Oscar de melhor canção original

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Oscar de Melhor Canção Original
Apresentação Academia de Artes e Ciências Cinematográficas
País  Estados Unidos
Primeira cerimónia 1935
Detentor Jimmy Napes e Sam Smith – "Writing's on the Wall" (SPECTRE)
Sítio oficial

O Oscar de melhor canção original é um prêmio dado anualmente pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos da América. A categoria de melhor canção original foi introduzida na sétima cerimônia de entrega dos prêmios Oscar, que honrou as melhores produções cinematográficas do ano de 1934. Atualmente, as indicações são feitas por compositores e letrista que são membros da Academia, e os vencedores são escolhidos por todos os membros desta.

A categoria[editar | editar código-fonte]

Quem recebe os prêmios são os compositores de uma canção escrita especificamente para um filme. Logo, é o compositor que recebe a indicação, e não o intérprete; a não ser que este último tenha contribuido no processo de composição da música, da letra, ou de ambas as partes da canção indicada. Vale notar também que as regras da Academia permite que no máximo três compositores sejam indicados. Na septuagésima nona cerimônia de premiação, por exemplo, Beyoncé Knowles não foi indicada por seu trabalho na composição de "Listen", canção escrita com outros três músicos.

O requisito "original"[editar | editar código-fonte]

Somente canções originais e escritas especificamente para um filme são elegíveis à premiação.[1] Canções que foram publicadas antes da produção de um filme e inicialmente sem nenhuma relação direta com tal filme, como por exemplo Unchained Melody no filme Ghost e I Will Always Love You no filme de 1992, The Bodyguard, não são qualificadas para concorrer a premiação do Oscar. Em adição, canções que dependem de motivos, ou materiais, extraídos de músicas já pré-existentes, tal como Gangsta's Paradise no filme de 1995, Dangerous Minds e Keep Holding on no filme de 2006, Eragon também são inelegíveis.

Quando um filme for adaptado de um musical dramático (musical da Broadway, por exemplo) lançado previamente ao filme, todas as canções adaptadas da versão do teatro musical serão inelegíveis. Assim sendo, a maioria das produções cinematográficas mais recentes que foram adaptadas de peças teatrais musicais incluíram canções originais para que o filme pudesse ser nomeado ao prêmio da Academy, como You Must Love Me no filme de 1996, Evita e Listen, Love you I do e Patience no filme de 2006, Dreamgirls.

Vencedores e indicados[editar | editar código-fonte]

Década de 1930[editar | editar código-fonte]

  • 1935: "The Continental"The Gay Divorcee • música: Con Conrad • letras: Herb Magidson
    • "Carioca" – Flying Down to Rio • música: Vincent Youmans • letras: Edward Eliscu e Gus Kahn
    • "Love in Bloom" – She Loves Me Not • música: Ralph Rainger • letras: Leo Robin

Década de 1940[editar | editar código-fonte]

Década de 1950[editar | editar código-fonte]

  • 1954: "Secret Love"Calamity Jane • música: Sammy Fain • letras: Paul Francis Webster
    • "The Moon Is Blue" – The Moon Is Blue • música: Herschel Burke Gilbert • letras: Sylvia Fine
    • "My Flaming Heart" – Small Town Girl • música: Nicholas Brodzsky • letras: Leo Robin
    • "Sadie Thompson's Song (Blue Pacific Blues)" – Miss Sadie Thompson • música: Lester Lee • letras: Ned Washington
    • "That's Amore" – The Caddy • música: Harry Warren • letras: Jack Brooks

Década de 1960[editar | editar código-fonte]

Década de 1970[editar | editar código-fonte]

Década de 1980[editar | editar código-fonte]

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

Década de 2000[editar | editar código-fonte]

Década de 2010[editar | editar código-fonte]

Mulheres vencedoras[editar | editar código-fonte]

  • Dorothy Fields foi a primeira cancionista feminina a receber o Oscar de melhor canção original do filme de 1936. Ela escreveu a letra da música que ganhou o Oscar de melhor canção original, The Way you Look Tonight (música de Jerome Kern) cantada por Fred Astaire no filme Swing Time. Demorou mais 32 anos antes que uma segunda mulher fosse honrada novamente nesta categoria.
  • Marilyn Bergman, co-escreveu junto a seu marido, Alan, a letra para "Windmills of Your Mind" (música de Michel Legrand) do filme The Thomas Crown Affair , em 1968.

Outras mulheres que ganharam desde então:

  • Barbra Streisand ("Evergreen" de A Star Is Born) em 1977.
  • Carole Bayer Sager ("Arthur's Theme (Best That You Can Do)" de Arthur) em 1982.
  • Buffy Sainte-Marie ("Up Where We Belong" de An Officer and a Gentleman) em 1983.
  • Irene Cara ("Flashdance... What a Feeling" de Flashdance) em 1984.
  • Carly Simon ("Let the River Run" de Working Girl) em 1989.
  • Annie Lennox ("Into the West" de The Lord of the Rings: The Return of the King) em 2004.
  • Melissa Etheridge ("I Need to Wake Up" de An Inconvenient Truth) em 2007.
  • Markéta Irglová ("Falling Slowly" de Once) em 2008.
  • Adele ("Skyfall" de Skyfall) em 2013.
  • Kristen Anderson-Lopez ("Let It Go" de Frozen) em 2014

Em 1988, Carly Simon se tornou a primeira mulher trabalhando sozinha que vence este prêmio. Sua posição foi compartilhada quando Melissa Etheridge ganhou em 2006.

Vencedores em outros idiomas[editar | editar código-fonte]

  • Manos Hadjidakis foi o primeiro artista a receber um prêmio por uma canção que foi originalmente escrita numa língua estrangeira (outra que o Inglês), em 1960, pela canção Ta Paidia tou Piraia do filme grego Pote Tin Kyriaki.
  • Jorge Drexler foi o segundo músico de idioma estrangeiro a ganhar o Oscar de melhor canção original por Al Otro Lado del Río do filme Diarios de Motocicleta em 2004.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

(em inglês)