acusado de formação de quadrilha e tráfico de mulheres». Veja São Paulo 
  3. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais - Perfil». Tribunal Superior Eleitoral 
  4. a b Fábio Bittencourt (13 de setembro de 1999). «Empresário do prazer». São Paulo: IstoÉ Gente 
  5. a b Roney Domingos (31 de julho de 2007). «Dono do Bahamas é intimado a pedir demolição de hotel». São Paulo: G1 
  6. a b «Desafeto de Kassab, Maroni pode integrar coligação». Portal Terra. 8 de junho de 2008 
  7. «Dono da boate Bahamas, Oscar Maroni volta a ser preso em São Paulo». Folha de S.Paulo. 15 de julho de 2009 
  8. Carolina Farias (16 de janeiro de 2009). «Justiça considera que Bahamas não é casa de prostituição e absolve Oscar Maroni». Folha de S.Paulo 
  9. Walter Nunes (26 de setembro de 2008). «Eu quero incomodar"». Revista Época 
  10. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais - Resultados». Tribunal Superior Eleitoral 
  11. Blog Opiofagia (20 de junho de 2010). Fragmentos de uma crônica - trechos do 4º capítulo do livro "Oscar: uma crônica maroniana". Página visitada em 21 de julho de 2010.
  12. «Oscar Maroni, o "empresário do sexo", estará em "A Fazenda 7″». IG. 25 de agosto de 2014 
  13. «Com 59% dos votos, empresário deixou a sede de "A Fazenda 7″». IG. 3 de outubro de 2014 
  14. «Vestido de irmão Metralha, Maroni distribui 9.000 cervejas para festejar prisão de Lula». Folha de S.Paulo. 6 de abril de 2018 
  15. «"Quero posar nua", diz stripper da festa de Oscar Maroni pela prisão de Lula». Marie Claire 
  16. «Oscar Maroni cumpre 'promessa' e distribui cerveja após pedido de prisão de Lula - São Paulo - Estadão». Estadão 
  17. Roney Domingos (3 de agosto de 2007). «Bahamas é interditado com distribuição de pizzas». São Paulo: G1 
  18. «Boate Bahamas reabre com licença para 'hotel e serviços pessoais'». São Paulo. 20 de setembro de 2013 
  19. «Justiça inocenta Oscar Maroni de crimes ligados à prostituição». São Paulo. 9 de abril de 2013 
  20. Roney Domingos (18 de outubro de 2007). «Fora da F1, Bahamas perde R$ 200 mil reais». São Paulo: G1 
  21. «G1 > Edição São Paulo - NOTÍCIAS - Dono do Bahamas provoca Kassab durante interdição de hotel». g1.globo.com. Consultado em 26 de abril de 2018 
  22. «Entrevista com Aritana Maroni». DebbyMian. 23 de setembro de 2015 
  23. a b «No 2º episódio do 'MasterChef', filha de famoso e adolescente são classificadas». O Dia. 27 de maio de 2015 
  24. Tatiana Izquierdo (10 de junho de 2015). «"Ela não cozinha aqui comigo", diz chef do Bahamas, sobre Aritana». Veja SP 
  25. Tatiana Izquierdo (6 de agosto de 2015). «Aritana: "Meu pai sempre cobrou muito e isso me fez mais forte"». Veja SP 
  26. «Oscar Maroni troca ménage por estreia da filha no 'MasterChef'». F5. 20 de maio de 2015 
  27. Fabrício Falcheti (3 de novembro de 2017). «"A Fazenda": Aritana é eliminada com participação recorde do público». NaTelinha 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]